sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

CHUVA ÁCIDA ESCOLHE 5 VÍDEOS DE 2016 - 1º

Nada pode estar tão ruim que não possa ser piorado por um azelha. Porque o azar vem de lambreta...

CHUVA ÁCIDA ESCOLHE 5 VÍDEOS DE 2016 - 2º

Craque que é craque não erra. E, neste caso, nem precisa olhar para ver se encestou a bola. Com tanta certeza no talento, é só sair para o abraço.

CHUVA ÁCIDA ESCOLHE 5 VÍDEOS DE 2016 - 3º

Criança não tem medo do perigo. E também não entende muito do sistema de recolha de lixo nas ruas de algumas cidades mais desenvolvida. Então acontecem coisas...

CHUVA ÁCIDA ESCOLHE 5 VÍDEOS DE 2016 - 4º

Há dias que são um lixo. Em especial se houver vento. O guri do filme deve ter imaginado que era um daqueles dias para não sair de casa.

CHUVA ÁCIDA ESCOLHE 5 VÍDEOS DE 2016 - 5º

A mania das selfies por vezes sai caro. Que o diga o fotógrafo, que foi abocanhado pela piton.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

David, o cabeçudo de Michelangelo


POR ANA MELO

O David de Michelangelo é uma das esculturas mais famosas de todos os tempos. E uma das obras de arte mais reconhecidas de sempre, mesmo por aqueles que têm alergia aos museus. A estátua, imponentíssima nos seus 4,5 metros, tem histórias para contar.

Uma delas é que os superstars do Renascimento, o próprio Michelangelo e Leonardo Da Vinci, andaram na briga por causa da grande pedra de mármore de que é feito este David. Diz a lenda que os dois mestres cobiçaram a pedra, um magnífico mármore vindo de Carrara, uma das jazidas mais famosas de Itália. A pedra já tinha começado a ser trabalhada por outro escultor que, falhando miseravelmente em conseguir acomodar uma figura dentro de um bloco tão vertical, abandonou a obra. Michelangeloo, por seu lado, depois de medições e estudos, libertou o seu David do mármore.

Outra curiosidade é o facto da escultura, nascida das mãos de um dos maiores virtuosos do desenho e da escultura ocidental, ter proporções erradas. É uma peça muito alta e o artista sabia que as pessoas a iam observar de baixo para cima. Por isso, já a pensar no espectador, esculpiu o corpo do jovem David propositadamente desproporcional. Uma observação mais atenta da imagem faz perceber que a cabeça é muito maior do que seria a de uma pessoa normal e que as dimensões das pernas e dos pés são desproporcionadas em relação ao tronco. Com estes erros calculados em função da deformação causada pela perspectiva, o artista assegurava que a vista de baixo seria a de um corpo perfeito, na melhor tradição renascentista da harmonia e racionalidade das formas.


Ainda há outro pormenor interessante. Alguns estudiosos falam insistência do escultor de colocar a estátua na Piazza della Signora, em Florença. A obra ficava assim em frente ao Palácio Vecchio, a sede do governo de Florença da altura, e acessível a todos os cidadãos da República. A vontade de Michelangelo de democratizar o acesso à arte é uma explicação para esta insistência. Outra, referida por alguns historiadores, é que seria uma resposta à “Fogueira das Vaidades”, de Savonarola, o inquisidor que em 1498 tinha feito queimar, nessa mesma praça, livros, telas, instrumentos de música e outros “luxos” dos fiorentinos.

Ah... não sei o que o leitor já tinha conseguido fazer na vida aos 26 anos, mas Michelangelo se divertiu a fazer este David. Coisa de principiantes...

Ana Melo é licenciada pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e mestre em Ciências da Comunicação

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Pesquisa é importante, manutenção é mais ainda

POR FELIPE SILVEIRA

Da esquina com a Kurt Meinert, no Paranaguamirim, até a esquina com a Rua São Paulo, um ciclista que pedala pela ciclofaixa da rua Monsenhor Gercino quase morre umas dez vezes. Os problemas são inúmeros, a começar pelo fato de a faixa para ciclistas ter sumido em mais da metade da via. Também faltam tachões, que demarquem melhor o espaço, continuidade nos cruzamentos (justamente os pontos mais perigosos), educação no trânsito e limpeza na pista. Como ainda há muitas ruas de barro na região, as bordas da pista ficam sempre cheias de areia, tornando ainda mais difícil a pedalada.

Falo desta dificuldade para pedalar em apenas um trecho de Joinville porque a Prefeitura, por meio do Ippuj, está promovendo mais uma pesquisa sobre andar de bicicleta em Joinville, desta vez para priorizar locais para as próximas obras. Nada contra pesquisa e planejamento, muito pelo contrário, mas isso é apenas parte do trabalho da Prefeitura. É preciso fazer a manutenção dos espaços para dar condições de segurança àqueles que pedalam e assim atrair mais e mais pessoas para este modal.

A engenharia de tráfego e o planejamento urbano podem resolver uma boa parte dos problemas de trânsito de Joinville. É preciso fazer muitas obras, sobretudo as pequenas e médias, na cidade, mesmo que elas exijam uma adaptação que muitas vezes o cidadão não tem. Eu tenho defendido obras como o anel viário do Iririú e o binário da Santos Dumont, pois são obras importantes para a mobilidade em Joinville. E precisamos de mais: mão-inglesa, rótulas, binários. Especialmente na zona sul, mais populosa e praticamente abandonada neste aspecto.

O Ippuj tem muito trabalho a fazer, inclusive pesquisa, mas a Prefeitura de Joinville precisa fazer o resto. Limpar os montes de areia das ciclofaixas e pinta o que está apagado já é uma ótima iniciativa.

Tempo de Natal: diferentes, mas em paz

POR ET BARTHES


As redes sociais são hoje uma espécie de campo de batalha, onde as pessoas parecem ser incapazes de conviver com as diferenças. Mas este filme, realizado pela Android no ano passado, serve como metáfora. Mostra que os diferentes podem conviver em paz. Feliz Natal.


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A cerca é mãe do capitalismo, a ganância é parteira do egoísmo



POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Se alguém me perguntasse qual é a invenção que mais interferiu nos destinos da humanidade, não teria dúvidas em responder. É a cerca. Não sei se há mais alguém a defender essa tese, mas não tenho dúvidas de que a cerca representa o marco zero do capitalismo (simbolicamente falando, claro). No dia em que alguém decidiu cercar um quintal ou um jardim, a humanidade nunca mais foi a mesma.

Não sei se o leitor e a leitora lembram das lições de história na escola, mas os cercamentos (enclosures) viraram a sociedade pelo avesso. Porque as terras de comum – por servos e senhores – foram privatizadas e transformadas em pastos para ovelhas. E os trabalhadores acabaram sendo expulsos das suas casas, num tempo em que, na descrição de Thomas Morus, as ovelhas comiam os homens.

Era o começo do capitalismo. A cerca anuncia o nascimento da propriedade privada, o que até nem é uma ideia para rejeitar de forma apriorística (que me perdoem os comunistas). O problema é que nesse mesmo parto também nasceu o mais virulento dos pecados civilizacionais: a ganância. Sozinha, a ganância já causou mais danos que todos os sete pecados capitais juntos. Se a cerca é mãe do capitalismo, a ganância é a parteira do individualismo exacerbado.

O individualismo de que estamos a falar é um sentimento egoísta (e ególatra), que leva a rejeitar os valores da solidariedade humana. Nada mais longe da tese do pensador liberal Adam Smith, que propôs uma ideia aceitável de individualismo: se cada um cuidar do seu jardim, todos os jardins serão bonitos. Faz sentido... em teoria. Mas a coisa não funcionou. Por quê? Porque o tempo transformou a ganância em virtude. E a corrosão do caráter deixou de ser uma coisa negativa.

 Os capitalistas que abusam do capitalismo estão nem aí para o liberal escocês (o único escocês que reconhecem é o uísque.) Perdeu, Adam Smith. A ganância faz querer açambarcar todos os jardins do mundo. Não foi por acaso que chegamos a este número imoral: 1% dos mais ricos detém a mesma riqueza que os outros 99%. Ou, por outras palavras, os tais 1% de que falava o pessoal do Occupy Wall Street: os acionistas gananciosos das corporações gananciosas, que produzem riqueza sem trabalho.

Os próprios defensores do sistema capitalista estão a cair no engodo, porque o velho capitalismo de terra e trabalho está superado. O capitalismo financeiro (ou de casino), que faz dinheiro gerar dinheiro sem um corresponde em produção, está a levar o sistema a um ponto limte. Há uma inegável crise sistêmica que fez surgirem os excluídos do capitalismo. Mau presságio. Afinal, como não se cansam de repetir os marxistas, o capitalismo gera o seu próprio coveiro. A última cerca pode ser a do capitalismo no cemitério da história.

É a dança da chuva.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

A democratização da corrupção: ainda há homens honestos?


POR JORDI CASTAN

Ainda há homens honestos? Pode parecer uma pergunta retórica, porque em algum momento do passado deve ter havido um homem honesto, mas a verdade é que hoje é difícil responder com segurança. Não há dia que não sejamos surpreendidos com um novo nome para acrescentar à lista dos corruptos.

A corrupção não se limita a Brasília. Em todos os níveis e em todos os estamentos há corruptos. No plano municipal, há câmaras de vereadores em que a maioria dos legisladores está presa, como no caso de Foz de Iguaçu. É o mais recente e não será o último. Aqui em Joinville temos vereador que já foi preso e que agora é réu. Há vereador que nem assumiu é corre o risco de nem chegar a fazê-lo. O estado de Santa Catarina pode se somar a lista dos que tem seu governador acusado de corrupção. Voltamos à época em que catarinense encontrava a imagem do seu governador nas páginas policiais.

O estado de Alagoas tem todos os seus senadores acusados de corrupção. Mais um motivo para questionar se alguma vez houve um homem honesto. Até o queridinho da esquerda, o senador Lindberg Farias acaba de ter cassados os seus direitos políticos. E não foi um prêmio por boa conduta. Se isso fosse pouco, há até juiz do Supremo Tribunal Federal que tem sua isenção questionada. 

video


Neste vídeo o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, dá uma demonstração de como a falta de vergonha não conhece limites. A sua ousadia impressiona e sua agressividade poderia até enganar, se o tempo não tivesse acabado mostrando a verdade.

O Brasil vive hoje a democratização da corrupção. A corrupção não está mais restrita a uma minoria. Ela se espalha como um cancro por todos os setores, por todos os níveis e poderes da República. No Brasil, o homem honesto é uma espécie em extinção e os corruptos, na sua sanha corruptora, querem arrastar a todos para o mesmo lamaçal. Por isso a proliferação de textos acusando a todos de sermos corruptos.

O objetivo hoje é colocar a todos no mesmo cocho. Se todos formos corruptos não haveria mais pena, nem castigo. Vamos deixar claro: não é porque a maioria se tenha corrompido que ser corrupto está certo e não deva haver punição. Não há como ser conivente com a corrupção, nem tampouco ter corrupto de estimação (como muitos). Todos os corruptos devem ser punidos e devolver o dinheiro roubado, independentemente de partido ou cargo.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

"Vocês não são de Joinville"



POR EGON ZEK

Saímos de casa no domingo de tarde eu, meus amigos e amigas. Estávamos arrumados à nossa maneira: jovens, coloridos, ousados, livres. Ali por perto do Museu do Sambaqui, Casa da Cultura, caminhávamos na calçada, conversando para chegar ao nosso destino, quando fomos chamados.

Um carro grande, lindo, preto, bem rico, encostou perto de nós. Abaixou o vidro elétrico uma mulher de uns 40 anos, acompanhada de outra no lugar do carona, perguntou:

- Oi, vocês são daqui?

Paramos, simpaticamente, porque somos educados, gentis e tratamos bem qualquer tipo de pessoa. Uma das amigas falou: “ah, eu vim de Brasília”. E outros de nós que não tinham ouvido a primeira pergunta foram parando e perguntando o que estava rolando. Ela continuou:

- Vocês são de Joinville?

Nesse momento eu fiquei encabulado porque ela não estava sendo simpática como nós. Pensamos que ela queria alguma informação. Então me aproximei mais um pouco do carro e respondi parando de sorrir. Eu senti uma arrogância no olhar dela.

- Somos de várias cidades, mas sim, moramos tudo aqui.
- Ah, eu logo percebi.
- Por que, moça, algum problema?
- As pessoas da nossa cidade não são assim. O que aquela moça tá fazendo não fazemos aqui, vocês vêm de fora difamar a nossa cidade.

O que "aquela moça" estava fazendo era usar uma camisa sem sutiã. O que não mostra nada, apenas a deixa livre. Uma mulher se escandalizar com o seio da outra não é coisa desse século, gente. Na nossa turma tinha gays, lésbicas, negros, gordos e isso pra uma joinvilense branca, loira e rica é difamação pra cidade perfeita, respeitosa e germânica dela.
Só no seu mundinho de ouro amiga. Acorda.

Assim, gente, os coxinhas estão tomando coragem, fazendo merda (não é de hoje) e tendo coragem de falar (falar merda e não saber argumentar). Gritamos para ela #foratemer, sim. Ela ficou puta da cara, fechou seu vidro elétrico e foi embora com ar condicionado ligado.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Vamos falar de aborto?



POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO


Aborto. Eis uma discussão que tem tudo para dar errado no Brasil. Falar de temas fraturantes exige um nível civilizacional que os brasileiros, de maneira geral, ainda não atingiram. E estes tempos de pós-verdade, em que a opinião vale mais que o fato, fizeram o país descer mais alguns degraus em matéria de costumes. O obscurantismo tornou-se um referente no caldo de cultura do patropi.

O debate é oportuno, mas exige interlocutores open- minded. Gente com cultura, com mundo e sem moralismos toscos. Porque é uma questão médica e a intolerância faz cegar essa gente: de acordo com a Organização Mundial da Saúde, todos os anos morrem 47 mil mulheres no mundo em consequência de abortos clandestinos. Ora, as pessoas dizem ser pela vida, mas não se importam com tantas mortes?

Mas o texto não pretende provocar qualquer discussão. A intenção é apenas fazer o relato  de um país onde o aborto existe, resolveu um problema de saúde pública e, assimilado pela sociedade, se tornou um não-assunto. Em Portugal, país onde voltei a viver há duas décadas, o aborto (chamado interrupção voluntária da gravidez) existe desde 2007. E o país não foi destruído pela ira divina. 

Vez por outra o tema reaparece na mídia, mas por questões laterais. Há alguns anos, os partidos de direita, então no poder, instituíram o pagamento de “taxas moderadoras”. A interrupção da gravidez, feita de graça no sistema público de saúde, passou a ser paga, num valor que ronda os 27 reais. O atual governo, de esquerda, extinguiu essa taxa. O mais importante, no entanto, é que o número de complicações em casos de aborto diminuiu.

Que tal mostrar alguns números? Os dados sobre complicações decorrentes de abortos revelam o seguinte quadro: de 2002 a 2007 (antes da legalização) foram registrados 1.258 casos de complicações; de 2008 a 2012 (após a legalização), houve apenas 241 casos registrados. É uma diferença muito significativa. E ao contrário do argumento dos conservadores, o número de abortos não aumentou, havendo mesmo indicações de que vem diminuindo.

E vale salientar outros números. Entre 2002 e 2007, houve 14 mortes maternas notificadas e relacionadas a abortos clandestinos. Em anos posteriores não foram registradas vítimas fatais. Aliás, essa é uma das preocupações das autoridades. Ainda existem abortos clandestinos, em grande número decorrentes de fatores como o sentimento de vergonha e culpa a que as mulheres são submetidas por moralismos familiares ou religiosos.

Enfim, o que este texto pretende é demonstrar que as sociedades modernas tratam questões como a interrupção da gravidez no plano da saúde. Já as sociedades mais atrasada tendem à criminalização. Mas fica a pergunta. Quantas mortes os moralismos já provocaram?

É a dança da chuva.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Reformas, escolhas e o leite derramado


POR RAQUEL MIGLIORINI

Discutir a reforma do Ensino Médio é chorar sobre o leite derramado. Vale refletirmos sobre os acontecimentos recentes como um pacote. A aprovação da PEC 55 pelos Senadores mostra bem o que se espera da colônia. Temos um arrocho nos investimentos na Educação que impedirá maior acesso ao Ensino Superior e melhorias na Educação Básica. Como colônia, temos o péssimo hábito de desprezar a História, menosprezar os acertos e repetir os erros.

As décadas de 70 e 80 nos dão excelentes exemplos sobre o exposto. Cursos Técnicos em escolas de excelência despontaram em diversos estados. A carga horária era maior, laboratórios equipados e professores capacitados começaram a formar escolas que se destacavam em meio educacional. E é importante frisar que a indústria bancava tudo isso. As empresas recebiam mão-de-obra qualificada e pronta para o trabalho. Problemas nesse sistema? Nenhum.

A menos que o estudante não quisesse parar nisso, no que lhe tinha sido imposto. Muitas famílias e estudantes começaram a usar essa excelência como trampolim para a Universidade. Problemas? Para os estudantes não, mas as empresas rapidamente entenderam o processo e, gradativamente, foram cortando os financiamentos. A decadência iniciou  e muitas escolas técnicas fecharam as portas. Nos últimos 10 anos, os institutos federais começaram, com incentivo do Governo Federal, a formar novos cursos técnicos.

Poderíamos ficar tempo discutindo somente esse ponto. Se todas as escolas tivessem excelência, os alunos não precisariam fazer o curso técnico como meio de acesso ao superior. Mas a realidade é outra e tiraram a possibilidade de escolha: se fez técnico, vai morrer assim. E é aqui que faço o link com a nova reforma. Os bons observadores já notaram  duas propagandas  recentes. Uma delas com um “aluno” branco, bem falante, que vai para a frente da sala e discursa para “alunos” negros e mulheres sobre a reforma do Ensino Médio. A outra é com o presidente da FIESP falando sobre o sucesso que a pessoa terá se fizer curso técnico.

Tudo isso mostra que precisamos acertar o rumo. A escolha sobre o futuro do estudante tem que ser dele e da família. Digo isso porque, o que a FIESP e demais entidades afins esperam é que o aluno que fizer técnico, morra assim (porque aposentar não vai, não é mesmo?). Isso não pode ser imposição. Em Joinville temos  esse modus operanti com famílias inteiras que fizeram curso técnico, começaram a trabalhar cedo, aposentaram na mesma empresa e ninguém cogita sair do sistema. Promoção apenas para supervisor de área. Cargos com maior remuneração apenas para quem tem curso superior.

A pessoa quer fazer  curso técnico, continuar os estudos e fazer doutorado? Ótimo. Quer parar de estudar no curso técnico? Ótimo também. A opção tem que ser do cidadão. A colônia não deveria mais aceitar a formação de mão-de-obra manipulada e sem capacidade para pensar. Mas aí vem a reforma do Ensino Médio e coloca como optativo disciplinas que fazem pensar. E voltamos à década de 70.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Marina Silva e a absoluta falta de carisma



POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO


Eis um bom exemplo do jornalismo brazuca destes nossos dias. A manchete da Folha de S. Paulo de ontem diz que “Marina Silva é líder em todos os cenários de 2º turno”. Se o leitor ficar apenas pelo título da manchete vai imaginar que temos aí uma supermulher, uma candidata quase imbatível. Só que não. A manchete faz aquilo que em comunicação é chamado “metonímia”. Ou seja, usa a “parte” para mostrar o “todo”.


Quem lê a matéria e vê os números do primeiro turno fica a saber que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está disparado na frente, com 24% das intenções de voto. A candidata da Rede fica muito atrás, nos diversos cenários. Se for contra Aécio Neves, temos um 15% a 11% (que dá um empate técnico); se for contra Sérgio Moro, que a pesquisa teve o “cuidado” de introduzir como potencial candidato, fica num empate de 11%.

Aliás, sobre o primeiro turno a Folha diz que “Luiz Inácio Lula da Silva cresceu nas simulações de primeiro turno, na comparação com o levantamento anterior”. Nada mal, se tivermos em conta que o ex-presidente tem sido vítima de um massacre midiático e judicial. E a distância entre Lula e Marina no segundo turno caiu: ela tinha 52% em março e agora tem 43%, enquanto o ex-presidente subiu de 31% para 34%.

Por que a Folha de S. Paulo está a inflar a candidatura de Marina Silva? Afinal, será que ela emplaca? Muita gente acha que, com um tempo alargado de televisão, a putativa candidata tem potencial para crescer nas intenções de voto. Não teria tanta certeza. Mais tempo de televisão é mais tempo de exposição e de escrutínio da imagem. E as muitas contradições podem ficar mais evidentes. 

Qual foi a posição de peso e demarcadora que Marina Silva tomou nos últimos tempos? Nenhuma. A candidata limita-se a frases inócuas sobre a corrupção. Mais nada. É inodora, insípida e incolor. E o fato de ser apontada como candidata do Banco Itaú ou da Natura, por exemplo, também dá panos para manga. E, por ironia, os áulicos da direita estão em desespero, acusando o seu partido de fletir para a esquerda.

No entanto, há um fator que, parecendo de menor importância, poderá ser definidor: a figura de Marina Silva é débil do ponto de vista do carisma. E isso pode ser um sério problema. Todos sabemos que os eleitores não compram apenas ideias (e é preciso tê-las), mas sim imagens e signos. Aliás, não é despiciendo salientar o conceito de dominação carismática, ponto saliente na sociologia de Max Weber.

A dominação carismática assenta em valores afetivos, na crença de que o líder tem qualidades superiores. A seguir a senda weberiana vamos encontrar uma condição: o governante deve ser visto pelos governados como alguém acima da média, quase sagrado e a sua imagem deve emanar algo “heróico”. Ora, nenhuma dominação é boa. Mas vale lembrar que as massas gostam da ideia do pai (ou mãe) autoritário e protetor.

Não parece que Marina Silva, por mais currículo e qualidades que venha a apresentar, possa ser incluída no rol de pessoas capazes de passar uma imagem vigorosa. Pelo contrário. E há muito caminho por percorrer. Aliás, o mais estranho é ter pesquisas dois anos antes das eleições. Mas vamos esperar os próximos capítulos dessa novela sucessória, que ainda promete muitas emoções. Afinal, no Brasil destes dias é muito arriscado fazer previsões, em especial sobre o futuro.

É a dança da chuva.



segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Bem-vindo a Joinville, Uber

POR JORDI CASTAN


Finalmente uma boa notícia, o Uber chegou a Joinville. Um serviço melhor, mais econômico e mais confortável que o do táxi. Um serviço que alia modernidade e preço e, principalmente, ou por isso tudo é melhor para o passageiro. Ah... o passageiro! Sim, esse passageiro que por décadas tem sido ignorado e o continuaria sendo, não fosse a chegada do Uber. Claro que Prefeitura não aprova o serviço e declarou ainda que os serviços de transporte privado de passageiros estão sujeitos a penalidades. A fiscalização é feita pela Unidade de Transporte, da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra).

Pagar R$ 50,00 do aeroporto ao centro é um abuso. Não ter táxi disponível no ponto é outro. E fazer corrida quando o motorista quer e para onde quer é outro. Poderíamos acrescentar muitos mais. Mas a verdade é que o serviço de táxi em Joinville é vitima do seu próprio veneno. A situação atual é o resultado da falta de uma política de transporte por parte do poder público unido a relação incestuosa com o coletivo dos taxistas, que até hoje só estiveram interessados em defender seus próprios interesses e nunca se posicionaram como prestadores de um serviço público.

Nem faz tanto tempo assim que os táxis não tinham nem padronização de cor. Carros com quatro portas, para maior comodidade do passageiro são recentes e só foi possível conseguir que aceitassem adotar veículos mais confortáveis depois de duras e difíceis negociações com o seu sindicato.

A nossa sociedade é hoje o resultado de uma soma de coletivos que, mancomunados com o poder público, exploram o cidadão. Aproveitam-se da fragilidade da sociedade e da falta de escrúpulos dos políticos que a deveriam representar e defender para seguir se locupletando. A lista não é pequena e envolve de despachantes a taxistas, passando por concessionarias de serviços públicos, a ordem é uma só: tomar de assalto o bolso do cidadão/contribuinte.

O Uber é uma gota num oceano. Não resolverá o preço abusivo do transporte coletivo, nem o do táxi em Joinville. Apenas permitirá que o cidadão tenha alternativa. Contribuirá para melhorar o trânsito porque será possível deixar o carro em casa mais vezes. Haverá alternativas aos ônibus lotados, sem que a alternativa seja ser extorquido pelo preço de uma corrida de taxi quase tão cara como a passagem aérea que nos levou de São Paulo a Joinville. O poder público, como sempre, vai olhar para o outro lado e fingir que nada sabe, que nada viu. Esquecendo que é dele a responsabilidade de defender os interesses dos cidadãos. 

SANTOS DUMONT - Outro acidente gravíssimo na avenida Santos Dumont. A obra continua pessimamente sinalizada, oferecendo risco a todos os que ali transitam. O poder público se omite e o numero de mortos e feridos só aumenta. Uma vergonha. Para as famílias que vivem a tragédia a única alternativa é chorar e orar. Ante o olhar impávido dos responsáveis que seguem sem fazer nada.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Amigo.


Uma análise de conjuntura da negritude brasileira

Foto: Igor Alecsander

POR FELIPE CARDOSO

Os movimentos e intelectuais negros brasileiros sempre buscam fazer um paralelo entre o período escravagista e a atualidade. Se é preciso estudar a História para não repetirmos os erros do passado, os protagonistas da luta antirracista fazem isso há muito. Mas por mais esforços que façamos, a tal estratégia parece não render bons resultados.

Recentemente, uma matéria divulgada na The Intercept Brasil, mostrou-nos como o brasileiro ainda não conseguiu enxergar o período escravagista como algo extremamente violento que deixou uma enorme ferida aberta na nossa sociedade. A reportagem denuncia uma fazenda particular de uma cidade do interior do Rio de Janeiro que oferece aos “turistas” a oportunidade de serem, durante algumas horas, escravagistas.

“Se você desejar ser servido por uma pessoa negra vestida como escrava em pleno 2016, você pode visitar, por exemplo, na Fazenda Santa Eufrásia, em Vassouras, única fazenda particular tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio de Janeiro (Iphan-RJ) no Vale do Café, construída por volta do ano de 1830”.

O pior disso tudo é saber que, além desse serviço altamente desrespeitoso e racista, os donos dessas terras ainda recebem do governo indenizações por estarem localizadas em áreas quilombolas.

“Ou seja, os negros em Valença — assim como no resto do país — trabalharam muito, deram o sangue — literalmente — mas não conseguiram se mover na pirâmide social. Por outro lado, os donos de fazendas — que já não pagaram por trabalho — são indenizados quando suas terras são reconhecidas como terras quilombolas, aquelas onde pessoas escravizadas e seus descentes encontravam refúgio e resistiam contra a escravidão”
.

Mesmo com essas atrocidades, tentamos continuar evidenciando e denunciando tais injustiças e tentando relembrar sempre das dores e da violência sofrida pela população negra que enfrentaram e seguem enfrentando castigos brutais, encarceramento, estupros e assassinatos, devido a um fenômeno de exclusão que contaram com políticas públicas para serem implementadas. Justamente por isso, a análise de conjuntura da negritude brasileira não tem como ser feita separadamente, analisando apenas a contemporaneidade.

Devemos lembrar que os escravos eram produtos e determinavam o nível de riqueza dos colonizadores. Quanto mais escravos, mais renda. A terra era ainda uma concessão da Coroa. Essa lógica brasileira dura até 1850, quando começam a surgir no país leis que pretendiam “libertar” os escravizados gradual e lentamente, não garantindo nenhuma seguridade de vida, pois o intuito era o branqueamento do Brasil, por conta da elite brasileira da época acreditar que os negros e os indígenas eram os principais culpados pelo atraso do país e que não teriam capacidade de se adaptar ao novo modelo que vinha sendo implantado.

Então, em 1850, surge a Lei de Terras que, somada a Lei Eusébio de Queiroz (que proibia o tráfico de escravos), promulgada no mesmo ano, transforma as terras em mercadorias, que passam a contar como o indicador de riquezas. Com a promulgação dessas leis, os escravos que não tinham renda, mesmo após a libertação, ficaram impossibilitados de ter renda própria ou alguma garantia de moradia uma vez que não foram indenizados e não receberam nenhuma indenização por parte do governo. As duas leis permitiram que os recursos financeiros fossem redirecionados para outras áreas que pudessem criar alguma infraestrutura para o país, como as ferrovias, por exemplo. Além disso, a economia das lavouras passou a dar espaço à industrialização dos grandes centros que acabou por cercear e impedir a democratização da estrutura fundiária.

A Lei do Ventre Livre e a Lei dos Sexagenários poderiam ser relembradas como um importante passo para a nação, não fosse a real intenção de dar legitimidade para a retirada da responsabilidade dos senhores de escravos sob crianças e idosos. Somou-se a esses fatores, a inexistência de políticas públicas que garantissem algum serviço de assistência básica para a população negra.

Além disso, a partir da década de 1870, começaram a chegar, no Brasil, as primeiras levas de imigrantes europeus que passariam a trabalhar como assalariados. A vinda desses imigrantes foi o resultado do plano de branqueamento do país que contou com a doação e o financiamento de terras, o reconhecimento das suas práticas religiosas, o direito a saúde e educação. Os donos das terras preferiram contratar os serviços dos europeus a contratar os escravos como assalariados.

Em 1888, por pressão da Inglaterra, que queria impulsionar a industrialização do país, é assinada a Lei Áurea que aboliu definitivamente a escravidão no Brasil, sem nenhum planejamento de integração dos negros e negras à sociedade, criando, assim, um abismo de exclusão e desigualdades: desemprego, falta de terra e moradia, sem acesso a saúde, educação e outros direitos fundamentais para a vida.

Vale lembrar ainda da Lei Penal em que desde o período Imperial do país os escravos não possuíam nenhum direito protetivo e eram tratados apenas como objetos. A falta de interesse do setor judiciário na alteração dessas mesmas leis impossibilitou as mudanças necessárias para construir de outra maneira a inserção da população negra no sistema republicano.

Se hoje os “menores infratores” que são vistos como problema e pautam a “redução da maioridade penal”, vale lembrar que são frutos do descaso do passado. Os mesmos “menores” que por muitos fatores abandonam os estudos precocemente e que também são frutos do descaso do passado.

Se atualmente vemos o encarceramento em massa da população negra e o alto índice de violência e do extermínio da juventude negra, percebemos que são consequências do histórico de descaso do passado.

Se hoje os idosos negros com doenças gravíssimas dependem de um sistema público de saúde precário, com profissionais que resistem em estudar a saúde da população negra e suas especificidades, são frutos do descaso do passado.

Se atualmente vemos a hipersexualização, os índices alarmantes de violência doméstica e casos de estupros envolvendo mulheres negras, percebemos que são fruto de um passado estruturado e institucionalizado no racismo.

Assim como vemos o posicionamento racista da opinião pública e diversos brasileiros contra a vinda de imigrantes negros para o Brasil, supondo uma série de desastres políticos e econômicos para o país. A capacidade ilimitada de empregarem pessoas negras somente em cargos subalternos, também são frutos do descaso do passado.

Por essas e por tantas outras atrocidades cometidas contra a população negra, com o respaldo das leis brasileiras, temos que fazer a análise de conjuntura de maneira separada da população não negra, evidenciando a grande desigualdade social, econômica, política e cultural existente no Brasil que também sofre influências externas por conta dos interesses financeiros, e que divide e hierarquiza a classe trabalhadora não apenas por meio da classe social, mas também pelo gênero e pela raça.

Mesmo com todas essas evidências históricas demonstradas resumidamente neste texto, ainda temos que explicar e justificar detalhadamente os motivos de condenarmos o racismo descarado existente na Fazenda Santa Eufrásia, em Vassouras, na encenação de um dos piores períodos do mundo.

Alguns brasileiros são tão hipócritas e racistas que conseguem sentir as dores dos sírios e dos judeus, estudar e propagar as suas histórias com responsabilidade e respeito, mas não se sensibilizam e não se esforçam para mudar a realidade dos milhares de negros e negras mundo a fora.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Brincanagem.


Darci de Matos e Dalmo Claro votam contra a educação catarinense. Kennedy se ausenta.

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

A Udesc lançou, há alguns meses, a campanha Udesc + 0,17, um movimento que, segundo relatos da mesma, "envolvia a comunidade acadêmica para solicitar o aumento de repasse de recursos à universidade". O objetivo era "sensibilizar a classe política para a importância econômica, social e educacional da instituição para Santa Catarina". Atualmente, a Udesc recebe 2,49% da soma da arrecadação de impostos estaduais. A proposta ia ampliar o repasse, chamado duodécimo, para 2,66%, ou seja, mais 0,17%.

Em 2015, a Udesc recebeu um total de R$ 326 milhões para investimentos, custeio e folha de pessoal. De acordo com os cálculos da instituição, mais 0,17% significariam R$ 18 milhões anuais, que já entrariam no orçamento de 2017.

Porém, a lei de diretrizes orçamentárias para o ano que vem foi votada nesta semana e a proposta da UDESC não foi aprovada por 17 votos a 12. Ocorre que os 0,17% foram repassados para o Tribunal de Justiça e para o Ministério Público, "em comum acordo entre os poderes", conforme vídeo abaixo. O poder judiciário estadual certamente precisa menos desse recurso do que a UDESC, uma instituição que luta, com grandes esforços, para oferecer educação de qualidade aos seus estudantes. Lembrando, ainda, que muitos municípios do estado contam, por meio da universidade estadual, como a única opção de ensino superior público e gratuito. Santa Catarina, um estado marcado pela extrema desigualdade no acesso ao ensino superior público sofre, mais uma vez, com um grande retrocesso.

Ajudado por alguns deputados estaduais com domicílio eleitoral em Joinville.



Patrício Destro (PSB) foi o único que se envolveu na causa, ajudando a comunidade da UDESC nas articulações e cessão do gabinete para reuniões. Por outro lado, Darci de Matos (PSD), aliado do governador Raimundo Colombo (PSD), e Dalmo Claro (ex-PMDB), defensor de Darci nas últimas eleições municipais após brigas internas com Udo e seu ex-partido, votaram contra a proposta do repasse de verbas para a universidade.

Fonte: DANMA de Todos/Facebook

Se você não entendeu a gravidade da situação, quem votou contra os R$ 18 milhões de reais para a universidade votou contra melhores condições de ensino para os milhares de estudantes que dependem da instituição. A quem duvida, convido uma visita à UDESC Joinville para ver as imensas carências que os deputados ignoraram. Como a questão era um "grande acordo" (que envolvia, inclusive, o perdão das pedaladas do governador), Darci e Dalmo fizeram o jogo contrário ao desenvolvimento da educação catarinense e mostraram-se subservientes à velha política dos "acordões". Não foi a primeira vez que Darci votou contra a educação, que diga a classe do magistério estadual.

E o nosso deputado (Clari)Kennedy Nunes? Ninguém sabe, ninguém viu. Mais uma vez.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Mentiras e verdades na rede - um problema nosso

Capa da Forbes com Lula mais falsa que nota de
três reais, como mostra o site E-farsas.
POR FELIPE SILVEIRA

A revista Piauí traz, na sua mais recente edição, uma reportagem sobre o jornalismo e a eleição de Trump à presidência dos Estados Unidos. A repórter Daniela Pinheiro acompanhou o trabalho de jornalistas antes e depois da apuração, trazendo algumas reflexões sobre o consumo de informação neste tempo de pós-verdade. As opiniões diferem, mas parece consenso que a desinformação, seja ela baseada no desconhecimento inocente ou no deliberado espalhamento de notícias falsas, nos coloca um dos principais problemas do nosso tempo.

Além disso, um desafio maior ainda é enfrentar o desinteresse pelas notícias e, em parte consequentemente, pelo conhecimento. Em um trecho da reportagem, Pinheiro narra o encontro com Chris Kelly, colunista de um jornal da região do Cinturão da Ferrugem, uma das responsáveis pela virada de Trump, que diz: “A grande imprensa diz que falhou porque perdeu o contato com o eleitor de lugares como Scranton, por exemplo. Nós sabemos quem é nosso leitor que votou no Trump e escrevemos para ele. Mas esse não é o ponto. O que importa é que esses eleitores não estão nem aí para o que a imprensa escreve.”

Assuntos restritos pelas bolhas das redes sociais, notícias falsas, desinteresse, jornalismo mal feito na mídia tradicional e na alternativa, seja pelos interesses envolvidos ou pela falta de recursos. Estes são problemas novos e outros nem tanto que nossa geração tem que lidar.

Vivemos um tempo de adaptação. Temos problemas que nem sabemos que temos ainda, mas que, ao passo que são descobertos, que incomodam, começam a ser pensados em busca de soluções. Um exemplo disso é a iniciativa do Facebook de combater a mentira na internet. A eleição de Trump fez perceber o tamanho da encrenca e a responsabilidade da empresa, que anunciou medidas para combater a mentira na internet. Um botão para denunciar notícias falsas pode ser incorporado à rede social. Mas isto também pode acarretar novos problemas, como o efeito manada de denúncia. Outro problema é o facebook se tornar o juiz do que é verdade e do que é mentira na internet, como aponta este texto.

As soluções serão encontradas coletivamente, mas podemos começar a resolver o problema de algumas maneiras. A primeira é dividir boas informações, checadas, bem apuradas e que busquem alguma isenção ou que tenham transparência sobre seus interesses. Também vale dividir a maneira de checar isso com quem não sabe, como seus parentes mais velhos e menos ligados à internet. Outra maneira é agir politicamente para que se cumpram e se melhorem as leis sobre rádio e TV no Brasil, pluralizando a comunicação e coibindo as práticas ruins, como os programas sanguinários e nada informativos. Por último, acredito que vale trabalhar a comunicação na escola, formando cidadãos mais preparados para lidar com a informação e que consequentemente cobrem melhorias nesta área.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O papel da mulher: novos tempos, velhos hábitos













POR CECÍLIA SANTOS

Ontem abri no meu computador do escritório uma receita que eu queria reproduzir na cozinha. Mas em vez de anotar num papelzinho, tirei uma foto do monitor com meu celular. E enquanto cozinhava, fiquei tentando lembrar em que situações eu ainda escrevo à mão. Bem poucas. Até a lista de compras é feita num app de celular.

Será que um dia nós vamos perder totalmente o hábito de escrever à mão? Conheço gente que acha o fim da picada os alunos fotografarem a lousa em vez de tomar nota da matéria no caderno. É a lei do menor esforço. Certeza que teve gente que protestou quando inventaram o fogão a gás. 

Creio que a maioria de nós é bastante entusiasta dos avanços tecnológicos, porque tornam nossa vida mais fácil, ou nos liberam para coisas inúteis como tretar no grupo de whatsapp da família. 

A gente se apega um pouco a hábitos e processos que parecem essenciais, sofre com saudosismo, mas depois se acostuma.

Mas tem coisas que não mudam. Como as relações sociais e o papel da mulher. Como a desigual e insuficiente participação das mulheres nas instâncias de poder ou dos homens no trabalho doméstico.

A verdade é que somos uma sociedade muito atrasada nas questões de gênero, que ainda não consegue enfrentar os altíssimos índices de violência contra as mulheres e combater o assédio nos espaços públicos. Quando nos calamos, somos coniventes.

Estamos no período de 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, de 25 de novembro, declarado Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher a 10 de dezembro, Dia Mundial dos Direitos Humanos. 

Como membro do Fórum de Mulheres da Zona Oeste de São Paulo, uma instância de participação popular territorial destinada a fazer a interlocução entre a sociedade civil e o governo sobre políticas para mulheres, realizo rodas de conversa e bordado para falar sobre situações de violência. 

Numa dessas rodas, uma senhora idosa nos perguntou: “mas por que o governo não dá um treinamento aos homens para que eles respeitem as mulheres?” 

Na sua simplicidade, ela quer que a sociedade se torne um lugar mais seguro para as mulheres. Mas mudar isso não está apenas nas mãos dos governos. Compete também a cada um de nós transformar a sociedade.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Ferreira Gullar e o "Trenzinho do Caipira"

POR ET BARTHES

A morte do poeta (José Ribamar) Ferreira Gullar é mais uma nota triste de 2016. Parte o homem, fica a obra. O “Poema Sujo”, poema escrito no exílio (ele foi ligado ao Partido Comunista nos tempos da ditadura) talvez seja a sua peça mais conhecida pelo público, mas Ferreira Gullar também fez a letra para muitas músicas, como este “Trenzinho do Caipira”, parte das Bachianas Brasileiras nº2, de Heitor Villa Lobos. Aqui uma versão mais popular, na voz de Edu Lobo.

Somos todos Colômbia


POR JORDI CASTAN


Chapecó e toda Santa Catarina foram sacudidos pela brutalidade do acidente que vitimou  jogadores, comissão técnica e jornalistas. A dor se espalhou primeiro pelo pais e depois por toda a América Latina. Nestes dias, tive oportunidade de acompanhar como a imprensa colombiana e equatoriana têm noticiado a tragédia. O respeito pelas vítimas, a dor multiplicada por cada um dos corações arrasados pela tristeza. A imprensa catarinense e nacional tem sido tomada pela dor multiplicada pela proximidade de alguns dos seus companheiros vitimados no acidente.

Tenho uma relação de apreço, respeito e carinho por Colômbia e os colombianos. Mas mais que isso tenho admiração pela sua seriedade e os seus princípios e valores. Não é uma relação recente, tampouco tem a ver com a onda pro colombiana resultado da tragédia que acabamos de viver. Minha relação com Colômbia não é nova. Por motivo de trabalho viajei à Colômbia mais de 30 vezes nos últimos anos.

Se hoje é o pais que é se deve unicamente à qualidade da sua gente. Em menos de 24 horas resgatou os sobreviventes, recuperou os corpos das vítimas, conduziu a investigação do acidente e das suas causas, com transparência e diligência, e deu respostas claras em pouco mais de 48 horas. Deu uma mostra de generosidade e grandiosidade, organizando uma homenagem que levou mais de 40.000 pessoas ao estádio do Nacional de Medellin. Nada disso foi por acaso.

Se Bogotá é hoje uma referência em planejamento urbano, mobilidade, preservação de áreas verdes e em priorização do pedestre e do ciclista, é pela sua teimosa defesa de princípios e valores.

Se Medellin é a referência em trabalho, organização e desenvolvimento econômico, é pelo jeito “paisa” de ser. Pela sua seriedade e organização.

Se Cartagena é um dos principais destinos turísticos no Caribe, é porque soube preservar a sua história e oferecer opções de lazer e segurança a turistas dos quatro cantos do mundo. Mas também porque investiu em infraestrutura turística e tem feito da hospitalidade “costenha” a sua bandeira e o seu diferencial.    

É nos momentos excepcionais que se exige mais de cada um de nos. É nestes momentos, quando somos postos à prova, que surgem, ou não, os valores que caracterizam um povo e uma sociedade.

Não sou fanático por futebol, mas neste momento o mundo tem se convertido, graças ao futebol num espaço mais humano e solidário.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Quando Joinville for...


POR FAHYA KURY CASSINS

Quando Joinville for uma cidade grande, os motoristas saberão que não pode parar no cruzamento, nem passar descaradamente no sinal vermelho. Até mesmo os motoristas de ônibus, responsáveis pela segurança de dezenas de vidas, respeitarão sinais, placas e limites de velocidade. Também saberão respeitar as vagas especiais de estacionamento. O que dizer das ciclovias? Serão ciclovias de verdade, não falsas ciclofaixas mal sinalizadas, sem pintura, que começam do nada e terminam em lugar algum, e que não garantem o mínimo de segurança aos ciclistas. Teremos, também, faixas elevadas para pedestres, na região central com as famosas “áreas calmas” e pela cidade toda em lugares de grande fluxo de pedestres.

Quando Joinville for uma cidade grande, não veremos indiferentes as notícias de jovens sendo assassinados todos os dias – principalmente nos bairros da periferia. Jovens assassinados nos sofás de suas casas, na frente das escolas. A Joinville do futuro, em pouco tempo, não terá mais jovens. Quando Joinville for uma cidade grande, não chamaremos de “parque” meras praças abandonadas com o verde a perder para o concreto. Aliás, teremos muitas ruas e praças arborizadas, com lindos canteiros floridos dignos de uma “Cidade das Flores” que poderá usar o título não só para divulgar uma festa.

Quando Joinville for uma cidade grande, teremos de volta o chafariz do Centro – nos preocuparemos até com a beleza. Teremos a JK florida de azáleas a colorir nosso longo inverno cinzento. Teremos calçadas bonitas e acessíveis a todos, pela cidade toda – e não pavers encardidos e cimento mal feito às vésperas do dia da eleição. Teremos de volta os ginásios, que tanto já fizeram pela História da cidade, em uso para atividades de lazer e esportes para todas as idades, desde os pequerruchos até os idosos.

Quando Joinville for uma cidade grande, não brigarão para colocar o nome daquele velho político falecido em escolas, avenidas, postes e viadutos. Ah! Quando Joinville realmente for uma cidade grande, não discutiremos mais sobre viadutos – se perdemos o bonde do desenvolvimento, se eles ainda se fazem necessários. Talvez a capa do jornal local nem se preocupe com o hospital que é seu maior anunciante. Talvez tenhamos a consciência de preservar o patrimônio arquitetônico e histórico, sem pensar só na nossa varanda no alto dos prédios da região central. Quem sabe tenhamos tantos poetas, escultores, professores e cientistas a nomear nosso entorno e saberemos que somos, também, um povo de qualidades. Um povo, quem sabe, crítico e não acomodado, nem submisso aos grandes empresários, que exigirá uma cidade boa e bonita.

Quando Joinville for uma cidade grande, os números e posições nos rankings serão irrelevantes. Seus mais de 5oo mil habitantes mal espalhados pelos seus 1.126.106 km² serão motivo de orgulho se forem todos bem atendidos pelos hospitais, se tiverem vagas nas escolas e acesso a de boas universidades públicas, se puderem desenvolver suas habilidades além da metal-mecânica. Será motivo de orgulho se for a segunda ou a quarta melhor cidade para empreender e os funcionários desses empreendimentos puderem usar ônibus limpos e confortáveis, tiverem acesso aos bens culturais e de lazer e não conviverem com o medo nas esquinas dos bairros.       

Quando Joinville for uma cidade grande, voltaremos os olhos para as belezas naturais que nos cercam, como o mar, os morros e os manguezais – sem exagerar, de novo, em “portas” de concreto e abusando de passarelas e decks para caminhadas e pedaladas que incentivem a vida ao ar livre. E, quem sabe, veremos o Rio Cachoeira reviver seus tempos de água cristalina. Porque nem toda cidade grande é obrigada, só por ser grande, a ter seus rios poluídos.

Fahya Kury Cassins é professora e escritora

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Jogada


Eu sou contra o aborto


















POR FILIPE FERRARI


Sou contra o aborto, pois sou cristão, e acredito na dignidade humana acima de tudo. 

Porém, o mais importante e fundamental: eu não engravido. 

 Além disso, eu não sei quando a vida “começa” (e nisso, me sinto confortável, pois quem soube até agora determinar?). É na fecundação? Depois de três meses? Com as memórias? Sistema nervoso? Tudo isso parece tão insuficiente!

 Eu não sou o Estado de Direito. 

 Eu não sei quantas mulheres abortam por não poderem abrir mão de um emprego sem registro que sustenta a família. 

 Eu não sei quantas mulheres abortam porque a família jamais aceitaria uma gravidez sem planejamento, pois seus pais religiosos não suportariam “a vergonha”. 

 Eu não sei quantas mulheres foram irresponsáveis na relação sexual e engravidaram. 

 Eu, simplesmente, não sei. 

 Eu sei que eu sou contra o aborto, e sou um cidadão ativo dentro de um sistema político, econômico e social. 

Tem quem diga “não com o meu dinheiro!”. Por favor, é de vida que falamos, não de um shopping.

Sei que se defende a vida, mas não se defende a mulher pobre que, por quaisquer que sejam seus motivos, morre na mão de açougueiros clandestinos. Que aceita os traumas psicológicos sem acompanhamento. Que, na maioria das vezes, está perdida e sozinha. 

Sei que mulheres ricas fazem aborto em clínicas clandestinas com médicos de CRM’s antigos, consolidados e de nome, prenome e sobrenome. Ou na Flórida, e na volta essas mulheres trazem IPhone sem pagar imposto. Que podem ter quaisquer acompanhamentos posteriores, pois o dinheiro paga. 

Esse é o Brasil. O dinheiro compra a moralidade, compra o acompanhamento, compra a dignidade. 

 O dia que uma amiga, conhecida ou parente me procurar e disser “quero abortar”, eu tentarei de todas as formas racionais demovê-la da ideia. Se sua última palavra ainda for “quero abortar”, a ajudo a procurar o melhor lugar possível. De preferência, legalizado e com amparo médico-psicológico. 

Afinal, sou cristão, e acima de tudo, a dignidade humana.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Fidel Castro e a patologia do ódio


POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

A morte de Fidel Castro motivou acesas discussões, como era de esperar. E quem acompanhou as reações mundo afora percebeu algo flagrante: nas democracias consolidadas, o tom do debate aqueceu, mas raramente ultrapassou os limites do aceitável; no patropi a coisa degringolou. A reacionaria não pretendeu falar na vida ou na morte do líder revolucionário cubano. Afinal, era uma oportunidade única espalhar aquele ódio pestilento que está a tornar o Brasil um lugar pouco recomendável.

Dispensável dizer que muita gente comemorou – e ainda comemora – a morte de Fidel Castro. Os suspeitos do costume. As primeiras pedras até foram lançadas pelo previsível Jair Bolsonaro, arquétipo-mor dos que pensam com o fígado. Foi de rir. O homem acusa o líder cubano de ser um "exterminador de liberdades". Eis um exemplo da insanidade endêmica que tomou conta do Brasil. Um defensor da ditadura militar acusa outro de não respeitar as liberdades individuais. Muito louco, né?

E tinha que sobrar para os “comunistas”, “socialistas” ou “esquerdistas”, seja lá isso o que for. Para os bovinos odiadores uma coisa leva a outra. As comemorações pela morte do líder cubano permitiram introduzir um “morra Lula” na semântica defunteira dessa gente doente. O ódio leva à barbárie. O Brasil está a ser asfixiado por esse desejo insano de extermínio do Outro. Quem olha para a História sabe que coisa boa nunca vem dos irracionalismos. Aliás, o ódio é tanto que teve até fogo amigo.

Muito já foi dito sobre o episódio, mas deixo esta opinião. “A morte de Fidel faz recordar, especialmente à minha geração, o papel que ele e a revolução cubana tiveram na difusão do sentimento latino-americano e na importância para os países da região de se sentirem capazes de afirmar seus interesses. A luta simbolizada por Fidel dos ‘pequenos’ contra os poderosos teve uma função dinamizadora na vida política no Continente”. Quem é o autor? Ninguém menos que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, claro, sentiu o gostinho do ódio da patuleia nas redes sociais. 

Vamos trazer a análise para um patamar mais chão? Eu, por exemplo, fui abalroado por uma criatura que tinha um argumento irretorquível. “Conheces Cuba? Eu infelizmente conheci. Os carros mais novos são dos anos 50. Vai morar lá e ver que bom para a tosse”. Agora tente entender de onde veio a autoridade deste especialista em temas caribenhos. Um estudioso? Um jornalista? Um diplomata? Não. É um cara que passou pela ilha durante um cruzeiro. E é com esse o nível de inteligência que temos que lidar no quotidiano.

Enfim, o que essa gente tem a dizer sobre Fidel Castro e sobre a sua morte? Nada. Os odiadores querem apenas odiar. Esse é o único “argumento” que eles entendem. O ódio não é um meio, mas um fim. É patológico e produz um paradoxo social interessante: quanto mais o ódio obscurece a mente, mais essas pessoas pensam ver com clareza. 

É a dança da chuva.