sábado, 29 de setembro de 2012

Pancadaria rola solta

POR GABRIELA SCHIEWE

REGRAS E MAIS REGRAS - Na semana passada, escrevi brevemente aqui no blog sobre UFC, aqui para nós conhecido como Vale Tudo.

Hoje fui questionada na mesa de almoço acerca das regras deste "esporte". Na verdade, resumidamente, não pode dedo no olho e golpes nas partes íntimas. O vencedor será declarado aquele que conseguir "destruir" o seu oponente no decorrer dos 3 ou 5 rounds (dependendo da disputa), em que 03 juízes darão seus vereditos ou, ainda, quando um dos lutadores bater 3 vezes no chão (famoso jogar a toalha).

Como declarei anteriormente, gosto muito de assistir Vale Tudo, isso já alguns anos, adorava ver o "Tank" lutar. No entanto não posso concordar que se trate de um esporte educativo; que quem pratica essa modalidade aprende que só se "briga" no octógono, na rua se age com passividade.

EDUCAÇÃO TRANSFIGURADA - Gente, como uma criança que está recebendo os ensimanentos da vida para construir o seu caráter, assistindo essa pancadaria, como foi a última luta em que o Vitor Belfort (mais uma vez) ficou desfigurado, escorrendo sangue, poderá absorver isso como sadio. E essa criança conseguirá distinguir que isso só faz ali dentro, nas ruas não é bacana. Se o cara sai com aquela cara toda destruída dizendo que foi ótimo.

E, não de vez em quando, vemos nos noticiários, lutadores de MMA que "aprontaram" alguma. Violência gera violência. A pessoa tem que ter uma cuca muito, mas muito boa mesmo, para passar o dia inteiro, todos os dias, praticando atos violentos, de estar batendo em outrem e todo esse processo não afetar o seu cotidiano.

Precisamos rever nossos conceitos do que realmente é esporte. Estamos voltando aos tempos bárbaros, aos gladiadores que lutavam até a morte, aos homens das cavernas (mas esses, ao menos, tinham um objetivo válido: comida).

Coloco o meu gosto de lado, em prol de todos, pois a cada dia vejo crianças mais violentas, se transformando em jovens dessocializados e adultos exasperados.

FINAL FUTSAL - Krona saiu derrotada do primeiro jogo da final da Liga Nacional de Futsal. Segunda-feira jogará fora de casa, tendo que vencer no tempo normal e na prorrogação para se sagrar campeão.

Time para isso possui, no entanto se as peças trabalharem por si só, sem referenciar o coletivo, serão apenas e tão somente ótimos atletas isoladamente sem a existência de uma equipe.

Quem ganha jogo é o time que se forma com as peças certas se encaixando entre si e, quando isso ocorrer, estas se destacarão isoladamente, o contrário já não se materializa.

Desde o último jogo em que as peças abandonaram o seu tabuleiro, o jogo se perdeu e o time? Onde? Cadê? Foco, determinação, vontade, técnica e tática, todos estes fatores são determinantes, sem qualquer excessão ou, senão...Campeão...hummmm, sei não

Alguém já ouviu falar que "uma andorinha não faz verão"?

Fica a dica.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Chuva na cara





Cavaletes tem se convertido nos grandes vilões desta campanha, o eleitor / cidadão externa pouca paciência com os candidatos que utilizam cavaletes em calçadas, cruzamentos, próximos a pontos de ônibus ou de placas de transito



E o porco pensa que é um salva-vidas

POR ET BARTHES
O filhote de cabrito estava se afogando. E o porquinho entrou na água para tirar o coitado. O ato de "heroísmo" é um dos filmes mais vistos no Youtube.


Em Joinville, não há doentes!


POR GUILHERME GASSENFERTH

Comemore, joinvilense! Aqui a saúde não tem problemas! Viva!

Já em Florianópolis as coisas não vão bem. É um problema. Aqui em Joinville, o governo estadual mantém um hospital para cada 171 mil habitantes (que coincidência este 171!). Em Floripa, tem um hospital do governo estadual para cada 61 mil habitantes. Só pode significar uma coisa: os florianopolitanos adoecem três vezes mais!

Veja só, cidadão joinvilense. Afeitos que somos a uma estatisticazinha, fomos ao site do IBGE Cidades@ e pesquisamos dados relativos à saúde em 2009 (último dado disponível). Sabem qual o resultado? Floripa é uma cidade cheia de doentes. Sim, senhores. Vamos às provas?

Em Joinville, o governo do estado mantinha, segundo dados do IBGE de 2009, dois estabelecimentos de saúde. Em Florianópolis, segundo o IBGE, eram 14. “Ah, mas número de estabelecimentos não quer dizer nada”. É verdade, o número de hospitais sozinho não diz nada. Vamos verificar o número de leitos, então?

Leitos mantidos pelo governo estadual, em 2009, na capital: 945.
Leitos mantidos pelo governo estadual, em 2009, em Joinville: 414. Êta população resistente a doença!

“Mas Guilherme”, você pode estar pensando, “em Floripa tem São José ali grudadinho”. Verdade, que injustiça a minha. Vamos refazer os cálculos considerando São José.

Leitos mantidos pelo governo estadual, em 2009, na capital: 945.
Leitos mantidos pelo governo estadual, em 2009, em Joinville: 414.
Leitos mantidos pelo governo estadual, em 2009, só em São José: 663. Meu Deus, quanto doente!

Se nós formos contabilizar as 22 cidades que compõem a região metropolitana de Florianópolis e as 20 cidades da região metropolitana de Joinville, o número de leitos na região de Floripa permanece em 1.608, e em Joinville sobe para 454 leitos, graças à adição de 40 leitos mantidos pelo governo catarinense em Mafra. Considerando que a região metropolitana de Joinville tem 1.094.570 habitantes e a de Florianópolis 1.012.831 habitantes, é possível chegar ao seguinte índice:

Na região de Florianópolis: um leito mantido pelo governo estadual a cada 630 cidadãos.
Na região de Joinville: um leito mantido pelo governo estadual a cada 2.411 cidadãos!

Resultado óbvio: em Joinville, tem quatro vezes menos pessoas doentes! Iupiii! Eu sempre soube que essa chuvarada tinha que servir pra algo de bom!

JÁ BASTA!

Agora, falando sério. Pensei que iam mudar as coisas. Na semana passada foi lançado um Pacto por SC na área da saúde. Achei louvável. O governo de SC anunciou a construção de 150 leitos no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt e investimento em equipamentos. Na verdade, isto foi o que me motivou a escrever o texto, inicialmente elogiando a iniciativa do governo de Raimundo Colombo. Meus pensamentos elogiosos duraram pouco. Quando fui pesquisar mais a fundo, caíram por terra.

Quando li os slides da apresentação do Pacto por SC, fiquei boquiaberto com a enorme diferença de investimentos em Floripa e Joinville. Desconsiderando investimentos em maternidades (que não foram especificados na apresentação), Florianópolis e São José somaram investimentos da ordem de R$ 178 milhões, enquanto Joinville amargou R$ 33,2 milhões. Sim, cinco vezes e meia de recursos a menos.

Enquanto serão construídos 379 leitos em Floripa e São José, em Joinville serão 150. Floripa e São José ganharão 83 novas UTIs. E Joinville, ZERO. Floripa e São José terão novas 14 salas cirúrgicas. E Joinville, ZERO!

No início da semana, o Brasil viu as imagens do atropelamento da mãe com dois filhos, gravada por câmeras de segurança. E após a exibição do vídeo em vários telejornais de rede nacional, a mensagem: "a mãe foi enviada a um hospital de Jaraguá do Sul POR FALTA DE UTIs em Joinville". Desumano com a mãe, vergonhoso pra Joinville.

Até quando mereceremos viver este descaso? Quando é que a população joinvilense vai levantar-se e pedir por seus interesses? Quando teremos um eleitorado unido que irá desembainhar a espada da mudança, atacando a inércia de sucessivos governos estaduais?

Joinvilense, você deve fazer algo. Chega de ficar parado! Compartilhe estas informações. Faça chegar ao ouvido do maior número de pessoas para que todos saibam como nossa querida cidade é destratada pelo governo do estado que ela própria ajuda, em muito, a sustentar. E cobre dos governantes. Já chega de Joinville ZERO.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Um tornado de fogo?

POR ET BARTHES
Você já deve ter vito um tornado. Mas provavelmente não como este filmado na Austrália. Porque foi um tornado de fogo. É uma visão impressionante. Perigosa, mas ainda assim muito bonita.


Pesquisa Estimulada


O superclari

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

Se tem um fato que chama a atenção nestas eleições, tirando a falta de propostas, é a manutenção de Clarikennedy Nunes no topo das pesquisas, desde quando seu nome aparecia como uma candidatura consolidada. A esta manutenção podemos atribuir valores "especiais" (ou seriam divinos?) a ponto de termos o surgimento de um Superclari, comparado aos mais diversos superherois dos quadrinhos.

Além de não ter um partido encorpado (o PSD é uma aberração filosófica que abrigou vários políticos descontentes em seus partidos de origem, os quais acharam uma brecha legal para trocarem de partido sem perderem os seus mandatos), o deputado-candidato encontra poucos apoiadores, principalmente se levarmos em conta os principais nomes do partido.

Ou alguém acha que Odir Nunes pede voto para o Clari? Darci de Matos? E o governador Raimundo Colombo? Este último está torcendo para dar Udo... alguém duvida? É também um dos candidatos que menos tem tempo de TV (ganha apenas para Leonel Camasão).

Estes números sólidos de Clarikennedy não se devem a suas propostas (péssimas, por sinal), mas sim ao seu trabalho de "formiguinha" em seu principal reduto eleitoral: a igreja Assembléia de Deus. Com o mandato de deputado na mão, ele tem como organizar e participar de "seminários de liderança", os quais espalham suas ideias em típicas ações de pré-campanha. Portanto, cria uma sólida base de eleitores fiéis (em todos os sentidos), formatando os seus votos intransferíveis, seja qual proposta for. O que importa é o Superclari.

Entretanto, o que assusta o pessoal do 55 é a estagnação. Por mais que esteja sempre no topo das intenções de voto, com um nível de rejeição baixo, os seus índices são praticamente os mesmos há muito tempo, com a campanha na rua e tudo. É só lembrarmos que, nas últimas eleições, candidatos estagnados não alcançam sucesso nas urnas e sempre perdem espaço para as candidaturas crescentes. Será que a Kryptonita do Superclari é a estagnação? Dia 7 de outubro teremos a resposta...

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Cão Tarado


Abel, Ivan, Cau...vários homens e nenhum ginásio.

CAMPO DE VÁRZEA - Joinville, já faz alguns anos, está presente no cenário nacional no esporte de alto rendimento. No entanto, mesmo figurando entre os melhores no vôlei, basquete e futsal não possui estrutura ao padrão de alto nível que estas equipes detem.

O vôlei, que possuia no seu plantel jogadores de ponta e Giovane Gavio como técnico, jogava na quadra de esportes da sua patrocinadora master. Ginásio pequeno, sem infraestrutura apropriada ao time que possuia.

Pela falta de apoio mais maciço, o projeto ruiu e deixamos de apontar dentre os melhores na modalidade no país.

HOJE - No atual momento, a Manchester Catarinense conta com um time de basquete e o de futsal despontando no cenário nacional e, no caso da Krona Futsal está disputando o título da Liga Nacional, título mais importante da modalidade.

Mas e a estrutura para essas equipes, onde elas treinam, se qualificam e desenvolvem o grande espetáculo?

Ginásio Ivan Rodrigues e Abel Schulz se encontram interditados por problemas técnicos, além de não possuirem as medidas oficiais de quadra.

PARCERIA SEM PARCEIRO - Diante da ausência de um ginásio com padrão mais qualificado e apropriado para a realização das competições, houve uma parceria público-privada para permitir que o Centreventos Cau Hansen estivesse adequado ao desenvolvimento do esporte de quadra, como o basquete e o futsal especificamente.

Entretanto, mesmo o poder privado investindo no espaço público para ter local apropriado tanto para as equipes como para o público, muitas vezes tem que realizar seus jogos oficiais em outras quadras pois o local está alocado para assembleia de empresas, feiras e, o que causa mais espanto, formaturas de curso superior.

Uma cidade como Joinville, a maior cidade do Estado, quando numa final do principal campeonato da modalidade tem o seu espaço que, em tese foi oficialmente destinado para que essas equipes o chamassem de "casa", em que a população se exalta e, em peso, comparece para apoiar a equipe local, se depara com uma estrura pífia, que simultaneamente acontece outro evento, prejudicando o espetáculo.

AUTORIDADES PARA QUE - Quando as autoridades locais irão dar o real valor para estas equipes que elevam o nome da cidade no cenário nacional, sendo constantemente visualizado nos principais meios de comunicação do país e, por vezes, a nível extra Brasil.

É absurdo e ultrajante ver uma cidade com o poderio econômico que Joinville possui, não deter de um espaço próprio para que suas equipes de alto rendimento desenvolvam suas atividades de maneira honrosa e apropriada, assim como o público ser tratado como deve e recepcionado a altura.

Os gestores tem tentado fazer o melhor por todos, mas, infelizmente, as autoridades continuam "virando as costas" para um produto interno, de alta qualidade, rendimento e proporções econômicas incalculáveis.

Na minha opinião essa política chega a ser primária e ridícula.

Queria ver, o Ilustre Prefeito, como mero cidadão, chegar ao local da partida, amanhã, achar uma vaga para estacionar o seu veículo sem qualquer transtorno e depois ir para a fila, com seu ingresso, aguardar para sentar em algum lugar qualquer, sabe-se lá onde, já que não existe numeração nas cadeiras.

Faça o teste!

Vai ver, as autoridades não fazem questão de ter enraizados em Joinville equipes de alto rendimento.

Tanto faz, como tanto fez.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Homer Simpson também vota...

POR ET BARTHES
... e vai votar Romney. Se tivermos que conta que ele é o padrão no norte-americano completamente estúpido, para que é publicidade para Obama.



Gênio!!


Desenvolvimento asinino




POR JORDI CASTAN

Quando os engenheiros aeroespaciais iniciaram os projetos para enviar o homem à Lua ou mais recentemente previram uma missão a Marte, sabiam de todas as suas limitações. Mas vão além das inerentes à força da gravidade e os complexos cálculos matemáticos. É bem sabido que todo o programa espacial define a forma e o tamanho dos seus mais modernos foguetes a partir das medidas das ancas das mulas e cavalos, que puxavam as bigas nas estradas construídas pelo império romano construiu para alicerçar o seu desenvolvimento.

A largura de ruas, carroças e, posteriormente, dos trilhos dos trens e inclusive dos carros e caminhões de hoje, foi pautada pelas mesmas medidas. Um par de ancas passou a ser o “modulor” de toda a nossa mobilidade urbana, das nossas ruas e das nossas cidades.

Hoje as cidades buscam romper moldes e estabelecer novos parâmetros de desenvolvimento. Ao romper com referenciais e ousar, correram riscos. E, em geral, quando os riscos não são bem calculados paga-se muito caro.

Em Joinville, para citar alguns exemplos, temos um Fórum que não previu estacionamento. Quando o projeto foi apresentado, com pompa e circunstância, não foram poucas as críticas que alertavam para o que aconteceria, tanto pela falta de previsão, como pelo polo gerador de tráfego em que o Fórum se converteu. A ampliação do Hospital Dona Helena é outro exemplo de mal planejamento. Quando inaugurado, aumentará o trânsito num dos pontos mais conturbados do centro da cidade. A ideia de construir a ampliação do Hospital São José no que era o estacionamento, só serviu para tumultuar ainda mais as áreas em volta do hospital. Os novos prédios sendo construídos na rua Henrique Meyer tem tudo para se converter em mais um problema anunciado.

Nenhum dos casos citados tem servido para aprender. Continuamos com alegria adolescente, cometendo uma e outra vez os mesmos erros. Hospitais, clínicas, fóruns, edifícios comerciais, escolas e universidades são, pelas suas características, polos geradores de tráfego e a sua construção e ampliação impacta de forma irreversível o seu entorno.

O debate incompleto e parcial sobre elevados e duplicações mantém ainda as mesmas premissas que já foram definidas pelos arquitetos e engenheiros que projetaram as ruas e vias do império romano e que ainda hoje servem de referência e medida para a maioria das nossas ruas e vielas.

Agora a moda é continuar adotando um modelo de desenvolvimento asinino. Só que em lugar de usar as ancas das mulas e jumentos como módulo, é a cabeça do simpático animal que serve de referência para planejadores, administradores e, principalmente, para candidatos em campanha que, de forma estulta, imaginam que um elevado aqui e outro acolá resolverão os problemas de mobilidade de Joinville.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Podia ser um gol normal...

POR ET BARTHES
... e não fosse este o marcador. Que legal ver que o cara joga futebol. E você, vai ficar aí reclamando da  vida?


USALEMÃO!!!


Veja, Lula e a Reaçolândia


POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Há poucos dias teve um começo de festa na Reaçolândia. O pessoal estava a comemorar a milionésima queda de Lula. A “Veja” tinha uma entrevista em que Marcos Valério estaria a jogar merda no ventilador. A manchete da revista era “Os Segredos de Valério” e, como seria de esperar, o objetivo da matéria era detonar Lula.

Conversa de raposa é a morte da galinha. Por isso, decidi dar um tempo antes de escrever a respeito. Para ver se surgia alguma denúncia irrefutável ou algo que fosse além do rame-rame habitual. E apesar da alegada existência de gravações, o fato é que até ao momento em que escrevo o texto não houve qualquer desdobramento sério. Só slogans.

Todos sabemos que a “Veja” é a muleta intelectual do povo da Reaçolândia. Aliás, o pessoal nem esperou a revista ir para as bancas, não se importou em ler a matéria e, a partir da réplica da capa nas redes sociais, já tinha um veredito: Lula era culpado. Do quê? Não importa. O que interessa é que ele seja culpado. É educativo ver como as mentes simples funcionam.

O ódio de classe cega. Qualquer pessoa com dois dedinhos de testa ficaria obviamente com um pé atrás. Afinal, a revista parece não ter um projeto editorial, mas uma obsessão editorial: torpedear Lula e o Partido dos Trabalhadores. E a seguir essa linha, a notícia e os fatos não precisam ser exatamente a mesma coisa.

Os caras da Reaçolândia só acreditam no que querem acreditar. E só veem o que interessa à sua versão dos fatos. Ora, não fazia qualquer sentido Marcos Valério dar uma entrevista naquele momento. E justo para a “Veja”, um título hostil. Se ele tem algum material quente, é óbvio que saberá usar de uma maneira que lhe dê alguma proteção, poder de troca ou vantagem.

Aliás, esse pessoal fez ouvidos moucos e nem quis saber se no mesmo dia o advogado de Marcos Valério desmentiu qualquer entrevista. Ou se a própria revista esclarecia que a entrevista de Marcos Valério afinal era de depoimentos indiretos. Ou seja, a manchete foi feita através de interpostas pessoas a dizerem o que ele “teria dito”. Ora, com depoimentos indiretos eu escrevo uma reportagem em que você, leitor ou leitora, pode parecer deus ou o diabo.

Ah... e antes que alguém comece a disparar comentários, vou lembrar: não estou a discutir a inocência de ninguém. Se houver culpas provadas, espero nada menos que o rigor da lei. Mas o tema aqui é a cegueira dos conservadores, que não conseguem disfarçar o ódio de classe. Esse é o retrato da Reaçolândia.

domingo, 23 de setembro de 2012

365 dias de Chuva Ácida

video


Um ano de Chuva Ácida

POR COLETIVO CHUVA ÁCIDA
365 dias. 214.500 acessos. 799 posts. 6.899 comentários de leitores.  Hoje o Chuva Ácida está a completar um ano desde o seu lançamento. Vale lembrar, o  blog surgiu com uma proposta inédita, que ainda hoje não encontra similar em Joinville e mesmo em Santa Catarina. Para dar corpo ao projeto, houve a reunião de pessoas de diversas sensibilidades no que se relaciona à política, à sociedade ou à cultura. Mas todas com um ponto em comum: a incondicional aposta na liberdade de expressão. E hoje, em tom de balanço, vamos reafirmar a proposta do Chuva Ácida.

- Dar uma contribuição para a criação de um espírito de blogosfera em Joinville.
- Trazer para a cidade um novo espaço midiático digital, onde a marca é a diversidade de pensamento.
- Dar ao leitor e à leitor a liberdade de concordar, discordar e, acima de tudo, expressar as suas opiniões nos comentários.
- Fazer dos comentários uma ágora digital para o debate entre as pessoas.
- Rejeitar os velhos esquemas de uma velha mídia onde a opinião é condicionada por interesses muitas vezes pouco transparentes.
-  Ser um projeto inovador, com a proposta de promover mudanças de perspectiva sobre a mídia em Joinville. Mostrar que o digital também é player no plano da comunicação.
- Afirmar que, em essência, o que mais importa é o respeito pelas regras do jogo democrático.
- Acompanhar as evoluções, de forma a atingir novos públicos (é o caso da introdução do tema esporte).
- Propor aos leitores uma evolução de hábitos. Da mesma maneira que eu leio um jornal, vejo uma rede de televisão e ouço uma rádio, também devo ter um blog de leitura regular.
- Abrir um espaço para a opinião de outras pessoas, o que foi feito com a criação do Brainstorming.
- Deixar claro que o Chuva Ácida não é um espaço de notícias, mas de análise e opinião. E  sua linha de orientação é a diversidade e o contraditório.


E hoje, passados 365 dias desde o lançamento, podemos dizer que o resultado é amplamente favorável. E os mais de 214 mil acessos são a prova disso. Mas o número realmente mais importante é o de comentários, o que prova uma excelente participação dos leitores.

O primeiro ano foi concluído com sucesso. Agora começa uma nova fase. E esperamos continuar a contar com o seu apoio, leitor e leitora.

sábado, 22 de setembro de 2012

Fez cagada no trânsito, a polícia está logo ali...

POR ET BARTHES
Que bom se fosse sempre assim. O filme mostra uma mulher que, para evitar um ônibus de estudantes parado, decide ultrapassar pela calçada. Mas assim que acabou a ultrapassagem tinha um carro da polícia à espera. Vai reclamar do quê? Paga a multa, minha senhora.





Laranja mecânica?

JEC - Hoje o Tricolor adentrou o gramado da Arena Joinville robusto, dos seus 10 mil torcedores disposto a um só objetivo: vencer. O Joinville, diante do Paraná, não só venceu, como convenceu, com o placar elástico de 3 x 1.

Com este resultado, o JEC volta a ficar bem próximo ao G-4 suma importância. Se distanciar numa lacuna grande do grupo de acesso à Série A, no returno pode significar a permanência na Série B.

E, da forma aviltante e envolvente com que jogou, na estréia da sua nova camisa será que seria audácia chamar o nosso Tricolor de Laranja Mecânica? Tudo bem, posso estar exagerando. Mas o sonho só é cabível aquele que detém da emoção pura e verdadeira que lhe faz palpitar o coração.

E sonham apenas aqueles que estão vivos, portanto me permito a qualquer sonho, por mais utópico e lúdico que possa ser.

"MEA CULPA" - Tenho a obrigação, em nome do respeito ao trabalho sério, de fazer uma correção no meu último texto, vez que deixei de citar o nome de um componente da comissão técnica do Krona Futsal. É que na verdade, se trata apenas do mero preparador de goleiro, sim, o Fred, aquele que tem entre os seus pupilos sempre os melhores.

Nos últimos anos, todo goleiro treinado por Fred tem apenas um destino: a seleção brasileira. Se isso não diz nada acerca da sua qualidade e competência, não me chamo Gabriela.

O seu trabalho se reflete diretamente no retorno, ao auge, do Tiago, assim como ele fez com Djony, na temporada passada. Claro que a qualidade do atleta é fundamental mas, caso não houvesse a parceria com o profissional que é, tais goleros não atingiriam seu ápice, pois ele da o caminho para aqueles que possuem a ferramenta.

UFC - Hoje é dia de pancadaria. Ops, desculpem, esporte de alto rendimento, muito educativo, apropriado para as crianças que estão criando o seu caráter, o UFC.

Sou apreciadora e com muito gosto do vale tudo, no entanto é inegável que a violência é fator preponderante neste esporte e que isso não pode ser saudável para crianças que estão conhecendo os significados das coisas. Ver duas pessoas se degladiando, sangrando até pedir "pelo amor de Deus" para que não chegue a um até provável óbito não corresponde ao Homem Contemporâneo. Alguma coisa mais parecida com o homem das cavernas.

A verdade é que eu gosto, assim como a "torcida do Flamengo" e a cada dia agrega mais adeptos, inclusive a classe feminina.

Não deixe de acompanhar Vitor Belfort no octógono (local onde ocorre a luta). Mas se quiser assistir ao vivo vai ter que colocar a mão no bolso e comprar no canal fechado.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Futebol explosivo no Irã

POR ET BARTHES
Você acha que o futebol brasileiro anda meio violento? Então o que dizer deste jogo no Irã? Preste atenção no jogador número 40 do time de amarelo. O cara encontra uma coisa no chão e joga para perto da placa de publicidade. E aí a coisa explode... era uma granada.



Celuleide e Varizete!


Árvores de Joinville: celebrar ou lamentar?


POR GUILHERME GASSENFERTH

[Atenção: sou leigo no assunto. É um texto de opinião, não um parecer técnico.]

Hoje, 21 de setembro, é comemorado o Dia da Árvore. Em Joinville, esta data é para celebrar ou lamentar?

Como já comentei em outras postagens, temos em Joinville o maior território de mata atlântica preservada de Santa Catarina, com mais de 600 milhões de metros quadrados. Obviamente, esta mata toda está na área rural e em áreas altas, mas de todo modo, temos 56% do território preservado. É pra celebrar!

Joinville, a maior cidade do Estado, com a maior economia catarinense e um orçamento municipal bilionário, não possui um único parque onde as pessoas possam caminhar na sombra ou fazer um piquenique sob uma frondosa árvore. É pra lamentar!

Cadê as árvores da João Colin?
Nossos morros, mesmo aqueles localizados em áreas urbanas, são preservados. Em dias de céu azul como o de ontem (e espero que também hoje), o contraste do verde dos morros com o azul do firmamento dá um charme todo especial à nossa cidade. Temos pouquíssimos morros urbanizados, e embora haja áreas de invasão na margem leste do Morro do Boa Vista, é uma exceção à regra. Que bom  que havia a cota 40 e pra onde se olha, se veem morros preservados. É pra celebrar!

As ruas principais, tanto no centro quanto nos bairros, são totalmente carentes de árvores. A exceção vai para a Hermann Lepper, Blumenau, JK e Dona Francisca entre a Casa da Cultura e a confluência com a Aluísio Pires Condeixa.  Mas pensem na Rua XV no Vila Nova, na Santos Dumont, na Monsenhor Gercino, na Florianópolis, na Fátima, na Albano Schmidt, na João Colin, na Getúlio, na São Paulo, na Procópio, na Minas Gerais, na Baltasar Buschle... e a lista vai e inclui todas as ruas do Centro. Não tem arborização decente. É pra lamentar!

Rua Blumenau, paralela à João Colin, muito mais agradável.
Quando as belíssimas figueiras da Hermann Lepper estiveram à sombra ameaçadora do lobby pró-corte, a sociedade abriu a boca e soltou o verbo: nós queremos as figueiras. O corredor que as figueiras formam na frente da Lepper é um ambiente dos mais gostosos da cidade. A sociedade se mobilizou para que as árvores ficassem. É pra celebrar!

O Brasil está aprovando um novo código florestal que prevê a anistia a alguns desmatadores, além de regras mais permissivas para o desmatamento. E o grande incentivador de tudo isso é um senador de Joinville. É pra lamentar!

Na primavera, que começa depois de amanhã, Joinville se enche de cores e tons. Primeiro o a beleza efêmera do amarelo dos maravilhosos ipês; depois com festival de branco e tons de rosa, lilás e roxo dos manacás-da-serra ou jacatirões que colorem nossos morros. Como é bom viver em Joinville e desfrutar deste espetáculo natural. É pra celebrar!
O ipê-amarelo na bela foto de Luiz Carlos Hille.

O que você acrescentaria nesta lista? Celebraria ou lamentaria?

Embora tenhamos fortes razões para celebrar, sinto que devemos nos preocupar muito e atuar para que nossas ruas e quintais sejam mais arborizados e que lutemos por um parque muito bem arborizado. Porque hoje, ao meu ver, a situação no geral é para lamentar.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Enquanto isso, na Câmara de Vereadores...

POR ET BARTHES
E o nobre vereador faz um discurso antológico.  Mais um caso para fazer Joinville virar (piada) atração nas redes sociais do país.  


É muidifícil...


Esta é a eleição do preconceito

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

Agora que restam poucos dias para o 7 de outubro, posso dizer que esperava mais desta corrida para ocupar a cadeira do Prefeito. Poucas propostas novas surgiram. A maioria dos candidatos repete os seus discursos que conhecemos há anos, e outros repetem o que seus amigos de partido já falavam. Sensação de retrocesso é forte, e se aguça mais ainda ao ver a onda de ataques que muitos fazem a seus adversários na base do preconceito, e não pelas propostas.

A seguir, vamos tentar relatar, sem citar nomes (pois é um processo que não dá para identificar onde começa) alguns discursos preconceituosos que estão presentes nesta campanha em Joinville. Qualquer suposição é apenas para efeito de lógica e de didática.

Bem, ao invés de dizer: "não vote no candidato A, pois ele não tem uma proposta digna para a educação (por exemplo)", o candidato B (e seus cabos eleitorais) diz para não votar no A, devido ao fato de que defende a igualdade de gênero e mostra um beijo entre dois homens no horário eleitoral da TV.

O mesmo candidato A, que sofre preconceito do B, diz para não votar no C, considerando os escândalos de suposta infidelidade que teve anos atrás.

Este candidato C, que sofre preconceito do A, diz para não votar no D, pois supõe que ele é racista e maltrata os funcionários. Mas não sugere deixar de votar em D pelas suas propostas, ao seu ver, ruins e incompletas.

O candidato D, que já não sabe se sofre preconceito de um, de todos, ou de nenhum, diz para não votar no E por simplesmente não ter uma equipe qualificada. Puro bullying. Por sua vez, o E pede para suas equipes espalharem que o candidato B é ligado a segmentos religiosos e que isto não combina com política.

Pessoalmente não acontece nenhuma acusação direta, tudo fica nas entrelinhas. Tenho medo dos próximos quatro anos da cidade de Joinville. Parece que as ideias estão fora do lugar, e o lugar está fora das ideias. A cidade está sedenta por cabeças pensantes, mas só temos bocas fofoqueiras.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Os políticos e a religião



POR AMANDA WERNER

Tenho ouvido e lido muito por aí sobre os motivos que fazem as pessoas escolherem este ou aquele candidato. Uns votam porque têm simpatia pelo sujeito, outros porque acreditam que o candidato escolhido tem propostas mais realistas, alguns analisam os feitos pregressos do pretendente ao cargo. Os mais céticos se baseiam em fatos sobre os candidatos. Exemplo: este, de fato, é honesto ou é competente. Já realizou muitas coisas antes, não apenas fala.

Mas confesso que fico assustada quando ouço alguém dizer que vai escolher um candidato por ele ser da sua Igreja, um “homem de Deus”. E ainda justificam: este vai moralizar a política!

Aqui cabe uma distinção. O político religioso, não é o próprio Deus personificado. Esta confusão governante x religião, aqui no Ocidente, se dava na Idade Média. Era o período teocentrista. Nesse período, as pessoas eram proibidas de utilizar a razão, deveriam ser voltadas inteiramente para a igreja. Hoje, ufa, os tempos são outros.

Em todos os meios, e em todas as religiões, há pessoas boas e pessoas más. Os políticos, como todos nós, são apenas homens. E, como o próprio Santo Agostinho concluiu, corrompidos “pelo pecado”. Ou seja, passíveis de cometerem erros.

Querem alguns exemplos? Quem nunca leu sobre padres x criancinhas? Ou sobre o famoso pastor que ensinava como roubar os fiéis? Há ainda o Reverendo Moon que, creio, todos conhecem pelos fatos. Estas histórias são verdadeiras? Me parece que sim. São muitas e muitas. E não escolhem apenas uma religião. É só ficarmos atentos ao noticiário.

Querem exemplos mais factíveis de que políticos religiosos nem sempre moralizam a política? O Bispo Gê da Igreja Renascer e do DEM, em um famoso programa de televisão, ao ser questionado sobre o que achava da “farra das passagens aéreas”, onde deputados viajavam com a família ao exterior com tudo pago pelo dinheiro público, respondeu que “a verba é pública, minha esposa e meus filhos são públicos também”. 

Na época, era permitido, ou seja era legal. “Sempre foi assim”, alguns se defendem. Mas seria moral? Há exemplos mais próximos de nós. Lembram da denúncia feita aqui no blog, pelo colega Charles Henrique sobre os deputados que recebiam diárias no valor de R$ 670,00 para visitarem suas próprias cidades? Não? Então, aí vai o link: Deputados joinvilenses ganham diárias para “visitar” Joinville. Lembraram? Na denúncia havia um deputado “homem de Deus”. Por coincidência, o mesmo que pleiteia o cargo de prefeito na nossa cidade. As diárias são ilegais? Como já vimos, não. Mas se existe alguma moralidade em recebê-las ao visitar as suas próprias cidades, já é outro papo.

Votar em um político porque ele é do seu time, da mesma religião, ou coletividade, não deve ser o motivo determinante da escolha do candidato. O político de verdade deve governar para todos, não somente para grupos ou interesses pessoais.

É inteligível que por razões de religião, as pessoas não usem a pílula, façam ou não aborto. Mas opção religiosa não pode, de maneira alguma, ditar as regras para toda uma sociedade. Estaríamos indo de encontro à democracia. Afinal, o paraíso de um pode ser o inferno de outro.

Mas a recíproca é verdadeira? Eu não devo votar em político somente pelo fato de ele ser religioso? Creio que não. Demonstra tanta intolerância quanto os que agem em sentido oposto. Para votar consciente é preciso mais do que o fato do postulante ser religioso ou não. Os meus pré-requisitos estão no texto que fiz já há algum tempo aqui no blog : Eu, cidadã, confio. E os seus?

Krona: um por todos e todos por um

Troféu Liga 2011
POR GABRIELA SCHIEWE

CAMPEÃO JÁ - Acompanho o futsal da equipe da Krona há algum tempo e sempre batia na tecla de que, enquanto não tivessem um técnico experiente e vencedor, se limitariam aos campeonatos estaduais.

Sem qualquer demérito ao nosso Estado, muito pelo contrário, mas almejar mais é fundamental e, no caso do futsal, conquistar a Liga Nacional é o ápice.

Não estou afirmando que o time será o Campeão (se pudesse afirmaria), mas o seu foco está direcionado.

Antes víamos jogadores isolados, cada um fazendo o seu trabalho "per si" e sem alcançar o saldo positivo no todo, o que de quase nada valia.

O que adianta você ser o melhor fixo se o seu time caiu nas quartas de final? O título individual esmorece ante à ausência do coletivo. É assim na vida, é assim no esporte, portanto, logicamente, é assim no futsal.

A EXPLOSÃO - Hoje vemos que a energia de Vander Carioca (sobre este já expressei, com palavras, aquilo que me foi possível com o que a escrita permite), juntamente aos demais companheiros, tornou a ele próprio mais competitivo. Ou você lembra do Vander com esse requinte explosivo no apagado Petrópolis?

O GUERREIRO - E o que falar do guerreiro Leco. Era um guerreiro sem luta, desbravado pela inaplicabilidade determinante de seus companheiros. Como temos presenciado em seus últimos confrontos, está extremamente motivado, voltando à luta franca e desbancando o que lhe cruzar a frente, percorrendo o campo de batalha com sangue nos olhos ( e no queixo).

TÉCNICA- Tiago, que quando começou no gol do Krona foi subjulgado, por muitas vezes desmerecido, e aqueles tantos títulos individuais que conquistou com esmero nobre haviam sido esquecidos entre os transeuntes de uma Cidade das Flores murcha. Mas assim como todos os seus parceiros de time, subiu aos céus e subiu mesmo, pois tem feito verdadeiros milagres na meta da equipe tricolor. Nesse momento decisivo, está no seu auge, novamente.

A VONTADE - Ricardinho, demonstração pura de bravura, vontade, determinação. Pode não ter sido eleito o melhor na sua posição, mas na posição que ocupa na sua equipe faz o melhor. Jamais desiste de buscar o seu objetivo, lutar pelo todo, pelo seu time e isso o fará o melhor dos melhores.

NO SEU DEVIDO LUGAR - O que estou tentando passar para vocês é que, com um comando técnico eficiente, que sabe trabalhar com as peças que possui e colocá-las no lugar certo, na hora exata, cada atleta individualmente se sobressai e exalta o coletivo. Algo que chamei atenção num texto que escrevi logo nos primeiros meses do ano que, se assim não fosse, as estrelas solitárias não seriam capazes de brilhar sem o seu Sol (Krona).

Citei apenas alguns componentes, até porque seria extensivo por demais declamar todos os jogadores.

TODOS POR UM - No entanto, em momento algum, desmereço os demais Dudu, Roncaglio, Keké, Gesse, Neto, Wanderson, Julio, Andre, Murilo, Pixote, Lucas, Serginho Paulista, Schneider, Leandrinho, Thiago Carioca, Café, Dalton, Pica Pau, James, Ferretti, João, Xande, Renan, Edu, Buiu, Renato e Valdin (esse uma jóia que se encontra guardada no mais belo porta jóias a espera do momento certo para novamente faiscar seu brilho). Pois se não fosse o todo que detém a luz, esta não emanaria nas peças solitárias que se tornariam equidistantes caso não houvesse a cumplicidade de todos por todos.

Amanhã o Krona entrará em quadra em busca do ineditismo, munido do mais egocêntrico talento que lhe cabe, mas devidamente acompanhado de humildade da cada um que está determinado a levar o todo a sua mais nobre conquista.

Não perca o Krona x Carlos Barbosa pela semifinal da Liga Futsal, às 21 horas, no Centreventos Cau Hansen.

NO CHUVEIRINHO - O saibro voltou a esquentar nas terras brasileiras e o tênis volta à elite da Copa Davis, ante a vitória incontestável diante da equipe russa. Ano que vem estaremos lá, juntos com os melhores, disputando esse título.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Qual é o seu nível de consciência ecológica?

POR ET BARTHES
E você, o que faria?


Cão Tarado


O quadro eleitoral já esta definido?

POR  JORDI CASTAN

Primeiro vou esclarecer que não sou sociólogo, nem pesquisador, nem especialista em matemática e estatística. Portanto, estes comentários são feitos a partir da ótica de um comum leitor de jornais.

Todos os que não gostaram do resultado da pesquisa Ibope/RBS se lançaram a questionar inclusive a idoneidade do instituto. Surgiram miríades de entendidos, especialistas e até de palpiteiros a opinar sobre os dados divulgados que consideravam incorretos.


O resultado que mostrava Udo Dohler em primeiro, ainda que tecnicamente empatado com o segundo, pegou quase todos de surpresa. Não poucos vociferavam que a pesquisa não teria credibilidade. Que a contratante teria influenciado no resultado e até que a contratada teria manipulado os resultados para mostrar um resultado melhor para um ou outro candidato e pior para outros, com o objetivo de influenciar naquela parcela do eleitorado que não gosta de "perder o voto" e que acaba votando no candidato que aparece na frente nas pesquisas. A gritaria poderia ter sido evitada se as avaliações fossem feitas com menos paixão e com mais conhecimento.

NO PRIMEIRO TURNO? Além das pesquisas diárias das campanhas com mais recursos, há também pesquisas praticamente todas as semanas, contratadas por jornais, rádios e televisões. É relativamente fácil fazer um seguimento dos resultados e tirar várias conclusões. Faz poucos dias, foi divulgada uma nova pesquisa da empresa Accord, contratada pela RIC/ Record, dando praticamente por definida a eleição no  primeiro turno.


Por que o resultado já estaria definido? Porque a pesquisa mostra que o número de votos entre brancos, nulos e os que não sabem ou não respondem é só de 5% do eleitorado. Há, portanto, pouca margem de manobra. Este percentual surpreendentemente baixo evidencia um nível de informação e politização do eleitor joinvilense que o equipara aos das mais avançadas democracias do Norte da Europa. Duvidar? Como alguém poderia duvidar dos dados apresentados por tão prestigioso instituto?

CARLITO DESCE MAS NÃO SOBE - Há na pesquisa divulgada outros dados interessantes e que merecem ser comentados. Por um lado, surpreende a vertiginosa queda da rejeição do prefeito Carlito. Passou de 57% a 29% em poucos dias. Será que finalmente o eleitor, com uma melhor iluminação, passou a enxergar melhor as obras e realizações da sua gestão? Mas é estranho que a redução da rejeição não tenha se convertido em um aumento significativo do número de eleitores dispostos a votar nele e na continuidade da sua proposta. O percentual de eleitores que dizem votar no atual prefeito passou de 14% a 15%, o que não é suficiente para colocá-lo no segundo turno.

A rejeição do candidato Tebaldi que antes estava em 10%, agora aumentou para 12%, dentro por tanto da margem de erro de 4%. Apesar dos ataques sistemáticos que lhe são dirigidos por conta dos numerosos processos a que responde na Justiça, continua mantendo uma rejeição considerada baixa e uma posição que o coloca confortavelmente no segundo turno. Enquanto uns projetavam uma queda significativa para o candidato, as expectativas mais negativas não parecem se confirmar.

CONCLUSÕES - As minhas conclusões de leigo e neste caso de palpiteiro amador, no meio deste mar de incertezas, são:

- Teremos segundo turno e o atual prefeito não tem praticamente nenhuma chance de estar nele.
- O crescimento do candidato do PMDB está comprovado e o coloca hoje no segundo turno.
- A queda do candidato do PSDB não é a prevista.
- O candidato do PSD parece ter perdido o fôlego.
- O PSOL não consegue sair ou chegar a motivar a 1% do eleitorado.

E você? O que opina? Quais são as suas conclusões?

Uma coisa é certa. A incerteza deste cenário poderá mudar com a próxima pesquisa.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Mobilidade!


Você detonava o seu BMW por um iPad?

POR ET BARTHES
O que você faria para ter um iPhone, iPad ou um MacBook? Tem gente que faz tudo para pôr as mãos num gadget desses, como os caras do vídeo feito em Los Angeles. Foi fácil de entrar, mas a loja parecia uma arapuca, porque na hora de sair...



Institutos de pesquisa parecem baratas tontas

JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Você quer uma pesquisa em que o seu candidato apareça em primeiro lugar? Ou em segundo, para a coisa chamar menos a atenção? Então é só falar comigo que eu faço uns graficozinhos bacanas para a gente mostrar que o seu candidato está na frente. E ninguém vai achar que é diferente das pesquisas que andam por aí.

O leitor e a leitora podem imaginar que eu quero por os institutos de pesquisa em dúvida. Mas nem precisa, porque são eles próprios a passarem essa imagem de baratas tontas. Um diz uma coisa, outro diz outra e aí vem um terceiro desdizer tudo. E
no fim fica um claro descrédito. Parece que nenhum deles sabe o que está a fazer e são todos incapazes de identificar as intenções de voto dos eleitores. É uma tremenda confusão.

Um dia Udo Dohler aparece a liderar as intenções de voto dos joinvilenses. Daí a pouco aparece outra pesquisa que vira tudo pelo avesso e diz que Tebaldi é o preferido dos eleitores. E, claro, sempre podemos contar com a inefável Gazeta de Joinville, onde “surpreendentemente” o candidato à frente é .... (toquem os tambores em sinal de suspense)... Clarikennedy Nunes, quem poderia imaginar...


O fato é que as pesquisas divulgadas mais recentemente em Joinville só permitem uma conclusão: ou os institutos não sabem o que estão a fazer (descarto aqui a ideia de que façam pesquisas à la carte) ou então os eleitores entrevistados estão todos bêbados. Pensando bem, eis uma explicação plausível: talvez as pesquisas estejam a ser feitas na Via Gastronômica, quando a madruga já vai alta.


O mais interessante é que os candidatos - pelo menos os que tem grana - realizam as suas próprias tracking polls, pesquisas que acompanham pari passu a evolução das intenções de voto. E das que me tem chegado, é possível perceber que os resultados encontram um denominador comum. Que é diferente de muitas pesquisas.


Gente, eu tenho estado atento a essas coisas das pesquisas em muitos países e nunca vi uma azelhice como essa de Joinville. Em outros lugares os institutos tratam as pesquisas como coisa séria e os resultados são fiáveis (com mais ou menos margens de erro). É, inclusive, uma forma de orientar o eleitorado. Mas em Joinville parece ser a casa da Marlene... uma autêntica zona. 


Os caras estão a brincar com coisa séria (faz é tempo). E o resultado só pode ser a total descredibilização das pesquisas e dos institutos. Deixo uma dica: talvez fosse legal fazer uma pesquisa para ver em qual instituto o povo acredita. E sem esquecer de deixar a opção “nenhum”.



domingo, 16 de setembro de 2012

Hoje é o aniversário da Gabriela

Hoje não da para esquecer do aniversário da Gabriela Schiewe, um caso raro de competência em dois ambientes aparentemente distantes e diferentes: entende de esporte e escreve com um conhecimento que deixa a muitos entendidos de queixo caído. Além da sua paixão pelo esporte é advogada  militante. Uma excelente adquisição para o blog e principalmente para os leitores, que agora podem seguir o JEC, o Krona, a Libertadores e todos os locais e momentos em que o esporte se faça presente.


MELHOR E PIOR - Semana 23


sábado, 15 de setembro de 2012

Rejeição radicalizou


Os 325 leitores que votaram na enquete do blog concentram a sua rejeição em três candidatos.

 Kennedy Nunes mantem uma rejeição baixa e Leonel Camasão praticamente não tem nenhuma rejeição, e verdade que tampouco alcança mais de 1% de intenções de voto nas diversas pesquisas divulgadas.

Os candidatos Marco Tebaldi, Udo Dohler e Carlito Merss se repartem a maior rejeição.

Tebaldi 34,46%
Carlito 25,85%
Udo 21,23%

Quem conseguir chegar ao final do primeiro turno com menor rejeição terá mais chances não só de vencer, mas principalmente de costurar alianças mais consistentes para o segundo turno.

JEC rumo à Série A!

RUMO CERTO - "JEC rumo à Série A". Essa frase que há pouco tempo parecia ser apenas da vã utopia do torcedor mais fanático, há alguns meses se tornou chavão na Manchester Catarinense.

Claro que para todo o torcedor, seja o que sempre esteve apoiando o Tricolor ou aquele eventual, que aparece apenas nos momentos de glória, é simplesmente maravilhoso ter o Tricolor joinvilense representando-nos na elite do futebol nacional.

Agora sejamos realistas. Analisemos a situação com frieza e esmero. O Joinville, que até poucos dias era um time "fora de série", está preparado para encarar uma Série A? O JEC tem estrutura para participar da principal categoria do Campeonato Brasileiro de Futebol? Estrutura esta que me refiro é em todos os aspectos, econômico, técnico, pessoal, estrutural e, principalmente, juntando todos esses itens, a capacidade de se manter na elite do futebol.

SÉRIE B ESTÁ BOM - O Joinville vem numa ascensão assombrosa, modificada de temporada em temporada, estando em cada uma na Série superior. Verdade seja dita que, até agora na Série B,  em todas vem correspondendo brilhantemente e com extrema competência superando os obstáculos e evoluindo de tempo em tempo.

No entanto, há uma grande diferença em todos os sentidos, de competir no Brasileirão da Série A, em que muitos times, chamados "grandes", tem encontrado entraves e dificuldades enormes de se manter nele.

"MAR DE ROSAS" - O que estou querendo com esses questionamentos é colocar o torcedor para refletir e, desde já, ir amadurecendo a idéia de que a Série A pode não ser esse "mar de rosas"  que vem experimentando nestas três temporadas, superando os adversários e subindo mais um degrau.

E que, não necessariamente o Joinville será fracassado na sua trajetória, mas sim por se tratar de um campeonato muito diferenciado, extremamente qualificado e competitivo.

Na própria Série B, que hoje o JEC disputa, pelo menos uns 10 times possuem uma condição meio equânime e possuem reais condições de avançarem a Série A. É uma competição extremamente equilibrada e disputada, sendo definido os quatro que irão alavancar para a elite nos detalhes, decidido jogo a jogo. Tanto que ontem o Joinville estava ascendendo à Série A, hoje não mais está, mas amanhã pode tornar à zona de ascensão.

REFLITA MAS NÃO SE AFLIJA - Torcedor, faça a sua reflexão. Veja o que o Joinville faz hoje e o quão nobre já o é o seu trabalho. Subir a Série A; Magnífico! Permanecer na Série B também será de muita magnitude.
Mas estejamos sempre atentos, pois é dever sempre aspirarmos algo melhor, não esquecendo de andar pisando o chão que está sob nós e não em plácidas nuvens...

NO CHUVEIRINHO - Hoje o JEC encara o Ceará, lá em Fortaleza, às 16 horas. Torcer por um resultado positivo, se possível, uma vitória.

E a Krona está em Carlos Barbosa para o primeiro jogo da semifinal. O bicho vai pegar, e vai pegar mesmo, pois lá a coisa ferve e será uma disputa acirradíssima entre o campeoníssimo e sempre perigoso Carlos Barbosa e o estrelado e igualmente perigoso Krona. Estamos na torcida. Um empate não será nada mal, hein!?