quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Carta a alguns anônimos (e a alguns não anônimos também)

POR CLÓVIS GRUNER

No começo estranhei o silêncio. Em todo caso, ponderei: diante de tão flagrante expressão de discriminação e preconceito, até o mais clichê entre os anônimos (e alguns não anônimos também) deve ter-se rendido ante às evidências. Mas no emblemático terceiro dia, eles ressuscitaram. Surgidos de suas catacumbas e sem subir aos céus, logo começaram a pipocar os comentários ao meu texto e ao do Felipe sobre o episódio envolvendo o vice-presidente da ABRH/SC, Pedro Luiz Pereira, e sua infeliz declaração ao jornalista Claudio Loetz, de “A Notícia”.

Animados pela coragem dos primeiros, a tropa de choque anônima (e de alguns não anônimos também) não tardou, e à medida que ela avançava, descia o nível dos comentários. E como o anti-petismo agora é modinha, obviamente não faltou quem regurgitasse a ladainha de uma inexistente ameaça à liberdade de imprensa, num loop argumentativo que, sabe-se deus como e sem nem mesmo mencionar a nota que gerou a controvérsia, terminou no presidente do PT, o deputado Rui Falcão.

Escoimados os comentários anônimos (e alguns não anônimos também), sobrou pouco. Basicamente, a maioria acusou a mim e ao Felipe de responsabilizar fonte e jornalista por cumprirem seu papel, o de informar. Em outras palavras, o problema não está no meio ou na mensagem, mas em seu referente: as práticas discriminatórias levadas a cabo por empregadores e seus profissionais de RH. Nós poderíamos denunciar a “realidade” ou nos resignarmos a ela, tanto faz. Mas jamais acusarmos quem tratou apenas de “expressá-la”. Sobre isso, permitam-me esclarecer:

1-) Nossos textos não pretenderam negar a tal “realidade”. Aliás, pensei ter sido suficientemente claro sobre isso neste trecho: "Se já sabíamos que todos são iguais, mas uns são mais iguais que outros, a declaração de Pedro Luiz Pereira pinta em tons mais berrantes esta realidade. Não se trata (...) de convivermos com o fato de que algumas funções de destaque dentro dos organogramas empresariais sejam de acesso exclusivo aos homens brancos (e adultos); o vice-presidente da ABRH nos diz, com todas as letras, que dependendo do empregador a simples aspiração a um posto de trabalho, independente do cargo, é exclusiva de homens brancos e adultos.”

2-) Por outro lado, tanto o vice-presidente da ABRH como  o jornalista Claudio Loetz não estão isentos de responsabilidade no episódio. Não se assume uma função de importância na hierarquia de uma entidade que congrega profissionais de Recursos Humanos, para continuar a tratar naturalmente o que não é natural. Continuo a afirmar que Pedro Luiz Pereira tem a obrigação de questionar uma prática discriminatória ao invés de simplesmente constatá-la. O mesmo vale para Loetz: justamente porque o conheço e sei de sua competência e seriedade profissionais, me senti e me sinto muito à vontade para dizer de novo o que afirmei no texto original: um repórter precisa ser um bom inquiridor e, como tal, fazer falar sua fonte lá onde ela pretendeu, consciente ou inconscientemente, silenciar. Se o jornalista não faz isso, é direito do leitor cobrá-lo. Simples assim.

Fosse só isso, e a questão seria apenas de ordem cognitiva. Mas uma segunda linha de argumentação de alguns anônimos (e de alguns não anônimos também) insistiu que o problema não é a discriminação contra negros e mulheres – a tal “realidade”. O problema de verdade é que somos, eu e Felipe – alguns julgam que são todos os colaboradores do blog –, “politicamente corretos”. Não, eu não confundi as coisas nem você entendeu mal: para alguns anônimos (e alguns não anônimos também) o problema não são as políticas discriminatórias (sejam elas racistas, machistas, homofóbicas, geracionais, etc...) no interior das empresas e seus RHs; não é a constatação de que negros e mulheres são alijados do mercado de trabalho por sua condição étnica e de gênero; que apesar das sete mil vagas ociosas, alguns empregadores e seus profissionais de RH continuam a preterir negros e mulheres e a preferir homens brancos, independente do cargo e da função, da qualificação ou competência. Não, nada disso é um problema porque, segundo alguns anônimos (e alguns não anônimos também) nada disso realmente existe: é tudo coisa da patrulha “politicamente correta”.

O fato é que alguns desceram tão baixo em seus padrões éticos que o simples gesto de solidariedade e indignação – em alguns casos, menos que o mínimo necessário – com quem quer que seja – e especialmente se o objeto da solidariedade pertencer às chamadas “minorias” – é achincalhado em nome de alguma coisa tão vaga e ambivalente como o “politicamente incorreto”. Nesse caso, não se trata de um problema simplesmente cognitivo. Ele é ético e político. E é, sobretudo, um problema de caráter.  

40 comentários:

  1. Acho que o autor confundiu políticas discriminatórias com a livre expressão da imprensa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual autor? Eu (autor do texto), o vice-presidente da ABRH (autor do comentário) ou o jornalista (autor e responsável pela coluna)?

      Excluir
  2. Seguindo o raciocínio do Clóvis:

    O jornalista deve omitir uma informação ou alterá-la com eufemismos, transformando o “natural” desconfortável em algo inócuo ou abominável.

    Esse tipo de atitude vai de encontro com o objetivo da imprensa que é o de informar com o mínimo de interatividade, seja do inquiridor, seja do editor.

    Em tempo o significado de Politicamente Correto: “suposta política que consiste em tornar a linguagem neutra em termos de discriminação e evitar que possa ser ofensiva para certas pessoas ou grupos sociais, como a linguagem e o imaginário racista ou sexista.”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá pra acreditar que alguém tem coragem de comentar uma asneira dessa?

      Excluir
    2. Asneira foi a tua postagem “O racismo e o machismo inegáveis de cada dia” ao criticar uma notícia estampada numa tira de jornal, ao invés de investigar a raiz do problema.

      Excluir
    3. "O jornalista deve omitir uma informação ou alterá-la com eufemismos, transformando o “natural” desconfortável em algo inócuo ou abominável."

      Sério? Foi isso que você entendeu depois de dois textos? Cara, eu tenho pena de você.

      Excluir
  3. Para começar acho que o anonimato deveria ser utilizado para proteção contra uma possível perseguição, creio que o blog não tenha este objetivo de perseguir os anônimos. Grupos como o Anonimous se utilizaram desta prática e incentivaram muitos a utilizar máscaras e o anonimato para promover o caos e a baderna, principalmente nas manifestações de 20 de junho. Sendo quase uma manipulação de massa invisível. O que é ruim para o Brasil.
    Lembrando a constituição brasileira Art.5 - IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo VEDADO o anonimato;
    Sobre o artigo de Jornal que foi publicado, é extremamente preocupante ver um dos lideres das RH de SC, falar com naturalidade que a discriminação nas RHs e nas empresas existe e é aceita. Fazendo com que milhares de psicólogos rasguem seu diploma, pois estão fazendo o que a sociedade impõe em vez do que é certo, (semelhante a cura gay aprovada pela comissão dos direitos humanos do Feliciano).
    Se o vice-presidente da ABRH-SC acha isto normal, imagina o que se faz em diversas RHs aqui de Joinville.
    Esta semana fui abordado por duas pessoas a noite na frente do shopping Mueller, na diferença de 5 minutos, os dois pediam dinheiro, um trabalhador avulso mal vestido e de fora da cidade o outro se identificou como ex-presidiário. Os dois eram brancos, homens, de 25 a 35 anos, magros, pareciam aptos para o trabalho. Eu me pergunto o que uma RH ou uma empresa faria se estes 2 pedissem emprego lá. Eu duvido que eles seriam contratados.

    Quem acha a discriminação normal, precisa urgente de um choque de realidade... Em vez de reclamar do preço do PS4, vai reclamar do que realmente importa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “...falar com naturalidade que a discriminação nas RHs e nas empresas existe e é aceita.”
      Quem disse que ele falou com naturalidade?

      “...o vice-presidente da ABRH-SC acha isto normal,...”
      Que disse que ele acha isso normal?

      São interpretações suas sobre uma nota de jornal. O sujeito é o presidente da ABHR, não é um deus! É responsabilidade dele, como presidente, apresentar a realidade, mesmo que essa soe inconveniente aos ouvidos de alguns. Ele seria um boçal se fizesse o contrário.

      A mulher e o negro não devem se ofender com a declaração, sobretudo quando supostamente mostra-se verdadeira, mas se indignar com a realidade, não apenas dos RH’s, mas dos empregadores. E para que isso aconteça é necessário o debate, e para que haja um debate tem de haver uma fonte, é aí que entra a imprensa.

      Excluir
    2. Se o vice-presidente da ABRH-SC não pensa assim como eu falei, então é problema do texto. Quando ele pega um dado estatístico e mostra para o público algum objetivo ele tem, se é para fazer propaganda ou se é para chocar o público, pelo que entendi do texto, se tem o primeiro objetivo e não o segundo... quando se fala em 7mil vagas no título do texto, evidencia bem isto. Em nenhum momento do texto ele indica que está chocado ou incomodado com esta situação e o jornalista sequer questiona esta informação.
      Um dos principais jornais de Joinvillle fazendo uma reportagem rasa sobre este assunto é conivente com a realidade, portanto aceita o que é constatado. Permitindo notícias como esta, sem nenhuma retratação, perde-se a representatividade dos discriminados. Se tornando mais um meio das elites e (não é atoa que eles estão cobrando pelo acesso do portal de internet).
      Me incomoda ver pessoas acharem normal situações como esta e a visível manipulação de informações pela imprensa.

      Excluir
  4. No imaginário do Clóvis e do Felipe, o presidente da ABRH mostrou uma informação supostamente conhecida pela sociedade joinvilense sobre a predileção das empresas pelos homens brancos com idade de 25 a 35 anos, mas de modo irresponsável que, de alguma forma, pode ofender os negros, as mulheres, os mais jovens e os mais velhos.

    Pois bem, o mais surpreendente nessa história toda é que o Clóvis e o Felipe ainda não entenderam que o presidente da ABRH não cometeu nenhum ato falho, nem o jornalista um lapso. É óbvio que ambos sabiam o que estavam fazendo quando um deu a declaração e o outro se responsabilizou pela publicação: apresentar à sociedade uma realidade desconfortável, causar indignação, instigar a discussão e o debate sobre o preconceito.

    Estão vendo porque o Politicamente Correto é perigoso e pode cegar, sobretudo aqueles que se acham os donos da verdade e costumam subestimar a inteligência alheia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Falta amor no mundo, mas também falta interpretação de texto."

      Leonardo Sakamoto, falando desse tipo de comentário.

      Excluir
    2. Ok, Felipe, então “desenhe”, quero saber qual o seu problema com presidente da ABRH, o jornalista, o jornal, os excluídos. Vamos lá, tente enxugar tudo isso num único parágrafo.

      Excluir
    3. Calma Marcos, o Felipe é assim mesmo.

      Não é ele que tem que desenhar para nós. Somos nós que temos que desenhar nossos comentários para ele entender.

      A citação do Sakamoto aplicasse ao próprio citante.

      E olha que eu apoiei e apoio o pensamento do Felipe no último post.

      Mas é notório que ele é desprovido de alguma capacidade cognitiva. Isso é um fato.

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
    4. Marcos, respeito de verdade sua tentativa de permanecer de pé. Mas ela tem um problema: o que exatamente eu escrevi que o levou a acreditar que interpretei como um ato falho seja a declaração, seja o texto do jornalista? Toda a minha argumentação se sustenta justamente no contrário: o episódio é grave justamente porque eles sabiam o que estavam fazendo.

      Mas como eu disse, respeito sua tentativa de permanecer de pé. Pena que não deu certo.

      Excluir
    5. Então você concorda que a frase do presidente da ABRH sobre o "perfil ideal" deveria ser ao menos omitida.

      Excluir
    6. Omitida? Por que? Não, eu gostaria que o jornalista tivesse feito algo bem simples: perguntado "por que"? E que o vice-presidente da ABRH o respondesse.

      Entendeu agora ou vai continuar insistindo na sua interpretação esquizofrênica?

      Excluir
  5. Alto lá!
    Modinha não, "modona"!
    Nada que dure mais do que dois mandatos pode ser considerado "modinha".

    ResponderExcluir
  6. Só o fato de o Clóvis ter que publicar uma errata já me deixa contente. Fora o Jordi e as moças, o resto daqui não se salva mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Errata? Cara, tem certeza que você sabe o que significa uma errata?

      Excluir
  7. Já frequentei bastante o Blog. Mas aguentar a ignorância latente do Felipe tentando imitar o Baço e o Clóvis (ainda dá época em que este só comentava) me fez ficar afastado daqui. Pelo que vi hoje, Felipe está ainda pior. Tchau!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tchau, ja vai tarde!

      Excluir
    2. Xau carniça e não volte mais aqui para atrapalhar minha leitura.
      Chico

      Excluir
  8. Este Blog está se tornando o Blog do grossinho alucinado que fugiu da faculdade. Tá chato demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples: segue o exemplo do cara que batucou dois minutos antes de você. Tchau.

      Excluir
  9. A idiotice e a falta de interpretação de texto tem água e sombra fresca sob o anonimato. Se o Chuva Ácida impedir isso, a necessidade cartas abertas como essa do Clóvis tende a diminuir bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rubens, eu já defendi o direito aos anônimos de serem anônimos. Hoje, oscilo: às vezes mantenho minha posição original, mas há momentos em que me convenço que permitir o anonimato é acabar afugentando leitores realmente interessados em dialogar com o blog, que devem se sentir desconfortáveis com o baixo nível dos comentários, que não acrescentam absolutamente nada.

      Quer dizer, pra manter o privilégio de uma meia dúzia de ignorantes de não se expor, estamos a arriscar perder leitores que podem realmente ter um interesse em discutir, formar e confrontar opiniões, o que não é, obviamente, o caso da maioria dos anônimos (e de alguns não anônimos também).

      Excluir
    2. Também perdi o interesse de debater e discutir neste espaço. Com todo o Respeito ao meu amigo Jordi a quem prestigiei, esse pseudo blog já era.

      Excluir
    3. olha, eu sou leitor da bagaça. Eu nem sempre concordo com o Gruner e com o Felipe. Mas olha, tá um saco acompanhar os comentários francos dos anônimos. Eu defendo o anonimato, mas nesse contexto ele é usado para esconder a ignorância e ataques aos princípios fundamentais dos direitos humanos. Por isso, seria importante vetar a publicação no anonimato. Abraço. Maikon K

      Excluir
    4. É verdade. O Felipe mesmo é o mestre da ignorância, mas ao menos não esconde a cara.

      Excluir
  10. Opinião e interpretação são iguais a bunda: cada um tem a sua.
    Não fui convencido pela argumentação de vocês, assim como vocês não foram pela minha.
    A discussão se torna um saco quando alguém fica insistindo que a sua teoria é A fodona.
    Bora pro próximo assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo Diego.
      Ninguém é obrigado a concordar com o que os blogueiros escrevem. E vice versa.
      Chico

      Excluir
    2. Eu também concordo: ninguém tem de concordar com ninguém. Agora, não custa fazer um esforcinho pra pelo menos tentar entender o texto. Porque se eu escrevo "alhos" e o cara insiste em dizer que escrevi "bugalhos" - seja por dificuldade de entendimento ou simples má fé -, fica bem difícil travar qualquer tipo de discussão.

      Excluir
  11. Vocês não tem vergonha de colocar o nome de vocês nessa discussão ridícula não?
    E a comédia é que não deve ter um negro sequer no meio desse papo.
    Que bando de tanso, meu senhor. égua...
    Falem dos beagles agora...

    ResponderExcluir
  12. Penso que o que causou confusão nos textos do Clóvis e do Felipe, está relacionado a declaração do presidente da ABRH e a publicação desta pelo jornalista. Afinal, para esses autores, qual o causador da indignação: a verdade que está por trás da declaração da ABRH, simplesmente a declaração (porque, afinal de contas a verdade todos nós conhecemos) ou ambas?

    ResponderExcluir
  13. E eu que achei que este blog duraria até a próxima eleição...

    Melancólico este fim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mãe Diná, às vezes a gente erra uma previsão ou outra.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem