terça-feira, 15 de novembro de 2016

Crianças de 3 anos matam pessoas, armas não...
















POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Armas não matam pessoas, pessoas matam pessoas”. Este é, sem dúvida, o argumento preferido dos defensores das armas na tentativa de explicar o inexplicável: a liberalização do uso de armas. O argumento é considerado uma espécie de bala de prata. Por ser tão irretorquível, põe fim a qualquer debate. Mas é só estupidez, porque a defesa de armas só interessa à indústria do armamento e a um punhado de pacóvios.

Ora, basta uma rápida análise dos fatos para mostrar que esse argumento – pessoas matam, armas não – é tolice. E a comprovação vem dos Estados Unidos, um país que é referência no uso de armas e que acolhe a decrépita segunda emenda, instituída no século 17 para garantir, aos cidadãos, o direito de ter e portar armas. A emenda, claro, voltou a ser tema de debate nas eleições que levaram Donald Trump à Casa Branca.

A situação na terra do Tio Sam é tão aberrante que a Brady Campaign, entidade focada na prevenção da violência por armas de fogo, decidiu criar uma campanha publicitária satírica, mas tendo por base dados da realidade. Eis os fatos: no ano passado toddlers (crianças na fase de engatinhar e andar) dispararam e mataram mais norte-americanos do que terroristas. Parece brincadeira, mas é sério.

“Mulher morta depois de uma criança ter pegado numa arma”. “Criança atira em parentes após encontrar uma arma de fogo”. “Mulher atingida e morta pelo filho de três anos”. “Criança atinge mortalmente irmã de nove anos com arma deixada no guarda-roupas”. Esses são alguns exemplos de manchetes usadas no filme de televisão, a peça principal da campanha “Toddlers Kill” (ver abaixo).

“As armas não matam pessoas, as crianças matam” foi o tema da campanha, que ganhou notoriedade mundial. E é aí que entra a sátira. “Há crianças mortíferas através do país, matando pessoas a um ritmo alucinante. É preciso trancafiá-las”, diz o texto, numa ironia. “A gente espera que essa situação mostre o absurdo que é o debate sobre armas nos Estados Unidos”, explicou Brendan Kelly, porta-voz da Brady Campaign. E tem razão, claro.

E o que o Brasil tem a ver com isso? Por enquanto, ainda pouco. Mas não vamos esquecer que o país tem uma aberração legislativa chamada Bancada da Bala. E o pior: que mais de 70% dos candidatos que receberam doações da indústria do armamento acabaram se elegendo nas últimas eleições parlamentares, tanto em nível estadual quando federal. É um claro tiro no bom senso.

É a dança da chuva.


22 comentários:

  1. No Brasil, antes do estatuto do desarmamento, via-se quase toda semana notícias de crianças mortas por disparo acidental de armas em casa ou nas escolas por alguém achou a arma do pai efoi mostrar pro amiguinho. Até hoje, mesmo sendo restrito, vemos brigas de trânsito e alguém com autorização especial sacando um revólver num acesso de raiva.

    ResponderExcluir
  2. Exato! Tirem as armas das criancinhas e deem a um bandido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Véi, sério. Leste o que escreveste?

      Excluir
    2. Baço, duvido que ele tenha lido.

      Excluir
  3. Boa noite Baço, de preferência sem Temer a Eliseu Quadrilha de golpistas corruptos, nem a Alexandre Frota de coximbecis hipócritas, reaças raivosos robotizados das redes e rádios.
    Parabéns por mais essa ótima matéria. Dia desses num blog sobre a série The Walking Dead, que não sei se tu acompanhas, mas eu gosto muito, inclusive dos quadrinhos que originaram a mesma, uma pessoa postou 1 link com uma cena do desenho American Dad, que pouco assisti e nele o pai que é militar discute com a filha pacifista, argumentando ele que as armas não matam, mas as pessoas sim, então ele coloca a arma na mesa, fica mandando a arma atirar, repetindo isso e como a arma não dispara ele encerra seu argumento.
    Até ali parecia bem convincente o que ele disse, mas a verdade é que se a arma sozinha não mata, também procede que quem tem uma arma em casa tem muito mais chance de ser vítima que de se proteger de alguém e ainda por cima algum pessoa matar sem querer outra, aliás, sem arma de fogo em casa as chances de alguém matar outra pessoa por acidente praticamente desaparecem.
    Com todos os erros do governo Obama, ele acertou ao menos em tentar dificultar o acesso da população dos EUA as armas de fogo e de iniciar essa discussão, mas infelizmente a paixão pelas armas de fogo por lá é terrível e quase insana: no Estado de Iowa foi aprovada uma lei para que crianças possam usar armas!
    Tem horas que parece que de tanto o pessoal nos EUA fazerem séries, desenhos e filmes com invasões de alienígenas, zumbis e outras criaturas extintas ou de fantasia eles passam a crer que precisarão de armas pra combater tais seres quando eles "aparecerem".
    Abaixo o link da matéria que mencionei em Iowa.

    MILÍCIA INFANTIL
    Deputados de Iowa aprovam projeto de lei que autoriza crianças a usar armas
    http://www.conjur.com.br/2016-fev-27/deputados-iowa-aprovam-lei-autoriza-criancas-usar-armas

    ResponderExcluir
  4. Então pessoas solteiras e casais sem filhos? Não poderiam ter arma em casa? Já que o problema é as crianças em casa.
    O desarmamento muito bonito na teoria , mas ruim na prática. Ocorre que no Brasil quem quer ter uma arma tem, pois consegue no mercado negro ou por meio de corrupção as burrocracias o que torna a proibição uma discussão escolástica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1. Acho que não leste o texto. A ideia da campanha é ridicularizar a "discussão" sobre o armamento.
      2. Ninguém fala em desarmamento, mas em armar as pessoas. É bem diferente.

      Excluir
  5. Então me ajuda. Qual a diferença entre desarmamento, e de não armar as pessoas? Eu li o texto sim, só não vi o video. Mas posso te dizer que essa discussão é a mesma das drogas, obstante as proibições as pessoas continuaram a ter armar ou a usar drogas. A permissão vai facilitar o controle das armar e desestimular o mercado negro esse o maior de TDs os vilões da violência. Podem proibir dificultar , o que for. Quem quiser uma arma vai ter.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1. Não sabes a diferença entre armar e desarmar? Então temos um problema cognitivo aí. 2. Não consegues imaginar um mundo sem armas? Aviso: o mundo não é só aí...

      Excluir
    2. Não explicou. Ilumine-nos, também estou curioso...

      Excluir
    3. Sério? Vou ter que tratar vocês como se fossem crianças de seis anos? Nem pensar...

      Excluir
  6. Já passei da fase de proibir o acesso as armas eu quero saber por que Islândia e Suíça tem altos índices de arma per capita e baixos índices de morte por armas de fogo. Essa é a discussão que eu acredito ser mais produtiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples. Sabias que na Islândia – e nos países da região, de maneira geral –, as diferenças de classe quase não existem? Aliás, a minha referência de comunismo é o comunismo é escandinavo. Sem essa pressão social, há poucos motivos para crimes contra a propriedade. Não é fácil comprar uma arma por lá e até a polícia anda desarmada. Também não há grandes problemas com drogas (um dos motivadores de crimes). E tem a questão cultural. Na Europa ninguém pensa em usar armas contra outras pessoas. E na Suíça é ainda mais simples. Os caras não têm exército, mas um Exército do Povo. E por isso quase todos têm armas.

      Excluir
    2. "comunismo é escandinavo"

      ?

      PARA TUDO E CHAMA A NASA!

      Excluir
    3. Comunismo nos países nórdicos?

      Cabô!

      Excluir
    4. Então, antes de resolver se libera ou não temos que resolver essa disparidade enorme entre as classes sociais. Por isso digo que estão focando no lado errado da questão. Quando tivermos uma sociedade mais justa liberar ou não a posse de uma arma será irrelevante.

      Excluir
    5. Anônimos das 15:16 e das 15:18. 1. Duvido que já tenham ido a algum país da Escandinávia. 2. Duvido que já tenham lido sequer uma página sobre o "comunismo".

      Excluir
    6. Socialismo, vá lá (a política deles é social democrata com uma economia desregulamentada – liberal ? – inclusive nas relações trabalhistas). No final são países extremamente capitalistas com políticas sociais bem implementadas e que cobram caro de seus cidadãos.

      O mais próximo do comunismo é a Coreia do Norte onde a pobreza, a fome e a ignorância são divididas irmãmente com os cidadãos.

      Queria ver a reação de um dinamarquês sendo chamado de comunista... hahahahaha

      Excluir
    7. Idiotas não sabem ler. Não sabem interpretar. Não têm mundo. E vivem essa idiotia de associar o socialismo, comunismo (coisas sobre as quais não sabem um boi) à pobreza. Vai bugiar, pá!

      Excluir
    8. “Tome a pílula vermelha, Neo!”

      Excluir
  7. A bala sai do cano duma arma a 700m/s, ou seja, o dobro da velocidade do som. Isso quer dizer que quando vc pensar em sacar a tua arma regulamentada, ja terás tomado o tiro.. e nem terás escutado.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem