terça-feira, 15 de outubro de 2013

Udo e a oportunidade perdida


POR JORDI CASTAN

A eleição de Udo Dohler como prefeito de Joinville foi uma vitória prevista. Coincidiu com uma das mais desastrosas gestões municipais que esta cidade já teve, ainda que não seja preciso voltar muito no tempo para encontrar outra gestão tão desastrosa. A candidatura de Udo Dohler cresceu rapidamente, menos pelas suas virtudes e mais pela incompetência dos seus oponentes. Era o que poderia ser considerado a vitória do “menos pior”.

À medida que o tempo transcorre é mais evidente que Udo Dohler não tem sabido aproveitar a oportunidade que a conjuntura lhe proporcionou. A sua vitória o qualificava não apenas para fazer uma gestão correta do ponto de vista administrativo. A sua campanha explorou convenientemente a imagem de bom administrador, de empresário, de falta de experiência política e, portanto, de chegar à vida política livre dos vícios e mazelas que a sociedade tanto critica: aqueles que fazem da política uma profissão e uma atividade econômica. Também foi promovida, durante a campanha, a imagem de homem probo e a de homem rico, que poderia prescindir até do seu salário e não precisaria se corromper, caso fosse eleito. A mensagem foi recebida pela maioria do eleitorado que o elegeu.

O erro fatal do eleitorado foi acreditar que Udo Dohler representava uma mudança, que as coisas mudariam de forma suficientemente radical para dirigir Joinville à direção certa. As urnas mostraram repúdio pelas últimas administrações. Ele é, no melhor dos casos, uma espécie de oportunista. A pessoa errada no lugar certo e na hora certa. Udo nunca promoverá uma revolução, na sua definição mais pura. O máximo que aspira é que as coisas funcionem melhor, de forma mais rápida e sejam mais simples. Portanto, a lógica de fazer melhor as coisas passa longe de repensar o que deve ser feito e como deve ser feito. Um bom conselho seria o de lembrar que não há nada mais estúpido que fazer bem feito algo que não precisa ser feito.

Quem acompanhe a biografia do prefeito dificilmente encontrará nela traços do revolucionário. Ao contrário, sua intima relação com o poder econômico, do qual ele faz parte, o impede de liderar o processo de mudança social e política que Joinville precisa. A imagem de executivo competente precisará se sustentar em resultados concretos, sob risco de cair na mesmice. A imagem de homem probo esta agora vinculada, também, aos demais nomes que escolheu para formar sua equipe.

A imagem de político habilidoso esta hoje mais próxima do velho “toma lá dá cá” que é a velha forma de fazer política. A distribuição de cargos comissionados, privilegiando articulações e politicagem ante a competência e honestidade são a melhor prova que falta coragem e capacidade para fazer o que deve ser feito. Tinha o crédito e a confiança da população para agir, optou por não fazê-lo. Escolheu não promover as mudanças sociais e políticas que a cidade precisa e manter o equilíbrio do poder. Sem surpresas.

Se alguém acreditou, de verdade, que ele seria a pessoa que promoveria esta mudança e que o faria enfrentando os interesses dos seus financiadores de campanha - ou de seus companheiros de ACIJ - e que o faria contrariando os interesses da elite de que faz parte, então foi iludido. Udo é, no melhor dos casos, uma oportunidade perdida. Um bom gerente que administrara melhor. Para alguns isso já é muito. E não devemos criticar quem pense assim: depois de tantos descalabros, um pouco de mediania é o menos ruim para Joinville.

51 comentários:

  1. Joinville passou quatro anos numa completa inércia (2009-2012) e nunca li tantas reclamações sobre o administrador anterior. Suas críticas sobre a administração atual são precoces e mais parecem com ressentimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo bem-vindo de volta a terra. Ficou muito tempo em Marte? Como esta o clima por lá?

      Excluir
    2. Ao externar sua opinião o autor demonstra uma fragilidade pessoal que beira a sandice. O ressentimento é óbvio e aflora naturalmente nas entrelinhas do texto. Ainda não percebi motivo aparente para tamanha crítica. Mas quem sabe um analista bem conceituado possa ajudá-lo a refletir melhor sobre seus atos precoces e preconceituosos.

      Excluir
    3. Deixa eu pensar quem faria essa tal revolução... Che Guevara, imagino.

      Excluir
  2. Assim como muitos, eu também esperava tudo isso do prefeito Udo. Via em Kennedy uma opção mais ousada e moderna, mas...dizem que é um sonhador, né?
    A opção por Udo Dohler era sem dúvida mais segura e mais lógica para quem tem os pés no chão. O seu perfil de excelente administrador lhe conferiu a vitória, apesar das más companhias que o apoiavam.
    Infelizmente deu-se o que mais se temia. Udo Dohler capitulou às velhas e atrasadas forças políticas.
    Adotou os métodos e as atitudes das velhas raposas da politicagem, a maioria das quais enojam o cansado eleitor.
    Sua atividade mais constante e insistente são os posts no twitter, sempre com mensagens do tipo autoajuda. Ninguém mais acredita nisso. É na verdade um deboche ao cidadão que certamente prefere menos buracos nas ruas. Ao menos isso.
    O que definitivamente me fez perder a esperança em uma administração séria e administrativamente competente e bem intencionada foi a artimanha usada para promover um aumento disfarçado no IPTU, antes mesmo do início da discussão do tema.
    O corte do desconto à vista talvez não tenha atingido muitos contribuintes, mas revela inequivocamente a má intenção disfarçada, escamoteada e subterrânea.
    Esse tipo de expediente já foi adotado por outros prefeitos, mais conhecidos pela malandragem do que pela seriedade. Dario Berger, de Florianópolis é uma triste lembrança desse tipo de filosofia administrativa.
    Udo Dohler não poderia seguir pior exemplo. E com isso revelou-se definitivamente.
    É uma pena.
    Podemos deixar de sonhar. A filosofia do justo e do certo, que aqui chegou com a barca Colon, infelizmente não existe mais. O que temos hoje é apenas oportunismo. Barato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os expedientes da secretaria da fazendo nós podemos imputar aos Senhores Nelson Corona e Roberto Winter, dupla importada do governo Marco Antônio Tebaldi, aquele da licitação para o esq.. digo sistema da prefeitura...

      Excluir
    2. Kennedy ousado e moderno? E o anônimo é quem vem de Marte?

      Excluir
    3. Perfil de excelente administrador? Quando? Onde?

      Excluir
    4. Na propaganda eleitoral tudo pode

      Excluir
    5. hoje tem reunião do conselho da cidade ...alguem sabe me informar algo?

      Excluir
    6. Tem razão Sofia. Kennedy ousado e moderno pode ser um pouco exagerado. Mas para uma cidade onde elevados são considerados "coisas do mal" que "enfeiam" e "degradam" o ambiente urbano, é ousadia sim.
      Quanto aos expedientes e artimanhas subterrâneas da Secretaria de Finanças, não importa se foram herdadas do manhoso Tebaldi ou outro qualquer. O que se esperava do Sr. Udo, é que passasse a adotar procedimentos retilíneos. A marota garfada no desconto do IPTU demonstra que aderiu às péssimas práticas dos antecessores citados. E aderindo a elas, deixamos de contar com sua principal (ou pelo menos mais esperada) virtude.
      E quanto ao perfil de excelente administrador o Sr. Udo tem a seu favor a construção/manutenção de uma empresa têxtil de porte internacional, o que para mim não é coisa para qualquer um. E o Hospital Dona Helena, que continua sendo um belo exemplo. Sejamos críticos, mas também justos.

      Excluir
    7. Pois é Nelson, o que vejo neste blog são apenas críticas gratuitas ao Udo, ainda não vi alguém fazer uma análise justa.

      Excluir
  3. O Autor está descontente porque desta vez, não foi chamado a participar. Quando o foi, não mostrou nada de extraordinário. E depois, o que o povo quer é que tudo funcione bem, não revoluções inconsequentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O autor critica a ACIJ mas fez parte dela durante muito tempo. Trabalhou na Prefeitura também. Qual será a imagem que deixou durante passagem por essas duas instituições? Porque será que nunca mais voltou?

      Excluir
    2. Tipica atitude de um alvo de criticas e sua trupe de pau-mandado é tentar desqualificar quem o critica.

      Excluir
  4. Eu também fui um dos que, na impossibilidade de escolher o melhor, tive que me contentar no que achava o menos pior. E a esta altura do campeonato, honestamente, me pergunto se o menos pior não seria o próprio Carlito? Claro! Quatro anos de "cabeçadas" e bolas fora serviriam para um realinhamento e uma melhor definição de uma nova equipe de governo para mais 4 anos, com a casa mais em ordem, quem sabe.
    Mas passou, e devemos olhar para frente. E olhar para frente é quase a mesma coisa que pelo retrovisor no presente caso de Joinville. A prefeitura está parada, não há dinheiro para nada, as sub-prefeituras são presépios maiores e mais cheios de bichos que as antigas Secretarias Regionais. Os cargos comissionados que teriam critérios técnicos são de uma mediocridade de fazer inveja aos tempos do Teba.
    Não é o caso de incompetência agora, pois o pessoal que está aí é o que governa Joinville há 150 anos. Suas "crias" são os grandes empreiteiros e construtores que vão muito bem obrigado pelo Estado afora. A cidade está alinhada com o governo do Estado que está alinhado com o Federal.
    Não há desculpas para 10 meses de letargia, de greves do funcionalismo, de saúde e educação sucateada, de buracos nas ruas em maior quantidade e tamanho do que há 4 anos atrás.
    Faço uma mea culpa aqui: fui um dos que "detonaram" o governo petista e que não queria a sua continuidade. Mas tenho a absoluta certeza agora que o menos pior não foi o que levou a eleição passada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O maior problema do ponto de vista da "opinião pública" no governo Carlito, foi a prática de "molhar a mão" da mídia joinvilense. Certamente o articulista também ficou a míngua do dinheiro público. Em resumo crucificaram a melhor opção na eleiçoes passadas.

      Excluir
    2. Carlito molhou a mão?? Alguém não lia jornais da RBS...

      Excluir
    3. acho que faltou um "não" na hora da digitação do anônimo aí. NÃO "molhar a mão" no governo carlito foi notório e fatal.

      Excluir
  5. Não achei outro espaço para entrar em contato com vocês, gostaria de trocar alguns e-mails com os idealizadores, me responda em gilmardaluz@me.com
    Obrigado

    ResponderExcluir
  6. Não achei outro espaço para entrar em contato com vocês, gostaria de trocar alguns e-mails com os idealizadores, me responda em gilmardaluz@me.com
    Obrigado

    ResponderExcluir
  7. Caros amigos, gente medíocre é assim mesmo. Apenas criticam. Seja esse ou aquele governo. Porque então não toma atitude de homem e se candidata a prefeito para mudar a realidade que aí se apresenta? Agir como falastrão com postura de gente rasteira e pobre de espírito é fácil. Quero ver é fazer acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. comissionados mode on

      Excluir
    2. Se o articulista se canditar e por infelicidade vencer, eu me mudo de Joinville. E não é de duvidar, porque o eleitor joinvilense e muito ruim.
      A.C. Schneider.

      Excluir
    3. Incluindo você, imagino. Carlos Ficker.

      Excluir
    4. Concordo. O autor é sem noção mesmo, pois apenas critica, critica e não apresenta solução alguma. Ou está esperando que contratem seus serviços para abrir a boca e apresente sugestões para melhorar a cidade? Isso é postura de cidadão ou de mercenário? Gilmar A. Guedes

      Excluir
    5. esses que criticam o autor por criticar o governo atual são os meus que batiam palmas quando ele agredia o governo anterior. Bando de capachos.

      Excluir
  8. A vitória de Udo foi uma vitoria do coronelismo e do empresariado que precisava por no poder alguem que atendesse seus interesses.

    ResponderExcluir
  9. Estou bem satisfeita, obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESTOU NA PÁGINA 18 DO GOOGLE AINDA NÃO ENCONTREI QUEM PEDIU TUA OPINIÃO...

      Excluir
  10. Só o prazer de ler a frase abaixo já me fez ganhar o dia:

    - Um bom conselho seria o de lembrar que não há nada mais estúpido que fazer bem feito algo que não precisa ser feito."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. O que será que o autor tem contra o Udo? Isso já está ficando pessoal, chato e seus textos começam a entrar no descrédito. Coerência, pois o governo do estado e do país estão piores e não vejo manifestação alguma nesse sentido.

      Excluir
    3. Os burocratas voluntários desta cidade deveriam lembra-se todo dia da frase acima. Esta cidade seria bem melhor se isso acontecesse.

      Excluir
  11. Eu votei no Leonel Camasão porque vi nele a mudança. Esse Udo Amarrado Dohler nunca me enganou. Porque está fama de grande administrador? Onde?

    ResponderExcluir
  12. Até que enfim o Jordi fez um texto que tem algum comentário, estava ficando chato ler e não ter ninguém para discordar.

    NelsonJoi@bol.com.br

    ResponderExcluir
  13. E pensar que o Castan um dia fez parte do grupo que está hoje no poder? Decerto havia entrado na cota de alguém importante. Bem que ele poderia explicar este fato curioso para todos nós entendermos melhor a sua simbiótica com o poder atualmente constituído.

    ResponderExcluir
  14. Segunda feira, 24 de janeiro de 2000 te lembra alguma coisa seu Castan??? É incrível o que o tempo faz com a opnião das pessoas:
    http://www1.an.com.br/2000/jan/24/0loe.htm

    ResponderExcluir
  15. Pelo espírito de alguns comentários, falar mal do Udo pode, desde que não seja o Jordi. Mas não se abale não Jordi, o texto está bom e o Udo nunca passou de um blefe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo,

      Comentarios da patrulha dos comissionados que entram em sequencia, são parte do blog.

      Excluir
  16. Jordi , por favor, pergunte ao Oráculo de Delfos uma dúvida Por que nosso prefeito afirma que saúde é questão de Gestão bla,bla ,bla, ..!!!! O povo de Joinville já não agüenta mais essa musica de uma nota só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeca,
      Você sabe que as respostas do Oráculo, sempre eram sibilinas. Pode ser que por isso escapem a compreensão do nosso prefeito.
      Por outro lado em determinadas culturas se acredita que a repetição de um mantra até a saciedade ajuda a que as coisas aconteçam...pode ser que seja o caso.
      Para mim que o gestor maior afirme que o problema é de gestão e não de dinheiro, poderia ser considerado um atestado de incompetencia. Mas sabe como é...

      Excluir
  17. e a mudança? tUDO por água abaixo....

    ResponderExcluir
  18. Jordi Castan também veio de Marte, só que um pouco antes do Anônimo, a tempo de pegar o bonde das eleições municipais de 2012.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De Marte? Não, meu caro Dicesar K, da Espanha e ja faz quase três decadas.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem