domingo, 22 de janeiro de 2012

Uma aula sobre masturbação feminina

ET BARTHES
Jennifer Alonso, Alexandra Char e Amalia Ortiz são estudantes de enfermaria da Universidad Rey JuanCarlos, na Espanha. E no final do ano passado decidiram, no âmbito do curso, fazer um vídeo sobre técnicas de masturbação feminina. É um trabalho acadêmico, portanto (elogiado pelos professores). Mas o fato é que, depois de terem postado o filme na internet, houve uma autêntica avalanche de pessoas a tentar ver as tais técnicas. Até agora foram mais de 640 mil visualizações. Para quem ainda tem dificuldades em encontrar certas partes da anatomia feminina, é uma forma de aprender coisas interessantes de forma simples. E para os moralistas, vale dizer que os grandes jornais da Espanha publicaram a notícia (com vídeo na versão online).




20 comentários:

  1. Homem pra que né?

    Joana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. todo mundo precisa de homen

      Excluir
  2. Tinha que ser na Espanha. A hora que no Brasil uma matéria destas puder ser vista como informação, e não como pornografia, poderemos dizer sim, somos uma Nação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Gilberto, dizer que um país se torna uma NAÇÃO quando a população consegue ver um filme desses como informação? Me poupe né! Eu diria que se torna uma NAÇÃO quando não há discriminação racial, sexual, religiosa e a mais relevante de todas: quando todos têm condições de sentar num banco de escola e seguir até a graduação universitária. Daí sim, podemos chamá-la de NAÇÃO, daí sim a tua colocação seria cabível.
      Joana

      Excluir
    2. Concordo Joana.

      Até porque, quem já foi para a Espanha ou mesmo quem se informa com mais afinco sobre o assunto, sabe que na Espanha o preconceito "corre solto", e, certamente, muitos espanhóis encaram este vídeo como "pornografia", na mesma monta que no Brasil.

      Balelinha.

      TW

      Excluir
  3. Gilberto

    Deve ser visto como informação, como parte da formação incluída na matéria "Educação sexual"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, o problema é convencer as religiões, seitas, Bolsonaros e afins disto.

      Excluir
  4. Ué...! Meu comentário sumiu! Alguém aí passou por ele? Estava aqui há uns 30 minutos atrás... assim não dá!
    O "filtro" tá brabo, né não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nico

      Não há filtro para os comentários assinados, que não sejam ofensivos, pode ficar bem tranquilo.

      O que há são erros operacionais do moderador. Mea Culpa.

      O comentário mencionado esta oportunamente postado.

      Excluir
  5. Muito instrutivo. Falar em instrutivo, acho que o Ministério da Educação poderia aproveitar esse tão, digamos, didático filminho e incluí-lo naquele "kit de orientação sexual" (lembram?) das nossas escolas públicas do primeiro grau.

    O diabo vai ser preparar os mestres para as perguntas dos alunos e das alunas - que, no fim, acabam sendo as maiores interessadas - que não entenderem muito bem o "barato". Uma saída seria, quem sabe, orientar os pais... as mães, no caso, a fazer a "demonstração" ao vivo, em casa, às curiosas "filhotas"...

    Realmente estamos ficando com falta de assunto!

    ResponderExcluir
  6. Apenas para esclarecer os que se sentem ofendidos com este vídeo. De fato, ele foi encontrado no jornal conservador El Mundo. Repetindo: jornal conservador...

    http://www.elmundo.es/multimedia/index.html?media=J9YqLMwZT5R

    ResponderExcluir
  7. Pelo perfil dos leitores deste blog, em regra providos de certa cultura, duvido que algum destes sinta-se ofendido.

    Já exitado... sei lá. Tem gosto(e maluco) pra tudo.

    TW

    ResponderExcluir
  8. Pela parte que me toca Baço (sem trocadilho, juro!), eu até que não fiquei ofendido, afinal, é só ligar a televisão no horário nobre que você vê coisa muito mais didática, de cabo a rabo (novamente sem trocadilho!). Eu até acho que, por uma questão de estética, a equipe da pesquisa poderia ter filmado uma bela duma atriz, ao vivo e a cores, pra demonstrar a "técnica". Ficaria mais realista e, convenhamos, mais agradável às, digamos, vistas!
    Eu fiquei é chocado, simplesmente porque, pelo menos na minha opinião, há uma linha muito tênue que separa esse tipo de informação e o mau gosto, puro e simples! A propósito, por curiosidade, será que a tal equipe espanhola pesquisou "técnicas de masturbação masculina"? Poderiam publicar também, afinal, o "problema" não se resume só ao gênero feminino, não é mesmo? Vai que tenham "descoberto" alguma novidade "masturbativa revolucionária"! Poderiam até concorrer ao Nobel de física... ou seria o de química?... ou, quem sabe, o de economia, que também faz sentido!
    Continuo com a minha opinião de que estamos "viajando na maionese"... a rigor, no caso, não propriamente na maionese, mas, vá lá!

    ResponderExcluir
  9. Joana e TW,
    achei que não precisaria explicar que usei um pouco de , digamos, "força de expressão" quando mencionei que só seriamos uma Nação por completo quando pudéssemos encarar o video como informação, e não de forma preconceituosa e distorcida. É óbvio que isto é somente uma parte do que precisamos trabalhar e transpor para a igualdade de direitos neste País.
    Quanto ao preconceito além mar, existe, todo mundo sabe, mas não chega nem aos pés do que se pratica por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai nesta Gilberto...

      Sabias que o povo brasileiro é reconhecidamente simpático e receptivo?

      Os efeitos de nossa miscigenação vão no sentido contrário a sua crença.

      Aposto que, por exemplo, se você passasse dois meses na Alemanha, em alguma cidade pequena ou mesmo média, mudarias RADICALMENTE de opinião.

      TW

      Excluir
    2. sem comentários, perdi o saco nesta discussão...

      Excluir
    3. Perdeu é? Acho que o vi lá na esquina, fedendo.
      (desculpe aí Gilberto, brincadeirinha)
      Colorado

      Excluir
  10. Esse troço excita. Será que sou anormal?
    Galo

    ResponderExcluir
  11. Estou admirado que foram estudantes de enfermagem. Aqui o Cofen/Coren iria proibir este tipo de coisa. Muito interessante se olharmos do ponto de vista didatico.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem