quarta-feira, 30 de novembro de 2016

IPHAN, Geddel e comissários mal intencionados


POR RAQUEL MIGLIORINI

Abafado por renúncias, votação da PEC 55 no Senado, manifestações em Brasília e pela tragédia do acidente aéreo, o caso Geddel Vieira Lima ainda deve muitas explicações.

Desde o início de 2014, quando o IPHAN - Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional negou a licença para a construção do residencial La Vue, por entender que a obra causava impacto paisagístico no Centro Histórico de Salvador, houve jogos de poder que vão desde a extinção de uma parte do órgão até autorização em forma de carteirada por um novo coordenador técnico da Bahia. Tudo sem estudos ou qualquer outra forma coerente de aprovação, liberando a licença para construção do prédio.

De posse da autorização do IPHAN, a Prefeitura de Salvador emitiu a licença ambiental, como “preza a legislação”. Vereadores, procuradores e Ministério Público de um lado. família Geddel de outro. Na queda de braço, a paralisação da obra ocorreu em novembro desse ano, com embargo do IPHAN e demissão dos dois ministros envolvidos, como é de conhecimento de todos. E nem precisamos discutir aqui a conduta do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero.

Cargos como o da superintendência do IPHAN, de secretários de Meio Ambiente, ou de qualquer outro que libere licenças para construção de empreendimentos, são comissionados e feitos por indicações políticas. Os técnicos ficam no meio disso tudo, se corrompendo como o sistema ou adoecendo por manter lisura diante de tanta pressão.

Com a mesma lenga lenga de geração de empregos, desenvolvimento econômico e valorização imobiliária, construtores, políticos, empresários de diversos ramos e pessoas ditas influentes se vêem no direito de passar por cima da  legislação e bem estar coletivo. Enquanto esses cargos forem distribuídos como moedas de troca, teremos poucos motivos para otimismo.

Como justificar que alguns funcionários da construção civil, com trabalho temporário, sejam mais importantes que todos os que trabalham com turismo e que preservam as características de locais visitados por pessoas do mundo todo? Existe, realmente, alguém que acredite que a família Geddel e similares tenha outros interesses que não pessoais? Será possível a valorização do terceiro setor em detrimento à grandes obras e industrialização?

Patrimônios, recursos naturais, vidas: se encontramos valores nesses itens, temos que nos mobilizar e mantermos  vigília constante. Existem muitos geddéis e comissionados mal intencionados espalhados pelo país. Até mesmo aqui, no nosso quintal.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Por que eu gosto de Cuba



POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Há muito tempo queria conhecer Cuba. Estava nos meus planos e cheguei mesmo a ensaiar umas viagens, mas sempre surgia um contratempo qualquer e eu acabava por não ir.
Finalmente realizei esse projeto. Há cerca de duas semanas fui até Cuba e posso dizer que adorei tudo o que vi. A começar pelas gentes simples, capazes de viver felizes longe da loucura das cidades e dos shopping-centers. Sim, leitor, existe vida fora dos centros comerciais.


Em Cuba, não há poluição e nem stress no trânsito, essas coisas tão típicas das sociedades ocidentais. Aliás, hoje em dia as pessoas tendem a medir o atraso ou o avanço das sociedades pelos seus carros. Em Cuba é diferente. É certo que há muitos carros antigos, mas também há alguns novinhos e luxuosos. Que, como é óbvio, devem pertencer aos ricos do lugar. Mas não importa.


Foi interessante, por exemplo, ver tantas pessoas a usar a bicicleta como meio de transporte. Homens e mulheres já de uma certa idade que mantinham a juventude de quem pedalou e trabalhou de sol a sol durante toda a vida. Mas fiquei com a impressão de que a bicicleta era para compensar os transportes públicos, que, tive a impressão, não funcionam muito bem.


É claro que fiquei a perguntar a mim mesmo.

- Será que essa gente não sente falta de ter um iPOD, uma televisão LCD ou mesmo da internet?

O fato é que o povo de Cuba não precisa muito disso. As pessoas têm algo muito mais importante: os laços comunitários. Parece estranho e fora do nosso tempo, mas as pessoas ainda conversam umas com as outras. Passam horas sentadas nos bancos à frente das casas em amenas cavaqueiras.
 É um lugar pacato e não se vê agitação política. Mas a maioria da população vota nos comunistas.


Todos os lugares têm as suas coisas estranhas. Havia uma estátua de Cristóvão Colombo, que as gentes locais juram ter nascido em Cuba e não em Gênova, na Itália. Parece improvável, mas li o texto de um pesquisador que diz ter provas documentais de que o navegador nasceu em Cuba, em 1448. Vendo os argumentos, a tese até faz algum sentido.


Ah... a esta altura, você, anticomunista empedernido, já deve estar furioso por eu estar a falar tão bem de Cuba. Mas não se exalte, porque eu nunca fui à terra de Fidel Castro. Estou a falar da vila de Cuba, uma cidadezinha de 3 mil habitantes no interior do Alentejo, em Portugal. Dizem que é a vila mais hospitaleira do país. Eu fui e gostei.


O presente de Natal dos comissionados


POR JORDI CASTAN

GESTÃO - O Prefeito é um incompreendido. Apesar do tanto que faz por Joinville, ainda há tanta gente criticando sua gestão. Ainda bem que, agora reeleito, poderá cumprir todas as promessas de campanha que não cumpriu no seu primeiro mandato. É verdade que ele deveria ter precisado melhor que a maioria das promessas da campanha de 2012 só seria cumprida depois de 2017. Mas tem joinvilense que acredita: agora vai. 

O prefeito mostrou que esta com um gás novo. Para começar a nova gestão com energias renovadas vai começar demitindo todos os 479 comissionados. E aproveitará para pagar os elevados custos das verbas indenizatórias. Assim os comissionados, que tanto se esforçaram durante a campanha, receberão um polpudo presente antes do Natal e poderão gozar de umas férias fartas. Ninguém poderá se queixar. Nada mais certo que tratar bem a quem não tem medido esforços pela sua reeleição. O melhor de tudo é que ainda terá quem acreditara que isto é feito para economizar. Aliás, por estes lados ninguém questiona nem se impressiona com o número de cargos comissionados. Para quem acha que por aqui tudo está certo, aqui há alguns dados para comparar:

- Nos EUA, que tem uma população de 300 milhões de habitantes, há 7.000 cargos em comissão ocupados por particulares sem concurso público;
- No Chile, que tem 17 milhões de habitantes, há 800 cargos em comissão ocupados por particulares sem concurso público;
- Na Holanda, que tem 16 milhões de habitantes, há 700 cargos em comissão ocupados por particulares sem concurso público;
- Na Inglaterra, que tem uma população de 50 milhões de habitantes, há 500 cargos em comissão ocupados por particulares sem concurso público;
- Na França e Alemanha, que têm 65 milhões e 81 milhões de habitantes respectivamente, há apenas 300 cargos em comissão ocupados por particulares sem concurso público.

Na Joinville das Maravilhas temos 505 cargos comissionados. No melhor dos cálculos precisaria de 20. Mas o prefeito é o primeiro que tem utilizado esses cargos como moeda de troca para conseguir apoios políticos. Economia, eficiência e eficácia são princípios básicos de um bom gestor e de uma boa gestão. Na realidade a demissão dos comissionados é uma bela coreografia feita para que pareça o que não é. Apresentada como economia, é uma empulhação. Se o objetivo é o de iniciar uma reforma administrativa, então é uma patranha. 

O prefeito tem uma relação agreste com a administração e acha que as coisas são verdade só porque ele as diz. Não está acostumado a que alguém possa questioná-lo e os poucos que ousam fazê-lo não duram muito. Gosta de iludir. Pior ainda, desfruta do prazer mórbido da auto-empulhação, porque não há nada mais perigoso que os indivíduos que acreditam nas suas próprias mentiras.

MANGUEZAIS - Pior que a imagem da devastação dos manguezais da Baía da Babitonga  é a indiferença e omissão das autoridades responsáveis. Todos fazem de conta que não têm a ver com o problema. Nem SEMA, nem FATMA, nem IBAMA têm se manifestado sobre o tema. A esta aparente omissão haveria que somar o Ministério Público. O mangue preto do gênero Avicenia morreu em mais de 80%, depois de um ataque de lagartas em abril deste ano. Até lá nada aconteceu.

Passado tempo prudencial, os manguezais não rebrotaram e agora começaram a cair e a perder galhos. Os manguezais são um ecossistema muito frágil e ao mesmo tempo é o berçário da vida na baía, sem manguezais não haverá nem caranguejos, nem peixes, nem as aves que de eles se alimentam. Se tiver interesse em conhecer mais sobre a situação do manguezal veja o vídeo (aqui).

BLACKMAIL - Como já tínhamos anunciado, aqui é grande a possibilidade de que escutando uma coisa tenha se acabando ouvindo outra. O período das investigações da “Operação Blackmail” pode ter sido providencial para acabar gravando conversas sobre outros temas. Além das emendas a LOT apresentadas pelo vereador indiciado, há uma boa quantidade de emendas assinadas em bloco por todos os vereadores membros das comissões.

Este modelo de assinatura solidária é utilizado quando não se que personalizar ou identificar o autor de emenda. Pelo nervosismo de alguns vereadores das comissões de Urbanismo e Legislação, seria bom colocar as barbas de molho. Esse tema da LOT ainda vai muito longe. Não só não deverá ser votada em 2016, como é possível que tenha ainda outros desdobramentos. 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Um duelo de tirar o fôlego... em especial da iguana

POR ET BARTHES

Uma das maiores lutas pela sobrevivência que você pode assistir. Uma iguana tenta fugir de um autêntico "exército" de serpentes. Elas estão por todos os lados.

No passado, explicações para a Joinville do presente













POR RAFAEL JOSÉ NOGUEIRA

Dando uma olhada rapidamente em um documento de 1965 sobre Joinville, intitulado Plano Urbanístico Básico acabo descobrindo que teve como sociólogo consultor Octávio Ianni. E mais que existe um capítulo chamado “A dinâmica Social de Joinville” , que analisa a sociedade joinvilense nesse momento. O capítulo é interessante mas, no entanto, um subtítulo chamado “Relações Sociais e Taxa de Crescimento Populacional” chamou a atenção, em especial o seguinte trecho:
“O que se nota é que Joinville ainda existe em função e para a sua elite, ou seja, os descendentes dos antigos povoadores. Assim, os inúmeros clubes só são frequentados pelos jovens pertencentes a classes de altas rendas, enquanto o restante da juventude, não tem na cidade um ambiente que permita sua plena evolução sócio-cultural. Caracteriza Joinville o fato de ser atualmente uma cidade sem pontos de encontro. É quase sem centro social. Assim, os jovens se encontram para namorar, na grande maioria, em suas próprias casas, tendo inclusive a praça perdido o caráter de centro de encontro como ocorre em cidades pequenas, através do tradicional 'footing'”. 


E continua o texto Plano Urbanístico Básico, na sua página 45:
“O que está ocorrendo em Joinville é típico de cidades em crescimento. Perdeu o caráter de pequena cidade sem ganhar as condições e o ambiente de grande centro. Está em uma encruzilhada que resultará, a curto prazo, em ausência de valores que pareçam válidos, situação esta típica de fase de grande desenvolvimento que Joinville está atravessando. É agora que se torna necessária uma séria atitude de reflexão por parte da elite da cidade. É preciso compreender que nos clubes não convive a maioria da população. Esta procurará formar seu próprio ambiente. É preciso orientar esse processo.” 


Passados mais de 50 anos desse documento, fico com a impressão que Joinville ainda existe para as elites, no caso os descendentes de imigrantes que se colocam como os fundadores oficiais além do seu progresso apoiados por sua disciplina para o trabalho e a ordem. É constatado no documento no período que os clubes eram frequentados apenas por jovens de famílias com alto poder aquisitivo. Sem falar que Joinville não dispunha de espaços de encontro para o lazer caracterizado como “quase sem centro social”.


Desde então, o lazer e a cultura tiveram melhoras consideráveis em Joinville, ainda que insuficientes. É preciso lembrar que a década de 60 é quando começam a chegar os primeiros migrantes. Depois nas décadas de 70 e 80 teríamos o boom da migração do Paraná e de cidades da região norte, gente atraída pela oferta de emprego e por uma vida melhor. Mas tiveram que aprender que a cidade não tinha sido feita para eles e sim para as elites. E mais: que o lazer não era um privilegio seu, mesmo contribuindo igualmente para a riqueza da cidade.


A situação atual não mudou muito. As opções para estes jovens podem ser resumidas em três grandes pontos: shopping, casas noturnas e restaurantes. Porém, sabemos que esses espaços são altamente elitizados e feitos para determinadas classes. Existem alguns poucos locais alternativos que, infelizmente, não recebem muito apoio. Um outro fato curioso que o documento traz é que os jovens de baixa renda usavam suas casas para namorar. 


Voltando à atualidade, o antropólogo Roberto da Matta mostra a vida social brasileira construída em dois eixos fundamentais: a casa e a rua. A casa nos lembra aquilo que é bom, decente e digno. Em oposição, a rua é sombria, uma selva de competição e desordem, aquilo que as elites mais evitam. Assim, a casa tem uma dupla função para as elites: legitimar o domicílio como espaço de moralidade e decência e impedir o acesso dos jovens a cidade formal para usufruir dos seus direitos de lazer e cultura. Nessa medida, a rua deveria ser um lugar de movimento, luta, lazer, ideias e debates. Mas isso representa um perigo para as elites e ameaçam o status quo. Para nós brasileiros a rua tem uma expectativa onde o mundo pode ser interpretado e lido.


Na parte final do trecho, a análise parte para a constatação de que Joinville estaria passando por um processo natural das cidades em crescimento. Isto é, crescia muito sem condições de garantir a cidadania sem distinção a sua população menos favorecida. De forma até ingênua o documento propõe por fim uma “reflexão por parte da elite da cidade” uma vez que era necessário entender que nos clubes não estavam inseridos toda a população, sobretudo, os jovens. Logo prevê o documento a mesma formaria seu próprio habitus. As elites de fato fizeram a reflexão e chegaram à conclusão que tudo deveria ficar como está. Quanto mais o acesso a cidade fosse negado, a chance de construir espaços seria diminuída. 


Sobre ao método usado, já conhecemos: transporte coletivo ruim somado ao sempre ausente projeto de mobilidade urbana, só para citar alguns exemplos. Já o habitus próprio que as classes baixas buscariam formar, previsto pelo documento, está a se estender cada vez mais nos bairros mais afastados e abandonados da cidade. O bairro seria a casa e o centro a rua, dito de outra forma. Estão se fechando nas suas casas-bairros, pois o centro é hostil. 


Devemos recordar que existe uma superposição entre cidadão e morador. O primeiro é, para o poder público, quem deve se beneficiar dos serviços públicos. Já o segundo é atingido por organizações do terceiro setor. Assim, o morador recebe serviços públicos “comunitários” dessas organizações em parceria com o Estado. Contudo, devem entender que é um favor e devem fazer por merecer. Obviamente esse pensamento iria encontrar terreno fértil em nossa cidade. Nesse emaranhado de pessoas e disputas vai-se construindo a Joinville do amanhã.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Eu escolhi esperar
















POR FILIPE FERRARI


O assunto dessa semana nas redes sociais foi o famigerado teste da Fátima Bernardes de escolher salvar a vida de um policial levemente ferido, ou de um traficante em estado grave. Pouparei fazer qualquer crítica ao programa, já que este atingiu seu objetivo: estar sendo comentado no maior número de mídias possíveis. A polêmica é sempre a melhor forma de propaganda. 

O que chama a atenção nesse processo é a reação das pessoas, prontas a montar campanhas ferozes, dizendo que escolhem o policial com placas, hashtags, vídeos do Bolsolouco. Já outras, correram compartilhas memes e imagens de Jesus e o centurião que o torturava, perguntando se salvariam o criminoso ou o agente do Estado (essa, devo admitir, eu gostei por conta da inteligência e da subjetividade, pois muitos que defendiam que o traficante deveria morrer eram “cristãos”). 

Não vou entrar aqui na discussão inútil que é salvar alguém levemente ferido ou alguém correndo risco de morte. Para isso, o juramento de Hipócrates já nos esclarece o que deve fazer o médico: “Não permitirei que considerações de religião, nacionalidade, raça, partido político, ou posição social se interponham entre o meu dever e o meu Doente”. Não vou nem mesmo entrar no circo midiático que é a questão da guerra civil proporcionada pelo tráfico e pela Polícia Militar, colocando pobres e praças no centro de um conflito absurdo, sendo eles as principais vítimas da chamada “opinião pública”. 

Pessoas se comportam e abraçam causas de uma maneira apaixonada, última, como se realmente tivessem condições e aptidão mental e social para fazer uma escolha como essa. Estudantes de medicina passam por duas ou três cadeiras de ética médica, onde as discussões circulam por entre filósofos, teólogos e sociólogos acerca da dignidade humana, da condição do ser, da efemeridade versus a importância da vida. E as pessoas achando que tem poder de escolha. Mesmo que as pessoas pudessem escolher, quem disse que elas tem tal capacidade? Tem gente que escolhe pastor ruim, cônjuge ruim, time ruim, partido ruim. 

Aliás, tudo hoje se solidifica em duas possibilidades, que nos coloca contra a parede e nos obriga a ter escolhas, apoiar lados, vejamos só: 

- Salvar o traficante ou o policial?; 
- Dilma ou Aécio?; 
- Trump ou Hillary?; 
- Binário da Santos Dumont ou duplicação?; 
- Jean Willys ou Bolsonaro?; 
- Comunismo ou capitalismo?; 
- Escola sem Partido ou Doutrinação Marxista?; 
- Golpe ou democracia?; 
- Bruna Marquezine ou Camila Queiroz? (esse, era o debate de alguns alunos meus ontem). 

A bem da verdade é que 99,8% da população mundial jamais terá realmente qualquer oportunidade de realmente ter poder de escolha sobre algum desses itens. E mesmo que tivesse, é necessário entender que o mundo não é binário, existindo uma miríade de possibilidades que se fazem presentes no dia a dia. 

Eu, que tenho dificuldades sumárias em tomar decisão, e que patino quando tenho que escolher entre vinho e cerveja (essa mistura não rola), e estou diante de uma polêmica como essa, tento a decisão mais sábia possível: eu escolho esperar.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Em defesa do binário da Santos Dumont

O "Minhocão" de Boston foi
transformado em parque público
POR FELIPE SILVEIRA

Parece loucura defender o binário da Santos Dumont com a Tenente Antônio João hoje, dia em que narrativas do caos instalado chegam de lá. Mas Arquitetura e Urbanismo é uma área que muito me interessa e o pitaco social deve ser sempre bem-vindo às obras públicas.

Quem acompanha a discussão urbanística sabe que há pelo menos duas visões em disputa. A primeira, tradicional, é o desenho de uma cidade para os carros, cheia de vias, cada vez mais largas, viadutos e elevados. Nessa cidade, todos têm carros, mais de um de preferência, e a cidade está a mil por hora. A outra é uma cidade para pessoas, com menos vias, mas mais opções de modais. Nesta cidade, andar a pé, de bicicleta e de transporte público são boas opções. Você ainda pode usar o carro, mas somente se for a opção mais adequada para a sua necessidade. A cidade é mais calma, tranquila e leve. O urbanismo, na minha visão, atua na construção dessas duas cidades a partir da visão política e da força dos agentes que atuam no desenvolvimento da cidade.

Chegamos, então, ao debate sobre o binário. A obra já estava planejada no governo Carlito, quando foram contra por causa do tesão em elevados, duplicações e viadutos. Um prefeito se elegeu e outro candidato foi ao segundo turno com essas promessas. Mas, conforme previsto, a duplicação da avenida se tornou inviável. Caríssima e impossível (fosse possível tava feita), tornou a região um inferno por mais de três anos, quando sobrecarregou duas vias que já estavam nos seus limites (Dona Francisca e Tenente).

Volta o binário à cena. Eu realmente não sei o que está emperrando o trânsito no local, se é apenas a mudança que leva tempo para adaptação ou se há de fato algum problema estrutural que precisa ser resolvido. Creio que não podia haver um semáforo no final da Tenente, quando chega na Santos Dumont. Na obrigação de existir, precisa ficar mais tempo aberto pro pessoal que vem da Tenente. Ali que precisa fluir. Ah, uma observação: o caos que era a volta para o centro pela Dona Francisca e pela Tenente foi praticamente esquecido.

A palavra que importa aqui é fluir. O que precisa ser resolvido são gargalos, cruzamentos, saídas, entradas. Você não precisa de muito mais espaço para carros nas vias, mas precisa resolver os cruzamentos das mesmas. E isso se faz com rótula, binário, mão inglesa. Obras relativamente baratas e eficazes.

Por isso que a duplicação do trecho entre a Univille e a Tuiuti é um erro. O trânsito é fluído neste trecho, mas para justamente nas cruzas. Uma boa rótula seria muito melhor do que o trambolhão do elevado da Tuiuti, assim como seria ótima no cruzamento que envolve o início (agora fina?) da Santos Dumont, a saída da João Colin, o começo da Blumenau e da General Câmara e o meio da Dona Francisca.

Não é de bobeira que as cidades mais modernas do mundo, como Boston, estão derrubando seus elevados e construindo parques no lugar. Tudo isso sem falar da superioridade do transporte coletivo e das potencialidades da mobilidade cujo corpo é o próprio motor.

"Hail Trump!", grita extrema direita dos EUA

POR ET BARTHES

O presidente eleito Donald Trump já rejeitou qualquer ligação ao grupo de extrema-direita “all-right”. No entanto, correm o mundo as imagens em que os manifestantes fazem a saudação nazista aos gritos de “viva Trump, viva o nosso povo, viva a vitória”. Os integrantes do grupo vão mais longe, ao afirmarem que os Estados Unidos são um país branco, criado pelos brancos e que deve pertencer aos seus filhos brancos. Mesmo que não entenda inglês, os gestos são claros.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A história de Rosangela Müller e outros idiotas

















POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Rosangela Elisabeth Müller. Reconhece o nome? Talvez não. E se eu disser que é a mulher que confundiu a bandeira do Japão com a bandeira de um Brasil comunista? Aí fica fácil lembrar, né? Afinal, o vídeo publicado pela mulher nas redes sociais é um dos maiores micos que as nossas pobres e cansadas retinas tiveram o desprazer de ver neste ainda insipiente século (aqui).

Mas por que falar na senhora? Ora, porque ela é arquétipo pronto e acabado da estupidez que assola esse enorme circo político chamado Brasil. Rosangela é uma espécie de ponta de lança de um time que se orgulha da própria ignorância e faz da desinteligência uma forma de vida. É claro que esse tipo de gente sempre existiu (todos conhecemos alguém assim), mas as redes sociais criaram o palco onde podem zurzir as suas necedades.

No entanto, quando a esquizofrenia invade a esfera pública é preciso estar atento. Porque essa gente é violenta, anti-intelectualista, irracional e ignorante. Parecendo ser apenas picarescos, são perigosos porque atuam como hospedeiros do vírus do fascismo. Sob a aparência de inofensivos truões, aos poucos vão inoculando esse vírus na sociedade. E não se deve menosprezar o poder de despertar fascismos adormecidos.

A rejeição do pensamento está a viver o seu período de ouro. Os irracionalismos pululam aqui e acolá por todo o mundo. Mas no Brasil a febre está a atingir os estertores. E nem  é preciso ir longe para encontrar as explicações. A história recente mostra que o antipetismo, um sentimento insuflado pelas elites e pela velha mídia, acabou por se tornar uma corrente política. O antipetismo vem recheado de anti-intelectualismo.

Eis o problema. O antipetismo é uma fórmula simplória que, bem ao gosto dos fascismos, desconhece a complexidade da política. Ou seja, há uma sanha simplificadora que obriga a ver tudo em preto e branco, com um discurso construído através de clichês mal amanhados. Tudo isso, claro, mergulhado em boas doses de ódio. E é aí que mora o perigo para a democracia.

Por que Rosangela é perigosa? Porque é uma idiota motivada. É o tipo de gente que vê o mundo com o olhar limitado por viseiras. Aliás, se em tempos de digital fica mais fácil Rosangela se mostrar, também fica mais difícil se esconder. Quem der uma passadinha pelo perfil de Facebook da senhora vai ver uma pessoa a perseguir delírios. A viver simulacros militares (bater continência) e, claro, a admirar o sobrenome “Bolsonaro”.

Há gente a prever que as próximas eleições no Brasil serão entre a direita e a extrema direita. É um risco. E Jair Bolsonaro, representante do que há de mais atrasado em civilização, é um nome a ter em conta. “Não, isso não vai acontecer”, pensarão o leitor e a leitora que ainda acreditam na razão. Talvez. Mas os episódios recentes, em especial no caso de Donald Trump, nos Estados Unidos, são um aviso: se cochilar o cachimbo cai.

Como alguém já disse, o preço da liberdade é a eterna vigilância.

É a dança da chuva.


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Santos Dumont: um show de improvisação e enrolação


POR JORDI CASTAN
O foguetório com que foi recebida a ordem de serviço da duplicação da Avenida Santos Dumont fazia parte do espetáculo para encantar iludidos. Os atores da peça sabiam que era tudo mentira, pura encenação. A obra não seria executada como estava sendo previsto, custaria muito mais e não ficaria concluída no prazo. Bem do jeito que estas coisas são feitas por aqui.
O edital da duplicação, lançado pelo governo do Estado, em 15 de agosto de 2012, previa um custo de R$ 66 milhões para a duplicação com duas pistas de três faixas em cada sentido, com rotatórias e ciclovia ao longo de toda a extensão. Tudo isso em 24 meses de prazo para entrega da obra. Sempre tem quem acredita nestas lorotas e aplaude os inflamados discursos em palanque de lançamento de edital, primeiro, e de entrega da ordem de serviço, depois.
A licitação foi vencida pela Infrasul para implantar o projeto original, por R$ 47,9 milhões. O preço ficou abaixo dos R$ 61 milhões previstos no edital. No mundo da ficção em que vivem os nossos políticos, as desapropriações foram orçadas em R$ 25 milhões nesse mesmo ano, 2012, de acordo com o cálculo feito pela Prefeitura.


Olhando com a perspectiva de hoje fica claro que os técnicos da Prefeitura devem ter usado ou a quiromancia ou outras artes divinatórias, porque em março de 2015 a ADR - Agência de Desenvolvimento Regional estimou o valor das desapropriações em R$ 48 milhões e informa do valor de R$ 55 milhões, com dois elevados na Tuiuti e na Arno Valdemar Dohler Neste projeto, os números aumentam em proporção inversa à área realmente duplicada. 
O que era para ser uma via duplicada com 8 quilômetros de extensão e 6 faixas, três em cada sentido, se converteu num remendo que foi ficando mais e mais caro. Na revisão do projeto original foi reduzida a largura da pista e o numero de faixas. 
O que fica evidente hoje é que a Prefeitura nunca teve um projeto executivo completo e se lançou numa aventura sem saber quanto custariam as desapropriações. O prefeito declarou ao jornal A Notícia que “que alguns casos devem exigir decisões judiciais e a questão será analisada durante o levantamento dos terrenos que precisam ser comprados.” Puro achismo. Chute. Pior ainda porque a Prefeitura já sabia na época que não contava nem com os R$ 25 milhões previstos para as desapropriações. E mesmo assim se lançou na aventura, contando com que os proprietários fariam doações em troca de nada.



A estratégia adotada por Cobalchini em conversa com o prefeito Udo Döhler (PMDB) e empresários, ainda antes da eleição de 2012, foi na verdade a de dar o pontapé inicial em etapas práticas e ao seu alcance, como a licitação e a ordem de serviço, a fim de pressionar para que fases burocráticas sejam agilizadas. No que alguns consideram um exemplo de planejamento e gestão e outros um caso grave de empulhação.



No projeto original estavam previstos quatro elevados que agora se converteram em dois -  um para o cruzamento com a rua Tuiuti e outro para o encontro com a Arno Döhler. Em abril deste ano o secretário do estado João Carlos Ecker informou que o valor da duplicação é de 48 milhões e 22 milhões só para o elevado. Hoje é dia de celebrar o recape da Rua Tenente Antônio Joao e a duplicação mais cara e inútil já feita na Rua Dona Francisca entre a Rua Joao Colin e a Arno Waldemar Döhler.
Nem vou polemizar com o atraso da obra. Nem com os acidentes e as mortes que já ocorreram pela péssima sinalização. Nem o questionável que é gastar todo esse dinheiro numa obra que não era prioritária, que mais pareceu, na época, o desejo de algum ex-presidente da ACIJ para chegar mais rápido ao aeroporto. A única certeza hoje é que não sabemos quanto vai custar e quanto tempo ainda vai durar a obra. O que não deve surpreender, porque prazos e preços não tem sido o forte da gestão municipal desde faz décadas.



sábado, 19 de novembro de 2016

Foge, Temer, deixa Satã para trás...

POR ET BARTHES


O Brasil é um país em transe. O deputado Cabo Daciolo avisa Michel Temer para abandonar o satanismo. Não haveria problema se a cena tivesse ocorrido numa igreja. Mas num parlamento significa que o país efetivamente está a alucinar.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

A propaganda tem voz, nós não


POR FELIPE CARDOSO

O vídeo do governo paranaense sobre o racismo viralizou na Internet e acendeu, mais uma vez, o debate sobre raça e racismo no Brasil. Muitos compartilhamentos e elogios à propaganda elaborada para combater o racismo.

Um dos comentários vistos foi que o “governo do Paraná esfregou na nossa cara o racismo”. Como assim?

Não, não estou criticando a propaganda. Gostei e acho importante a existência dela. Sei do seu poder e sim, acredito que devemos levar e propagar a luta antirracista em diversos meios. A problematização é outra.

Parabenizar o governo por fazer o seu papel em promover a justiça e a igualdade é um tanto quanto preocupante. Dizer que o governo paranaense esfregou na nossa cara o racismo é de uma desonestidade sem tamanho.

Essa propaganda é resultado da militância e luta dos movimentos e coletivos negros, de intelectuais negros. Essa luta não é de hoje. Não é de agora que  denunciamos a nossa estereotipagem negativa e o racismo institucional existente no Brasil e no mundo.

Então dizer que o governo do estado do Paraná promoveu algo revolucionário é injusto e mostra um pouco da face da "branquitude" (privilégio branco).

A repercussão da propaganda deixa evidente o quanto as vozes de milhões de negros e negras ainda não valem. É preciso que pessoas brancas façam e demonstrem como é.

Mas quando é um texto de uma mulher negra comentando que sofreu racismo em sua entrevista de emprego, ou que perdeu a prova do ENEM, pois não pode utilizar seu turbante, é tudo “mimimi”. Quando falamos que negros são maioria dos desempregados, quando falamos no genocídio e encarceramento da população negra é vitimismo. Quando falamos da importância de cotas, quando denunciamos a falta de representação em espaços de poder já estamos querendo muito.

Mas daí quando surge uma propaganda que mostra pessoas brancas explicitando tudo o que relatamos diariamente, daí ela esfrega na nossa cara o racismo? Sério mesmo?

O que fez Abdias do Nascimento, o que fez Lélia Gonzalez, Clóvis Moura, Milton Santos? O que faz Jeruse Romão, Cristiane Mare da Silva, Stephanie Ribeiro, Luana Tolentino? O que fazem os movimentos e coletivos negros contemporâneos? O que fizeram os movimentos e coletivos do passado?

Espero realmente que nos aprofundemos, de maneira geral, nos estudos sobre “branquitude”, raça e racismo. Pois esse vídeo foi uma bela demonstração de privilégios e de como nós, negros e negras, ainda não temos voz, não somos vistos e escutados. O racismo só passa a existir quando o branco fala que existe.

O futuro das direitas no pós-Dilma













POR MURILO CLETO

Se me permitem, vou tomar a invasão do plenário da Câmara ontem, por meia centena de defensores da ditadura militar, para falar brevemente sobre uma distensão prestes a acontecer no Brasil. Me refiro ao que pode ser das direitas por aqui.

Falo no plural porque parto do pressuposto de que há fundamentalmente duas, a liberal e a conservadora, unidas até agora pela sereia do antipetismo. Quem esteve ontem no Congresso pertence à segunda categoria. Em linhas gerais, trata-se de um grupo de saudosos da Guerra Fria que acredita firmemente na ideia de que a política nacional foi tomada pela esquerda. Nada do que se diga vai convencê-lo do contrário. Aliás há muito pouco a se dizer para quem enxerga um painel que homenageia o centenário da imigração japonesa no Brasil como uma versão comunista da bandeira nacional (aqui).

(Não apenas ele, você vai entender depois, mas) Temer tem um problemão pela frente. Precisa encontrar um meio de fazer se sentir representada essa parcela da direita que apostou no impeachment para livrar o país do, vá lá, comunismo e da corrupção, mas que não vai demorar para abrir fogo contra o novo governo. Primeiro porque ele pode ser qualquer coisa, menos um basta na roubalheira. E tanto imprensa quanto procuradores da Lava-Jato já deixaram bem claro que não vão deixar, com algumas exceções, a coesa classe política que derrubou o PT se livrar tão facilmente da exposição. Segundo porque a agenda econômica apresentada pelo PMDB para retirar o país da recessão vai funcionar como um barril de pólvora no meio desse lamaçal.

Explico. Hoje, a direita conservadora da América Latina apresenta traços consideravelmente diferentes da europeia e norte-americana. Aqui ela está centrada em diferentes – porque atualizadas – espécies de macarthismo, sobretudo devido à herança dos regimes militares. Confesso que não fiquei surpreso ao me deparar com panfletos alertando contra a “ideologia de gênero” na campanha pelo “não” ao acordo de paz do governo Juan Manuel Santos com as FARC.

Sobretudo graças à deterioração econômica de países com governos mais identificados com a esquerda, grande parte deles abertamente populista, a direita liberal passou a conquistar espaços significativos novamente. Sem dúvida alguma, a eleição de Macri na Argentina simbolizou essa guinada, já aparentemente irreversível. A coalizão que entregou o poder a Temer sobreviveu com mais ou menos o mesmo discurso: o Estado está imenso, é preciso diminuir. Como a vida das pessoas por aqui piorou consideravelmente, a alternativa ganhou eco. E está sendo comprada rapidamente.

Mas, a despeito de todas as nuances, é preciso dizer que a América Latina começa a rezar a cartilha que abriu caminho para a direita autoritária que apareceu com força na Europa mais precisamente a partir de 2011. Lá os efeitos nefastos da globalização foram sabiamente explorados por uma narrativa mesmo tribalista que colou também na figura do estrangeiro a responsabilidade pelas mazelas do mundo pós-2008. Países de longa tradição humanitária, como é o caso da Dinamarca, tomaram a dianteira rumo ao fechamento de fronteiras e o Tratado de Schengen, segundo grande trunfo da União Europeia – logo depois do Euro – começou a ruir.

A solução para encarar o aumento exponencial da dívida pública e os altos índices de desemprego na Europa é bem conhecida: além da agenda anti-imigração, uma severa política de austeridade que jogou para cima a idade das aposentadorias e para baixo o Estado de bem-estar social. E foi nesse panorama que a direita proto ou assumidamente neofascista ganhou corpo.

E o que têm com isso os cinquenta patriotas que passaram horas no plenário da Câmara ontem chamando desesperadamente por um general? Até hoje, não muito. Mas eles tendem a crescer. Primeiro porque encontram amparo no olvido que pautou o trato do Brasil com o passado recente de autoritarismo no poder. E, segundo, porque o PMDB não tem outra escolha a não ser abandonar de vez o patrimonialismo para afagar quem o alçou a uma presidência da república sem voto. O preço é alto e vai ser pago com um ajuste intolerável. E logo as direitas, hoje ainda em lua de mel, vão romper.

Mas tem mais. Se você tiver condições, veja o tom de Enéas Carneiro (aqui), o último grande nome da extrema direita no Brasil antes de Jair Bolsonaro. Pouca coisa o diferencia de certas simplificações à esquerda a respeito da agenda de Meirelles e companhia.

Não é verdade que a história se repete. E eu não sou futurólogo. Lido com o que já aconteceu. Mas, já dizia o cancioneiro sertanejo, disfarçar as evidências é loucura.





Murilo Cleto é professor, colunista na Revista Forum
e editor do Desafinado Blog (blog)

A bandeira do Japão e os comunistas

POR ET BARTHES

Há coisas inexplicáveis. A confusão mental da senhora do filme é uma dessas coisas difíceis de explicar por palavras. A mulher confundiu a bandeira do Japão com aquilo que imagina ser a bandeira do futuro Brasil comunista. E não deixou por menos: a partir dessa burrada, fez um discurso veemente a alertar o mundo para os perigos do comunismo. Parece ser apenas o delírio de uma pessoa fanática, mas representa um perigo para a democracia.


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Reflexões sobre as eleições nos EUA: virá o fascismo?













POR RODRIGO BORNHOLDT

Logo que soube do resultado das eleições norte-americanas, postei em alguns grupos de whatsapp: os Estados Unidos elegeram um fascista. Depois, refletindo com calma, entendi que exagerei. Mas, repensando a própria reflexão, agora após alguns dias de uma semana com gosto amargo, entendo que há muitos traços fascistas no novo presidente.

Pela primeira vez na história, os Estados Unidos elegem alguém tão próximo à extrema direita. Reagan e os Bush eram conservadores, de direita, mas praticavam o chamado “compassionate conservatism”. Muito mais moderado do que aquilo que se pode esperar de Trump.

Há, porém, duas diferenças entre o novo presidente e o fascismo tradicional: esse coloca o Estado acima da própria atividade privada, suprimindo as várias liberdades, inclusive com fortes restrições à livre iniciativa. E, diante disso, tende a criar um Estado totalitário. É difícil que os EUA abandonem suas instituições democráticas e sucumbam ao totalitarismo, na definição dada por Hannah Arendt. Mas é muito possível que limite algumas liberdades e adote características autoritárias.

Como Trump é um negociante, os negócios tendem a falar em primeiro lugar. Para ele, o Estado deve servir aos negócios. Isso não retrata verdadeiramente o fascismo. Mas, sendo o novo presidente defensor dos grandes negócios, pretendendo inclusive revogar a lei antitruste, isso gera mais uma baita injustiça contra a maioria da população, inclusive pequenos e médios empresários.

O fascismo, aliás, andou de braços dados com o grande capital. Foi uma aliança sólida na Itália e na Alemanha. E, nos outros aspectos daquilo que é mais próprio de Trump, o fascismo volta a mostrar sua face abjeta: o desprezo ao outro e sua incompreensão. É assim com a depreciação ao negro, ao latino, ao muçulmano, ao oriental. Brasileiros já ameaçam voltar dos EUA; imigrantes, legais ou não, tendem a ser perseguidos pelo ódio das massas ou das instituições mais conservadoras.

A Alemanha não resistiu ao furor autocrático do nazismo. Mas era uma criança democrática. Tinha apenas 13 anos de Estado Democrático de Direito quando foi subjugada. Os EUA, com todos os defeitos de sua democracia, praticam-na há mais de 200 anos.

Sinto vergonha de minha geração, que contribuiu fortemente para esse resultado. Apenas espero que os valores democráticos estejam realmente incutidos nos EUA, para que se evite qualquer aventura autoritária mais profunda por parte do novo incumbente.

Sempre questionei a remarcada influência da televisão e a pouca formação cultural da maioria dos cidadãos. O Estado Democrático de Direito exige vigilância e um mínimo de cidadãos cultos e críticos, que defendam e (re)construam, permanentemente, os valores em que ele se embasa: liberdade de expressão, uma maioria formada racionalmente, o debate das grandes questões públicas; o respeito à vontade popular; o devido processo legal; um mínimo de direitos sociais. 

E deveria também figurar, nesse rol, como preconiza Michael Sandel, a defesa de uma economia política voltada à formação de verdadeiros cidadãos ativos, tanto pela predominância de uma economia baseada em pequenas e médias empresas, como pela efetiva aplicação de um sólido direito antitruste.

Há também um curioso lado populista em Trump, que por vezes parece compreender os pobres que mais sofrem com o processo de globalização. Mas parece pedir muito a ele que tenha um pouco de compaixão por todos e se dispa daquela escala de valores mais próxima de Wall Street e da divisão de mundo entre winners e losers. Aí Trump já não seria Trump. 


O mais provável é que ele realmente exerça, na medida em que consiga, o papel de um tipo de fascista norte-americano que encontro na seguinte passagem da descrição de John Lee Brook, um personagem fictício, criado por Roberto Bolaño em seu indizível “La literatura nazi en America:

- Sus temas preferidos y que se repiten a lo largo de todos sus poemas de manera a veces obsessiva, son la pobreza extrema en algunos sectores de la población blanca, los negros y los abusos sexuales carcelarios, los mexicanos siempre pintados como diminutos diablillos o como cocineros misteriosos, la ausência de mujeres (talvez aqui o único ponto em que Trump difira)... la decadencia de América, los guerreros solitários. (Anagrama: Barcelona, 2010, p. 160)

O estrago parece feito. Com um congresso conservador, e ao nomear um ou talvez até mais novos juízes da Suprema Corte, Trump consolidará a guinada conservadora nos Estados Unidos. Tomara não descambe ela para o fascismo. E, se isso acontecer, que a Califórnia consiga mesmo se separar da União.



Rodrigo Bornholdt é advogado, doutor em direito
e professor universitário

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O sapo e o príncipe













POR RAQUEL MIGLIORINI

Preciso voltar a um assunto já tratado aqui: o Vale do Encanto. Trata-se de um projeto que vende a idéia da falência da área rural substituída por condomínios residenciais de luxo e, por que não, industriais, na Estrada da Ilha e adjacências. Com a justificativa de que as atividades rurais não dão mais lucros e isso tem provocado um êxodo rural, o projeto propõe a expansão da área urbana para que seja possível o parcelamento daquelas áreas, fato que é ilegal em propriedades rurais.

Podemos analisar esse projeto por várias faces. A primeira me parece a mais óbvia: o município não dá conta da urbanização da área já existente, o que facilmente é constatado quando observamos  calçamento, asfalto, iluminação pública, transporte ineficiente, ciclovias ( e não ciclofaixas extremamente perigosas), drenagem, saneamento básico.

A segunda, seria o interesse por esse projeto. Segundo a Câmara de Vereadores e o Conselho da Cidade, foram coletadas cerca de 14 mil assinaturas (muito além da quantidade de moradores da área de abrangência). Ocorre que só um pequeno grupo freqüenta as reuniões na Câmara e no Conselho para defender a ideia. Por causa da pressão popular e por sugestão do próprio Conselho da Cidade, o projeto foi retirado da análise e engavetado no meio do ano, desvinculando-se da LOT.

Casualmente, assistindo uma sessão no Plenarinho, pela TV Câmara, me deparo com uma nova apresentação e discussão, com alegações de que estudos realizados provavam a eficiência do projeto e da urbanização da área. Gostaria de ver os estudos, realizados em tão pouco tempo numa área com grande fragilidade ambiental . Na página da internet (http://valeverdeencanto.eco.br/site/) podemos ler que não é objetivo do projeto descaracterizar a paisagem rural. Acontece que a impermeabilização daquela área, com uma série de construções, atinge diretamente o Rio Cubatão, que é nosso principal manancial de água potável. Portanto, não se trata de beleza.

 A terceira face é a forma primitiva e medíocre de apresentar soluções para pequenos grupos  mas que atingem toda a comunidade de uma cidade, cuja  visão financeira usada até hoje tem como principal característica a predação de recursos humanos e ambientais. Se a área rural já não é tão produtiva, não temos tecnologia e novas culturas para reverter esse quadro? Culturas orgânicas e produtos coloniais tem se mostrado altamente lucrativos e com aceitação cada vez maior no mercado interno e externo. Leite, hortaliças, frutas, ovos, etc. EPAGRI, Fundação 25 de Julho, UDESC, UFSC  se transformaram em órgãos públicos sucateados ao invés de fornecer pesquisas, soluções e oportunidades para quem está ou quer ir para o campo.

Quantas pessoas serão beneficiadas com a venda desses terrenos? Quanto tempo vai durar até que o projeto mostre sua falha ao controlar a densidade populacional na área? Por que o Ministério Público e todos os cidadãos são omissos ao se depararem com as centenas de ocupações irregulares na área rural? O poder público não fiscaliza, o que torna as invasões vantajosas por serem regularizadas posteriormente.

 Joinville coloca o título de príncipe em tudo, devido à sua história. Inclusive em muitos sapos que sequer um beijo muito apaixonado fará a transformação. Nesse caso, especialmente, o sapo não terá nem brejo pra morar.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Crianças de 3 anos matam pessoas, armas não...
















POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Armas não matam pessoas, pessoas matam pessoas”. Este é, sem dúvida, o argumento preferido dos defensores das armas na tentativa de explicar o inexplicável: a liberalização do uso de armas. O argumento é considerado uma espécie de bala de prata. Por ser tão irretorquível, põe fim a qualquer debate. Mas é só estupidez, porque a defesa de armas só interessa à indústria do armamento e a um punhado de pacóvios.

Ora, basta uma rápida análise dos fatos para mostrar que esse argumento – pessoas matam, armas não – é tolice. E a comprovação vem dos Estados Unidos, um país que é referência no uso de armas e que acolhe a decrépita segunda emenda, instituída no século 17 para garantir, aos cidadãos, o direito de ter e portar armas. A emenda, claro, voltou a ser tema de debate nas eleições que levaram Donald Trump à Casa Branca.

A situação na terra do Tio Sam é tão aberrante que a Brady Campaign, entidade focada na prevenção da violência por armas de fogo, decidiu criar uma campanha publicitária satírica, mas tendo por base dados da realidade. Eis os fatos: no ano passado toddlers (crianças na fase de engatinhar e andar) dispararam e mataram mais norte-americanos do que terroristas. Parece brincadeira, mas é sério.

“Mulher morta depois de uma criança ter pegado numa arma”. “Criança atira em parentes após encontrar uma arma de fogo”. “Mulher atingida e morta pelo filho de três anos”. “Criança atinge mortalmente irmã de nove anos com arma deixada no guarda-roupas”. Esses são alguns exemplos de manchetes usadas no filme de televisão, a peça principal da campanha “Toddlers Kill” (ver abaixo).

“As armas não matam pessoas, as crianças matam” foi o tema da campanha, que ganhou notoriedade mundial. E é aí que entra a sátira. “Há crianças mortíferas através do país, matando pessoas a um ritmo alucinante. É preciso trancafiá-las”, diz o texto, numa ironia. “A gente espera que essa situação mostre o absurdo que é o debate sobre armas nos Estados Unidos”, explicou Brendan Kelly, porta-voz da Brady Campaign. E tem razão, claro.

E o que o Brasil tem a ver com isso? Por enquanto, ainda pouco. Mas não vamos esquecer que o país tem uma aberração legislativa chamada Bancada da Bala. E o pior: que mais de 70% dos candidatos que receberam doações da indústria do armamento acabaram se elegendo nas últimas eleições parlamentares, tanto em nível estadual quando federal. É um claro tiro no bom senso.

É a dança da chuva.


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

O rotativo, o blackmail e outras “cositas”


POR JORDI CASTAN
Depois de anos adormecida, a licitação do estacionamento rotativo decidiu sair apressadamente da gaveta num dia para, praticamente no dia seguinte, ser colocada sob suspeição, com o deflagrar da Operação Blackmail. Joinville parece ter uma dificuldade patológica para lidar com certas coisas. 

A mesma Prefeitura que ficou quatro anos sem resolver o problema do estacionamento rotativo, de um dia para outro, inebriada com a vitória no segundo turno, lançou a seguinte pérola:
- “O estacionamento rotativo regulamentado pago é um poderoso instrumento de gestão de trânsito, enquanto ordenador do uso moderado e racional do solo viário urbano. É uma das melhores opções de que dispõem as cidades que desejam minimizar o problema da carência de vagas de estacionamento em regiões comerciais e de serviços”.


Este é um dos trechos da justificativa da Prefeitura de Joinville para relançar o estacionamento rotativo, suspenso desde 2013.  Tempo atrás o município não era tão simpático ao rotativo. Mudou o governo? O que mudou para termos essa mudança tão repentina?
Quem não fosse daqui até poderia acreditar nessa parolagem dos tagarelas do Executivo. Mas quem é daqui não demorou muito para sacar que o jabuti tinha subido no toco. Toda essa pressa e esse ativismo devem ter endereço certo. E para ajudar a achar o caminho das pedras, o Gaeco apresenta a pontinha do novelo que permite achar o caminho para sair do labirinto.

Desenrolando o novelo, ficamos sabendo que há empresário interessado na licitação e que há vereador interessado em que a licitação saia. E, claro, tudo isso feito por amor a Joinville, por puro desinteresse. Não fosse por umas gravações telefônicas, umas fotos e pela investigação feita, toda esta história nunca veria a luz. 
Como as investigações se estenderam por vários meses e neste tempo houve outros projetos importantes sendo debatidos na Câmara, é provável que possam aparecer dados que levem a novas linhas de investigação. Quem sabe se aí não fica mais claro o protagonismo e a veemente defesa que alguns vereadores fizeram das suas emendas na LOT. Aquelas que casualmente não apresentam os estudos técnicos adequados, por dizer alguma coisa, porque não apresentam nem os adequados, nem os mínimos. Ou aquelas emendas que quando questionadas pelos próprios assessores e técnicos foram defendidas no grito e não com argumentos. 


Essa história dos assessores da Câmara e seu posicionamento técnico deve merecer mais atenção da população. Porque frente aos interesses exclusivamente políticos e politiqueiros é bom que a sociedade possa contar com um corpo técnico qualificado que ponha freio a algumas das aberrações contidas em muitas das leis em debate.
As coisas aqui não andam. Quando andam, preferem atalhos, veredas e outros caminhos que não os certos. Quando uma licitação não anda é porque há alguém que não quer que ande, quando anda é porque há alguém que quer muito que ande. 

Licitação para instalar um crematório? Não houve. Por que não houve? Essa é uma boa pergunta. Licitação para aluguel de bicicletas e instalação de bicicletários? Era para ontem, já faz mais de seis anos e até agora nada da dita licitação. Vai ver que os interessados desistiram quando souberam de todos os penduricalhos que estavam sendo propostos. Licitação para o transporte coletivo? Essa está mais enrolada que um nó górdio e, a menos que apareça na vila um novo Alexandre, O Grande, tudo vai continuar enrolado. Até porque é mais fácil não fazer, não resolver, deixar como esta que enfrentar os problemas e resolvê-los. 

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Salários de 400 mil reais? Não acredito...


POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Um dia destes vi, nas redes sociais, um documento (que me garantiram ser verdadeiro, mas parece invenção) sobre os salários de desembargadores federais no patropi. Fiquei de queixo caído. Segundo a lista, tem um cara que ganha 215 mil reais (o corresponde a 60 mil euros). Gente... isso tem que ser mentira. Casos como esse não existem em democracia e no mundo civilizado.

Mesmo não acreditando (é uma maneira de não desenvolver úlceras nervosas), arrisco uma comparação. Um dos temas mais recentes na imprensa portuguesa, por exemplo, é o fato de o banco estatal de Portugal ter contratado um CEO por 30 mil euros. Todo mundo acha um exagero, apesar de ser um valor dentro dos valores de mercado pagos para a função no setor bancário. Santa ironia, Batman, são poucos os desembargadores da lista "mentirosa" que ganham menos. Muito poucos.

Pensei em comparar os salários dos tais desembargadores (da lista que só pode ser inventada) com cargos semelhantes na Europa. Mas é covardia. Um juiz em Portugal, por exemplo, ganha 3 mil euros (cerca de 11 mil reais). Então, opto pelo salário de alguns governantes da União Europeia, a partir de dados de algum tempo atrás, mas que pouco se alteraram.

Eis os exemplos. Os primeiros-ministros de Portugal e Polónia recebem 15,8 e 12 mil reais de base. Prestem atenção: é menos do que recebe o mais baratinho dos desembargadores, que são 28 mil reais. É claro que há outros políticos europeus que ganham bem mais, como o caso da primeira-ministra britânica e da chanceler alemã, cujo salário anda por volta dos 60 mil reais. Mas ainda assim ficariam abaixo dos bambambans da tal lista (tão inacreditável que suponho mentirosa).

Salários de 150 ou 215 mil reais são coisa que não entra na cabeça de nenhum europeu, ainda mais porque estamos a falar de funcionários públicos. Não resisto ao clichê: no Brasil tem gente que, mais que servir o Estado se serve dele. Seria imoral, cisa inaceitável em civilização. Ainda mais num momento em que a imagem dessa gente do Judiciário - nas suas mais altas instâncias - anda mais suja do que pau de galinheiro.

Ah... esqueçam tudo. Acabo de receber a informação de que no Rio de Janeiro um magistrado pode ganhar até 400 mil reais. Nem vale a pena continuar a discussão. A vaca já está no brejo, com badalo e tudo...

É a dança da chuva.