segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Santos Dumont: um show de improvisação e enrolação


POR JORDI CASTAN
O foguetório com que foi recebida a ordem de serviço da duplicação da Avenida Santos Dumont fazia parte do espetáculo para encantar iludidos. Os atores da peça sabiam que era tudo mentira, pura encenação. A obra não seria executada como estava sendo previsto, custaria muito mais e não ficaria concluída no prazo. Bem do jeito que estas coisas são feitas por aqui.
O edital da duplicação, lançado pelo governo do Estado, em 15 de agosto de 2012, previa um custo de R$ 66 milhões para a duplicação com duas pistas de três faixas em cada sentido, com rotatórias e ciclovia ao longo de toda a extensão. Tudo isso em 24 meses de prazo para entrega da obra. Sempre tem quem acredita nestas lorotas e aplaude os inflamados discursos em palanque de lançamento de edital, primeiro, e de entrega da ordem de serviço, depois.
A licitação foi vencida pela Infrasul para implantar o projeto original, por R$ 47,9 milhões. O preço ficou abaixo dos R$ 61 milhões previstos no edital. No mundo da ficção em que vivem os nossos políticos, as desapropriações foram orçadas em R$ 25 milhões nesse mesmo ano, 2012, de acordo com o cálculo feito pela Prefeitura.


Olhando com a perspectiva de hoje fica claro que os técnicos da Prefeitura devem ter usado ou a quiromancia ou outras artes divinatórias, porque em março de 2015 a ADR - Agência de Desenvolvimento Regional estimou o valor das desapropriações em R$ 48 milhões e informa do valor de R$ 55 milhões, com dois elevados na Tuiuti e na Arno Valdemar Dohler Neste projeto, os números aumentam em proporção inversa à área realmente duplicada. 
O que era para ser uma via duplicada com 8 quilômetros de extensão e 6 faixas, três em cada sentido, se converteu num remendo que foi ficando mais e mais caro. Na revisão do projeto original foi reduzida a largura da pista e o numero de faixas. 
O que fica evidente hoje é que a Prefeitura nunca teve um projeto executivo completo e se lançou numa aventura sem saber quanto custariam as desapropriações. O prefeito declarou ao jornal A Notícia que “que alguns casos devem exigir decisões judiciais e a questão será analisada durante o levantamento dos terrenos que precisam ser comprados.” Puro achismo. Chute. Pior ainda porque a Prefeitura já sabia na época que não contava nem com os R$ 25 milhões previstos para as desapropriações. E mesmo assim se lançou na aventura, contando com que os proprietários fariam doações em troca de nada.



A estratégia adotada por Cobalchini em conversa com o prefeito Udo Döhler (PMDB) e empresários, ainda antes da eleição de 2012, foi na verdade a de dar o pontapé inicial em etapas práticas e ao seu alcance, como a licitação e a ordem de serviço, a fim de pressionar para que fases burocráticas sejam agilizadas. No que alguns consideram um exemplo de planejamento e gestão e outros um caso grave de empulhação.



No projeto original estavam previstos quatro elevados que agora se converteram em dois -  um para o cruzamento com a rua Tuiuti e outro para o encontro com a Arno Döhler. Em abril deste ano o secretário do estado João Carlos Ecker informou que o valor da duplicação é de 48 milhões e 22 milhões só para o elevado. Hoje é dia de celebrar o recape da Rua Tenente Antônio Joao e a duplicação mais cara e inútil já feita na Rua Dona Francisca entre a Rua Joao Colin e a Arno Waldemar Döhler.
Nem vou polemizar com o atraso da obra. Nem com os acidentes e as mortes que já ocorreram pela péssima sinalização. Nem o questionável que é gastar todo esse dinheiro numa obra que não era prioritária, que mais pareceu, na época, o desejo de algum ex-presidente da ACIJ para chegar mais rápido ao aeroporto. A única certeza hoje é que não sabemos quanto vai custar e quanto tempo ainda vai durar a obra. O que não deve surpreender, porque prazos e preços não tem sido o forte da gestão municipal desde faz décadas.



5 comentários:

  1. Isso é igual a secretaria de desenvolvimento economico (SIDE) que virou um local de promoção pessoal e que ao inves de incentivar a iniciativa privada estão é querendo criar o que não é necessário para se promover..

    Ha tempos que o secretario faz mais mkt pessoal do que busca alternativas.
    Estao fascinados com modelos de coworking mas esquecem que o foco da SIDE tbm é atrair medias e grandes empresas ao inves de querer evangelizar a cidade para trabalhos de home office.

    Incentivaram uma maquina de venda de guarda-chuvas que era óbvio que nao teria sucesso...

    E hj no jornal: "Outra invenção em fase de testes no grupo é o Tower Point, poste que reúne vários serviços além de iluminação pública e distribuição de energia. O equipamento, apresentado na Expoinovação, concentra aplicativos de wi-fi, estação para abastecimento de carros elétricos e dispositivo de emergência. A expectativa é incluir ainda mais utilidade no protótipo e, quem sabe, levá-lo às ruas de Joinville."


    QUANTOS CARROS ELÉTRICOS EXISTEM EM JOINVILLE??

    Uma secretaria de desenvolvimento economico não precisa necessáriamente ser uma secretaria de inovação..


    ResponderExcluir
  2. Apesar de toda a irresponsabilidade nesta e em outras obras, o povo ordeiro e pacato da vila germânica-paranaense optou por ficar mais 4 anos com o bando...

    ResponderExcluir
  3. E ninguém cala esse chororô. Chora o Cão Tarado, chora o Jordi e o BaçÔÔÔÔ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém cala esses comissionados anônimos tampouco. Kkkkkk

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem