terça-feira, 28 de agosto de 2012

Acabaram as virgens?

POR JORDI CASTAN

O José António Baço escreveu ontem sobre a casa grande e a senzala e, tendo tido acesso ao texto antes da publicação, afirmo que a sua referência a virgens, vestais e pureza era certa. Ele tem razão  em relação à virgindade, que é, em alguns setores, um valor em alta, talvez por ser escasso. Em política definitivamente a virgindade, a pureza ou a honestidade são pouco comuns. Há quem seja mais critico e considere estas virtudes como pertencentes à mitologia.

A notícia da cassação da candidatura do prefeito Carlito Merss pegou muita gente de surpresa. Independentemente de ser uma sentença em primeira instância - e que toda a equipe jurídica da coligação liderada pelo PT esteja empenhada em recorrer e provavelmente até vai conseguir reverter em instâncias superiores - ficou claro que já não há ninguém que possa presumir de possuir uma pureza e honestidade superior. Aliás, este complexo de superioridade moral do PT é um dos maiores mistérios da política brasileira, que se repete com a mesma intensidade aqui em Joinville.

No caso do PT tem havido uma forte movimentação nas redes sociais em que a honestidade do candidato Carlito Merss era colocada como um diferencial sobre os demais candidatos. A mensagem insinua que um dos candidatos é mais honesto e faz desta honestidade um dos motivos para votar nele. A sentença da juíza Hildemar Meneguzzi de Carvalho da 19ª Zona Eleitoral de Joinville colocou os candidatos no mesmo patamar e serve para lembrar que honestidade, tanto em política, como na vida diária não é um diferencial, como alguns insistem em propagandear e sim um pré-requisito.

Independentemente dos desdobramentos que esta sentença condenatória tenha durante os próximos dias, e com certeza terá, é um fato que não há mais virgens nesta eleição. O discurso de votar nas vestais caiu por terra e o PT hoje faz política da mesma forma que tanto criticou nos seus oponentes, no passado. Conforme a decisão de primeiro grau, o PT usa os recursos públicos para se manter no poder, concentra obras nos últimos meses do governo e governa priorizando o compadrio e a fidelidade canina e partidária, antes da competência e da inteligência.

O prefeito Carlito é o maior perdedor, porque com esta condenação, mesmo cabível de recurso, perdeu a imagem que ainda mantinha de ser um político honesto. A cassação mostra que não é verdadeira a imagem da senzala pobre mais honesta. Não há diferenças entre a casa grande e a senzala, uns e outros se misturam em promíscua cumplicidade. A cassação colocou Carlito no mesmo nível dos demais candidatos. O faz dele um mortal igual a todos. E a eleição ficou não só ainda mais difícil para a sua coligação, como também pior para todos. Igualando a todos na sujeira e na baixaria.


O tema da honestidade Não é novo neste espaço já foi objeto de outros posts como “Corrupção e honestidade”





33 comentários:

  1. Jordi, tem uma "virgem" ainda: Camasão!
    Galo

    ResponderExcluir
  2. Acho que não ,Jordi...antes que se esclareça
    o que realmente interpretou a juíza,não se pode
    falar em desonestidade.Só por curiosidade: Já tivestes
    algum dedo de prosa com o Carlito? E fora esse fato,que
    seja provável que não é culpa direta dele(se é que há culpa)
    qual outro fato que podes citar onde ele tenha sido desonesto?

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandro,

      Já tive, por telefone.
      Já escrevi aqui no Chuva Ácida que não poria a mão no fogo.

      Excluir
    2. Jordi, tenho duas mãos e ambas bastante úteis. Não as ponho no fogo por ninguém, portanto. Mas me parece que sua dedução está apressada: e se foi a juíza quem cometeu o engano, como afirma a coligação petista? E se a decisão dela for revogada em instância superior, como pretende o advogado do Carlito?

      Neste caso, a imagem pode ter ficado arranhada mas não a reputação de "candidato honesto". Enfim, se ele é ou não honesto, não me parece que será este episódio a comprovar uma coisa e outra.

      Excluir
    3. Clóvis,
      a sua logica é impecável e serve para TODOS os candidatos que ainda não tenham sido condenados em ultima instancia. Porque se a juíza tivesse cometido engano neste caso, a mesma possibilidade existiria para os outros candidatos que também estão recorrendo.

      A mesma ânsia febril de condenar outro candidato que se encontra na mesma situação,( é verdade que com um maior numero de processos) é a mesma que foi usada (intencionalmente) neste post.

      Ou todos são inocentes até que condenados em ultima instancia ou todos são culpados a partir da sua condenação ou cassação.

      Usar dois filtros diferentes não parece justo, verdade?

      Excluir
    4. Sim, concordo.

      É por isso, acho, que a lei da Ficha Limpa, no lugar de ser a panaceia que alguns esperavam dela, criou critérios relativamente rígidos do ponto de vista jurídico para de fato tornar inelegível alguma candidatura.

      Não sei se foi esta a intenção, mas me parece bastante razoável que a legislação não funcione no mesmo diapasão dos debates ideológicos e partidários.

      Excluir
  3. Caracolas! Ainda tem gente que vê o petista mais honesto que a juiza. Vão a M... Tentou vender uma virgindade que não existe. Isso
    é um radicalismo B-U-R-R-O.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É compreensivel. Quando você se acha acima do bem e do mal este tipo de logica faz muito sentido.
      E os petistas estão convencidos que são os novos cataros. Uma versão sambaquiana dos eleitos. Seres superiores e donos da verdade.

      Excluir
  4. E tem mais, acho que estão tentando jogar alguns candidatos na mesma vala suja do PT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu achas,é? Que coisa ,meu nêgo!!!

      Excluir
    2. Pois é o PSDB já ia entrar com pedido de Usucapião da vala ,agora vai ter que dividir o espaço.

      Excluir
    3. Ninguém fala do Hospital que era beneficiente sem ser !!! no comando de um candidato !!!
      Este processo é dele tb !!!

      Excluir
  5. Essas virgens da BMW vêm de série ou são opcionais, Jordi?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje só na versão "tunada"

      Excluir
    2. Estas virgens da BMW já não enganam ninguem. Todos sabemos que não são mais virgens.

      Excluir
  6. Concordo que se ficar provado que os gastos com publicidade foram idênticos aos dos anos anteriores não se poderá dizer que o Carlito perdeu o lacre, pois ele estará dentro da legalidade.

    Mas o que eu acho essencial nessa discussão toda está passando despercebido. Uns só querem dizer que ainda são virgens, e outros só querem dizer que todos são putas.

    Estamos perdendo uma boa oportunidade para questionar esses malditos gastos com publicidade. A Constituição Federal diz no parágrafo primeiro do art. 37 o seguinte:
    § 1º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

    Aí eu pergunto? De onde que essas propagandas do poder público tem cunho informativo, educativo ou de orientação social? Esse tipo de publicidade merchan que vemos constantemente vem de longa data, desde a "segunda era LHS" (vide o famoso caso da publicidade de 150 anos de Joinville na Revista Veja). Foi mantido pelo TEBA e agora pelo Chaplin. O foda é que o os juízes de segunda instância passam a mão na cabeça dos prefeitos, governadores e presidentes, dizendo que essa publicidade que põe aí na tv tem cunho informativo. Ora essa!

    Porra, todo ano cerca de 10 milhões de reais são torrados nessa publicidade que não informa, não educa e não orienta. Enquanto isso a saúde tá uma merda, a educação também e a infra-estrutura com estradas e saneamento idem. Depois choramos que não temos dinheiro pra desapropriações quando necessário!

    E outra, esse golpe da publicidade tá mais que manjado. Vide o mensalão (tucano-mineiro e petista-nacional). Dinheiro lavado nas agências de publicidade pra fazer, no mínimo, caixa 2. Os caras entram no governo e numa coincidência rara a empresa de publicidade que fazia a propaganda eleitoral deles ganha a licitação de publicidade do governo! PQP! QUE COINCIDÊNCIA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E mais uma: alguém foi perguntado nesta cidade, ou teve oportunidade de opinar, que ao invés da famigerada ampliação da Arena (do JEC), que vai chegar a 60 milhões, gostaríamos de ter os nossos impostos empregados na melhoria da mobilidade, ou da saúde? Não temos grana prá desapropriar, para os viadutos, para reforma de escolas, e temos pro futebol.

      Excluir
    2. Caro Seu José , se o Sr. perguntar o povo vai preferir o circo ... não o pão !!!

      Excluir
  7. Para aqueles que tem algum conhecimento com os portais da trasparência, ale a pena que vsitem os sites do Tribunal de Contas e façam uma exposição (sem maquiagem) sobre os gastos da PM com publicidade, tanto do ano passado (particularmente nos meses da greve dos servidores) e deste ano. Eu não tenho essa habilidade, mas com certeza esse tipo de avaliação nos ajudará muito.

    ResponderExcluir
  8. Particularmente, não gosto da comparação entre "honestos" com "virgens". Se honestidade é pré-requisito como diz o Jordi, a virgindade não é uma boa metáfora: virgindade é algo para se perder, não para se manter. Não é o caso da honestidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ponto para você.

      A quantidade de políticos que perderam a honestidade depois de eleitos me levou a comparar a honestidade com a virgindade. Neste caso virgem como sinônimo de pureza. Não no sentido literal da perda do hímen que mais cedo ou mais tarde acontece nas jovens. A pureza e a virgindade em politica deve ser vista com outros olhos e desde outra perspectiva.

      Mas concordo com você que a ruptura do hímen e a perda da honestidade são situações diferentes.

      Em politica poderíamos falar de uma abundancia do que se denomina hímen complacente.

      Excluir
    2. Glupp! (Excelente colocação)
      Galo

      Excluir
    3. Eu já escrevi uma vez que em vez de "perder a virgindade" deveria ser "ganhar a sexualidade".

      Excluir
  9. Acho um desperdício esse negócio de publicidade que a prefeitura faz. As pessoas nem lêem e sempre é feito com o melhor papel que há. Putz, faz com aquele papel que a igreja católica confecciona as folhinhas da missa, é bem mais barato. Sem contar o fato de que se dissolve mais rápido na natureza e não polui tanto. Ah, tem a coisa do super-faturamento né? Em tudo tem... pontes, pinguelas, escolas, asfalto, hospitais, publicidade... E tem o tal do negócio de "molhar a mão". E isso se dá em todas as gestões, sem exceção.
    Colorado

    ResponderExcluir
  10. Essa conversa toda de virgem,hímen,abundância tá me deixando
    excitado!!!!ahahahahaahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual a diferença entre corrupto e desonesto???
      Quer dizer que seu eu gastar acima do orçado para supermercado em minha casa eu sou desonesto?????????

      Excluir
    2. Não!Aí voce seria a espôsa!

      Excluir
    3. HAHAHAHAHAHAHHAHAAHHAHHAHHAHAHA nossa, excelente essa!

      Excluir
  11. Jogadinha política de merda. Já está comprovado a adequação dos gastos. Mas o objetivo da "notícia" já foi cumprido. Tucanada tá fazendo escola como oposição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Anônimo,

      não adianta só querer falar da equação empenho e liquidação dos valores.
      O Promotor foi bem direto , feriu a isonomia entre os candidatos !! mandar 130 mil folhetos , mesmo gastando pouco é usar a verba da prefeitura para promovção pessoal !!!!

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem