Paginas

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O índice Big Mac

POR JORDI CASTAN




2015 será o ano em que falaremos muito de crise. Aqui mesmo no Chuva Ácida o debate já começou. Valdete Daufemback Niehues publicou o post Crise! Qual crise com a sua visão da crise. Assim, enquanto há quem pergunte onde está a crise, também há quem ache que já estamos nela. Há opiniões para todos os gostos e especialistas de todas as tendências, prontos a defender com argumentos abalizados os seus argumentos. Começo avisando que não sou especialista no tema e que aguardo com interesse os comentários a favor e contra.

O Brasil vive um momento ímpar. Nunca se consumiu tanto e nunca se pagou tão caro por produtos de qualidade equivalente aos disponíveis em mercados de outros países. Vez por outra aparecem informações e estudos mostrando que o mesmo carro que aqui custa X  em outro país custa Y. Tênis, roupas, perfumes, cosméticos e as bugigangas eletrônicas mais comuns são outros produtos que permitem fazer rápidas comparações de preços e tirar conclusões. O brasileiro, quando viaja ao exterior, rapidamente faz a mesma descoberta que qualquer turista que aqui chegue. No mesmo momento em que desça do avião e tenha contato com a nossa realidade econômica, vai perceber que o Brasil está muito caro. Na verdade, os preços por estes lados estão cada vez mais fora da realidade internacional. O que se tem como resultado é que a maioria de destinos turísticos frequentados por brasileiros se regozijem com a chegada de milhares de ávidos consumidores com dinheiro e com um prazer quase compulsivo por consumir. O bom e velho "tá barato, me dá dois”, em alguns casos chega ao ponto de “tá barato, me dá três”. 

Em 1986, a revista The Economist criou o Índice Big Mac, com o objetivo inicial de servir de referência para acompanhar o valor real das diferentes moedas. O popular hambúrguer da Mc Donalds se converteu assim em um indicador fiável de valor e permite avaliar se uma moeda esta mais o menos valorizada. A lógica é que os preços do Big Mac tenderiam ser parecidos em diversos países e mostrariam o valor “correto” de cada moeda. A base é a chamada Paridade do Poder de Compra (PPP, por sua sigla em inglês) comparando preços de produtos e serviços idênticos, neste caso um hambúrguer. Como exemplo, o preço médio em 2015 de um Big Mac nos Estados Unidos é de 4,75 dólares, na China é de 2,77 dólares, ao câmbio oficial, o que, grosso modo, mostra que o Yuan esta abaixo do seu valor em 42%.

Claro que a ideia não é usar o hambúrguer como um indicador veraz. Mas é uma referência interessante, tanto que há vários livros que o citam e tem sido objeto de mais de 20 estudos acadêmicos. Para o brasileiro que sofre na pele o impacto das primeiras medidas do pacote de maldades que o governo lançou semana passada, é interessante poder utilizar indicadores fáceis de entender, fora a sua própria percepção na hora de fazer a compra do supermercado.

Para aumentar a credibilidade do índice e evitar que se crie a imagem que em países pobres o preço é menor porque os salários são mais baixos, o índice incorpora o cálculo da correção entre o preço do hambúrguer é a renda per capita para 48 países, entre eles o Brasil, o que permite avaliar melhor se uma moeda esta sobre o subvalorizada.


Para os otimistas de plantão, o Brasil vai muito bem porque o nosso Big Mac é o 4º mais caro do mundo, só superado por Suíça, Noruega e Dinamarca e na frente de Suécia, Estados Unidos, Canadá e toda a zona do Euro. Os países em que o Big Mac é mais barato são Ucrânia, Rússia e Índia. Tirem suas conclusões.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Para mergulhar no lixo...

Adaptação de um post que circula no Facebook
POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Woody Allen tem uma frase engraçada. Diz que na Califórnia o lixo não é jogado fora, mas reciclado na forma de programas de televisão. Só que quando ele disse isso não havia internet e ainda menos as redes sociais. Porque em países como o Brasil, hoje o lixo é reciclado na forma de aberrações como o tal Revoltados Online.

Mas o que querem esses revoltados? Os caras são contra Dilma. Isso é legítimo numa democracia. E pedem o impeachment da presidente. Aí já entramos no plano da toupeirice, pois não há bases legais (eles querem “porque sim” e isso, bem sabemos, não é suficiente). Mas o pior é que os caras distorcem os fatos e mentem na cara dura. E aí é pura canalhice.

De qualquer forma, a existência dessa paranóia online é legítima. Tanto que a coisa tem mais de 400 mil seguidores. Inclusive há sete ou oito “amigos” da minha timeline lá na rede do Mark Zuckerberg. O que não me tira o sono, uma vez que são pessoas que não conheço e muito provavelmente nunca verei pessoalmente. Mas distorcer fatos não é legítimo.

Há um aspecto que me toca pessoalmente, enquanto pessoa ligada ao design. O grafismo dos posts é tão ruim que parece feito com os pés. O que nem chega a ser surpreendente. Sendo feito para analfabetos políticos, é perfeitamente natural que o Revoltados Online também esteja em sintonia com os analfabetos visuais.

Enfim, se você quiser mergulhar no lixo online da política, os revoltados são a resposta. Porque lá tudo é distorção. A começar pelo dono da coisa. Um cara que, segundo li, não é exatamente alguém de quem você gostaria de comprar um carro em segunda mão. Mas a medida exata das coisas pode ser dada por um exemplo: enquanto o ex-presidente Lula é chamado “vagabundo”, o execrável Jair Bolsonaro é tratado como herói.

E há mais. Vez por outra tem um vídeo de Sheherazade que, nesta fase da Jovem Pan, parece disposta a detonar todas as regras do jornalismo. E do bom senso. O rola-bosta Reinaldo Azevedo é outro queridinho. Os pastores Silas Malafaia e Marco Feliciano são referências morais. E, claro, o derrotado Aécio Neves é tratado como se fosse a consciência da nação.


Enfim, só gente boa. Ah... e tem aquela coisa que eles não param de repetir: “povo vem para a rua”. Eu não iria tão longe. Bastava que esse povo fosse para a escola ler livros e que deixasse de se informar apenas através de posts do Facebook.

É como diz o velho deitado: "Gente que se alimenta de lixo moral tem mau hálito político".


O post original

E a maluqueira nunca acaba...



As redes sociais têm a virtude de democratizar a opinião. Esse é o lado bom. O lado mau é que isso permite que as pessoas exponham o quanto podem ser patuscas, como esse senhor aí no post. Onde essa gente quando queria passar vergonha antes das redes sociais?




sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Estelionatos eleitorais

POR SALVADOR NETO

Mais conhecido entre o povão como “171”, que vem a ser tipificado no código penal brasileiro como estelionato. Ou, esclarecendo melhor, o que vem a significar tudo isso, como dizem os dicionários Aurélio e Barsa, é a “obtenção de lucro ilícito, para si ou para outrem, em prejuízo de outra pessoa, que é induzida ou mantida em erro por qualquer meio fraudulento”. Para além do estelionato conhecido, temos algo que cresce a cada eleição no Brasil: o estelionato eleitoral, ou o 171 do voto.

É importante trazer ao debate este tema. Vivemos em nível nacional, e também local, dois estelionatos eleitorais em fases distintas. Dilma Rousseff a partir de Brasília dá uma guinada do discurso para a prática que deixou tontos até os mais ferrenhos petistas e sindicalistas. Começou mexendo nos benefícios trabalhistas e previdenciários, arrochou financiamentos, aumentou juros, aperta firmemente a classe média, e faz de conta que não é com ela. Um caprichado 171 eleitoral. Mas é início de mandato, o segundo da durona petista. Não se sabe ainda os efeitos. Veremos mais à frente os resultados do rasga discurso.

Já na maior cidade catarinense, o 171 eleitoral já vai para o terceiro ano. Eleito com fama de gestor competente, comandante da associação empresarial em vários mandatos, nome forte de empresa centenária do ramo têxtil, figura conhecida dos bastidores econômicos e políticos de Joinville, o prefeito Udo Döhler anunciou à época em 2012 que não faltava dinheiro na Prefeitura, mas sim gestão. Pois bem. Ao que vemos hoje estão faltando no mínimo ambas. Nada anda, a não ser os buracos, o mato tomando conta de ruas e praças, as carências da saúde que tanto ele prometeu resolver. No caso provinciano, o tempo já passou, e muito. Aqui temos um 171 eleitoral continuado, uma espécie de 171 governamental, parcialmente encoberto pela mídia compreensiva.

Tanto no planalto quanto na província, o uso da promessa eleitoral não cumprida é praxe nas últimas décadas. José Sarney (1986) quando desvalorizou o cruzado após as eleições estaduais. Collor, que arrestou as poupanças do povo; FHC em 1998 quando depois de se reeleger desvalorizou o real, até então supervalorizado. Por aqui, temos o ex-prefeito Lula (1988) com as chalulas (lembram?) ele iria acabar com a falta de casas. LHS com as pontes ligando o bairro Adhemar Garcia ao bairro Boa Vista, entre outras promessas que os leitores certamente relembrarão.

Marco Tebaldi também produziu das suas com a limpeza do rio Cachoeira, ou o reclamou vai pro final da fila. Carlito Merss nem prometeu tanto, mas falhou na gestão em setores chave, e a mídia não perdoou. Ou seja, o uso corriqueiro da promessa fácil sem qualquer comprometimento mais firme com a realização de fato da obra, ou projeto de governo vendido ao eleitor, tem se intensificado. E por favor, não são só políticos de carreira os prometedores do paraíso, não os achincalhem sozinhos, hoje há também empresário na política produzindo o mesmo. E isso é péssimo para a democracia.

Agora, diferentemente do 171 do Código Penal, que pune na letra da lei a quem produz o estelionato, o 171 eleitoral não tem uma punição mais dura a quem usa do verbo fácil para vencer, e depois deixa os eleitores a ver navios, ou seriam buracos, mato, juros altos, corrupção crescente? Ah, sim, dirão alguns, há a punição do eleitor no pleito seguinte. Mas isso é pouco, e a duração e o alcance dos prejuízos são muito difíceis de recuperar. Sem contar que o eleitor, induzido, recoloca muitos novamente no cargo.


O vale tudo eleitoral não pode continuar, sob pena de levarmos a um descrédito total da atividade política, da gestão pública e até da democracia. Ou nos elevamos a um patamar civilizado e coerente, ou viramos todos estelionatários, até como forma de sobrevivência. Como dizia um velho militante da política que não chegou a vencer eleição a Prefeito: ou mudamos a forma, e os ingredientes, ou teremos sempre o mesmo pão.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

África, economia e violência

POR BELINI MEURER
A relação da África com o restante do mundo acontece a partir de dois pontos dicotômicos: o continente tem uma importância histórica para a humanidade, por um lado, mas vive um abandono cruel na história recente, por outro. Informações esparsas mostram que, ao longo do continente, milhares de pessoas morrem vitimadas pela fome, por doenças, por guerras, por desmandos políticos e por fundamentalismos religiosos.

Se na França, a morte de doze pessoas causou uma comoção internacional, reunindo chefes de estado do mundo inteiro, o mesmo não aconteceu quando, na Nigéria, o Boko Haran usou meninas de onze ou doze anos para detonar bombas e matarem dezenas de pessoas. Mas o mais estranho é que essa mesma Europa, assim como a América, sabe que a situação que o homem africano vive hoje se deve a uma escravocracia e uma era de sua história chamada de Partilha da África, período de expropriação das riquezas do continente.

A história dos povos africanos remonta à origem da humanidade; arqueólogos, antropólogos e pré-historiadores mostram que em regiões sub-saarianas teriam surgido os primeiros homens e mulheres modernos. Pesquisas em restos encontrados no Chifre da África e na Península Arábica, bem como resultados de análises em situações geológicas, mostram que nos primórdios da humanidade, os povos saíram da África e espalharam-se pelo mundo cruzando o estreito Bab-el-Mandeb.


Mas a história dos povos africanos também está relacionada diretamente com a opulência européia e americana, suas histórias de colonizações, com escravismo, desmandos e imposição cultural. No século 19, a Europa ocidental, munida de réguas, compassos e transferidores, dividiu a África de acordo com seus interesses econômicos. O episódio ficara conhecido como Partilha da Africa: uma parte para os Ingleses, uma parte para os franceses, outra para os holandeses e assim por diante.


Hoje, do alto do idealismo alemão, do empirismo inglês, da religiosidade italiana ou do requinte francês, fecham-se os olhos diante da situação da Mama África. Não mais lhe interessa; o parasita não vê mais o que tirar do hospedeiro. E só assim, é possível entender o por quê de os mortos franceses causarem tanta comoção internacional e as meninas-bombas da Nigéria ocuparem nos jornais, espaços tão pequenos que mais pareceram notas de roda-pé.



quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Ééégua, uma vaca


E num dia em que teve até peixe saindo do bueiro, o pessoal do ÉÉÉgua traz mais esta preciosidade para o Facebook.


Os haitianos de hoje são os nossos parentes de ontem

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

O Haiti, terceiro maior país do Caribe, é um território decapitado por sua história. Após seguidas ditaduras e enormes crises sociais, virou uma nação à deriva. Para completar, um terremoto sem precedentes destruiu o pouco que restava. Os quase 10 milhões de habitantes enxergam como uma alternativa a emigração (as forças de paz da ONU mudaram parte da realidade local, mas longe do necessário) e tentar uma outra vida longe dali. O Brasil, por ter relações estreitas com o Haiti (é o principal país com presença de tropas no país) facilitou a emigração de haitianos e estimava-se que, até o final de 2014, 50 mil estivessem no Brasil.Nem todos de forma legal.

Segundo fontes,

no conjunto do fluxo migratório que chega ao país, eles representam 10% do contingente – há quatro anos eles não passavam de duas centenas, mas, no fim de 2011, somavam 4 mil. As estatísticas fazem do Brasil o maior ponto do tráfico de imigrantes haitianos da América do Sul: 75% passam pelo Equador, seguem para o Peru e ingressam no Brasil por Tabatinga e Brasileia, fazendo, na fronteira, o pedido de refúgio. Apenas 5% deles tomam rotas distintas com passagem pela Argentina, Bolívia ou Chile antes de imigrar para o Brasil. Cerca de 20% saem do Haiti com vistos obtidos nos consulados e fazem escala no Panamá, antes de desembarcar nos aeroportos de Belo Horizonte, Brasília ou  São Paulo. 

A imigração de Haitianos é uma realidade presente em uma boa quantidade de municípios brasileiros, principalmente nas cidades catarinenses onde o superávit de empregos é noticiado nacionalmente. Muitos possuem ensino médio completo e são absorvidos pelos setores da construção civil e comércio em geral. Inclusive em alguns lugares há campanhas específicas para estes grupos, com acompanhamentos de assistentes sociais e médicos do Programa Saúde da Família. É uma população com alta vulnerabilidade que precisa de apoio para conviver harmoniosamente com a realidade brasileira e fugir das drogas, do tráfico e mendicância. Infelizmente o preconceito e o descaso ainda competem com a busca por oportunidades de uma vida melhor.

O recado que os preconceituosos merecem vai no sentido do título deste texto. Claro que as condições do país são diferentes e as realidades são outras, mas todos os nossos parentes (inclusive os indígenas) foram imigrantes em alguma parte da história. As nossas origens provam que estes povos merecem sim o respeito, a dignidade e a inclusão como qualquer outro ser humano merece, sem o constrangimento de que "estão tirando vagas de trabalhadores brasileiros" e sem patriotada. Mesmo assim, se alguém pensar contra esta linha de raciocínio, que vá abrir os álbuns antigos de família e ver que, se não fossem pelas oportunidades conquistadas na dura realidade social brasileira (escravidão, campesinato, êxodo rural, ditadura, etc.) talvez nem teria existido.

Somos todos nômades. Está em nossa essência.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Ai, que saudade...

POR FELIPE CARDOSO

Que saudade dos tempos em que podíamos chamar o negro de macaco, o homossexual de bicha, viado, bater nas mulheres, rir dos deficientes… Tudo isso sem sofrer nenhuma advertência. Bons tempos em que vivíamos em um regime militar e éramos alienados por uma televisão. Saudade desse tempo.

Recentemente o “humorista” Renato Aragão, vulgo Didi, saudosista que só, relembrou desse período em que negros e homossexuais não se importavam com as piadas racistas e homofóbicas.  “Naquela época, essas classes dos feios, dos negros e dos homossexuais, elas não se ofendiam. Elas sabiam que não era para atingir, para sacanear”, desabafou.

O mundo atual está vivendo a época do “politicamente correto”, que está deixando a nossa vida mais chata.

- “Para que tirar as pessoas da miséria? Vamos rir da miséria de quem?”, não é Silvia Pilz? O link está no final deste texto.
- “Negros cursando universidade? Para quê? Quem vai dirigir meu carro? Quem vai lavar minhas cuequinhas?”
- “Homossexuais casando e constituindo família? Por que isso? Pra que adotar crianças abandonadas e ensinar a serem gays?”
- “Lei Maria da Penha? Mulheres ganhando salários maiores do que o meu? Morando sozinhas? Independência feminina? Donas do próprio corpo? Quem vai cozinhar e limpar minha casa agora?”
- “Nós, brancos, heterossexuais, cristãos, pagadores de impostos estamos sendo oprimidos!”

Esses são alguns dos pensamentos dos intolerantes e reacionários que são representados por pessoas que se intitulam humoristas e mostram seus ideais (da Idade Média) por meio de piadas. Acham que estão sendo perseguidos e proibidos de caçoarem dos outros.

É assustador ver a quantidade de comentários preconceituosos de pessoas que, de alguma maneira, querem propagar, incentivar e fazer prosperar o discurso do ódio, da intolerância e da violência.

Se você sente saudade de alguma coisa citada acima, sinto informar, mas você precisa urgentemente de um tratamento psiquiátrico.

Então quer dizer que ensinarmos as pessoas de todas as idades a respeitarem as diferenças e conviver de maneira pacífica e harmônica para contribuir com o crescimento do país é algo simplesmente “chato” e “sem graça”? Lutar por igualdade e justiça é balela? Devemos celebrar a cultura das ofensas e desavenças? Continuar achando que é apenas uma piada?

Certamente essas pessoas que defendem essa época “gloriosa” são as mesmas que reclamam dos assaltos e assassinatos presentes no nosso dia a dia.

- “Mas o que tem a ver uma coisa com a outra? Uma coisa é falar, outra é agir!”.

Lembram da repórter Rachel Sheherazade, que disse ser “compreensível a atitude de justiceiros”? Lembram o que aconteceu depois desse depoimento? As palavras têm poder. Para que a teoria vire prática basta uma simples atitude.

Quando semeamos na nossa cabeça a raiva, a intolerância e a ignorância, nosso subconsciente nos leva a ações maldosas que prejudicam pessoas ao nosso redor quando precisamos resolver nossos problemas.

Rir da diferença do outro é errado, pois você está desqualificando seu semelhante. Você está hierarquizando e segregando a sociedade. Quem se parece com você é bonito, inteligente e merece tudo de bom. Quem é diferente de você é feio, burro e merece tudo de ruim. Acho isso já foi usado em alguns períodos da história mundial. Se não estou enganado foi na escravidão e no nazismo. 

Assustador, não? Uma simples piada pode parecer apenas uma simples piada quando não é analisada. Ela se naturaliza e, muitas vezes, é tomada como verdade. Então não tem graça as suas piadas preconceituosas. Na verdade nunca tiveram. A diferença é que tempos atrás quem sofria com tais humilhações não tinha força para reivindicar, mas agora elas têm.

Se estamos evoluindo para uma cultura mais respeitosa e você está descontente com o mundo, não pense que a sociedade está chata. Na verdade é você que não está acompanhando essa evolução. Isso é normal. Acontece com todas as pessoas preconceituosas. Elas não estudam, não sentem empatia e só leem e assistem o que combina com os seus pensamentos. Isso quando leem. Então não pense que nós (que lutamos contra todo o tipo de preconceito e violência) é que estamos errados.

Ensinar e semear o amor, a paz e o respeito para todos é fundamental para uma melhor educação e uma melhor convivência entre os humanos. Fazendo as pessoas pararem de achar graça em ofensas baratas e agressivas nos fará ficar mais exigentes. Não rir de qualquer coisa. Nossos humoristas terão que se esforçar mais. Exigiremos mais piadas inteligentes. As “zoações” nas escolas serão diferentes.

Estamos evoluindo e não podemos dar marcha a ré. Mais paz, amor, união e respeito, por favor.

Ah, e Renato, eu achava (e ainda acho) o negro e o homossexual os mais engraçados daquele grupo “Os Trapalhões”. Não é a toa que você e o Dedé perderam a visibilidade depois que eles faleceram.

Para encerrar, deixo aqui o documentário “O Riso dos Outros”, do Pedro Arantes, que contribui bastante com o debate.

(http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/01/blogueira-globo-esculacha-pobres-em-artigo-espantoso.html).

https://www.youtube.com/watch?v=uVyKY_qgd54



segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Está quente?

POR JORDI CASTAN

Está quente? Se tivéssemos mais árvores nas ruas, a temperatura baixaria alguns graus. Em média, ruas arborizadas são de 3 a 5 graus menos quentes. Mas falar da arborização urbana em Joinville é mexer num vespeiro.

As árvores atrapalham, dão trabalho, custam dinheiro, arrebentam calçadas, folhas caem e sujam as ruas. E por aí vai. Ninguém lembra que árvores reduzem a temperatura no verão, produzem oxigênio, fixam poluentes e melhoram a qualidade do ar, embelezam e aumentam o verde urbano. Árvores melhoram a qualidade de vida.

Em Joinville, a arborização urbana vem se deteriorando a ritmo alarmante. O poder público não tem um projeto de arborização urbana. Podas de manutenção e formação não são programadas, nem estão previstas. Os menos avisados dirão que a Celesc gasta mais de R$ 1.000.000 ao ano na poda de árvores, sem entender que a empresa, através das suas subcontratadas, não faz poda de árvores, só as deixa "podidas" para facilitar a manutenção da fiação elétrica e evitar problemas no fornecimento de energia. O resultado é a deformação e até a destruição das árvores, como resultado do manejo inadequado.

Nas novas praças há mais concreto que verde. As árvores, quando plantadas, não desenvolvem e morrem a míngua. E quando isso acontece não são repostas. É só ir ao Parque José Alencar, também chamado Parque da Cidade, e ver que depois de mais três anos as árvores que teimam em sobreviver estão ainda do mesmo tamanho que foram plantadas.


O rebaixo do meio fio e a priorização do carro, unido à visão míope de alguns comerciantes que não querem árvores na frente de suas lojas e pontos comerciais, faz com que Joinville perca cada ano mais cobertura arbórea. O saldo é negativo há mais de 25 anos. E ainda tem quem reclama do calor. Seria melhor reclamar da ignorância, mas essa, ao contrário da arborização urbana, vai muito bem e tem, na nossa cidade, um futuro próspero.

A Prefeitura tampouco ajuda muito. As árvores plantadas nas ruas não têm o tamanho adequado, não se seguem normas técnicas, nem há padrões para o fornecimento das mudas, o DAP (diâmetro a altura do peito), um dos critérios para estabelecer um bom padrão de arvore para rua, não é exigido e nem o tamanho mínimo de cova é cumprido. Colocar fertilizante é um luxo impensável.


Como resultado, num cálculo bem conservador, mais da metade das novas árvores plantadas nas ruas de Joinville nos últimos anos se perderam. Tempo e, principalmente, recursos públicos jogados fora. Alguém se preocupa com isso? Parece que não. Perder mais da metade das árvores plantadas parece um padrão aceitável, numa cidade que nem cuida do jardim da própria Prefeitura. Aliás, outro espaço em que as plantas também morrem a míngua, ante o olhar impertérrito dos técnicos responsáveis do verde urbano da nossa cidade.



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Após a tragédia

POR PEDRO HENRIQUE LEAL

Havia planejado para o meu primeiro texto algo mais otimista. Algo sobre como deixávamos para trás as agruras dos anos passados, e 2015 se abria esperançoso. Esse texto perdeu todo o sentido na última quarta-feira (7/1), quando três atiradores invadiram a redação da revista satírica Charlie Hebdo, matando dez funcionários. Em seguida dois dos terroristas tomaram reféns em um mercado Kosher. Agora, passada uma semana, as reações ao evento vão de solidariedade à violência, passando pela mais pura hipocrisia.

Imediamente após o desastre, comentaristas, leigos e formadores de opinião saltaram para a resposta óbvia: os terroristas fizeram o que fizeram pois se ofendiam com as charges da revista sobre o profeta Maomé. Talvez seja esse o caso - ou talvez isso seja uma análise precipitada e marcada por clichês simplistas. Certo que este pode ter sido um fator, mas terrorismo busca exercer pressão política através da violência; é igualmente, ou mais provável , que o alvo tenha sido escolhido por seu destaque e que o interesse real seja o governo francês. No entanto, essa narrativa de “eles se ofenderam por causa das charges” tem muito a beneficiar o terror, ao justificar discursos de ódio simplistas de “eles nos odeiam por que nos odeiam”.

Pouco após a tragédia, o hino de “Je suis Charlie” em simpatia às vítimas do ataque tomou a internet. No entanto, rapidamente a empatia pelas vítimas deu lugar ao radicalismo de “conosco ou contra nós”. Aqueles que apontaram os problemas éticos quanto a linha editorial da Hebdo (como Leonardo Boff e o cartunista americano Joe Sacco) rapidamente foram acusados de “defenderem os terroristas”. E muitos dos que manifestaram apoio rapidamente retiraram seus hinos de “Je suis Charlie” ao ver que as caricaturas ácidas da revista não se restringiam a atacar o Islã.

Neste domingo (11/1), líderes mundiais se reuniram para “liderar a marcha” em prol da liberdade de expressão e contra o terrorismo. Um gesto nobre, não fossem alguns dos participantes dessa marcha. Segundo a Repórteres Sem Fronteiras, vários dos enviados para a manifestação estão longe de serem aliados da liberdade de expressão. Entre eles estavam representantes da Turquia, dos Emirados Árabes Unidos, da Arábia Saudita (onde um blogueiro foi condenado a 1000 chibatadas por “insultar o Islã”), da Rússia e da Algéria.

Desde o ataque a redação da Charlie Hebdo, já foram mais de 50 ataques e atos de vandalismo contra mesquitas e centros comunitários islâmicos na França. Nos casos mais graves, tiros foram disparados, granadas foram lançadas e até um restaurante foi explodido. Nas redes sociais e em canais de TV, pede-se por medidas mais duras contra “a ameaça islâmica”. Na Fox News, “especialistas” propagam o medo com afirmações sem embasamento (como dizer que a cidade britânica de Birmingham “é uma área somente para muçulmanos”. E essa onda de temor e ódio pode muito bem ser o que os terroristas desejavam: empurrada a margem da sociedade ocidental, a comunidade islâmica vira cada vez um prato cheio para o radicalismo.

PERSPECTIVAS - Talvez o aspecto mais condenável da reação ao ataque, os últimos dias foram marcados por opinadores de todo o espectro político assumindo para si as dores e a reação. Tivemos revistas de esquerda tentando pintar o caso como “um ataque às esquerdas”. Membros da extrema direita alegando que era “um ataque a civilização ocidental”. Movimentos armamentistas usando do terror para empurrar sua agenda. Grupos anti-imigração pedindo deportações em massa.  Formadores de opinião declarando que todo muçulmano devia desculpas. Houveram até publicações brasileiras usando da tragédia parisiense para clamar por uma retomada dos protestos de junho passado.

Enquanto os olhares do mundo se viram para o massacre em Paris, outras tragédias recentes parecem ter sido completamente esquecidas. Uma menina bomba matou 20 pessoas e feriu 51 em Maiduguri, na Nigéria, neste domingo (11/1), Também na Nigéria, o grupo terrorista Boko Haram cometeu o maior massacre da sua história na aldeia de Baga, nordeste do país. Com estimados 2 mil mortos (as forças de defesa nacional desistiram da contagem de corpos, segundo a Anistia Internacional), o massacre parece ter sido quase que totalmente ignorado pela comunidade internacional.

O que ocorreu em Paris na última quarta-feira não é nada simples. No entanto, insistimos em explicações simplificadas e que não contemplam as implicações nefastas tanto do caso, quanto das reações. Não, não foi sobre liberdade de expressão (ao menos não apenas sobre isso). Reduzir a “eles são selvagens que não aceitam humor e devem ser expulsos da civilização” é tentar resolver violência com mais violência. Seguir nesse caminho é abraçar a barbárie, em meu ver.