Paginas

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Maldade



POR JORDI CASTAN

É uma maldade o que estão fazendo com os Vereadores Roberto Bisoni, Fabio Dalonso e Mauricio Peixer. Sugerir que possam haver outros motivos pelo seu voto contrario a determinação do partido é uma maldade sem tamanho. Quem os conhece sabe que são gente de princípios morais rígidos. Dificilmente mudariam o seu voto em troca de alguma coisa diferente dos seus estritos padrões éticos. Tinham concordado em votar de acordo com o combinado. Há testemunhas, que no mínimo um deles até jurou de pés juntos que se absteria de votar e a ultima hora decidiu votar com os vereadores governistas. É comum neste país, e especialmente na nossa câmara de vereadores, que o voto mude a ultima hora, sempre por bons motivos.

Há gente que insiste em propagar o boato que a entrada de um conhecido lobista da gangue do tijolo na Câmara influenciou a troca do voto. Os mais maldosos asseguram que a troca de opinião representou 100 votos a mais na conta de cada vereador nas próximas eleições. Como alguém que os conhecesse poderia acreditar numa falácia desse tipo? Nenhum deles é inexperiente, todos ja são vereadores que conhecem bem o legislativo, não iam fazer uma trapalhada dessas. Sabem como é importante votar conscientemente. É isso que o eleitor espera, sentir-se representado pelo voto do seu vereador.

Os vereadores votaram livremente contra a determinação do seu partido. Agora devem enfrentar às consequências da sua rebeldia. Nada mais justo que abandonem um partido em que não se sentem a vontade. Nem seria necessário chegar ao extremo de expulsa-los. Não há motivo para que sejam levados ao conselho de ética, representaria um constrangimento excessivo, para quem não fez outra coisa que votar de acordo com os seus princípios. Estou convencido que eles mesmos, a esta altura, já devem ter encaminhado as suas cartas de desfiliação de um partido em que não se sentem a vontade. Acharão dezenas de partidos, que os acolherão de braços abertos. O PFU (Partido dos Fisiologistas Unidos) e a UFB (União Fisiologista Brasileira) já sinalizaram que os acolheriam, são partidos compostos por políticos que tem o seu perfil, estarão entre amigos e companheiros e ainda poderão mudar o seu voto livremente, quantas vezes quiserem,  sem sofrer nenhum constrangimento. 

Para concluir gostaria de destacar que graças aos nossos vereadores sambaquianos, o ex-presidente Lula, terá pela frente um páreo duro. Joinville da uma importante contribuição para melhorar o nível e os padrões éticos na política do país. Não deixarão o ex-Presidente sozinho carregando o peso da responsabilidade de ser o "mais" honesto. Quem sabe estará muito bem acompanhado, casualmente por três ex-tucanos de Joinville.







sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Até quando cabeças vão rolar por falta de prioridade para cultura, educação e lazer?














POR SALVADOR NETO


J
oinville ficou horrorizada esta semana com a decapitação de um jovem de 16 anos no bairro Jardim Paraíso, comunidade já estigmatizada como lugar de alta violência e tráfico de drogas. Afinal, a polícia ainda não sabe quem cometeu a barbárie, não sabe onde está o corpo, e tampouco se o jovem foi realmente assassinado no bairro. E mais: em que pese o comando do governo Colombo trocar comandantes da polícia civil ou militar, o que não muda é a essência, ou seja, a falta de efetividade na investigação. Se a polícia sabe de gangues, etc, porque não coíbe e prende? Mistérios para um Sherlock Holmes provinciano desvendar!

Mas, para além da alta criminalidade que não vem de hoje na maior cidade catarinense, há aspectos que a elite empresarial, social e política joinvilense não gosta de tocar. Nossa juventude está à mercê dos chefes do crime por pura falta de oportunidades culturais, de lazer, de esportes, de inclusão no mercado de trabalho que lhes garantam uma vida digna, saudável e longe do mundo das drogas, do tráfico, das ruas que engolem esses adolescentes para o dinheiro fácil. A Prefeitura de Joinville – governo Udo Döhler do PMDB cortou recursos para a única festa popular, o carnaval. Preferiu gastar na festa alemã Bierfest, que não deu em nada.

Enquanto a cultura, a educação integral, o lazer e os esportes não forem prioridades para os governantes, a grana gasta em segurança com câmeras, mais soldados, viaturas – e é sempre bom lembrar que é o nosso dinheiro suado que paga tudo – servirão apenas para agradar a elite assustada que mora em áreas centrais, longe da periferia que assiste essas barbáries em frente às suas casas, causar “sensação” de segurança e fonte para imagens para lindos vídeos de propaganda dos “governos” atuantes que temos (??). 

Em mais um lance que exemplifica o que digo, que mais lazer, cultura, educação não são prioridades, o governo Udo Döhler desistiu da construção de um Ponto de Cultura com recursos já garantidos pelo Governo Federal da ordem de R$ 1,2 milhão, que seria construído no bairro Vila Nova, zona oeste da cidade. Irônico é que no mesmo ano de 2015 o vice de Udo, o advogado Rodrigo Coelho que também preside a Fundação Cultural de Joinville, anunciou que a obra era uma “prioridade” do governo do PMDB. Nota-se. E a população também nota. Afinal, prioridade é palavra forte, bonita, mas só da boca para fora.

É lastimável que as lideranças políticas que se sucedem no comanda da cidade continuem a usar as mesmas práticas retóricas, discursos bonitos, e práticas iguais a seus antecessores. Este governo atual se consagra no quesito abandono da cidade, pois carros, ônibus e bicicletas afundam nos buracos das ruas; as praças e parques que ainda existiam razoavelmente cuidados, hoje estão largados ao relento e esquecimento; mobilidade urbana é miragem e outra peça de ficção na propaganda oficial, e paro por aqui, pois faltaria espaço para elencar o atraso em que nos encontramos.

Por tudo isso é que, contrariando os puxa-sacos oficiais e os mal informados, continuo a denunciar – e isso vale não só para Joinville – que ou a sociedade definitivamente muda seu modo de agir na fiscalização, acompanhamento e cobranças de suas lideranças políticas e empresariais (sim, está na hora de deixarem os pobres subirem os degraus na escala social, pagando melhores salários e distribuindo lucros), exigindo investimentos em cultura, esporte e lazer de fato, ou continuaremos a ver cabeças rolando em sacolas, corpos em malas jogados em rios, mortos perfurados com dezenas de tiros em frente às casas.

A violência se combate com educação, cultura e lazer. Sem isso, a barbárie chegará também nas casas da elite, e aí pode ser tarde demais para quem se horroriza pela tv, jornais e rádios. Nossa juventude está literalmente perdendo a cabeça no crime, como vemos em grandes centros, e nós estamos passivos observando o que virá adiante. Que rolem cabeças no poder político via uso do voto popular e participação efetiva do povo na fiscalização, não mais nas ruas da cidade que elegemos para morar, viver e criar filhos e netos.


É assim nas teias do poder...

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

"Clio Revisitada"

POR VALDETE DAUFEMBACK

A arte de escrever é uma responsabilidade desafiadora de se expor e de se explicar aos leitores naqueles pontos discordantes, especialmente quando o mundo celebra o espírito da ambivalência e da intolerância cada vez mais expressiva. Todos têm algo a dizer, a opinar, mesmo que seja pela visão alheia descolada de qualquer fundamento que legitime a sua verdade. Para alguns, significa a consolidação da democracia, para outros, o princípio de uma nova babilônia.

Esta disposição opinativa multifacetada em universo polifônico tem seus reflexos nas instituições de ensino, as quais, para acompanhar as tendências do mercado cultural buscam modelos de aprendizagem que as tornem modernas, dinâmicas, mas sem perder o prestígio e a segurança de um modelo pedagógico tradicional. As reformas têm a serventia de ousar um vôo para alicerçar o futuro e, ao mesmo tempo, moderar a sua intensidade para assegurar a credibilidade conquistada. Ou seja, é preciso manter ao mesmo tempo asas na cabeça e chumbo nos pés para equilibrar as duas extremidades e manter sob controle a ousadia das vorazes tendências e a rigidez do conservadorismo. Assim ficam a salvo o processo de ensino e suas instituições.

Mas o que caracteriza o ensino? Certamente você já deve de ter ouvido em palestra motivacional que o ensino é um negócio complexo que envolve, de um lado, uma empresa com objetivo de vender uma mercadoria (certificado) e, do outro, clientes que desejam comprar a mercadoria. E no meio tem um sujeito (o professor) que dificulta essa transação comercial.

Afora esta brincadeira que tenta sutilmente mostrar a relação do ensino com a lógica do mercado, as instituições, privadas ou públicas, têm se preocupado continuamente em reformar os modelos de ensino e seus métodos pedagógicos para acompanhar tendências e modos de vida que, em última análise, se configuraram como produtos do mercado. Estas reformas são estratégias para mudar um processo em curso que se esgota em sua própria lógica. E para não parecer fracasso do sistema se propõe mudanças com novas nomenclaturas às antigas práticas.

De Pombal a Passarinho, como destaca Lauro de Oliveira Lima (1974) ao escrever sobre a educação no Brasil, o ensino superior foi “marcado por concessões e reformulação pouco significativas para atender as populações de forma geral. O privilégio em geral era para aqueles que já detinham algum ou certo poder aquisitivo”. Mas o histórico das universidades dificilmente serve de base para mostrar a validade de programas que estendem vagas a estudantes de baixa renda e que historicamente foram excluídos da possibilidade de entrarem no universo acadêmico. Aqueles que detêm o poder econômico continuam a defender a meritocracia (leia-se a reprodução do poder simbólico), por isso demonizam a democratização do ensino.

No entanto, a universidade, como uma instituição social e autônoma, mediante a reestruturação do capital na fase da acumulação flexível ficou vulnerável à introdução de critérios administrativos e pedagógicos utilizados por empresas de produção fabril e passou a avaliar a sua gestão por índice de produtividade. Além do mais, empresas de capital financeiro também entraram no ramo de ensino (presencial ou à distância) com uma parcela de seus investimentos para dar “visibilidade ética” aos negócios. Esta estratégia acelerou a concorrência entre as instituições e projetou a necessidade de apresentar um diferencial para se manter no mercado.

Diante da concorrência, qual instituição consegue obter melhores resultados no mercado de ensino? Aquela que tem a melhor proposta pedagógica? Aquela que tem o melhor marketing? Aquela que tem o preço da mensalidade mais acessível?

De acordo com Meszáros (2008), não será possível pensar uma mudança substancial no sistema educacional dentro da lógica de mercado que reproduz a assimetria social. Neste universo, todas as inovações pedagógicas, por mais criteriosas que sejam, fazem parte das estratégias de mercado para legitimar a personificação do capital e a reprodução do poder. E para acompanhar as tendências neste mundo ambivalente, até mesmo inovações pedagógicas são criadas por empresas privadas, as quais têm como compromisso de alcance imediato o lucro e por isso vendem seus pacotes recheados de nuances técnicas a serem esgotadas até a próxima invenção tecnológica.  

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

A 4ª Revolução Industrial e a Política Velha



POR VANDERSON SOARES
    Já não há mais como negar que estamos vivenciando uma grande revolução no mundo. A 4ª Revolução Industrial, tema do World Economic Forum que ocorreu esse ano em Davos, foi amplamente discutida, bem como analisada dos mais diversos pontos de vista. 

   Os indícios que diferem esta Revolução em curso de algo pontual são basicamente três: 1) A velocidade. O ritmo de evolução é exponencial, a cada dia surge algo novo; 2) A revolução digital, que é responsável por difundir a informação entre os bilhões de seres humanos, mudando paradigmas e formas de enxergar a vida; e 3) É o impacto efetivo que tem dentro, fora e entre as nações. 

    O exemplo mais palpável que me vem à mente para exemplificar a força dessa Revolução é a Primavera Árabe, que através das redes sociais as populações do Egito, Tunísia, Líbia, Síria, Iêmem e Barein, conseguiram derrubar ditaduras. 

    Tal Revolução é pautada na tecnologia, na velocidade com que o conhecimento e a informação se desdobram. Isso inclui biotecnologia, inteligência artificial, robótica e também na forma como enxergamos a vivência em sociedade, como trabalhamos e consumimos. A inovação é a palavra de ordem neste processo, o que era novidade ontem, deixou de sê-la hoje, e assim diariamente.

     Os modelos virtuais de compartilhamento cada dia mais efetivos e ambiciosos, é só reparar no Uber, WhatsApp, NetFlix, aplicativos para qualquer coisa, desde monitorar o seu rendimento numa corrida ou para agendar encontros casuais. 

    E como a Política interfere nisso? Hoje, a nossa política tenta barrar a qualquer custo essa revolução. Você consegue observar o nível de corrupção de uma cidade, apenas vendo o quão resistente um governo é ao Uber, por exemplo. É possível ver a força contrária que um governo da Política Velha tem quando tenta barrar estes frutos da inovação e da tecnologia.

     Chegamos num ponto que é preciso decidir se continuaremos a apoiar este modelo velho, feudal e antiquado de política, barrando a inovação e o compartilhamento ou se iremos com força total, apoiar e incentivar este crescimento, esta nova forma de economia, de trabalho e de vida. Esta nova forma de propagar conhecimento e informação. 

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Povo limpo é povo educado.


Trabalhar dá muito trabalho





POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Gente, estes dias têm sido muito bons. É que estou de férias. No Brasil, claro. Têm sido dias de relax, cervejinha e muito papo com os amigos (um bando de vermelhinhos). Um tempo de dolce far niente e de manter o cérebro a vadiar. Discordo de quem diz que cabeça vazia é a oficina do diabo. Foi São Jerônimo quem avisou, por outras palavras.

-       Trabalha em algo, para que o diabo te encontre sempre ocupado.

Mas todos sabemos que o trabalho é aquela coisa chata que acontece no meio da diversão. Aliás, trabalho sempre foi coisa de pobre e em outros momentos da história foi visto como uma maldição, uma vergonha. É só lembrar que os nobres, antes da queda do feudalismo, tinham pavor a pegar no duro.

O trabalho é um interessante tema de estudo. E tem muitos analistas críticos, como Paul Lafargue, genro de Karl Marx (o velho barbudo, para quem a emancipação do homem viria justo pelo trabalho). Lafargue vê no trabalho – pelo menos nos moldes capitalistas – uma obsessão esquisita e contra a natureza do ser humano.

-       Uma estranha loucura se apossou das classes operárias das nações onde reina a civilização capitalista. Esta loucura arrasta consigo misérias individuais e sociais que há dois séculos torturam a triste humanidade. Esta loucura é o amor ao trabalho, a paixão moribunda do trabalho.

Aliás, Lafargue relembra que o trabalho foi um castigo de Deus, com aquela coisa do “suor do teu rosto”. Não concorda? Pois fique a saber que há opiniões piores. E atuais. O Grupo Krisis, por exemplo, diz que o trabalho é um defunto que domina a sociedade.

-       A produção de riqueza desvincula-se cada vez mais, na sequência da revolução microeletrônica, do uso de força de trabalho humano - numa escala que há poucas décadas só poderia ser imaginada como ficção científica. Ninguém poderá afirmar seriamente que este processo pode ser travado ou, até mesmo, invertido. A venda da mercadoria “força de trabalho” será no século XXI tão promissora quanto a venda de carruagens de correio no século XX.

Os homens do Krisis pegam pesado. E dizem também que “quanto mais fica claro que a sociedade do trabalho chegou a seu fim definitivo, tanto mais violentamente este fim é reprimido na consciência da opinião pública”. Ooops! O problema é que a coisa realmente vai piorar.

Tenho escrito – mas o tema passa batido para a maioria – que a Quarta Revolução Industrial (ou Segundo Renascimento) vai provocar mudanças profundas na vida de todos. A começar pela questão do trabalho e do emprego, que estão a ser postos em xeque, como mostra uma pesquisa recente: cinco milhões de empregos a menos (e o Brasil está incluído no estudo).

Os trabalhos rotineiros tendem ao desaparecimento, porque as máquinas poderão fazer – e já fazem – muitas dessas tarefas. Aliás, em muitos casos fazem até onde parece inesperado. Penso, por exemplo, no caso da escrita, seja no jornalismo ou na publicidade. Hoje há robôs que produzem textos, apesar de que em condições ainda insipientes. Ou seja, só os redatores que fizerem alguma diferença – pela criatividade, conhecimento ou capacidade de inovar – poderão preservar os seus lugares. O certo é que vai sobrar para muita gente.


É a dança da chuva.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Entrou numa...


Eleição a cada ano livra de erros como Udo


POR JORDI CASTAN

O governo municipal ficou três anos sem fazer nada e quer que agora acreditemos que, em menos de 12 meses, vai fazer tudo o que não fez até agora. Coisa de aluno preguiçoso, que andou gazeteando e que estuda só para passar de ano. A minha proposta é bem simples: eleições todos os anos. Assim não há como ficar engabelando o eleitor. A cada 12 meses se renova o contrato. Prometeu e não cumpriu? Rua. E que venha outro.

Antevejo duas vantagens A primeira: os programas eleitorais serão mais curtos, porque os candidatos não poderão prometer tanto. Um ano não permite prometer mundos e fundos. A outra vantagem é que Joinville será um canteiro de obras e tudo funcionará às mil maravilhas desde o primeiro dia do governo, até porque 365 dias passam muito rápido. Ainda acrescentaria o fato que para o eleitor será muito mais fácil lembrar o que foi prometido e não foi cumprido. E poderá agir com mais justiça, reelegendo os bons administradores e trocando este bando de engabeladores que temos elegido recentemente.

Eleições todos os anos cansa? É caro? Dá trabalho? É verdade. Mas quanto não custa trocar dois pneus de uma vez porque o carro caiu de novo num buraco? Quanto custa a passagem do ônibus? E a falta de remédios? Ou as filas para uma consulta ou uma cirurgia? Não é mais caro não poder trabalhar para cuidar de um filho em idade escolar porque não há vagas em período integral?

Eu, enquanto eleitor, não aguento mais esta arrogância, esta incompetência, este marasmo, esta falta de perspectiva, esse estilo de "mais do mesmo". Essa cantilena cansou, esgotou. A escusa é que ficaram pagando contas e por isso não fizeram nada do que prometeram.

Para quem se elegeu com o discurso que não faltava dinheiro, que o que faltava era gestão, essa escusa não serve. Aliás, a gestão segue faltando. Mas bastou entrar em 2016 e, como por arte de magia, o prefeito acordou e está querendo fazer em um ano o que não fez em três. Conta para isso com duas ajudas inestimáveis: a primeira é a polpuda verba de publicidade que administra com a generosidade típica de quem gasta o dinheiro que não é seu; a segunda é a memória curta do eleitor, que esquece rápido demais o desastre que está sendo esta gestão.

Como sair desta enrascada? Como colocar Joinville de novo nos trilhos e voltar a fazer que os joinvilenses tenham orgulho da sua cidade e parem de passar vergonha? Não há bala de prata. Assim, seria necessário combinar diversas alternativas. A da gestão é uma. Porque quando escuto o gestor falar agora de falta de dinheiro, lembro que os problemas econômicos não são escusa quando as ideias são de graça, saber aproveitá-las é o que diferencia um administrador medíocre de outro competente.

Esta aí minha proposta de eleições a cada ano. E não só para prefeitos.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Nos fios da teia #5












POR SALVADOR NETO


Ano novo, novos momentos? Não, não... Vem aí a guerra eleitoral, e não faltará munição para todos os lados. Vamos a mais fios da teia:

E a saúde, óoo – Hospital com 74 pacientes internados acima da capacidade de apenas 27 leitos no pronto socorro e aproximadamente mais 20 encontravam-se em observação. Além disso, o ar-condicionado do posto de enfermagem e o da sala de emergência de apoio estavam estragados e apenas um banheiro estava em condições de ser utilizado pelos pacientes. Aonde está acontecendo isso? Em Joinville, na gestão do homem da saúde, o prefeito Udo Döhler.

E a saúde, óoo 2 – A gestão do PMDB na Prefeitura de Joinville não gosta que toquem neste assunto incomodo, mas não dá para esquecer. Udo foi eleito com base na experiência como gestor (??), um entendido em saúde por estar a frente de um hospital há 40 anos, e por repetir exaustivamente em 2012: “Não falta dinheiro, falta gestão”. Além do caos no querido Hospital São José, tocado obstinadamente por servidores dedicados, continuam a faltar remédios básicos nos postos de saúde. Literalmente uma vergonha.

Buracos e Z(y)icas – A invasão de buracos nas ruas da maior cidade catarinense já virou até piada nos bairros e em redes sociais. Enquanto a Prefeitura de Udo Döhler diz que luta contra a proliferação do mosquito Aedes Aegypti que passa o Zyca Virus, dengue e outras doenças graves para a população, o povão que sofre com a buraqueira já disse que a casa dos mosquitos agora está também nos buracos  das ruas, onde a água parada é o habitat preferido do mosquito. Isso sem deixar de lembrar da matagueira em praças, ruas e terrenos. Aliás, os buracos já fizeram vítimas fatais com queda das “zicas”, como o joinvilense chama as bicicletas.

Um “Rey” na Câmara – Sucupira é aqui. Não bastasse a pífia gestão municipal, ou seja, do executivo, a gestão no legislativo também não deixa por menos. Depois das catracas milionárias, reformas no prédio com acusações de favorecimentos, iniciamos o ano de 2016 com a estrondosa visita de Doctor Rey, um cirurgião plástico que ganha a vida como apresentador fashion. Os nobres vereadores, parte deles claro, dedicaram seu tempo para recebe-lo e tieta-lo, claro. As fotos viraram chacota, e geraram revolta. O povo não os ve fiscalizando o abandono da cidade, mas pra fotinho com Doctor Rey... E viva Joinville!

Eleições – O eleitor imagina que a eleição só começa em setembro, outubro. Mas não. Os bastidores para as eleições municipais em Joinville fervem. Os prefeituráveis até o momento são: Udo Döhler (PMDB), que busca ser reeleito, Dr. Xuxo (PP), Darci de Matos (PSD), Carlito Merss (PT), Marco Tebaldi (PSDB) que será obrigado a ir após a desistência de Ivandro de Souza, Rodrigo Bornholdt (PDT) e Ivan Rocha (PSOL). Sete postulantes que correm sofregamente atrás de partidos menores, e candidatos a vereadores, para fechar coligações. Pelo andar da carruagem serão todos contra Udo.

Eleições 2  – Outra corrida nos bastidores é por vices ideais. Rumores dão conta de troca-troca de partidos para que alianças sejam fechadas entre os partidos. Tudo para a busca de tempo de tv, e claro, vices mais simpáticos e populares em alguns casos. Como há tempo até o final de março para filiações partidárias e trocas de partidos, o sururu é grande em partidos como o PDT, PPS, PSD, PP, PTB, DEM, menos no PT. Lá o desgaste vindo do massacre midiático vindo pela operação Lava Jato dificulta até formação de chapa para vereadores, que dirá para vice.

Brasília em tensão – A volta das atividades no Congresso Nacional marca uma retomada da temperatura política, arrefecida com o recesso das festas de final de ano. Dilma trocou o ministro da Fazenda, conforme adiantado aqui na última coluna “Nos fios da teia #4) para dar um novo ritmo e motivação à economia. Até agora nada andou. A espetacularização da operação Lava Jato indica que a guerra entre oposição/mídia e governo não vai reduzir, o que faz muito mal ao país. 

Brasília em tensão 2 - E na Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha manobra para não perder a cabeça, tentando articular para que o PMDB vote pela abertura do impeachment. E Temer? Bom, Temer tenta salvar seu poder a frente do PMDB, ameaçado por Renan Calheiros, presidente do Senado. Temer percorre o país pedindo votos dos seus deputados federais e senadores. Aliás, esteve em Santa Catarina ontem (28) ao lado de Mauro Mariani, presidente do PMDB e seu aliado no PMDB. Briga de cachorro grande. Enquanto isso quem sofre é o trabalhador.


É assim, os fios da teia nas teias do poder...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Boicote



POR FELIPE CARDOSO

Dois mil e dezesseis mal começou e as denúncias de racismo já começaram a aparecer. Muitos já afirmam que o ano de 2015 ainda não acabou. Então, vamos a luta.

Os resultados do vestibular acenderam, mais uma vez, o debate sobre as cotas sociais. Assunto já tratado aqui, anteriormente. O que não faltou foi gente afirmando que não conseguiram a aprovação no vestibular por conta das cotas, como se quem faz uso dessa política paliativa não tivesse que estudar para conseguir cursar a universidade e já tivesse com a vaga garantida.

Não há negros entre os atores indicados ao Oscar, mais uma vez, mostrando o silenciamento, invisibilidade e o desprezo aos excelentes trabalhos realizados por atores e atrizes negros no cinema.

A Rede Globo iniciou a transmissão de mais uma edição Big Brother Brasil e com mais racismo (para não perder o costume). Uma esponja, para os participantes lavarem a louça durante três meses – com transmissão para todo o Brasil – tem simplesmente o formato de um homem negro com um black power. O corpo do boneco é a base e o cabelo é a esponja. Por estar definhando por falta de audiência, os diretores do programa certamente acharam que colocar temas polêmicos dentro da casa “mais vigiada do país”, pudesse recuperar o sucesso obtido no início. Mais uma vez tentando fazer dinheiro com a nossa desgraça.

A tragédia racial parece não ter fim.


A cada dia fica mais visível que o racismo está em todo lugar. É um sistema perverso, estrutural e institucional, não sendo exclusividade apenas brasileira, tendo formatos diferentes em cada país, mas que possui o mesmo objetivo e resultado: a morte e o encarceramento da população negra.

Não é de hoje que viemos estudando e denunciando o papel influente da mídia em relação a esse grave problema que nos atinge. Mas parece que não querem nos escutar, principalmente as marcas que insistem em não enxergar negros e negras como um público consumidor.

Prova disso é a recente propaganda da Pepsi em que afirma que o mundo está muito chato atualmente, por conta das reivindicações das minorias em busca das conquistas dos seus direitos. Isso só deixa mais visível o distanciamento da realidade entre a marca e o público, a falta de empatia e sensibilidade para perceber, entender e acompanhar as mudanças do mundo. Talvez a democracia e a multiculturalidade poderiam dar mais resultados positivos e lucrativos a marca de refrigerante do que a propagação de mais discursos de intolerância que vem mostrando desastres catastróficos diariamente.

Mas quem deseja ouvir no mundo da mídia e da publicidade? Talvez outras medidas podem fazer as ditas camadas minoritárias serem ouvidas e passarem a ser respeitadas.

Boicote!

Em resposta a todos esses acontecimentos, diversos negros e negras começaram uma campanha de boicote pelo mundo. Nos EUA, diversos artistas lançaram uma campanha de boicote a premiação do Oscar. No Brasil, as mulheres negras lançaram a campanha “não me vejo, não compro”, para tentar mostrar para a sociedade que a população negra também gosta de ser representada e se identificar com os produtos expostos nas lojas, na novela, na publicidade, no cinema, no teatro, na moda…

Parece que as pessoas brancas, detentoras do poder econômico, não querem representar a variedade cultural existente no mundo. Daí, quando criam-se cotas para a inserção e garantia da democracia na sociedade, as pessoas torcem o nariz, criticam, mas não conseguem observar tamanha disparidade, denunciada durante anos. Não haveria necessidade de cotas caso algumas pessoas notassem seus privilégios em relação as outras e tomassem medidas para mudar o quadro.

Pode parecer inofensivo, no momento, uma campanha de boicote, mas com cada vez mais pessoas acessando as mídias sociais, fica mais fácil organizar uma grande ação para mostrar para empresários e agências de publicidade que o público negro existe, trabalha e merece respeito e representação, assim como mulheres e LGBTs. Eventos passados, como os boicotes realizados nos EUA, durante o século passado, nos inspiram e nos asseguram sucesso na luta por direitos.

Alguns resultados começam a aparecer. Por conta do boicote, a Academia anuncioumudanças no Oscar. Para os pessimistas, que achavam que isso não importava, que era vitimismo dos negros e negras, poderão agora repensar sobre o assunto, pois as mudanças não contribuirão apenas para a valorização de atores, atrizes, diretores e diretoras negras, mas também para asiáticos e latinos que também não recebem devida atenção pelos trabalhos produzidos.

Tomemos como exemplo esses diversos acontecimentos para lembrar que o poder está nas nossas mãos e devemos saberutilizá-lo com coerência.

O “sonho” de Luther King se constrói com muita luta! Avante, negros e negras!