quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Falta menos de um ano

POR JORDI CASTAN


A cada dia fica mais fácil entender o sentimento que a sociedade joinvilense externa em conversas particulares, nas mesas de bar, em cartas a jornais, inclusive em comentários e posts nas redes sociais. E, cada vez mais, com menos inibição.
Quanto maiores as esperanças depositadas no mandatário, seja ele municipal, estadual ou nacional, maior o risco da frustração. Ao esperar demais, na maioria das vezes segue o desencanto. Não porque os eleitos façam pouco e sim porque esperamos demais. E por esperar demais entenda-se esperar que se cumpram as promessas feitas durante a campanha. Tendemos a acreditar que as ditas promesas são verdadeiras e que há vontade e capacidade real de cumpri-las.
As campanhas políticas contribuem para consolidar, ainda mais, esta imagem. As pesquisas buscam identificar quais são os sonhos, as esperanças e oferecem, de forma mais ou menos velada, a imagem de um candidato que, depois de eleito, atenderá os nossos desejos mais íntimos. Como resultado, não elegemos governantes, mas sim aspirantes a super-heróis ou candidatos a compor o nosso santoral.
Os marqueteiros políticos constróem a imagem dos candidatos como se fossem super-heróis, semideuses, seres míticos capazes de resolver todos os problemas reais ou imaginários de cidades como Joinville. Nem consideram estar oferecendo ao consumidor-eleitor uma fraude, alguém que não poderá atender as expectativas criadas e que o eleitor julgou reais. E não existe um Código de Defesa do Eleitor, que garanta a devolução ou a troca do produto defeituoso ou que não cumpra as especificações anunciadas.
Em outras palavras, quanto maior a esperança que colocamos em algo ou em alguém, maior será a nossa frustração, ao descobrirmos que era infundada, que não correspondia à realidade. O erro não está em ter esperança. O erro está em confundir o que desejamos e queremos com aquilo que é possível.
Seria inimaginável há poucos meses, mas a impressão que está se consolidando, neste momento, é de que Carlito Merss até não é um mau prefeito, que é uma pessoa bem intencionada tentando dar o melhor de si. A frustração reside em ter sido depositada nele e na atual administração uma esperança desproporcional à sua real capacidade de gestão e de execução.
Nada melhor que aprender como diferenciar o real do imaginário, o possível do impossível. Isto não garantirá a escolha de melhores prefeitos, mas evitará frustrações e desencantos. 

9 comentários:

  1. A esperança venceu o medo...e bateu com a cara na porta.
    A cada 4 anos uma parcela da população tem mais ou menos frustração. Depende de vários fatores, como o sistema político, inexperiência, roubalheira, despreparo, isolamento político, falta de vergonha na cara, etc.
    Ao longo de tantos anos, seria de esperar que os sucessivos grupos de frustrados se unissem e dessem um basta a isto, ou elegessem um candidato de consenso. Mas não é o que ocorre, pois os frustrados se acomodam e os espertos se perpetuam.
    Se não houver uma reforma política corajosa, com participação efetiva da população, este jogo não muda.

    ResponderExcluir
  2. Caro Jordi, concordo com o Seu Jorge (Jan 18, 2012 08:36 PM).
    "Experências frustradas", infelizmente, já passaram a ser consequência do sistema e não só desse ou daquele candidato. O sistema se corrompeu definitivamente. O famoso "espírito público", que sempre foi o uma espécie de limite dos interesses, legítimos ou não, que movem a política desde que o homem deixou de andar em árvores, tudo determinado pela ética (tão subjetiva quanto o tom de uma cor), definitivamente desapareceu. A frustração acaba se transformando em resignação, que, por sua vez, acaba virando uma espécie de conivência passiva. Assim, pegando carona na frase do Seu Jorge, aí de cima: Quanto mais os frustrados se acomodam, mais os espertos se perpetuam! As entidades representativas da sociedade (OAB, ABI, federações e confederações de empresas e sindicatos) que são as que efetivamente tem poder de pressão política (e fizeram diferença no período da transição dos governos militares para as diretas, e depois no impedimento do presidente Collor), simplesmente aderiram a essa ou aquela cor partidária e passaram a defender os seus interesses específicos, e não mais falar em nome do interesse comum que, afinal, representam, ou deveriam representar - acho que isso se deve mais à péssima qualidade das "novas" lideranças.
    Sei que, na atual conjuntura, estou, digamos, "viajando" na subjetividade, mas, aida acho que há tempo de levar a discussão, mais para o campo dos princípios e menos para o da ideologia.

    ResponderExcluir
  3. Desculpa, Seu José... não seu Jorge!!! Perdão pela mancada!!!

    ResponderExcluir
  4. Falta a população perguntar aos super heróis, COMO e não O QUE? eles vão fazer. Perguntando COMO vão fazer, eliminam pelo menos 50% das promessas fantasiosas. Outro fator importante é que se corte gastos desnecessários. Não estou a par das contas da prefeitura mas vejo que o Carlito, fez menos publicidade em relação aos governos anteriores.

    ResponderExcluir
  5. Vivo sem ter me decepcionado com nenhum dos eleitos para cargos executivos na última década, infelizmente administraram bem próximo da minha previsão, e por isso mesmo não havia votado neles.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Dirk,

    Há duas leituras muito ricas no seu comentário, a primeira é que você é um eleitor bem informado e que não se deixou engabelar pelo canto das sereias e que como Ulisses (ou Odisseu) colocou cera no ouvido para não escutar os belos cânticos dos embaucadores.

    A outra leitura é que faz tempo que os seus candidatos não vencem, por tanto você deve formar parte da minoria absoluta este perigoso grupo que insiste em pensar e em faze-lo de forma contumaz.

    Não desista. O Chuva Ácida foi feito pensando em eleitores como você.

    ResponderExcluir
  7. Jordi C pego de calças curtas!!

    "Não desista. O Chuva Ácida foi feito pensando em eleitores como você."

    Não foi você que que andou dizendo que seu partido era Joinville, blá blá blá, apartidarismo, etc etc etc???

    Afinal o Chuva Ácida foi criado para discutir a cidade ou "pensando em eleitores como você."???

    ResponderExcluir
  8. Meu caro Anonimo,

    O comentário faz referencia clara a os leitores/eleitores (bem informados) como o Dirk, quem sabe se tambem como você?.

    O Chuva Ácida não esta pensado para leitores que não acompanhem com interesse a politica local, o publico do blog até o momento esta respondendo a este perfil.

    Não há no comentário nenhuma referencia partidária.

    No da calça curta tem toda a razão, como esta de abafado uma bermuda é mais apropriada.

    O Chuva Ácida foi feito pensando em eleitores antenados, que pensem, que leiam, que busquem se informar e que questionem as respostas que recebem. Sejam eles do partido que sejam.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem