quarta-feira, 3 de julho de 2024

Corpos negros são frutos estranhos

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Há fotografias que capturam um momento e que acabam por marcar a história das sociedades. Algumas, de tão poderosas, acabam até por originar canções. É o caso de "Strange Fruit" (Estranhos Frutos), célebre na voz da inigualável Billie Holiday. Composta por Abel Meeropol (sob o pseudônimo de Lewis Allan) em 1937, é uma música de protesto contra o linchamento de negros nos Estados Unidos. E acabou por se tornar um marco cultural e um hino do movimento pelos direitos civis.

A letra foi inspirada por uma fotografia de 1930, feita por Lawrence Beitler, onde são mostrados os corpos de dois negros, linchados e pendurados em árvores no Mississipi. A imagem chocante e brutal comoveu Meeropol, que a incorporou nos seus versos poéticos. Inicialmente, ele escreveu a letra como um poema, publicado na revista marxista "The New Masses". A canção utiliza uma linguagem carregada de simbolismo.

Os "estranhos frutos" do título são metáforas para os corpos dos negros linchados, pendurados em árvores como macabros frutos da árvore do ódio e da violência racial. A letra denuncia a brutalidade e a injustiça dos linchamentos, expondo o racismo sistêmico e a crueldade da segregação racial nos EUA da época (e que ainda durou por muito tempo). A voz de Billie Holiday, que popularizou a canção em 1939, transmite a dor profunda e o sofrimento causados pela violência racial. 

A performance de Billie Holiday, sempre muito intimista e pesarosa, é poderosa. Mas gerou reações negativas do público branco, principalmente nos estados do sul dos EUA. A canção era frequentemente proibida em clubes e casas noturnas, especialmente em locais onde ainda havia segregação (lugares interditados aos negros). As autoridades também atuaram para censurar a performance de Holiday, pressionando-a a não cantar a música. A insistência em incluir a peça nas suas aparições custou muito à cantora.



terça-feira, 2 de julho de 2024

A inteligência artificial já consegue criar o banal

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Há muita gente respeitável a dizer que, em tempos de tecnologias digitais, em consequência do uso intensivo dos telefones móveis, os jovens estão a usar apenas 800 palavras para comunicar no dia a dia. É muito pouco se tivermos em consideração que o VOP – Vocabulário Ortográfico do Português refere 210 mil entradas, enquanto o dicionário brasileiro Houaiss, talvez o mais robusto, tem quase 400 mil palavras. Se mantivermos a análise no plano estrito dos números, isso significaria o uso de menos de 1% de todas as possibilidades da língua portuguesa.

É de lembrar que o ponto de partida para a análise não vem de um país lusófono. A tese foi popularizada há mais de uma década pela linguista Jean Gross, conselheira do governo britânico para o discurso das crianças. Ela usou como referência um trabalho do pesquisador Tony McEnery, professor de linguística da Universidade de Lancaster. Uma reportagem do “Daily Mail” contribuiu para difundir a ideia por todo o mundo. A análise de Gross tem um dado interessante: ela diz que, aos 16 anos, um jovem deveria ter um vocabulário próximo das 40 mil palavras.

Importante salientar que a teoria é contestada por outros estudiosos, que apontam precariedades na análise da pesquisadora. Não interessa aqui discutir a fiabilidade ou não dos dados, mas sim presumir que há um problema. Afinal, onde há fumaça há fogo. E se alguém decidiu lançar um número para cima da mesa, é sinal que devemos estar atentos à questão da precariedade linguística dos jovens. Porque, nas palavras de Wittengstein, “os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo”. Ou seja, uma linguagem pouco sofisticada leva a uma interpretação pouco sofisticada do mundo.

Mas o que isso tem a ver com a criação publicitária? Tudo. Criar é fazer sinapses. E as sinapses estão alicerçadas nas palavras. É importante repetir: pensamento é linguagem. O encolhimento do vocabulário das novas gerações de publicitários – em todas as linhas – só pode produzir um encurtamento da capacidade criativa. Afinal, as sinapses já não conseguem ir tão longe. Tudo isso explica a mudança nos padrões criativos nas últimas décadas. A tecnologia liberta, mas também oprime. Se por um lado o digital facilita a vida, por outro tira capacidade analítica.

A linguagem é elemento constituinte do sujeito e das subjetividades. E se as pessoas vivem num estágio lúmpen-linguístico, o resultado só pode ser o aplainar das capacidades criativas. E o risco vem daí. Porque a inteligência artificial já consegue criar o banal.