terça-feira, 1 de novembro de 2016

O que esperar de Joinville com Udo de novo?

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

JOINVILLE GOSTA E REELEGER PREFEITOS - Nos últimos 20 anos, somente Carlito Merss (PT) não conseguiu tal feito. A reeleição de Udo Dohler (PMDB), consumada no último domingo, revela a força do partido na cidade, bem como uma poderosa resposta ao projeto de sucessão do governador Raimundo Colombo (PSD), derrotado aqui, em Blumenau e em Florianópolis (numa desvirada maluca de Gean Loureiro, também do PMDB).

Após uma campanha que, confesso, me despertou uma indiferença como há tempos não via, precisamos contar os pontos do resultado. O continuismo de Udo pode ser um alento para quem defendia "deixar o homem trabalhar", como se quatro anos não fossem suficientes, embora tenha traços de pioras em vários segmentos da gestão pública.


"Queremos transformar a cidade de Joinville: mais justa e segura"

Essa frase de Udo para o jornal ND minutos após ser confirmado o vencedor do segundo turno preocupa. Tudo porque seu vice, Coelho, é inimigo declarado dos movimentos sociais da cidade (sobretudo o MPL), e tem um histórico de preconceito, repressão às minorias e tudo aquilo que não combina com a justiça social. Aos duvidosos, convido a leitura de seu Twitter e Facebook.

- "Vice não manda!", diriam alguns. Ocorre que o militar foi escolhido "a dedo" para a vaga, trazendo consigo a imagem de que o novo governo tornará a cidade mais "segura". Já está mais do que provado: segurança pública não se resolve com mais policiamento (a campanha prometeu triplicar o número de agentes da guarda municipal), mas com uma cidade menos desigual.

SE FOR MANTIDA A ESTRATÉGIA DO PRIMEIRO MANDATO -  Nesse caso, a redução das desigualdades será uma coisa para fantasia e confetes, apenas. Este é o mesmo prefeito que não investiu um centavo sequer em políticas de direitos humanos, juventude e afins, por exemplo (lembram do feriado da Consciência Negra?). É o mesmo articulador da LOT entre ACIJ, executivo e legislativo (creio que seja desnecessário, mas lembro de todas as coisas ruins e ultrapassadas presentes na nova lei de ordenamento territorial e que foram amplamente descritas aqui no Chuva) muito antes de se eleger. Sem esquecer dos escândalos da saúde (adulteração das filas para consultas), dezenas de intervenções do Ministério Público em seu governo, as promessas não cumpridas (300km de asfalto, ponte do Adhemar...) e a política de educação fajuta (tablets "para todos os alunos", reformas a la Luiz Henrique da Silveira, e o "aumento de vagas" com o corte do turno integral das creches).


"Vamos fazer três pontes"

Para piorar, o rodoviarismo estampado na capa da página online do jornal AN. Ainda que o Plano Diretor e o Plano de Mobilidade dissessem para investir prioritariamente em transporte público, Udo vai repetir a promessa de pontes, obras caras e que não trazem tanto efeito assim, em comparação com o mesmo investimento em outras políticas urbanas, por exemplo. Para quem não lembra, o primeiro mandato não fez a licitação do transporte coletivo porque foi omisso e não comprou uma briga judicial contra as empresas de ônibus da cidade, apesar de Dohler não nutrir amores pelos Bogo. Como resultado, o contrato foi renovado temporariamente, sem qualquer tipo de transparência e até hoje estamos sem saber o que, de fato, vai acontecer.

UDO NÃO TOLERARÁ CRÍTICAS, COMO SEMPRE - Marca de seu primeiro mandato, uma equipe totalmente articulada com as redes sociais sempre monitorou os passos e os discursos contrários à gestão. Considero que esse foi o setor mais atuante dos últimos quatro anos. Afastou funcionários sem motivo aparente (Lia Abreu que o diga...) e sempre botou a culpa nos outros. Não há nenhuma perspectiva diferente nesse sentido, infelizmente. 

"Temos de contar com todos os joinvilenses"

Outra frase estampada no AN, construída por puro marketing e que só faz sentido para aqueles que pensam igual ao empresário. Tanto que um de seus slogans na reta final foi "ao invés de reclamar, trabalhar", mostrando como se sente intocável e não receptivo às ideias contrárias, parte importante da construção social e do bom debate democrático. Pelo contrário: Udo foi um grande reclamão, chamando movimentos articulados de "arruaceiros", "gente que quer o atraso", e essas coisas todas que só servem para desqualificar quem pensa diferente, uma pedra fundamental para se dar bem em Joinville. Seu primeiro mandato não foi muito democrático, e tampouco o segundo será. É só juntar os discursos proferidos com a sutileza das suas ações nos bastidores para comprovar tal afirmação. 

APESAR DA REELEIÇÃO - Udo não tem cacifes para se alçar ao governo do Estado, como esbravejam alguns por aí. Os movimentos são mais complexos e o partido possui outros caciques ansiosos na fila, como Mauro Mariani e Pinho Moreira. O certo é que em âmbito local será extremamente dominante, ordenando uma maioria absoluta na Câmara de Vereadores e absorvendo dissidentes de Darci (o cara que quer ser "a voz dos que não têm voz", começando por si próprio) com cargos e novas alianças políticas, o que é bem normal considerando o nível dos 19 eleitos em Joinville. 

Com a ACIJ nas mãos há quase uma década, reeleito e administrador de grande maioria no legislativo, não haverá desculpas que se sustentarão na imprensa (amplamente favorável ao seu primeiro mandato, diga-se de passagem) ou nos livros de história. Udo tem uma condição rara em suas mãos e que não existia nessa cidade desde a década de 1960. Quem dera se usasse isso em favor da maioria, pobre, segregada e amplamente marginalizada, né?

11 comentários:

  1. Udo e os demais prefeitos que se reelegeram em 2012 sofreram com a estupidez do governo Dilma. Nada mais justo do que dar uma nova chance para todos que querem a reeleição, já que que agora temos um governo e um presidente de verdade.

    Um vice declaradamente contrário a um movimento ilegítimo como o MPL é um bom sinal. Não sabia disso, se soubesse teria votado no Udo ao invés do Darci. Militar ainda... Parabéns ao prefeito!

    Feriado da consciência negra? Em Joinville? VAI TRABALHAR!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o recalque passa longe...

      Excluir
    2. Quem mais sofreu com estupidez do governo Dilma, foi a classe média. Mas mesmo assim a situação do governo Dilma se agravou a partir de 2014, depois da releição, ainda assim temos 2 anos de limbo da prefeitura.
      Dizer que o governo Udo sofreu com com a ingerência da Dilma, talvez não reflita a bem a realidade,pois ele se beneficiou por exemplo de algumas coisas do governo como a vinda do mais médicos pra Joinville numa quantidade considerável durante 2 anos de governo.
      A questão da mobilidade urbana no governo UDo foi uma catástrofe , isto gera brechas para movimentos como os do MPL. Sem falar que não teve coragem de abrir o MERCADO no setor do transporte publico que seria uma medida liberal que teria enfraquecido o movimento.

      Excluir
  2. Udo ganhou por WO. Esta é a verdade, o eleitor massa de manobra cansou dos mesmos nomes há mais de uma década e preferiu deixar a cidade parada por mais 04 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não que fosse mudar muito com o Darci, né?

      Excluir
  3. O Brasil está mudando meu caro. Aqui não vai ter Venezuela.

    ResponderExcluir
  4. "A desgraça de quem não gosta de política é ser governado por quem gosta!" (LULA) KKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    O cara é um idiota contumaz! Ele condena a razão do seu sucesso! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Não Baço, isso não tem nada a ver com teu texto... dane-se.
    Poste o criativo "+1" (duvido!),... ou não poste nada,... enfim...

    ...a esquerda agoniza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A frase original é do Platão, seu agonizado ignorante!

      Excluir
    2. Dê um salve ao Google, Zorak!

      Essa frase usada por Lula representa a falta de coerência esquerdista. Esse falastrão usa a frase de Platão contra pessoas que supostamente não gostam de política porque não foram, sendo que ele próprio também não foi. Kkkkk

      Excluir
    3. Leia meu microtexto novamente. A "frase original".

      Não entenda o que você quer. Entenda o que estou dizendo. Dane-se o Lula.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem