quarta-feira, 26 de setembro de 2018

A difícil escolha do candidato a governador de Santa Catarina

POR JORDI CASTAN E JOSÉ A. BAÇO
JOSÉ A. BAÇO - Então, Jordi, já escolheste o teu candidato a governador?

JORDI CASTAN - Putz...sei que não será o Merísio e ter que votar no Mariani me dá urticária. Mas estou indo pelo voto útil para dificultar a eleição do Merísio.

JB - Voto útil significa...

JC - Voto útil significa não anular o voto, para não facilitar a  eleição de candidatos piores.

JB - Mas, pelo que entendi, são todos "piores".

JC -Para o governo do Estado não vi nenhum que tenha alguma proposta que mude alguma coisa. Teremos mais do mesmo. Mesmice. E você até prefere anular, não votar ou jogar uma moeda ao ar.

JB - Podes votar no Décio Lima...

JC - Aaaarrghh! Já expliquei que não voto em gente associada à corrupção… menos ainda se estão sendo processados.

JB - Bem... Se não votas em gente associada à corrupção é melhor nem sair de casa no dia das eleições.

JC - Mas olha o perfil do cara. Quem poderia votar num cara com esse perfil?

JB - Ora, sabias que "corrupto" tem outros significados? Um deles é "apodrecimento”. É a isso que me refiro. O buraco é mais em baixo...

JC - Esqueci que tem eleitor que gosta de candidatos com um perfil como este. Atenção que não o chamei de nada...mas quem é acusado de improbidade é ímprobo. Então, melhor pensar em outro nome para SC.

JB - Deixa ver se entendi. Se tiveres que escolher entre o Décio Lima e o Merísio ficas com o Merísio?

JC - Ah não! O Merísio eu conheço... nesse não voto nunca. E mais: recomendo não votar nele. Nesse caso não tenho a menor dúvida. A dúvida seria entre os outros nomes colocados.

JB - Ah ah ah… se ainda fosse possível votar de novo no Colombo...

JC - Colombo quem? Não lembro de ter um governador com este nome, nem que tenha feito alguma coisa de boa por Joinville. Tem um cara com esse nome que tem aparecido pela vila abraçado ao prefeito, mas de concreto não tenho visto nada. Não sei quem é. Ah… e tampouco votarei no Comandante Moises. Assim que as alternativas vão se reduzindo mais e mais.

JB - Então tá feia a coisa...

JC - Conheço pessoalmente e sei da seriedade do Leonel Camasão, do PSOL, mas é difícil votar em candidatos deste partido.

JB - Eu voltava no Camasão... Isso sim é votar contra.

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Mudança ou morte!


POR JORDI CASTAN
Esta é uma eleição diferente. É certo que cada eleição é única e tem suas peculiaridades, mas esta, especialmente, tem características próprias. Seria ideal que tivéssemos a capacidade de nós abstrair um pouco da emoção, do fanatismo, do rancor, do que diz e mostra a imprensa e olhássemos além do que querem nos mostrar.

O eleitor, especialmente o menos educado politicamente - o que nada tem a ver com o seu grau de instrução - é facilmente manipulado pelas pesquisas, pelas fake news, pelos diversos jogos de interesses que envolvem cada eleição. O efeito manada tem um peso considerável na decisão de votar neste ou naquele candidato.

O brasileiro tem a ideia que não quer perder o voto e vota, muitas vezes, como se fizesse uma aposta. Muitos votam em quem tem mais chances de ganhar, ou em quem as pesquisas dizem que tem mais chances de ganhar. É como se de uma corrida de cavalos se tratasse. O resultado é, entre outros muitos, a baixa renovação dos legislativos, a reeleição dos mesmos de sempre, a baixa chance que tem as propostas e os candidatos menos conhecidos.
Para quem quiser ter uma visão mais clara ou menos deturpada do cenário político, seria bom que deixasse de ler jornais, ver televisão e de analisar pesquisas, porque todos mentem. Alguns mais deslavadamente que outros, mas todos mentem. Cada um tem seus próprios interesses e a verdade é a primeira vitima deste cenário.

Para piorar ainda mais, os meios e instrumentos de que partidos, marqueteiros, o sistema e os políticos dispõem para distorcer a realidade são cada vez maiores e mais sofisticados. É comum ver imagens de manifestações, comícios, carreatas que não condizem com a realidade e não sempre é fácil identificar a manipulação que se faz, ou o objetivo pretendido.
Imagens, frases fora de contexto, editadas são meias verdades, quando não são mentiras inteiras. Assim que o eleitor que não queira formar parte do rebanho precisa estar muito atento. Há dois pontos que me parecem importantes e que são uma novidade nesta eleição.

As imagens de candidatos a deputado federal ou senador discursando para multidões de 3 ou 4 pessoas, deveriam gerar uma análise profunda da consistência dos percentuais mostrados nas pesquisas para esses mesmos candidatos. É evidente que alguma coisa não está certa. Aliás, é oportuno lembrar que Hilary estava eleita antes de abrir as urnas e que Trump não tinha nenhuma chance. Ou que Aécio ganhava de Dilma com facilidade.

O primeiro é que as pessoas estão perdendo a vergonha de se assumir como sendo de direita. Verdade que depois de tantas décadas de péssimos governos de esquerda, o eleitor demorou muito. Mas ajuda a melhorar o processo democrático que haja mais alternativas que não sejam a extrema esquerda e a esquerda, representados aqui pelo PSOL e o PSDB como vértices do espectro politico brasileiro. Era lógico que depois de anos de governos militares o eleitor optasse por escolher candidatos e propostas de esquerda. Sem novidade, completamente previsível. Só a falta de formação política do brasileiro pode justificar que tenham sido necessárias mais de três décadas para surgirem alternativas de centro, centro direita e de direita viáveis e com amplo respaldo popular.

O segundo ponto é o surgimento de movimentos horizontais, sem lideranças claramente identificadas, que não respondem a uma hierarquia tradicional. Num primeiro momento parecem desorganizados, mas rapidamente ganham o respaldo de uma parte significativa da população, o que em muitos países se chamava até faz pouco tempo de “maioria silenciosa”.
Frente à algaravia barulhenta que tradicionalmente era característica da esquerda, há agora uma mudança significativa. Os eleitores que se identificam com programas e candidatos de direita não têm mais medo de mostrar a cara, de sair à rua e de dizer aos quatro cantos que fazem isso livremente, sem precisar de pão com mortadela.

Escrevi, na semana passada, que esta eleição tinha se convertido num Fla-Flu ou num Barça- Madrid e esta sensação tem aumentado a cada dia. Nós e Eles, Corruptos e Honestos, Esquerda e Direita, Norte – Sul, Homo – Heteros, Brancos e Pretos, Altos e baixos, Machistas e Feministas, e todas as outras tribos em que estamos querendo dividir o Brasil. Espero só que a impunidade perca, que não ganhe a violência, que não nos deixemos levar pelos cantos de sereia dos que ante o risco de perder o poder que detém desde faz décadas queiram agora entregar os anéis para não perder os dedos.

Em tempo, só eu achei que a festa de posse do presidente do STF foi uma reedição cafona e fora de época do baile da Ilha Fiscal? O que mais me preocupou é que ninguém tenha ficado revoltado, nem envergonhado. Pode ser que porque boa parte dos brasileiros teriam gostado de ter sido convidados. Em quanto os que não achem nada de errado numa festa como aquela sejam maioria, a corrupção vencerá.

domingo, 23 de setembro de 2018

O nazismo é dos bolsominions

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Tenho repetido que não discuto com seguidores de Jair Bolsonaro. Limito-me a zoá-los (o que é muito fácil, porque eles se auto-ridicularizam). Enfim, é pura perda de tempo tentar falar com gente tosca e incapaz de fazer o zero com o fundo de uma garrafa. Para um bolsominion, pensar é um processo doloroso. As ideias morrem por inanição. É que os tipos vivem um processo a que tomei a liberdade de denominar “suicídio de neurônios”.

O ridículo é tanto que um dia destes os caras estavam a ensinar aos alemães sobre o nazismo. Sério. O absurdo não tem limites. Houve gente a negar o Holocausto, imaginem, e muitos a dizer aos alemães que o Terceiro Reich era coisa da esquerda. O nível é muito louco e torna impossível estabelecer qualquer discussão racional. Ah… o que aconteceu? Foi um filme que “despertou” o cérebro apodrecido dessa gente.

A embaixada da Alemanha no Brasil publicou um vídeo a falar no extremismo, como o objetivo de enterrar essa discussão tonta de que o nazismo é de esquerda. Mas estamos a falar de gente incapaz de somar dois mais dois. O filme não atingiu o objetivo de enterrar o assunto e ainda fez levantar o insepulto cadáver da boçalidade dos seguidores de Bolsonaro. Sim, os jumentos se apressaram a ensinar história aos alemães.

"Nunca ouvi uma voz séria na Alemanha argumentando que o nacional-socialismo foi um movimento de esquerda", disse o embaixador alemão no Brasil, Georg Witschel. E adianta? Não. Nenhum bolsominion quer saber disso. Para eles, o filme está errado. Os alemães estão errados. Os estudiosos estão errados. A história está errada. O mais elementar bom senso está errado. Aliás, parece que o nazismo é "propriedade" dos bolsominions.

O fato é que lá na Alemanha as pessoas devem estar estupefatas com o nível exorbitante da ignorância dos bolsominions. E preocupadas, claro. A Europa também tem com o que se preocupar. A Alemanha tem os seus problemas (a AfD - Alternativa para a Alemanha é um problemão). Mas nada que se compare. O que os seguidores de Bolsonaro estão a fazer nem é afundar o Brasil no tal terceiro mundo. É empurrar Brasil para o submundo.

É a dança da chuva.



sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Cota 40 - Dia da Árvore

POR JORDI CASTAN


Em Joinville, o cidadão está proibido de cuidar da árvore que tem na calçada, em frente de casa. Mas a Prefeitura também não cuida. O resultado é uma cidade com menos árvores, sem qualidade de vida e perdendo cada dia um pouco mais do seu verde urbano.

Hoje, no Dia da Árvore. denunciamos a omissão do poder público.

Subiu


Lula é o Sun Tzu dos sertões...


TU CÁ, TU LÁ
POR SANDRO SCHMIDT E JOSÉ A. BAÇO
JOSÉ BAÇO - Putz. Os caras fizeram de tudo para evitar que o PT e Lula voltassem ao poder. Levaram o Brasil a essa desgraça e agora o Haddad aparece com 19%? Aí fica difícil, né?

SANDRO SCHMIDT - Primeiro que Lula sempre soube ler o cenário político como ninguém. Fez tudo certo de acordo com o "manual" da Arte da Guerra. É o Sun Tzu dos sertões. Depois, o Jumito e o Mourão ajudaram bastante.

JB - Mas não achas impressionante o número de eleitores do Bolsonaro em Joinville? É certo que a cidade é uma das mais conservadoras do Brasil. Mas do conservadorismo à eutanásia do próprio cérebro vai uma distância e tanto...

SS - Bom, pra quem votou no Aécio e no Udo, este 2 vezes, nada mais me impressiona. Joinville tem uma turminha que adora ficar na porta da Casa Grande, sempre achando que vai entrar, mas nunca passará de capacho, pra turma de cima limpar os pés.

JB - Não sei se dá para chamar Casa Grande. É mais um curral. É tanta cavalgadura que não vão ser pisados... vão é ser montados.

SS -  Sim, um curral grande. E ainda tem sede.

JB - Sede de sediar ou sede de beber?

SS - Retórica? Gostoso é de ver "universitário" batendo no peito e dizendo que a turma estudada  vota no jumito. Tudo formado no PROUNI do Haddad... hua hua hua...

JB - Esse troço do diploma é bem brasileiro. Bolsonaro cursou a Escola Preparatória de Cadetes do Exército e a Academia Militar das Agulhas Negras... e é um jumento. É só um "papér" na parede.

SS - Isso. Ajuda na hora de conseguir um emprego, mas fica por aí. Tenho algumas discussões com empresários que dizem votar no Coiso em função do combate à corrupção. Aí pergunto a eles: vamos falar de corrupção aqui pertinho? Ficam quietos. Rabos presos.

JB - O quê? Vai dizer que tem corrução aí perto. Nunca ouvi falar...

SS - Não deve ter. Pela quantidade de gente de bem nas passeatas do Vem Pra Rua de Joinville...

JB - É tudo "gente de bem". Pessoas que gostam de votar em "jumento de carga".

SS - Gente de bem burra.

JB - Burros, jumentos… agora é esperar os anônimos e a burricada fica completa.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Ele não - ele nunca: os argumentos


POR FAHYA KURY CASSINS

Sem meias palavras, percebo que há dois tipos principais dos eleitores do Bolsonaro, nossa última maior ameaça à Democracia: os fãs, cegos e irracionais, que o amam e não questionam nem o conhecem, pois repetem o pouco que apenas “ouviram falar”; e aqueles que se aferraram ao discurso anti-PT, justamente indignados com os mandos e desmandos desmoralizantes (inclusos aí as viúvas do Aécio).
Em relação ao primeiro grupo não há o que argumentar, pois são, majoritariamente, ignorantes – caso não fossem, procurariam se informar sobre suas declarações. E adiantaria ainda menos dizer que ele é “homofóbico, racista, machista” porque a maioria destes ignorantes também o são – os iguais aqui se atraem. Bolsonaro é a vitrine desta parte da população que é tudo de pior que o século XXI pode ainda, infelizmente, testemunhar. Porque estas pessoas ainda existem – e querem se ver representadas. Por isso é tão importante combatê-los diariamente. Em relação aos outros podemos, desejando o bem da Democracia, apresentar argumentos de fato.
- Bolsonaro nunca trabalhou para a iniciativa privada. Ele representa tudo aquilo que não queremos quando falamos em “renovar” a Política. Quando serviu ao exército, recebeu seu soldo do Estado. Quando saiu do Exército e entrou na vida política, recebeu e recebe seu salário (além de todos os benefícios) do nosso dinheiro. Bolsonaro viveu a vida inteira às nossas custas – salário, plano de saúde, auxílio-moradia, verbas de gabinete, tudo. Vivendo às custas do Estado nunca procurou sequer ter uma profissão, nunca estudou absolutamente nada. Vocês acreditam que uma pessoa que sempre viveu das benesses do Estado será quem irá cortar esta mamata que nos levou à falência?
- Lembram da Dilma? Dizíamos: como irá administrar um país se nunca teve nenhum cargo na área, se faliu a loja de 1,99 que teve? Pois é, nem loja o Bolsonaro administrou. Bolsonaro não tem absoluta experiência em cargos administrativos. Bolsonaro nunca se interessou por isso. Quando questionado, diz que alguém vai pensar por ele. Mas, afinal, quem vota, vota nele – não em outros. A total falta de experiência dele deveria ser o primeiro ponto. Entre os 13 candidatos, tirando o Haddad/Lula e Bolsonaro, há pelo menos três que já foram governadores – sim, experiência comprovada.
- Bolsonaro mente. Sim, quando anda por aí dizendo que vai liberar o porte de armas, por exemplo. Porque a posse e o porte de arma no Brasil SÃO LIBERADOS. Existe uma lei que conduz o procedimento para quem deseja ter e/ou portar armas de fogo no país. Eu não entendo porque a imprensa ainda não fez anda para esclarecer este ponto. Ele manipula a ignorância das pessoas para fazê-las acreditar que, ele eleito, comprarão uma arma de fogo em 10 vezes sem juros no cartão Havan e poderão sair com ela na cintura. Caso a proposta dele fosse “facilitar” o porte de arma, vou lembrá-los que o General Mourão, seu vice, disse em entrevista à Globonews, que teria que ter teste, saber usar, como carteira de motorista (analogia que eu mesma também já havia feito). Mas, ora, General, assim a lei atual prevê! Vejam como a mentira se propaga e o que Bolsonaro fala é só mentira.
- As mentiras não são poucas, mas as incertezas são ainda maiores. Nega o bolsa-família, mas está no seu plano de governo mantê-lo. É de Extrema-Direita, faz loas à Ditadura, mas “seu” economista diz que privatizará tudo. Ué, governos militares são estatizantes. Ou ele não sabe? Não diz isso no livro daquele torturador? Ele se alinha com o monstro do governo estatal em todas as áreas da vida dos cidadãos e vem com essa balela de “estatizar”? Qual a coerência? Como acreditar?
- Não poderia deixar de citar sua mediocridade. Teremos coisas piores do que “mulher mandioca”. Suas declarações são estapafúrdias. Só os tribunais não vêem racismo nas suas declarações. Ouvi algumas pessoas dizerem que votariam nele, caso o cenário Lula x Bolsonaro se confirmasse, antes de conhecê-lo. Aí fiz questão de mostrar algumas das suas entrevistas. A mediocridade dele não precisou de mais argumentos.
- Seu discurso ultra conservador, amparado pelo uso da religião, quer reviver “valores perdidos”. Sendo que ele não os representa de fato. Mais uma vez ele se utiliza da ignorância das pessoas, mas, pior do que isso, ele se autodenomina protetor dos seus valores e ignora a liberdade das outras pessoas de decidirem os valores delas. Minha família não precisa ser regida nem protegida por político nenhum. Mas ele diz que sabe o que é melhor para nós. Como presidente de uma Nação ele deve ser capaz de ouvir a população e seus anseios, de todos os setores, e não apenas dos seus apaniguados, seus iguais.
- E, por último, mas não menos importante: há grandes chances de ele nunca assumir o cargo, caso eleito. Sua situação de saúde não é nada boa, e estamos no final de setembro. Ele não será capaz de votar em si mesmo. Duvido que ele saia do hospital até dezembro. Qual o risco? Elegermos seu vice e parece que a nossa última experiência com vice não tem sido das melhores. Sabe os que xingaram quem votou na Dilma porque elegeu o Temer junto? Pois é. (talvez um problema ainda mais grave seja a alegria de quem pensa “melhor ainda, elegemos um general” - eis meu ponto)
O momento é grave. Porque não temos apenas duas opções nesta eleição. Ele, de certeza, não é opção em nenhuma hipótese. Nossas frustrações não podem ser conselheiras. Devemos deixá-lo como mito aos seus seguidores e que o messias vá pregar aos surdos no deserto, caso sua saúde permita.
Eu, particularmente, digo “ele não” pelo único fato de que ele não respeita as liberdades individuais. Há algum tempo este tem sido meu norte na vida. Não respeitar as liberdades individuais, seja em qual esfera for, é o que não posso aceitar. Mas, como vimos, não nos faltam argumentos. Ele não é opção.

Horário político-eleitoral é sinal de atraso

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
O horário político é importante para levar as ideias dos políticos aos eleitores. Mas a influência excessiva da televisão é mau sinal, porque aponta para uma certa iliteracia política dos eleitores. Nunca é demais repetir que a relevância exagerada da televisão é um fator típico das sociedades culturalmente mais atrasadas. Aliás, ela exerce o papel que décadas atrás foi do rádio, usado para comunicar com os que não sabiam ler.

O modelo precisa evoluir. Porque, como sabemos, o tempo de antena dos partidos nanicos virou moeda de troca e fator de corrupção. O financiamento das campanhas é uma zona sombria que, quase sempre, deixa os políticos amarrados a interesses econômicos. E o dinheiro das campanhas poderia ter um uso mais digno, ao contrário do que acontece hoje: mostrar candidatos embrulhados no papel de sabonete mais bonito.

Se a educação – formal, cívica, experiencial – não for efetivamente democratizada, o país ficará refém da incapacidade que muitos têm de ler o mundo. E a iliteracia política é uma ameaça para a democracia. Aliás, é importante salientar que em muitos países desenvolvidos onde há horário político, ele praticamente passa despercebido. É a comunicação social a mediar a relação políticos-eleitores, marcando a agenda midiática.

Há outra razão de fundo. A humanidade caminha a passos firmes para uma “sociedade das telinhas”, com a informação centrada nos computadores, tablets, smartphones e outros dispositivos móveis. É preciso projetar o futuro a olhar para a exclusão-inclusão digital. No Brasil, o crescimento tem sido interessante nos últimos tempos, mas 46% dos lares ainda estão desconectados (54% entre as famílias com renda entre um e dois salários mínimos).

O futuro imediato pede uma reforma política e, por consequência, uma mudança no modelo de horário político. Porque se o resultado de uma eleição pode ser definido pela propaganda política e pela força da televisão, isso significa que a sociedade – e a própria democracia – ainda tem muito que avançar. Quer dizer, o horário político é sinal de atraso.

É a dança da chuva.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

E se fosse #ElaSim?


POR CLÓVIS GRUNER
Mereceria uma leitura mais cuidadosa o fato de que, mesmo entre setores da esquerda que atentam para a urgência das pautas identitárias, a candidatura de Marina Silva não tenha sido nem mesmo cogitada como uma alternativa ao segundo turno. Não bastasse serem três homens a protagonizarem as candidaturas de centro esquerda, dois deles, os que disputam nominalmente o voto – Ciro e Haddad – têm vices mulheres relegadas a um papel coadjuvante.

Os argumentos mais comuns contra Marina são simplistas, quando não desonestos. Pesa contra ela o apoio a Aécio no segundo turno de 2014, um equivoco, já que ela podia simplesmente não apoiar nenhuma das candidaturas, como Luciana Genro. Mas a atitude não me parece mais grave que as alianças que o PT fez com quase toda a banda podre da política brasileira, incluindo Michel Temer, escolhido a dedo por Lula para vice de Dilma, por exemplo.

Ela é acusada de ser de direita, mas nada em sua trajetória passada e presente sustentem isso. Sua aproximação a economistas liberais como Eduardo Gianetti é supostamente a prova de seu neoliberalismo, dizem os petistas, olvidados de que Henrique Meireles foi o homem forte da economia nos governos Lula, que Dilma nomeou Joaquim Levy seu Ministro da Fazenda, e que Fernando Haddad, mal subiu nas pesquisas, já acena ao também liberal Marcos Lisboa.

Um debate não polarizado – A lógica vale para a acusação de que, evangélica, Marina fará um governo “conservador nos costumes”, como se as administrações anteriores, incluindo e principalmente as do PT, tivessem assegurado a plena laicidade do Estado. Até prova em contrário, o Estado laico está menos fragilizado com a orientação religiosa de Marina, do que estava quando Lula nomeou pastores da IURD como ministros ou Dilma rifou a Comissão de Direitos Humanos, abrindo as portas para que Marco Feliciano assumisse sua presidência.

O seu programa de governo, por outro lado, reafirma o que Marina efetivamente representa: uma candidatura de centro esquerda, com as pautas, os limites e as possibilidades atinentes a uma candidatura de centro esquerda. Suas propostas em áreas como educação, cultura e direitos humanos, por exemplo, não diferem substancialmente do que propõem Lula/Haddad e Ciro, e mesmo avançam em alguns pontos.

Seu alegado liberalismo não a impede de defender os investimentos públicos como um dos fatores para alavancar a economia, ou a não privatização da Petrobras, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica. Além disso, ela mantém uma relativa autonomia frente aos grupos políticos que disputam hoje a presidência baseados na polarização extrema, uma maldição que não poupou o PSOL e, tampouco, Ciro. Com Marina, penso que teríamos a chance de algum debate racional, e poderíamos fazer nossa escolha baseados em outros critérios que não o ódio ou o medo.

***

Post Scriptum: Braziliansplaining – Na semana passada, ainda com o 7 a 1 da Copa de 2014 atravessado na garganta, brasileiros decidiram acertar as contas numa seara onde somos craques: a história alemã. Um vídeo publicado pela Embaixada da Alemanha mobilizou nossos melhores atletas, que entraram em campo decididos a explicar aos alemães que o holocausto não existiu e que o nazismo é, sim, de esquerda.

Como aparentemente nem a Alemanha é suficiente para convencer nossa direita pouco esclarecida, vou tentar com o próprio Adolf Hitler. Em entrevista concedida em 1923 ao escritor alemão George Sylvester Viereck, publicada anos depois pela conservadora “Liberty”, e acessível aos leitores coevos no site do inglês “The Guardian”, Hitler explica o que entende por socialismo, sua relação com a noção de raça ariana e porque o nazismo não era um movimento de esquerda.

Em um dado momento, para enfatizar seu ponto de vista e o que o separava do marxismo e dos bolcheviques, o líder alemão sentencia: “Nós poderíamos ter nos chamado de Partido Liberal”. Como historiador, posso assegurar que Hitler estava equivocado: não há muito de liberal ou do liberalismo no Partido Nazista. Por outro lado, e os comentaristas anônimos desse blog não cansam de me lembrar, a palavra de um historiador, no Brasil de hoje, não vale nada.