domingo, 20 de janeiro de 2013

Armar a população, desarmar a razão

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
A Fernanda Pompermaier nem bem estreou no Chuva Ácida e  já teve que enfrentar um debate-boca com alguns leitores, esta semana, por causa do texto do Jordi Castan sobre mortes por armas de fogo no Brasil. Não tinha intenção de entrar nessa discussão, que me provoca bocejos. Mas houve um tipo de comentário que chamou a atenção e, talvez, mereça dois dedinhos de prosa. Eis o que disseram alguns leitores:

- São europeus... ou metidos a europeus que precisam do ibope dos tupiniquins!
- É bem fácil, do conforto, ficar criticando! É fácil virar às costas para os problemas. É por isso que o mundo tá do jeito que tá!
- Por isso você se mandou do Brasil? hi hi hi, espertinha!


O que dizer a respeito? Ora, que  o argumentum ad hominem  (ir contra o interlocutor) é o mais perfeito retrato do terceiro-mundismo mental. Porque qualquer pessoa com dois dedinhos de testa faria uma coisa mais inteligente: aproveitar as informações sobre a Suécia, onde a Fernanda vive, para tentar entender melhor a questão. Mas que nada...


Há realidades que essas pessoas - as que defendem o armamento da população - não compreendem sobre as sociedades mais desenvolvidas. Não entendem porque seria preciso viver nelas. Eu, por exemplo, vivo em Lisboa, cidade considerada a capital mais segura da Europa. Qual é a diferença para o Brasil? É cultural e histórica. Para nós a ideia de usar uma arma para tirar a vida a outra pessoa não faz sentido.


Não quer dizer que não aconteça, claro. Mas a própria ideia de uma pessoa de bem ter uma arma provoca desconforto. Para um cidadão português, por exemplo, essa coisa de matar para roubar não se encaixa nas categorias mentais. Não quero entrar em discussões sociológicas (poderia fazê-lo, em outras circunstâncias) porque é difícil debater com quem nunca viveu uma realidade como a nossa. Isso encurta a visão.


E resumo a minha intervenção a uma constatação: se essas pessoas que defendem o armamento passassem pela experiência de viver em sociedades verdadeiramente avançadas, certamente deixariam de acreditar nas armas. Mas isso sou eu a dizer e vocês não tem que acreditar.

24 comentários:

  1. Em quanto para alguns uma vida tenha menos valor que um tênis ou um celular será difícil avançar nesta discussão.

    ResponderExcluir
  2. Muito simples armar a população quando se vive dentro de um condominio fechado ou numa cobertura com portões eletronicos, guardas na portaria e cameras de video, quero ver arma-los e sair nas ruas para discutir o certo do errado, o aqui ou ali, sem levar uma bala na cara, pois alguem achou que estava com a razão e foi desrespeitado, pois gostando ou não essa é a nossa realidade, de um povo que ainda resolve no grito, no poder ou na bala...quem acha que temos condição de ter guarda armada nas ruas é pq não a frequenta realmente.

    ResponderExcluir
  3. Essa conversa é igual sentar na mesa de Bar e discutir Política, Futebol e Religião !!! hehehe após umas 10 cervejas a conversa fica interessante...

    Baço , quem diz que a Suécia , Portugal - a Europa é mais "civilizada" que os EUA (onde porte é direito) ??? Será que o "direito" de possuir arma não é mais civilizado que "não ter direito" ? (EU, não sei).

    Quando vc ataca : "que o argumentum ad hominem (ir contra o interlocutor) é o mais perfeito retrato do terceiro-mundismo mental." Vc. se iguala ao argumentador... existem 2 verdades : a do argumentador e a do interlocutor , lembra ? Dialética ?

    um abraço

    du grego

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quando vc ataca : "que o argumentum ad hominem (ir contra o interlocutor) é o mais perfeito retrato do terceiro-mundismo mental." Vc. se iguala ao argumentador..."

      Concordo du grego. Aliás, o Baço faz sempre isto.

      Excluir
  4. Não entendi muito bem, meu caro Du Grego, mas vamos lá.
    1. Quem diz que a Suécia e Portugal são mais civilizados que os EUA? Pergunta para o Obama. Ele é que anda, neste exato momento, num movimento para suprimir as armas. Ah... e não vamos esquecer que um país rico, como os EUA, não é necessariamente o mais civilizado. Civilização é uma coisa, riqueza econômica é outra. Ah... e lá na terra do Tio Sam a segunda emenda é de 1789, do tempo da garrucha.
    2. O argumentum ad hominem não pode ser considerado válido porque não discute o argumento, discute o emissor. É uma clara tergiversação. Sem querer ser demasiadamente habermasiano, diria que vale o argumento e não o emissor do argumento.
    3. Dialética? A dialética é exatamente o que me dá garantias. Porque a um argumento (tese) a gente opõe outro argumento (antítese) e daí tem o resultado (síntese). Neste caso, faltando a antítese não há processo dialético.
    4. Mas conforme eu disse na última linha, "isso sou eu a dizer e vocês não tem que acreditar".
    Mais alguma coisa que possa fazer por ti, meu caro Du Grego?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Baço,
      como disse no meu comentário "não sei" o que é melhor ! foi a minha síntese.

      antiguidade não quer dizer avanços (no caso Europa) e economia avançada também não quer dizer civilização igualmente avançada - concordo com você.

      vc tem razão em sua antítese , a minha foi em relação ao seu comentário sobre retrato de pensamento terceiro-mundista.

      Ser contra não quer dizer "pensamento terceiro-mundista" e ser a favor não quer dizer "pensamento avançado Europeu baseado em sua civilização milenar".

      viste que a legislação de Obama só quer acabar com a proliferação do "Fuzil de Assalto" (AR-15, M-16) o resto pode! ou seja não é desarmamento.


      um abraço
      Du Grego.

      Excluir
    2. Salve, Du Grego. Vamos lá.
      1. Quando eu falo em terceiro-mundismo mental não estou a fazer referências geográficas. Para mim, terceiro mundo não é um lugar, mas uma forma de pensar.
      2. Sobre Obama, o que ele pretende é realmente acabar com armas de assalto. O que, para uma nação como os Estados Unidos, já é um avanço. Aliás, Obama está apenas a tentar restaurar o que Bill Clinton fez valer no seu governo e que Bush negligenciou. Se Obama conseguir impor essa lei e se o seu sucessor for um democrata, talvez possa haver um segundo passo.
      Abraços.

      Excluir
  5. O que fazer quando um Português jogar uma granada em você?

    Puxe o pino e jogue de volta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eheheh, eles fazem a mesma piada sobre nós!

      Excluir
    2. Não fazem não.

      Excluir
  6. Li o texto do Jordi e os comentários que por sinal, não havia um que fosse a favor do armamento.
    A questão ali era outra.

    ResponderExcluir
  7. nossa, quanta comparação sem nexo ! Brasil não é Suécia, portugal(europa), EUA e muito menos Argentina(onde ao menos eles fazem panelaço nas ruas enquanto nós pensamos apenas em carnaval e futebol).

    Brasil é 3° mundo! Subdesenvolvido e SubAdministrado!

    Isso vem desde a descoberta das terras tupiniquins(ou compra das cartas de navegação espanholas) Que portugal fez.

    BAÇO,Por falar em portugal, sabe porque ae é calmo? porque mandaram os bandidos pra cá em 1500!

    Hoje aqui em terras tupiniquins o cidadão de bem não tem direito à defesa,educação,saúde e segurança!

    De que adianta desarmar o cidadão de bem, se no RJ temos hospital de treinamento de guerra que atende civís.!!!

    De que adianta pagar 2000,00 por uma arma registrada se não se pode comprar munição e ir num stand de tiro pra treinar? A lei BRASILEIRA nos induz à ilegalidade! E Nessa ilegalidade é mais fácil comprar arma e munição ilegal, e é ae que está o problema do armamento: pessoas despreparadas compram armas pensando que vão ficar blindadas e que podem reagir à assaltos, outra minoria pensa que virará super-herói.

    Só pra finalizar, de que adianta ter referendo e ações "globais" (da GLOBO TV) querendo desarmar o cidadão de bem se os bandidos podem ter armas de qualquer calibre? Mais ainda, com toda essa "lei" e buRRocracia o Brasil ainda ocupa a 2ª posição no ranking de mortes por armas de fogo. (armas ilegais e chuto a expressiva quantidade de 99% das armas de crime estarem nas mãos de bandidos que não são punidos pela lei)

    Então por favor, não comparem países desenvolvidos com essa porcaria de terras tupiniquins chamada de braZil! da cultura entrangeira que ainda temos aqui são apenas a música e gastronomia dos velhos camponeses refugiados de guerra que se perderam no brasil. De resto a raíz de nossa cultura vem dos bandidos que escreveram a constituição e que a legislam até hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, Marcos.
      Você parece ser um adepto de apagar fogo com gasolina. Eu respeito a posição, mas não sou capaz de concordar com ela. Abraços.

      Excluir
    2. Caro Baço, não sou "incendiário" como pensas, mas hoje com 41 anos já estou chegando no meu limite de tolerância.
      Penso muito no futuro dos meus filhotes e não tenho boas vistas para o braZil de 2020. Isso aqui vai virar terra de ninguém e quem vai pagar o total da conta somos nós trabalhadores que todos os dias fazemos algo para contribuir com o desenvolvimento dessa porcaria de nação chamada braZil...

      De + à + ; Situações extremas, exigem medidas extremas.

      Excluir
  8. @BAÇO disse: ...E resumo a minha intervenção a uma constatação: se essas pessoas que defendem o armamento passassem pela experiência de viver em sociedades verdadeiramente avançadas, certamente deixariam de acreditar nas armas. Mas isso sou eu a dizer e vocês não tem que acreditar....

    Eu resumirei meu pensamento para você:
    - À partir do dia que você e esposa voltarem cansados do dia de trabalho para casa e verem a casa arrombada e furtada, saberem quem é o ladrão mas a porcaria da constituição federal amparar o vendedor de crack porque o crime foi um "delito sem agravantes" e ninguém vai investigar à fundo porque a lei ampara o bandido brasileiro de todas as maneiras, Ae sim amigo, você pensará 2X o quão (não) vale a pena ser um contribuinte sem direito à defesa em terras tupiniquins!

    ResponderExcluir
  9. Para o povão não adianta as informações que a Fernanda possa trazer. Tem que passar para o governo, que é do PT. E mais, fica uma coisa de gente exibida, oi oi oi eu moro na Europa, mas de olho em Joinville! E até parece que vivem tão bem assim. Como se a gente não tivesse amigos que moram lá fora (com e sem doutorado) que ralam (para não dizer se f0d#m) muito mais que aqui na terra. E para falar a verdade, relatos por relatos é só procurar na net e digasse de passagem, com muito mais profundidade.

    ResponderExcluir
  10. Para mim, você continua uma tapada hahaha.

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o Baço.

    "se essas pessoas que defendem o armamento passassem pela experiência de viver em sociedades verdadeiramente avançadas, certamente deixariam de acreditar nas armas."

    Mas como vivo no Brasil, tenho um 38, obviamente legalizado.

    ResponderExcluir
  12. Quando trabalhava no jornalismo diário em Joinville, ouvi um policial dizer mais ou menos isso: "O cara tem uma arma em casa e pensa que está seguro. Mas na hora do perigo o ladrão mija no cano do revólver e ainda dar uns bofetes no coitado. Não basta ter uma arma, tem que estar preparado para usar".

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem