sábado, 19 de agosto de 2017

Burro, burro, burro

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

O futebol é o esporte mais popular do mundo. Não é por acaso. As regras são muito simples e qualquer pacóvio, mesmo que jamais tenha dado um chute numa bola, se acha autoridade no assunto. Na arquibancada, cada torcedor é um técnico.

- Com esse Osvaldão a gente não ganha de ninguém. É um técnico que só sabe inventar. Ih, olha essa jogada do Luisinho. O cara tropeçou na bola.
E grita para o banco.
- Ei, Osvaldão, tira essa múmia de campo.
A partida está no fim e o sujeito ao lado, a roer as unhas de nervoso, acha que o jogador não tem culpa.
- Pô, o culpado é o Osvaldão. Todo mundo sabe que o Luisinho é atacante, mas esse técnico fica inventando e escala o coitado como meio-de-campo.
- O Luisinho é craque mas está velho e não tem mais pulmões para jogar no meio-de-campo. Só o Osvaldão é que não vê.
- Assim vamos ficar no 0 a 0 e jogando em casa contra um timeco. Haja coração.
- Como é que a diretoria foi contratar essa besta para técnico?
- É culpa da imprensa. Os jornalistas ficaram enchendo a bola do cara só porque foi campeão num time lá na Arábia.
- Eu nem sabia que os árabes jogavam futebol. Pensei que o negócio deles fosse explodir bombas.
- Pois é, mandaram essa bomba de técnico para cá. O pior é que esse Osvaldão ganha um dinheirão.
- Eu é que quero o meu dinheiro de volta. Esta pelada não vale um tostão.

Nesse momento Luisinho dá de canela na bola. A torcida vai à loucura.
- Tira essa múmia de campo, Osvaldão.
- É foda. O cara escala mal e não sabe a hora de fazer as substituições. Técnico burro. Filho da...

E a galera, em coro, acha o mesmo.
- Burro, burro, burro.

Osvaldão tenta organizar o time e, do banco, grita para os jogadores manterem a calma. Pede que toquem a bola e não entrem no desespero do chuveirinho na área. Ainda faltam três minutos para o fim do jogo. A torcida continua:
- Burro, burro, burro.

Nesse momento, Luisinho recebe a bola no meio do campo, deixa dois zagueiros sentados com dribles geniais e, na saída do goleiro, toca no canto. Gol de placa. A torcida, delirando, ensaia um coro:
- Luisinho, Luisinho, Luisinho.

Os dois torcedores olham um para o outro.
- Eu não disse? O Osvaldão é um líder. Sabe jogar para os três pontos e dá confiança aos jogadores.
- É um técnico experiente. Sabe que craque não se tira. Craque resolve. Ele fez bem em deixar o Luisinho em campo.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

A indústria rumo à extinção

POR DOMINGOS MIRANDA
“Um país com 200 milhões de pessoas, quase continental, pode sobreviver sem indústria? Seremos um país no futuro ou um grande shopping center?” Quem disse estas palavras foi Benjamin Steinbruch, diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional e diretor da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Ele é uma das poucas vozes empresariais que vem criticando a desindustrialização do Brasil. Na década de 80, a indústria representava 25% do PIB nacional e hoje não ultrapassa 9%, o mesmo patamar de 1947.

O que chama a atenção é o comodismo dos industriais. No passado ouvíamos as vozes de um Antônio Ermírio de Morais ou de José Alencar da Silva (vice de Lula) fazendo severas críticas aos juros abusivos que beneficiam o rentismo em detrimento do setor produtivo. Hoje, Steinbruch se transformou numa voz solitária clamando no deserto.

Em Joinville, o maior centro industrial de Santa Catarina, as lideranças do setor não se manifestam com contundência sobre o assunto. O último grande protesto dos empresários foi há mais de uma década contra a possível volta da CPMF. Dos políticos, o único que tem se manifestado é o deputado Darci de Matos. Em maio de 2015 ele escreveu: “A alta taxa de juros aliada com uma infraestrutura caótica e carga tributária elevadíssima acabam tirando a competitividade da indústria brasileira. Isto não pode continuar assim. Antes que seja tarde, temos o dever de formar um movimento nacional para salvar a nossa indústria”.

Uma das razões deste comodismo dos industriais é que muitos deles também praticam o rentismo. Ficou mais fácil investir em aplicações, que trazem retorno alto e garantido, do que correr o risco de ampliar a produção da empresa, tendo que se endividar com os bancos. Há ainda uma outra anomalia. Empresas transformam-se em maquiladoras: importam o produto pronto da China e apenas colocam o rótulo como se fosse produto nacional.

Se o país quiser angariar respeitabilidade é preciso ter indústrias de ponta. Estamos voltando ao que éramos na primeira metade do século passado,  um grande exportador de comodities. A situação tende a piorar porque o Brasil está reduzindo as verbas para a área de pesquisa e desenvolvimento.

Para a população, este é um assunto que tem pouco interesse. Os consumidores buscam os produtos e pouco importa se na etiqueta esteja escrito Made in Brazil ou Made in China. Um pouquinho de nacionalismo nesta área vai bem. Só para se ter uma ideia do desmonte industrial, atualmente somos um dos maiores exportadores de minério de ferro, mas importamos a totalidade dos trilhos usados em nossas ferrovias. Só não se indigna com isso quem tem o coração de ferro.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Neonazista na Alemanha.


O problema não se resume a buracos e ciclofaixas


POR FAHYA KURY CASSINS
O que mais me revolta em Joinville é o cidadão não ser ouvido, não ter suas demandas atendidas e ser prejudicado pelas decisões e mudanças arbitrárias de uns poucos. Falamos tanto do trânsito e de buracos porque, óbvio, é o mais gritante problema que nos acompanha ao sair e voltar para casa. Mas, infelizmente, Joinville não é uma cidade onde o único problema é a sucessão de trapalhadas (para não usar outro adjetivo) com ciclofaixas, corredores de ônibus e mudança de vias.

Faz uns meses o SAD – Serviço de atendimento domiciliar, que visa atender pacientes que não têm condições de ir aos postos de saúde do bairro, com acompanhamento para situações mais graves e delicadas, tem sido desintegrado. Com a falta de enfermeiros e técnicos de enfermagem em hospital e PAs, os SAD deixam de atender para os funcionários taparem os buracos.

Aconteceu isso com o SAD do PAM Bucarein, num primeiro momento foi dito que ele atenderia no hospital São José pela proximidade com o bairro. Porém, desde então as pessoas não conseguem ser atendidas porque intermediaram o atendimento – e a demanda nunca chega lá. Não custa lembrar que o São José carece de enfermeiros, tendo alguns que cumprir turnos duplos em mais de um setor ao mesmo tempo, como Ortopedia e Neurologia.

A reforma do PA Sul foi, inclusive, usada na campanha eleitoral. Começou rapidinho, fecharam o estacionamento gratuito do terreno da esquina (e começaram a cobrar o da farmácia ao lado…), o planejamento previa que não seria fechado, pois quando pronta a primeira parte, fechariam o antigo prédio para reforma. E aí parou. Parou e disseram que as obras seriam retomadas. Quem sabe para a próxima eleição…

Aliás, vocês lembram do outro candidato da eleição passada que propôs criar uma central telefônica para agendamento de consultas? Pois é, hoje ainda, para quem não sabe, o cidadão precisa chegar antes das sete da manhã para pegar ficha. E muitas vezes não consegue. Parece uma solução tão simples: abrir agenda dos médicos do posto no sistema, algumas telefonistas e tudo ser agendado. Mas, durante a campanha eleitoral, a propaganda do atual prefeito não fez propostas para a saúde pública, só dizia que tudo ia bem.

O PAM do Bucarein, por exemplo, bairro onde moro e que concentra a maior população idosa da cidade, está há meses em reforma. Resolveram pintar, trocar umas telhas, tirar grama para fazer mais estacionamento para os médicos. A previsão era de noventa dias, agora prorrogaram para um prazo igual. E sabe o que farão? Fecharão o posto e avisaram que os atendimentos serão feitos no PAM do bairro São Marcos. Sim, avisaram, apenas. Os funcionários estão revoltados, os cidadãos também. Não cogitaram alugar algum espaço por perto para realizar os atendimentos durante o período, nem enviar para bairros mais próximos. É mais uma decisão estúpida e arbitrária que prejudicará pessoas que não têm a menor condição de arcar com deslocamentos. Ou contaremos com ônibus para levá-los nos horários das consultas?

E o pior é ouvir a população dizer que precisamos levar essas denúncias (de desmandos) e cobranças para a mídia. Porque, como sabemos, somos uma cidade grande que não conta com meios de comunicação que fazem o seu papel: estar ao lado do cidadão.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Extrema Esquerda x Extrema Direita


Cabeça cortada. 1 ano.


O nazismo de esquerda e gente que odeia pensar

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Faz muitos anos, quando ainda vivia em Joinville, ouvi um radialista da cidade dizer que o nazismo era de esquerda. O “jênio” chegou a essa conclusão porque Adolf Hitler pertencia ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Se tinha socialismo no nome, não havia dúvidas. O cara levou essa lógica ao limite e associou o ainda recente Partido dos Trabalhadores – que ele odiou desde a primeira hora – ao nazismo.

A afirmação só podia provocar risos, claro. Entre uma gargalhada e outra pensei comigo: “por sorte é só esse apoucado a aparecer com essas ideias... ninguém vai levar a sério”. E eis que mais de 20 anos depois a coisa volta a ganhar corpo. E com força. Há mesmo gente em acesos debates por causa dessa não-questão. Só em países como o Brasil, onde ninguém estuda história, esse tipo de discussão tem pernas para andar.

Não vou entrar na discussão, claro. O tema não merece um minuto do tempo de ninguém. É como entrar num debate com alguém que defende a tese de que a Terra é plana. Não faz sentido. Um debate pressupõe dois lados a argumentar e este é uma daqueles casos em que dois monólogos não fazem um diálogo. É perda de tempo quando os argumentos de um lado são respondidos pelo outro lado com clichês mal amanhados.

Mas não resisto a um comentário sobre os tipos defendem essa ideia. É que eles ressurgiram em força depois dos incidentes em Charlottesville, envolvendo militantes de extrema direita seguidores de ideais nazistas. Quem defende a maluqueira de que o nazismo é de esquerda? A turma do ódio. A turma que odeia história. A turma da escola sem partido. A turma que acredita no MBL. A turma que se “informa” pelo Facebook.

Há mais ou menos aquilo que Kostas Axelos chamou “rejeição do pensamento”. O cenário é de ascensão do anti-intelectualismo. A rejeição do pensamento invade as redes sociais e ganha contorno de uma estranha “ciência”: é tudo ao contrário. O que a pessoa não entende - e não quer entender por imperativo ideológico ou abulia intelectual - é o que ela chama esquerdismo. Enfim, é gente que se recusa a pensar.

Eis um detalhe interessante: o Brasil deve ser um dos poucos países do mundo onde a palavra “esquerdista” é usada como ofensa. No mundo civilizado não é assim. Muito pelo contrário. O mais deprimente é que essas hordas que pululam nas redes sociais são incapazes de perceber a própria ignorância. Porque não perceber o processo de subjetivação-sujeição é parte do próprio processo. Enfim, uma pescadinha de rabo na boca (o eterno retorno).

É a dança da chuva.

sábado, 12 de agosto de 2017

Burrice fenomenal ou traição nacional?

POR DOMINGOS MIRANDA
Se um ET descesse no Brasil e pedisse para entrar em contato com o nosso maior cientista não conseguiria. Simplesmente porque ele está preso e ficará atrás das grades até seus dias finais. Espantoso, mas é assim que as coisas funcionam na terra onde alguns imaginam ser mais espertos que os outros.

O almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, responsável pelo desenvolvimento de uma tecnologia 100% nacional de enriquecimento de urânio pelo método de ultracentrifugação, foi condenado a 43 anos de prisão pelo crime de corrupção durante as obras da usina nuclear Angra 3. O processo, cheio de falhas, como demonstrou o jornalista Luiz Nassif, foi conduzido pelo juiz da Lava Jato que tem notórias ligações com os serviços de informações dos EUA.

Em 1978, o almirante Othon recebeu a incumbência de iniciar os estudos para construir o primeiro submarino nuclear brasileiro e de 1979 a 1994 liderou o Programa Nuclear Paralelo, executado sigilosamente pela Marinha. Como acontece em casos semelhantes em outros países, muitas das aquisições não passam pela contabilidade oficial. Por isso soa estranho o nosso cientista ser condenado por corrupção sendo que, caso se interessasse em trabalhar no exterior, seus ganhos econômicos seriam fantásticos.

Ao fazermos a comparação com o tratamento dado pelas grandes potências a outros cientistas, veremos uma enorme disparidade com o que acontece no Brasil. O famoso cientista alemão Werner von Braun, inventor da bomba voadora V2, na Segunda Guerra Mundial, foi levado para os EUA e encarregado do nascente programa espacial americano. Von Braun era oficial da sanguinária corporação militar SS e nos seus trabalhos de pesquisa usou mão-de-obra escrava. No final da vida virou herói nacional por levar o primeiro homem à lua.

Um outro cientista alemão, Manfred von Ardenne, condecorado duas vezes pelo regime nazista,  foi capturado pelas tropas da União Soviética após a derrota do 3º Reich e conseguiu desenvolver a primeira bomba atômica naquele país comunista. Ele continuou na URSS e na Alemanha Oriental aperfeiçoando seus inventos, inclusive na área de saúde, e em 1953 recebeu o Prêmio Stalin. Portanto, em menos de uma década foi premiado por regimes políticos de características totalmente antípodas. Falou mais alto o seu conhecimento.

Um pesquisador europeu comentou que o brasileiro é um povo infantil. Uma das características da criança é ser bastante susceptível à fantasia. E, no momento, estamos acreditando que não há interesses de forças externas em inviabilizar o nosso programa nuclear para defesa. No caso dos responsáveis por trancafiar o nosso maior cientista, há duas hipóteses. Uma é o desconhecimento das forças que regem a geopolítica internacional e aí poderíamos dizer que cometem uma burrice fenomenal. No outro caso seria estarem agindo em sintonia com os interesses estrangeiros, o que caracterizaria, indubitavelmente,  um crime de lesa-pátria.

Aos brasileiros patriotas interessa a verdade. Só não podemos ficar de braços cruzados esperando o desenrolar dos fatos. Queremos o almirante Othon Pinheiro solto, como aconteceu com outros envolvidos na Lava Jato. O lugar dele é no laboratório desenvolvendo tecnologias que podem representar a independência brasileira na energia nuclear.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Criar uma nova geração de torcedores do JEC

POR ALEXANDRE PERGER
Sabe aquelas memórias que ficam cravadas no cérebro e voltam de tempos em tempos e causam aquele suspiro de saudade? Das minhas, pelas minhas contas, uns 80% estão ligadas ao futebol e, mais especificamente, ao JEC. Dessas, uns 90% tem meu pai ou meu irmão como personagens fundamentais. Em grande parte, são lembranças impregnadas pelo cheiro do espetinho de gato assado ao lado do alambrado e, claro, da pipoca, do gosto do guaraná, do balançar da arquibancada ou do barulho dos pés batendo freneticamente nas tábuas de madeiras que serviam de assento.

Em meio a essas lembranças tem toda a sorte de acontecimento. Tentativa frustrada de pular o alambrado aos 8 anos de idade, pedrada nas costas abafada por um guarda-chuva, encenação de mal-estar para conseguir furar a multidão que se acotovelava para entrar no Ernestão e ver a final de 2000, chuva, muita chuva na cabeça (daqueles temporais que deixam a cidade embaixo d’água), chinelo caído em meio à estrutura metálica, gols aos 50, aos 40, decepção, alegria, enfim, é muita coisa.

Mas contei essa história toda para dizer que agora carrego uma enorme responsabilidade sobre meus ombros (essa ênfase toda vem da minha cabeça, é claro). Há um mês e meio nasceu meu filho, o Ernesto. Não preciso nem dizer que desde o dia em que recebi a notícia da gravidez minha cabeça de pai torcedor já criou mil cenários em relação às cores para as quais meu filho torcerá (se é que torcerá). Minha esposa, que não nutre nem 5% do meu interesse por futebol, já avisou: não vamos (ela usou vamos, mas era pra ser você) obrigar e nem forçar a nada.

Meu lado racional do cérebro dá toda a razão para ela. O menino tem que escolher por conta própria. Mas o lado passional não gosta nem de imaginar o futuro em que o Ernesto não ligue muito para futebol e para o JEC. E nesse dilema, tentando equilibrar uma coisa e outra, cheguei a uma conclusão: não torcendo para Avaí ou Figueirense já vai dar uma alegria para o pai.

Alexandre Perger é jornalista, jequeano e editor do site O Mirante.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Os "novos" políticos


POR FAHYA KURY CASSINS
Nas pequenas vilas, assim como em diversas culturas, predominava o poder centralizado, de um só ou de sua família, por exemplo. O mecanismo funcionava acionado pelo medo, que inspirava temor em todas as ações dos mais fracos – apesar de contarem com a maioria. A força exercida por um só, entre os seus, dominava as regras, tradições e suas aplicações. É esta forma de organização social que ainda vigora em muitos países, cidades, estados e também famílias.

O temor é aplicado para evitar desgostos e desobediências. O pai ameaça o filho com o chinelo ou a cinta para que o filho faça a tarefa. O chefe insinua perda de bônus por vendas se os atrasos continuarem. É das formas mais antigas de manter as coisas em ordem e calar as insatisfações. Bom lembrar que poder centralizado e autocrático só favorece alguns poucos e desnecessário dizer que prejudica a maioria.

Um governante eleito, na nossa democracia representativa, deve, a princípio, zelar pelo bem comum (expressão da qual nem ouvimos falar). Eis o ponto chave que desmoraliza a conduta que permeia todos esses escândalos que temos visto. Enquanto deveriam zelar pelo bem comum, zelam pelos seus interesses, pelas suas contas bancárias, pelo cartão de crédito dos seus filhos, zelam pela sua continuidade na vida política. Roubar é o de menos. E vivemos amedrontados.

A sociedade em si não se mobiliza, não reclama, não revida. Somos reféns do que eles representam. Eles escolhem quem colocarão lá e quem (e quando) tirarão. Nossos interesses vivem à margem do poder. Não é de admirar que tenham surgido “novos” políticos com a capa de administradores, com o slogan de homens de sucesso com seus interesses privados, como líderes que salvarão nossa política conspurcada, diminuirão nossas mazelas e colocarão em ordem nossas finanças. São quem nós gostaríamos de ser, aqueles que não se preocupam com as contas, têm carros, casa, viajam, vestem-se bem, não suam para chegar até o dia do pagamento.

Quando no poder, demonstram o que são: autoritários. Chegaram ao sucesso sendo temidos, amedrontando seus inferiores, buscando o lucro. O bem comum só deve gerar lucro aos cidadãos. Um homem desses de sucesso não ouviu seus funcionários para chegar onde está. A Política é mais um passo de conquista pessoal, novamente o bem comum não é o ponto. Até quando as sociedades serão governadas pelo temor?

Nosso exemplo local de antemão deveria nos preparar para as opções que virão com o mesmo rótulo de gestor, eficiente, esforçado, pulso firme. Pois estamos diante de decisões que ignoram nossas reivindicações e necessidades, diante de um poder sem diálogo. Uma cidade não é uma empresa, uma prefeitura não é um negócio. Nós não somos clientes.