segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Udo Dohler é seu empregado. Exija que faça melhor...















POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

O eleitor escolheu Udo Dohler. O voto é soberano, nada a dizer. É natural que os vencedores comemorem o resultado. Que os comissionados enviem recados para os desafetos. Que puxa-sacos espontâneos suspirem por cargos. Que integrantes da coligação queiram cobrar o preço do apoio. Faz parte do jogo. Mas é hora de olhar para a frente. Quando acabarem as comemorações, é bom o pessoal voltar ao trabalho com muito empenho, porque é preciso fazer mais e melhor.

Udo Dohler não é bobo. E sabe que a cidade de primeiro mundo apresentada na campanha é apenas falastronismo marqueteiro. Os eleitores também não são bobos. E sabem que os quatro anos da atual administração tiveram mais buracos do que queijo suíço (no sentido figurado e na realidade). Aliás, os 136 mil votos contra e alguns sustos durante a campanha são a evidência de que Joinville não é uma Shangri-la. O resultado das eleições constitui um aviso de que é preciso mudar a forma de governar.

Será que muda? É difícil. Udo Dohler traz como marca pessoal o fato de ser um autocrata pouco dado a frufrus democráticos. Além disso, o transcurso do primeiro mandato fez com que o prefeito fosse abalroado pela realpolitik, o que provocou uma mudança na rota original: a figura do gestor foi posta de lado e Udo Dohler tornou-se mais um político. E como tal passou a ter o olhar nas urnas. O oposto do que defendia em 2012. É o tipo de perfil que impede de fazer projetos para além de quatro anos.

O estilo autocrático de Udo Dohler contagiou outras instâncias de “poder” na administração pública. O autismo político levou à arrogância e ao distanciamento do povo. Fica a ideia de que os eleitores são meros figurantes no puzzle político. A sensação é a de que os ocupantes do prédio na Hermann Lepper imaginam ser donos de Joinville. Não são. De fato, são apenas empregados do cidadão. Udo Dohler é empregado dos joinvilenses. Os comissionados são empregados dos joinvilenses.

Nenhum empregador (o cidadão, repito) quer ser ignorado pelo seu empregado. É hora de exigir mais resultados e menos publicidade. Há muito por fazer. Tapar buracos, cuidar da saúde ou planear a cidade. E não é favor. É obrigaga﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽mples baba-ovos suspir Citora.e inteligente e humana iem recados para os seus desafeitos. Que simples baba-ovos suspirção. Não é hora apenas de deixar o Udo trabalhar, como ele pedia na campanha. É hora de exigir que ele trabalhe... e defenda o interesse comum. Ou seja, que defenda os interesses dos seus patrões, que são os mais de 300 mil eleitores que votam nas eleições.


É a dança da chuva.

30 comentários:

  1. Não sabes o que é um autocrata. Pior, não sabes o que é uma autocracia. Estás a confundir centralista com autocrata, que nada tem a ver com cesarismo ou poder arbitrário, até porque existe uma câmara cujos vereadores também foram eleitos pela população. Por outro lado, se o fato de um governante preferir centralizar os desígnios de seus secretários ou ministros faz dele um “autocrata”, dona Dilma Rousseff poderia ocupar o lugar de D. Maria “A Louca” ou Ranavalona I?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a Dilma fosse uma Ranavalona I o Brasil não estaria à mercê dos yankes.

      Excluir
    2. Ainda bem que estás aqui para ensinar, Anônimo. O que seria de mim sem pessoas assim tão disponíveis. Sou gratíssimo...

      Excluir
    3. “Se a Dilma fosse uma Ranavalona I o Brasil não estaria à mercê dos yankes.”

      Que bom se o Brasil estivesse à mercê dos yankes, em vez disso ele está submisso a grupelhos que representam alguma coisa que talvez esteja ligada ao marxismo ou a tirania fascista (nem eles sabem!). Mas a situação está mudando, essas eleições trataram de enterrar de uma vez por todas os discursos mentirosos da esquerda e os grupelhos perderam força. Que o Brasil volte-se para o exemplo norte-americano e passe a enterrar também essa “coisa” moribunda e desesperada que ultimamente vem usando adolescentes para invadir escolas e impedir alunos de estudar.

      Excluir
    4. Se gosta tanto dos USA vai pra lá. O Trump te espera. E quanto aos marxistas no poder, Temer, Renan e Rodrigo Maia, kakakakaka.

      Excluir
    5. Faço o mesmo convite para Cuba, Coreia do Norte, Venezuela...

      Prefiro Trump nos EUA a Maduro na Venezuela.

      Excluir
  2. Assino embaixo.

    Esse bordão da moda, o tal do “deixa Fulano trabalhar”, é falaciosamente retrógrado.

    Ora, quem não quer que o prefeito trabalhe? Com exceção dos oportunistas que almejam um dia sentar à sua cadeira, o que a população mais quer, sobretudo os críticos à gestão municipal, é justamente ver o prefeito trabalhar.

    Vamos sim torcer para que o prefeito eleito faça a melhor gestão possível. Vamos sim fazer a nossa parte trabalhando, zelando pelo espaço público, colaborando no trânsito e, principalmente, cobrando!

    Cobrando sim... Afinal, não é o eleitor quem deve ser culpado pela inércia do eleito.

    ResponderExcluir
  3. Não gosto do Udo, mas essa Frase do titulo chama atenção. Como ela tentasse inverter um sentimento de derrota, uma negação, uma tentativa de virar o jogo. Até pq o ódio do UDo é esse mesmo, ele representa o "Patrão". E a democracia para os que torciam contra ao UDo nos dava a oportunidade de despedir o "Patrão",de ir a desforra com ele, mas o que houve nos comportamos como ovelhinhas. Rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há sentimento de derrota.

      Excluir
    2. "Não há sentimento de derrota."

      Hum... Sentiu o golpe.

      Excluir
    3. Senti. Até fui a nocaute. Nem sei quando acordo...

      Excluir
  4. De 372.551 eleitores (100%), Udo obteve 171.217 (55,60% dos votos válidos). Agora, se somar os 136.702 de Darci (44,40% dos votos válidos) + 39.179 abstenções (10,52%) + 18.113 votos nulos (5,43%) + 7.340 votos brancos (2,20%) = 201.334 votos. Tem muita gente insatisfeita com a atual administração, muita gente pouco se lixando e outros tantos não se importando com quem ganha (mais do mesmo).

    ResponderExcluir
  5. Torcer, eu torço pra time de futebol. O negócio é exigir acertos e criticar os erros.

    ResponderExcluir
  6. Aposto que o Brasil votou em massa nos candidatos do PT, pra deixar bem claro o recado da população contra o "golpe"! Foi não? KKKKKK

    A esquerda agoniza!

    ResponderExcluir
  7. Duas coisas que aprendi nessa eleição:

    1) Voto de pobre só é bom se for para a Dilma ou para qualquer um da esquerda. Se o pobre votar nos partidos de direita é porque ele é "burro, miserável, fascista e tem que se f@&%#!" (Seguindo o pensamento dos militantes do PSOL – Partido Socialista do Leblon)

    2)Quem não se acha apto a votar porque é septuagenário também não é apto a receber voto.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lógica é essa? Achou em algum lugar ou veio da sua bunda mesmo?

      Excluir
  8. Quem votou nulo ou branco não pode reclamar. Se o eleitor não tem a capacidade de ler propostas e priorizá-las ele sonha com a tirania, como sonha partidecos como o PSOL, ou como sonhou o PT antes de assumir o poder: “ou somo nós, ou não é mais ninguém”! Todos sabem o final dessa história.

    Repito, quem votou nulo ou branco NÃO TEM O DIREITO MORAL DE RECLAMAR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na democracia de mentirinha, voto nulo infelizmente não ANULA a eleição.

      Excluir
    2. Independente de votar em alguém, em branco ou nulo, todos tem o direito de reclamar, sim! Afinal quem sustenta o sistema somos nós,com o suado dinheiro de nosso trabalho, pagando impostos. Anulei meu voto, mas vou continuar cobrando, criticando e elogiando quando for o caso. Não é meu voto que define se tenho DIREITO MORAL DE RECLAMAR OU NÃO, mas a parcela que pago de impostos em todo bem ou serviço que consumo. Ponto final.

      Excluir
    3. Voto nulo (ou em branco) é um voto como outro qualquer.

      O que ele significa é algo que quem vote deve saber. O que você diz sobre esse voto não é relevante.

      Excluir
  9. E prá começar a trabalhar nada como fazer a prestação de contas junto dos seus empregadores (o povo), num local público e de todos, como uma praça ou ginásio. E não na casa dos seus financiadores.

    ResponderExcluir
  10. E aí Baço ?
    Quando vai pintar algum texto justificando o desaparecimento da esquerda ?
    O PSOL fazendo 2 prefeituras em 5.500 municípios que há no Brasil e o PT acabando em décimo lugar e sendo varrido no ABCD paulista.
    O único que está bem é o PC do B que fazia parte da coligação do UDO.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem