sexta-feira, 23 de junho de 2017

Desenvolvimento sustentável: dá para acreditar? (parte 2)


POR MICHEL LATOUCHE
Ontem falamos sobre o desenvolvimento sustentável a partir do conceito de progresso de Walter Benjamin. Hoje falamos de um autor mais recente, o francês Michel Serres, que usa o quadro “Luta com Clavas”, da fase negra de Francisco Goya, para falar de um embate onde não há vencedores. Esse embate é entre o homem e a natureza. O pensador francês descreve a cena que podemos ver no quadro (abaixo).

“Dois inimigos brandido bastões lutam, em areias movediças. Atento às táticas do outro, cada um responde golpe a golpe e dá a sua réplica à esquiva. Fora da moldura do quadro, nós, espectadores, observamos a simetria dos gestos no decorrer do tempo: que espetáculo magnífico e banal”, analisa o pensador.

Michel Serres, autor do livro “O Contrato Natural”, também publicado no Brasil, faz uma descrição vigorosa da cena e, a seu modo, lança a sorte. “O pintor enfiou os duelistas até os joelhos na lama. Quem vai morrer, nos perguntamos? Quem vai ganhar, pensam eles e nos perguntamos mais ainda? Apostemos”, ironiza o pensador, para quem o ser humano é um voyeurista doentio.

“Mas, numa terceira posição, exterior à contenda, percebemos um terceiro lugar, o pântano, onde a luta se enterra. Aqui, na mesma dúvida acerca dos duelistas, os apostadores arriscam perder juntos, como os lutadores, já que é mais provável que a terra absorva os últimos antes que eles próprios e os jogadores tenham liquidado a sua conta”, completa Serres.

Há uma evidência. Num sistema capitalista nada pode parar ou questionar o progresso. Quem questiona ou é filósofo ou tomado por tolo. O mito do progresso é, provavelmente, a mais forte linha de orientação da economia capitalista. O quotidiano das sociedades é fundado em pressupostos ideológicos que pregam o crescimento ininterrupto. É a ditadura do PIB.

O discurso do progresso é axiomático e, como é próprio dos mitos, dispensa qualquer demonstração. Tudo o que ganha estatuto de natural não precisa ser comprovado. O fato é que e ao longo de toda a história da sociedade capitalista, a discussão sobre o tema progresso tem sido residual e o seu questionamento quase inexistente.

A sustentabilidade é importante? Claro. Mas não se a palavra for falseada, posta a serviço de um conceito que mantém uma exploração insaciável dos recursos naturais. O ponto de retorno das mudanças climáticas já foi ultrapassado e truques linguísticos não permitem voltar atrás.


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Desenvolvimento sustentável: dá para acreditar? (parte 1)


POR MICHEL LATOUCHE
Desenvolvimento sustentável. Eis uma expressão para olhar com muita desconfiança. Porque não passa apenas do branqueamento linguístico de uma coisa nefasta: o processo de destruição dos recursos naturais continua, mas com um argumento – sustentado por uma palavra – que serve de álibi. A palavra é “sustentável”.

Dizem os especialistas que o desenvolvimento sustentável é uma forma de conciliar o progresso com a preservação da natureza. Mas o que acontece na prática nunca é uma conciliação. Porque a gula do progresso é insaciável e a natureza acaba sempre por perder. Não vamos esquecer que os cientistas há muito falam do “ponto de não retorno”.

A intenção deste artigo é apresentar dois autores que falam da questão a partir de obras de arte. O primeiro é o pensador frankfurtiano Walter Benjamin, que faz uma leitura de um quadro de Paul Klee. O segundo, de autoria do filósofo francês Michel Serres, descreve essa luta (a natureza e o progresso) a partir de um quadro de Goya.

O primeiro está centrado na ideia que as pessoas têm do conceito de progresso. A imagem de progressista faz parte do “vestuário” de qualquer político ou administrador nos dias de hoje. Ou seja, quanto mais progressista melhor. O verdadeiro problema está no conceito de “progresso”. Temos uma descrição pungente em Walter Benjamin.

Ao elaborar suas teses sobre o conceito de história, o pensador alemão, que se suicidou para não cair nas mãos dos nazistas, fala de um retrato catastrófico do progresso. É um texto que merece ser lido muitas vezes. Benjamin afirma que história e progresso estão muito intrincados, ao ponto de quase não poderem ser dissociados.

Diz o pensador alemão: “Há um quadro de Klee que se chama ‘Angelus Novus’. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés”.

E continua: “Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos progresso".

O quadro é o que vemos abaixo.

*(o artigo está dividido em duas partes, uma hoje e a outra amanhã).





quarta-feira, 21 de junho de 2017

Gente que se mete onde não foi chamada

POR FELIPE SILVEIRA
Em primeiro lugar, rodeios têm que acabar. Já começo com isso para marcar minha posição sobre o assunto. Se a galera da vaquejada quiser me tirar pra Cristo como faz com o pessoal da causa animal, os comentários são serventia da casa.

E já digo isso porque aqui eles são bem-vindos a comentar, estão sendo "consultados".  Não é o caso do Projeto de Lei Complementar 53/2017, discutido na noite de terça-feira (20) na Câmara de Vereadores. O PLC, de autoria da vereadora Ana Rita Hermes, eleita com a bandeira da causa animal, propõe o abandono gradativo do uso de tração animal no perímetro urbano.

A ideia principal do projeto é impedir o uso de animais para puxar as carroças de catadores, situação que leva os bichos à exaustão, que não permite o tratamento adequado de doenças, que leva ao abandono e ao sacrifício quando os animais ficam velhos, que, por falta de condições, não permite os cuidados básicos com os bichos de grande porte.

O projeto, portanto, pode levar a um conflito entre catadores que usam tração animal e defensores dos animais. A discussão, no entanto, contou com a participação de um grupo inusitado, o pessoal ligado à vaquejada. O que estavam fazendo lá?

Um deles, em entrevista à TV, reclamou que sua associação não foi consultada. Pelo sobrenome do sujeito, acho que ele pensa que o legislativo deve lhe consultar sobre os temas polêmicos.

Nunca vi esse pessoal da vaquejada catar uma latinha pra vender no ferro-velho. Será que eles estavam mesmo preocupados com os catadores? O que o projeto lhes diz respeito? Há alguma mágoa com a galera da causa animal? Ou a ideia é minar a força desses movimentos antes que cheguem até eles?

O projeto voltou às comissões parlamentares para ser melhor discutido. Olhando os sobrenomes envolvidos  a gente pode começar a entender a má vontade de alguns vereadores para votar o projeto.

Os animais que puxam as carroças são presos, em geral, pelo pescoço. Acho que outros são presos pelo rabo.

Recepção.


terça-feira, 20 de junho de 2017

A internet dos objetos vai mudar a sua vida. E muito...



POR LEO VORTIS

A Internet dos Objetos (IoT- Internet of Things) é o casamento do objeto material com a tecnologia imaterial das plataformas digitais. Ou seja, as tecnologias de informação tomam corpo físico. É um processo pelo qual os objetos estão ligados em redes digitais, seja em casa, no trabalho ou na rua. Não se trata apenas de ligar pessoas a objetos, mas também de ligar objetos a objetos.

Os países desenvolvidos trabalham no desenvolvimento dessas soluções. A Comissão Europeia, por exemplo, há anos desenvolve um programa nessa área, o Internet of Things Europe130, que se apresenta sob o slogan “Part of Our Future” e anuncia aplicações infinitas, sempre com a promessa de um mundo melhor.

A campanha de publicidade desenvolvida para divulgar a ideia mostra exemplo práticos de como seria o mundo se tudo estivesse em rede. Fazer uma melhor gestão do dia a dia. Fugir da confusão do tráfego. Não perder tempo na fila do médico. Ter uma geladeira que avisa quando falta algum produto. Ter um carro que, quando sofre um acidente, avisa imediatamente os serviços de socorro. Um personal trainer no celular para melhorar o desempenho desportivo. Ou mesmo uma bengala capaz de indicar o caminho a um cego.

Muitas dessas coisas já existem, apesar de não estarem popularizadas. Esse mundo idílico prometido pelos objetos de alta tecnologia e em rede não gera contestação. O otimismo é tanto que alguns pesquisadores preferem falar num Segundo Renascimento. É apenas uma questão de tempo até que essas soluções estejam presentes nas nossas vidas. E muita coisa vai mudar. Fiquem ligados. O filme a seguir mostra situações práticas que serão comuns dentro de pouco tempo.



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Árvores são um perigo e devem ser exterminadas

POR JORDI CASTAN

Há uma alergia (eu disse alergia) crescente a árvores. Em Joinville, há uma guerra declarada a tudo o que seja verde. Árvores tem sido as vítimas preferidas de uma política que vê no concreto o símbolo do progresso. Não apenas não plantam mais árvores, mas perseguem com sanha furibunda as poucas que insistem em sobreviver num ambiente tão hostil como o urbano. Uma imagem vale por mil palavras? Se depender da foto fica evidente que sim. 



O que leva alguém a concretar árvores? Nem precisa explicar muito. É só ver a imagem. Ou não há projeto, ou não há fiscalização, ou não há bom senso. O que não há é conhecimento técnico, porque concretar árvores é garantia de morte. Ou será que a Joinville dos próximos 30 anos, será também uma cidade sem árvores?

A destruição do patrimônio verde da cidade é sistemática e permanente. Conta com a colaboração do poder público que se omite a maior parte do tempo e aprova leis que estimulam a supressão das árvores que ainda sobrevivem. O rebaixamento indiscriminado de calçadas é uma das leis que mais há causado a supressão ilegal de árvores públicas. Há ainda a falta de um inventário detalhado de toda a arborização da cidade. E, por fim, a inexistência de um plano diretor de arborização.

Esses são outros dos problemas que Joinville enfrenta. Mas a pior de todas as ameaças para as árvores de Joinville é a inépcia do poder público, a sua inoperância e a sua incompetência para tratar dos temas relacionados com as decisões atuais que incidirão o futuro da cidade.

É quase unanimidade que Joinville está uma bagunça. Só não é unanimidade porque há uma parte da população que parece conviver bem com a situação. Os causadores ou os autores ou, em última instância, os responsáveis pelo desastre que tomou conta da cidade. Uma cidade que, lembremos, outrora foi organizada, bem administrada e orgulhosa do seu espírito e identidade.


Fazer, fazer bem feito, entregar no prazo e pelo preço combinado eram num passado recente valores desta cidade e dos seus cidadãos. Agora isso não só não acontece mais, como virou parte do imaginário da população. Toda uma geração de joinvilenses nunca viu uma obra bem projetada, bem executada e entregue no prazo, não sabem o que isso possa vir a ser e não acreditam que tal coisa exista.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Os órfãos do golpe viraram almas penadas

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Vamos falar em almas penadas. Quem? É claro que estou a falar dos órfãos do golpe. Depois das revelações dos últimos tempos, quando os seus heróis foram caindo um a um, os caras andam mais perdidos que cego no meio de tiroteio. Uns se dizem surpreendidos. Outros se sentem traídos. E há também os que ainda estão em fase de negação. Dá uma peninha.

Uma disfunção cognitiva causa dificuldades para lidar com a realidade. Imaginem que muitos dizem ter sido apanhados de surpresa pelo envolvimento de Aécio Neves em falcatruas. “A culpa não é minha. Eu votei no Aécio”, diziam antes. Mas nos últimos dias o que tivemos foi um corre-corre às redes sociais para apagar elogios ou fotografias com o líder dos tucanos.

Ora, até uma pessoa que esteja a viver em Plutão já teria informações suficientes para saber que era a crônica de uma queda anunciada. “O primeiro a ser comido vai ser o Aécio”, disse Machado a Jucá. Quem não se lembra? E agora dizem que foram apanhados de surpresa? Aliás, não parece estranho que apenas depois de três décadas muita gente tenha descoberto que há corruptos no PSDB?

Ah... sou do tempo em que a corrupção era “monopólio” de outro partido. Lembram? Nada como um dia atrás do outro. Mas é aí que mora o perigo. Essas pobres alminhas andam a vagar perdidas e à procura de novos heróis. O problema é que o critério é pouco apertado e as opções não são muitas: basta antagonizar o PT para conquistar esses pobres coraçõezinhos. E assim só encontram heróis com pés de barro.

À falta de Aécio Neves e os outros golpistas do seu entorno, essas alminhas começam a se agarrar à raspa do tacho. Gente sem história, sem liderança, sem cultura. Talvez um dos exemplos mais divertidos seja o de Roberto Jefferson, condenado por corrupção, mas agora convertido em oráculo dessa gente. Enfim, dizem que são contra a corrupção mas são apenas contra um partido. Pensam que enganam quem?

Para que os leitores tenham uma noção exata do tema, temos uma coleta de posts de redes sociais que permite pintar o retrato dessas almas penadas. São contra o PT, mas também odeiam o PSOL. Defendem a obscurantista Escola sem Partido. Acreditam que Janaína Paschoal é uma heroína. Querem o fim dos sindicatos. Muitos estão numa onda anticientífica. E ainda há quem tenha a lata de defender Aécio Neves.

É a dança da chuva.

A ilustração a seguir é feita a partir dos retuítes dessa gente. Enfim, é um pitéu. Veja:

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Copiar não é errado e faria muita diferença



POR FAHYA KURY CASSINS

Sempre achei curiosas as viagens dos nossos governantes. Vão para a Suíça, para a Alemanha, para os EUA em busca de novas ideias e soluções para as nossas cidades. Mas, até onde eu sei, não temos implantados sistemas de transportes eficientes, nem juros reduzidos, ou projetos grandiosos contra cheias, nem cidades seguras com parques (de verdade, é preciso frisar) e vida cultural em destaque.
Nem é preciso dizer que nós bancamos essas viagens. O que fazem pela sua cidade ou Estado um deputado ou um prefeito depois que voltam dessas viagens? Por que nossas cidades continuam as mesmas (ou piores) depois que eles se deliciam com os países de primeiro mundo, depois que conhecem de perto obras e projetos inovadores? Seriam tão obtusos a ponto de não entenderem o que veem lá fora, ou chegam à conclusão de que tudo aquilo “não é pra nós”?
Pois eu cortaria essas viagens. Cortaria, inclusive, as viagens para assinatura de contratos de exportação e etc.. Caso fosse possível, indicaria coisas simples aos nossos governantes. Ao Udo, por exemplo, diria para ele visitar algumas cidades vizinhas, como Itajaí, Balneário Camboriú, Blumenau e Florianópolis. Não é desmérito nenhum copiar o que funciona nos outros lugares, não é mesmo?
É lamentável que tenhamos que perder tempo discutindo buraco nas ruas. É, sim. Numa cidade de mais de 500 mil habitantes, reclamar de buraco nas ruas é como se ainda fôssemos uma vila de operários. Por isso, não entendo as faixas de sinalização e de pedestres em Joinville, por exemplo. Qual a dificuldade da Prefeitura procurar uma solução para isso? Algo que dure mais de três semanas e que façam parte das obras de asfaltamento de uma rua, pois o que vemos é uma rua recém-asfaltada que fica meses sem nenhuma (é sério) faixa pintada, sem a mínima sinalização.
Aliás, sinalização no trânsito de Joinville é grave. Para uma cidade que faz coisas nunca vistas em lugar nenhum, a sinalização deveria ser preocupação em dobro. Não é raro encontrar pessoas de outras cidades dirigindo tranquilamente nos “corredores” de ônibus, ciclofaixas sendo ignoradas, inclusive por moradores. Não é qualquer um que entende essas maravilhas do trânsito da Colônia. Precisa, sim, de legenda.

Faixa de pedestres - Fpolis


Rodoviária - Balneário Camboriú
E o que dizer da nossa rodoviária? Seria muito sonhar com uma “porta de entrada” (essa, de fato, uma porta, não aquela outra lá, “do mar”) como a de cidades como Itajaí e Balneário Camboriú? Não recebemos turistas no nível delas, mas Joinville, para quem não sabe, é uma cidade que tem enorme fluxo de pessoas que viajam toda semana para trabalhar e estudar. E os parquímetros de estacionamento? (a lenda do estacionamento rotativo: meu próximo artigo) E as calçadas?
São pequenas coisas que eu nem faço ideia como são lá nos outros continentes, mas que aqui no entorno recebem atenção – e mudam a visão do cidadão sobre o espaço onde vive.

Calçada petit-pavê - Balneário Camboriú




Parquímetro - Itajaí

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Gestores, vereadores e empresários: Joinville ainda pode ser uma cidade próspera e sustentável.

POR RAQUEL MIGLIORINI
Basta uma breve caminhada pelo Centro de Joinville para constatarmos uma triste realidade: lojas fechadas, prédios históricos abandonados, calçadas estragadas, patrimônio degradado.

O abandono aumenta a criminalidades, desvaloriza imóveis e desperdiça todo equipamento público daquela região. A revitalização e reurbanização das áreas centrais não deixa a cidade somente mais bonita. Resgata a economia, a história, o orgulho e a gratidão dos moradores.

Temos muitos exemplos mundo afora e alguns aqui no Brasil que mostram como os investimentos retornam em curto prazo. Desnecessário dizer que, quanto mais tempo demora, mais caro fica.

Em tempos de aprovação da LOT (Lei de Ordenamento Territorial) e algumas revisões desta, cabe perguntarmos por que tantas pessoas defendem a expansão urbana  e, ainda, por que novos loteamentos não investem em equipamentos que melhorem  a qualidade de vida dos moradores.

Tratar da revitalização de áreas antigas e da criação de novos loteamentos parecem assuntos distintos mas não são. Vou usar como exemplo um novo loteamento no Bairro Vila Nova. Passando pelas ruas principais, observamos áreas enormes com ruas asfaltadas, rede coletora de esgoto e...só. Como a forma de pensar a cidade é mais tradicional que caixa de maisena, nem se cogita o uso de asfalto ecológico, ou de borracha, usado há mais de 40 anos nos Estados Unidos e feito com pneus velhos. A fiação não é subterrânea, o que, além de feio, impede uma arborização bem feita nas calçadas. Praças e áreas verdes?? Nem pensar. Embora a legislação seja clara nesse quesito, o que vemos é um terreninho abandonado, sem a mínima condição de uso.

A ONU-Habitat considera que uma cidade bem planejada tem a proporção 1:1 em áreas construídas e espaços públicos com áreas verdes. Essa equação é simplesmente desprezada em lugares onde a especulação imobiliária e o lucro de alguns esmaga qualquer possibilidade de vida digna.

Ao permitirmos que a cidade se degrade do Centro para os Bairros e vice-versa, tornamos  o processo de revitalização complexo e caro. A urbanização bem feita cobre qualquer custo do processo, gera empregos, tributos e novos investimentos. Bons investidores não olham para cidades que não apresentam um futuro sustentável e próspero. A forma como empresários têm olhado para Joinville é como quem enxerga apenas um Eldorado a ser explorado até o fim.

Cabe aos bons gestores, vereadores e cidadãos responsáveis, que devem se fazer  presentes nos Conselhos Municipais, mudarem essa situação.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Semana do Cuca é um ideia de xênio!

POR BARON VON EHCSZTEIN
Guten Morgen, minha povo.

Oxe tem cuca com banana na frühstück. É dia de comemorrar mais esta grande iniciativa da nossa querrida prefeito: o Semana Municipal da Cuca. E teve até assinaturra oficial, com direito a fotografia e tudo. Agorra foceis, minhas leitorres (todas as três), já têm uma compromisso a partir da primeirro final de semana da mês de Xunho. Wer zuerst kommt, der mahlt zuerst.

Fiquei muita feliz. Porque o cuca é o símbolo do nossa tradiçón cultural. Eu disse "nossa". Ou seja, tradição do povo de pele clarrinha, olhos assuis e muitos consoantes na sobrenome. Até acho que não devia chamar “cuca”, porque parrece coisa daquela xente de pele mais escurrinha. Ficava melhor se fosse a Semana do Streuselkuchen, como chama lá no Alemanha.

É um acontecimento parra levar a sérrio. Tenham uma bom apetite. Lass es euch schmecken! Por falar nisso, a nossa querrida prefeito mostrou que tem apetite pelo modernidade. E pelo inovaçón. Xenial. Quem terria pensado numa coisa tão brilhante como o Semana da Cuca? Xente, fico aqui a imaxinar o tantón de turrista que vai aparecer em Xoinville só por causa disso.

Esdou tón feliz que tamém querro entrar na onda. Fou parra o cossinha e criar uma tipo de cuca inspirrada na nossa querrida prefeito: o cuca Ruas de Xoinville. É igual aos outros cucas, só que está cheio de burracos. Tem mais burracos que massa. Igualzinho os ruas da citade. Aposto que vai fazer muita sucesso, porque a pessoal já acostumou e nón fai se importar com uma burraco no estômago.

Mas tem uns kommunisten que nunca estão satisfeitos e já começarram a chatear a nossa querida prefeito. "Nón querrenos semana de cuca, querremos saber de culturra e turrismo", ficam a repetir. Suas kommunisten ingratos. Acha mesmo que algum xestor vai querrer investir em culturra e turrismo quando tem cuca? Ah ah ah! Abwarten und Tee trinken. Esperre e beba um chá. Porque que nón vai acontecer.

Guten appetit.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Barulho, muito barulho. E os legisladores surdos para os joinvilenses...
















POR JORDI CASTAN
Vem barulho por aí. Muito barulho.  O IPPUJ não apresentou estudos técnicos consistentes, o Conselho da Cidade não os solicitou e a Justiça negou sistematicamente o direito dos joinvilenses a terem acesso as informações que permitissem uma análise completa dos impactos que a LOT teria sobre a vida das pessoas.

A Câmara de Vereadores ignorou a falta de estudos. Se bem que olhando o nível dos debates e a capacidade intelectual da maioria dos vereadores, teria sido inútil apresentar estudos, porque que teriam sido incompreensíveis para os nossos legisladores. Pior ainda, como não são cientes da sua própria ignorância, seguem votando leis absurdas de impacto terrível sobre a vida desta e das futuras gerações. E, ainda por cima, ignorando os alertas que o quadro de técnicos da Câmara tem feito, recomendando não aprovar ou, no mínimo, avaliar melhor o que estariam votando.

O novo episódio da LOT tem a ver com o barulho. Ou melhor, com o aumento do barulho que a lei 65/2017, aprovada pelos vereadores, vai representar em praticamente toda a cidade. A aprovação desta lei, que o prefeito sancionou, e que atende aos interesses dos especuladores imobiliários mancomunados com os empresários (entre os quais o prefeito transita com tanta facilidade) está explícita a perda brutal de qualidade de vida que a implantação das chamadas Faixas Viárias traz para todos.



Pior ainda. O que está sendo tramado é um crime ambiental, porque o ruído compromete a qualidade de vida das pessoas. A própria OMS (Organização Mundial da Saúde), da qual o Brasil participa, estabelece critérios e princípios para medir o impacto que o barulho tem na saúde das pessoas. 





Em Joinville às recomendações da OMS são primeiro ignoradas, depois burladas e finalmente desrespeitadas. E até leis são aprovadas a revelia das recomendações da OMS. Não só a OMS é desprezada, também a resolução do CONAMA 001/90 é ignorada.



A resolução do CONAMA estabelece que os ruídos produzidos quando a localização não poderão ultrapassar os níveis estabelecidos na NBR 10.152.

Para facilitar a compreensão ,anexamos as tabelas da OMS, as Normas técnicas brasileiras (NBRs) que deixaram de valer para Joinville para atender os interesses especulativos e dar ampla cobertura a cobiça e a ganância desenfreada. Assim evitamos cair nos achismos e apresentamos dados técnicos concretos. Aumentar de 50 decibéis para os 65 propostos comprovadamente ocasiona danos a saúde das pessoas.



Outra norma que a legislação municipal se propõe ignorar. Esta ignorância do bom senso, das normas técnicas e de a legislação federal não é novidade em Joinville. A LOT já reduziu os índices de insolação para residências e com isso comprometeu a saúde de todos. Agora a lei 65/2017 vai mais fundo e permite que tenhamos que conviver com índices de ruído insalubres. Não deveríamos ficar surpreendidos se o próximo projeto de lei que tramite na Câmara Municipal proponha que o sol saia todas as manhãs pelo sul e se ponha pelo leste.
Há outro aspecto ainda mais perverso em todo o processo da aprovação da lei 65/2017: o silencio sepulcral com que o tema tem sido tratado. Há o que se poderia denominar um modus operandi na insistência do Executivo de não escutar a população. Quando a lei obriga a debater com a sociedade, a fazer audiências públicas, a dar transparência e visibilidade a gestão pública e isso não é feito, há elementos que caracterizam a improbidade administrativa.

No caso de Joinville estas são características permanentes da gestão municipal, típicas do gestor autoritário, que ignora o que é melhor para a maioria dos joinvilenses e atende os interesses de uma minoria. Minoria identificada claramente com os próprios interesses do gestor.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Uma nova forma de consumir informação


ISABELLA MAYER DE MOURA* - Conecdados
A Pesquisa Brasileira de Mídia, realizada anualmente pela Secretaria de Comunicação do Governo Federal, mostrou que em um período de apenas dois anos, entre 2014 e 2016, os celulares se tornaram o principal meio de acesso à internet entre os brasileiros e que o tempo médio que as pessoas ficam conectadas aumentou de 3h39min para 4h42min por dia. Uma grande mudança, considerando o curto espaço de tempo.

Isto mostra o quanto a internet vem mudando os nossos hábitos, inclusive a forma como consumimos notícias e como as produzimos. O Conecdados, que reúne os jornalistas Isabella Mayer de Moura (ex-repórter de economia do ND), Vandré Kramer (ex-editor de economia do AN e do ND e ex-chefe de reportagem do ND) e a webdesigner e social media Raquel Nienow (ex-Diário da Manhã de Carazinho), pegou carona nesta transformação e hoje produz conteúdo local para Joinville, focado nas áreas de política e economia, usando técnicas do jornalismo de dados, que envolve raspagem e mineração, análise e visualização de dados.

Há cinco anos, seria impossível imaginar que uma iniciativa como a nossa teria viabilidade. Primeiro, porque o Brasil só implementou a Lei de Acesso à Informação em maio de 2012. Antes dela a divulgação dos dados públicos era exceção, agora é regra. Segundo, porque as ferramentas de manipulação de dados só eram utilizadas por profissionais de áreas bem específicas, como programadores e cientistas de dados.

Felizmente, a tecnologia permitiu a criação de ferramentas poderosas com interfaces intuitivas e a internet propagou o conhecimento para que os jornalistas aprendessem a utilizá-las. Aqui no Conecdados, por exemplo, a gente faz uso indiscriminado do Webscraper para catar dados na internet, criamos nossos gráficos com o Tableau Public, analisamos e filtramos planilhas com SQL. E continuamos correndo atrás para aprender novas técnicas do jornalismo de dados. Nestes tempos em que o cenário muda em questão de dois anos, ficar parado ou conformado com o que já sabe é assinar o atestado de óbito da própria carreira.

Nós, do Conecdados, ainda estamos dando os primeiros passos, mas sabemos que nossas raízes estão fincadas no jornalismo digital. A internet é nossa casa, é nosso meio de comunicação entre equipe e com os leitores, é nossa ferramenta de trabalho e de aprendizado. O nosso grande desafio é provar que também é possível fazer jornalismo de dados longe dos grandes centros do país.

* Isabella Mayer de Moura é jornalista e idealizadora do jornal online Conecdados.

O desafio de reinventar o jornalismo


POR VANDRÉ KRAMER* - Conecdados
Nós, jornalistas, estamos passando por um profundo processo de transformação. O mais violento da história. Ao mesmo tempo que enfrentamos a mais grave crise econômica de nossa história, passamos por uma crise existencial: o modelo tradicional de consumir informação está mudando drasticamente com a difusão e o barateamento de novas tecnologias. Com isso, o modo de produção também.

Isto se reflete na forma de fazer jornalismo em e para Joinville. Os meios tradicionais estão perdendo o vigor. O ND Joinville fechou as portas, a estrutura do AN está enxuta e a RBS reduziu sua grade de produção local. Por outro lado, novas e promissoras iniciativas digitais estão surgindo. E muitos de nós estamos fazendo parte desse momento, saltando do impresso para o digital.

Ao nosso favor está a transformação da sociedade, cada vez mais plugada na internet. A Pesquisa Brasileira de Mídia, realizada pelo Governo Federal, apontava que, em 2014, 26% das pessoas usava diariamente a internet. No ano passado, esse percentual saltou para 50%. E para 49% delas, a rede mundial de computadores é uma importante fonte de acesso à informação.

A própria forma de consumir informação pela web está mudando. Laptops e desktops estão perdendo muita força para os smartphones. 91% dos pesquisados em 2016 acessavam a internet pelo celular.

Outra vantagem que temos é o barateamento do custo de difundir a informação. Antes precisávamos, por exemplo, de pesadas rotativas e uma grande estrutura logística. Hoje, com um smartphone, um computador e o acesso à internet podemos fazer jornalismo de qualidade.

Este novo mundo que estamos desbravando nos impõe dois desafios: aumentar nossa credibilidade perante a sociedade e gerarmos renda a partir dos nossos empreendimentos digitais.

Conquistar a confiança do leitor é desafiador: o barateamento da tecnologia de informação permitiu o surgimento de blogs e sites, muitos deles de qualidade duvidosa. Isto contribuiu, para que a credibilidade da sociedade na imprensa enquanto instituição caísse de 43%, em 2015, para 37%, em 2016, segundo a FGV. A das redes sociais passou de 42% para 23%.

A confiança não se constrói do dia para a noite. Diante de tanta fake news e tanta desinformação, exige um trabalho árduo, pautado pela ética, honestidade e transparência. Requer pensar em enfoques diferenciados e múltiplas abordagens para um público, que assim como nós, está se transformando. Só assim cumpriremos a missão de informar bem e com qualidade. E que espaço precioso temos: uma cidade com quase 600 mil habitantes e que é uma das maiores do Sul do País.
Ter credibilidade vai nos ajudar em outro desafio: romper com o estigma de que toda informação é uma commodity. Informação diferenciada é informação de valor. Só assim conseguiremos fazer que nossas iniciativas deem retorno financeiro. Afinal de contas, todos nós queremos, pelo menos, pagar as contas ao final do mês.

* Vandré Kramer é jornalista e um dos criadores do jornal online Conecdados.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Vamos encarar?


POR ALBERTINA CAMILO* - Fazer Aqui
As mudanças costumam causar um certo desconforto, no mínimo, e chegam a amedrontar, atingindo o estágio do medo, que paralisa. É neste nível que está um grande número de jornalistas hoje, diante da revolução sem precedentes provocada pela mídia online – nem dá para comparar com os anos 1990, quando os computadores invadiram as redações e aposentaram as máquinas de datilografia. 

Jornais impressos que pareciam inabaláveis fecham em todo o mundo. Mais e mais jornalistas se veem longe do emprego “tradicional”, tentando entender o que está acontecendo e sem saber o que vem por aí. Mas um bom número de profissionais já decodificou o recado: não há futuro possível fora do online. O problema (prefiro pensar em desafio) é saber como transformar as inúmeras possibilidades em ganhos financeiros.

É algo novo em todos os sentidos. Jornalista tem a fama (justa, aliás) de não saber “vender”. Era tão fácil ter o salário depositado pelo empregador todo mês, não é? Como enfrentar uma forma tão diferente de produzir conteúdo e, ao mesmo tempo, fazer com que renda financeiramente?

Se ficar o bicho pega, se correr o bicho come. Ou ficamos no passado, em lamúrias do tipo “era bom e eu não sabia”, vendo as novas oportunidades passarem, ou encaramos nossas inseguranças e aprendemos os segredos e truques dessa revolução jornalística (lendo, pesquisando, perguntando, conversando muito, se unindo, criando). Eu estou encarando e chamando outros a fazerem o mesmo.

A aventura do jornalismo vai continuar, não importa o formato.

* Albertina Camilo é jornalista com passagens pelos jornais A Notícia e Notícias do Dia, de Joinville. É idealizadora do recém-lançado portal online Fazer Aquique reúne produção colaborativa de jornalistas e outros profissionais. O próximo desafio é monetizar o espaço e fazer todos ganharem.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Não faltam pautas nem leitores



POR JULIANE GUERREIRO* - Paralelo Jornalismo
Embora tenha perdido um de seus jornais diários há pouco tempo e assistido à demissão de diversos profissionais de impresso e televisão, não é por falta de pauta que o jornalismo de Joinville tem enfrentado dificuldades.

É verdade que o modo pelo qual as pessoas consomem as notícias tem mudado, e que quem não se adaptar a essas mudanças e às preferências do consumidor pode sentir o revés, mas os joinvilenses continuam buscando informações e precisam de um jornalismo confiável (se é que aquele que não é pode ser chamado de jornalismo). Por isso, cada vez que se recebe a notícia de que um veículo fecha as portas, por mais criticada que possa ser a sua atuação, perde-se um espaço de debate. Foi assim com o jornal "Notícias do Dia", fechado no último dia do ano passado com a justificativa de que seu rendimento não era bom o bastante para os negócios do grupo.

Se nos grandes conglomerados o problema é o dinheiro, para quem dá os primeiros passos no jornalismo independente, aquele sem o apoio de grandes grupos de mídia ou patrocínio, não poderia ser diferente. Novas iniciativas jornalísticas, cada uma com sua característica, têm surgido em Joinville para ocupar o espaço vago de veículos que fecharam as portas – e mesmo que isso não houvesse acontecido, ainda assim haveria espaço, principalmente porque faltava ao jornalismo joinvilense vozes e tons diferentes daqueles que sempre tivemos. São veículos que unem a vontade de fazer jornalismo à necessidade dos profissionais que, dificilmente, encontram emprego nas poucas empresas do segmento na cidade, que acaba de receber mais um curso de Jornalismo.

O problema é que, sem apoio financeiro, é difícil, quase improvável, que esse conteúdo chegue aos leitores e telespectadores dos grandes grupos, e esse parece ser o grande desafio do jornalismo independente em Joinville. Diferente de outros lugares, o público ainda não está acostumado a pagar por notícias, principalmente de veículos ainda não consolidados, com pouca equipe, equipamento e recursos. Por isso, o presente do jornalismo em Joinville, assim como em outros lugares, exige o reconhecimento e apoio a iniciativas que acreditam neste serviço pelo potencial transformador que ele tem – o que também vai exigir esforços para além do jornalismo. Em resumo, não faltam pautas nem leitores, falta reconhecer e valorizar o jornalismo feito com responsabilidade.

O surgimento de novos projetos parece ser motivo para uma reflexão sobre o jornalismo em Joinville.

*Juliane Guerreiro é jornalista e editora do jornal online Paralelo Jornalismo.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Veículos independentes precisam ocupar espaço



POR ALEXANDRE PERGER* - O Mirante
Joinville é uma cidade que, se já não chegou a isso, beira os 600 mil habitantes. Conta com intensa e pulverizada atividade econômica, esportiva, social, cultural e política. E não estou a falar de um ponto de vista megalomaníaco, daqueles que destaca a pujança dessa terra. Longe disso. O ponto aqui é que estamos falando de algo simples: muita coisa acontece por aqui. Todas essas áreas que citamos produzem, diariamente, fatos relevantes e histórias que merecem ser contadas.

Os 600 mil habitantes não formam uma massa homogênea e compacta, que muitas vezes querem fazer parecer. Há por essas bandas, sim, como em todas as outras, uma enorme pluralidade de vozes, pensamentos e visões de sociedade. E todas essas diferenças podem e devem dialogar (destaque para o diálogo) na construção de uma cidade melhor, mais justa, humana e igual.

Mas como poderemos jogar luz em todos esses fatos e ajudar a promover os debates necessários sem espaço para isso? O jornalismo joinvilense sofreu duros golpes recentemente: fechamento do ND, encolhimento do AN e redução de espaço na grade da RBS. Por um lado, isso é péssimo. Por outro, no entanto, surge aí a oportunidade para criar novas alternativas, sem vícios e dispostas a produzirem conteúdo de qualidade, ético e comprometido com a transformação social. 

Nesse sentido, veículos independentes se apresentam como possibilidades de ocupação desse espaço. Alguns já surgiram e tomara que outros apareçam. Precisamos de lugar para abrigar todas as Joinvilles.

*Alexandre Perger é jornalista e editor do jornal online O Mirante.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Jornalismo digital: o futuro chegou a Joinville



POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO* - Chuva Ácida
Online first. Foi na década passada que esse conceito passou a ser imperativo nas redações. Em tempos de internet, não faz sentido guardar um furo de reportagem para as edições regulares (em especial no caso dos meios impressos) porque outros podem publicar antes. A velocidade é determinante, manda quem publica primeiro. Mas essa lógica tem efeitos colaterais, porque fez surgir um jornalismo mais preocupado com a rapidez do que com a qualidade.

Os tempos do double check, garantia para a validação de uma notícia, foram atropelados e a qualidade desabou. A velocidade sem controle pode gerar desastres. E foi o que aconteceu. O surgimento de fenômenos como a pós-verdade ou as fake news não é obra do acaso. Mas, por sorte, as coisas estão a mudar. Tanto que hoje surgiu uma corrente relevante, a do slow journalism, que aposta na qualidade dos conteúdos.


Era fatal que o jornalismo online também chegasse a Joinville, uma cidade onde o conservadorismo ainda faz ninho. Quando surgiu, em 2011, o Chuva Ácida era a expressão de um movimento inevitável rumo ao digital. Mas a função do blog foi sempre a de fazer opinião. Em exclusivo. E muita gente perguntou por que o Chuva Ácida não começava a fazer jornalismo. Não é a nossa praia.


E era apenas uma questão de saber esperar. Outros ocupariam esse lugar de forma mais competente. Hoje, mesmo que a passar por uma fase de noviciado na dinâmica do digital, o jornalismo online é uma realidade em Joinville. Há jornalistas a empreender e a criar projetos importantes para a comunicação social da cidade. É gente que aposta no bom jornalismo e na qualidade da informação.

O jornalismo online é o tema que o Chuva Ácida traz esta semana. Um texto por dia e na primeira pessoa, a trazer o ponto de vista dos jornalistas que, com diferentes abordagens, se lançaram no desafio de trazer esta nova linguagem para Joinville. Hoje os leitores têm várias opções consistentes, como “O Mirante”, “Paralelo”, “FazerAqui” ou o “Conecdados”. É um momento relevante e que merece estar em destaque.

O jornalismo do futuro chegou a Joinville. Agora. E o Chuva Ácida lança a análise. Boas leituras.

* José António Baço é um dos criadores do Chuva Ácida, lançado em 2011 como alternativa ao jornalismo de opinião dos meios tradicionais em Joinville.






Joinville: 5º melhor cidade das Américas para investir. Ouçam o foguetório...

POR JORDI CASTAN
A notícia que tomou os titulares na vila e na capital, na semana passada, foi de que Joinville, de acordo com o prestigiado jornal britânico Financial Times, "seria a 5ª melhor cidade das Américas para investir e a melhor do hemisfério sul-americano". O foguetório, o espocar da champanha e as caras de surpresa não se fizeram esperar. A notícia foi um balão de oxigênio para a atrapalhada gestão municipal e parte do PMDB catarinense, que apoia o nome do prefeito Udo Dohler para um projeto político de âmbito estadual.

É bom olhar com cautela a informação. Não porque não seja verdadeira, mas porque contém mais meias verdades que verdades inteiras.
- Primeiro, não foi o jornal Financial Times que publicou a notícia e sim a FDIInteligence, uma empresa vinculada ao grupo. Não é a mesma coisa.
- Segundo, porque o estudo foi feito entre as cidades que se postularam. Ou seja, não é uma pesquisa exaustiva abrangendo a totalidade de cidades americanas de médio porte. É só para aquelas que apresentaram estudos, o que reduz muito o impacto e a relevância do resultado.
- E, finalmente, o secretário de Planejamento declarou que ficou gratamente surpreso com a notícia porque o projeto apresentado, denominado JoinVale, ainda esta na sua fase inicial.

Quanto mais você pesquisa e se aprofunda na busca de informações, menos clara a coisa fica. Notícia desta transcendência publicada sem nenhum link? Estranho. E o tiro ao lado: localizar Joinville no estado do Rio de Janeiro é um erro crasso. Será que não haveria outros? Não vamos agora pôr em dúvida todo o estudo por conta de um errinho destes. Vai que o estagiário digitou errado. Que Joinville apareça quase emparelhada com El Salvador, em San Salvador me fez ir atrás de mais informações e fiquei com a pulga atrás da orelha.

Essa história toda começou a parecer cada dia mais com aqueles prêmios que cada ano distribuem empresas tão sérias como “Quality International” ou “Master of Excelency”, para citar algumas. Sim, aqueles prêmios que algumas empresas ganham baseados em pesquisas populares em que se escolhe a melhor churrascaria da cidade, ou o melhor borracheiro. Aliás, esse prêmio ninguém tira do Negão da Borracharia. Esses prêmios em que às vezes o vencedor precisa pagar um pequeno valor para ver seu nome publicado e ser homenageado na festa de entrega do troféu.

Quer dizer, conheço bem as maiores entidades empresariais da América Latina e incluo aqui El Salvador e, claro, Joinville. É muito difícil acreditar que qualquer estudo amplo, que englobe a todas as cidades latino-americanas de porte médio coloque Joinville entre as cinco primeiras, é muito difícil mesmo. Mas quem quiser acreditar que acredite. Eu tenho muitas dúvidas e quis compartilhá-las com vocês. Até porque a notícia publicada por aqui mais parece uma ode ao prefeito pré-candidato que uma informação veraz.

Claro que Joinville é uma cidade excelente para empreender. Claro que numa lista das 100 melhores das Américas apareceria entre as 50 primeiras. Mais que isso eu tenho dúvidas. E quem sou eu para ter dúvidas? Pois deixem que lhes conte que além de ter sido Secretario de Desenvolvimento Econômico de Joinville, nos últimos 10 anos, além de escrever aqui neste espaço, tenho prestado consultoria para mais de 100 entidades empresariais de 25 países de quatro continentes, passando em media mais de 200 dias ao ano fora do Brasil.

Para quem tiver interesse no link original

FDI American Cities of the Future 2017/18, no site http://fdiinteligence.com 



sexta-feira, 2 de junho de 2017

11 mulheres, 11 imagens de coragem

POR ET BARTHES

Pode ser pelo voto. Pelo direito de participar de uma corrida. Pela defesa da liberdade. Pela luta contra a repressão. O fato é que a história é marcada por momentos marcantes em que mulheres põe a coragem na luta contra o poder. As fotos que apresentamos a seguir, umas mais novas e outras já históricas, circulam pela internet e são uma recolha. Infelizmente, pro ser uma recolha na internet, não é possível identificar a autoria de cada uma dessas fotos.