terça-feira, 19 de junho de 2012

Uma breve discussão sobre pesquisas eleitorais

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

Na última semana presenciamos um fato muito curioso, e raro de se ver. O mesmo instituto de pesquisa fez duas abordagens, em um período curto de tempo, com resultados totalmente diferentes. Clarikennedy Nunes até se vangloriava de sua liderança, quando, dias após, a outra pesquisa colocava-o como terceiro colocado em alguns cenários, com 12 pontos percentuais a menos. Li no Facebook várias especulações sobre pesquisas eleitorais, inclusive colocando em xeque a veracidade de tais resultados. Como Cientista Social, com alguma experiência neste ramo de pesquisas, e autorizado a assinar pesquisas eleitorais devido a minha formação, creio ser pertinente debatermos algumas breves questões sobre este tema aqui no Chuva.



Como explicar uma diferença tão grande nos resultados, em tão pouco tempo? Não tive acesso à pesquisa completa registrada no TRE (com demonstrativos de metodologia, etc), mas isso ocorre geralmente por três fatores: 1) a ocorrência de algum fato político definidor do comportamento dos eleitores neste intervalo entre uma pesquisa e outra (não foi este o caso), 2) uso de metodologias diferentes de abordagem (presencial ou não-presencial, nível de confiança e margem de erro distintos, ou a escolha de lugares diferentes para abordagens) e 3) a equipe de campo não foi corretamente supervisionada, a ponto de haver alguma alteração dos dados sem a checagem do supervisor de campo, o qual orienta os pesquisadores (considerando a experiência do IBOPE, creio que também não foi este o caso).

Pode ocorrer que um candidato tenha mais inserção em bairros onde a pesquisa teve uma maior proporcionalidade em relação à outra. Por exemplo, se 5% de toda a amostra de uma das pesquisas foi realizada no Bairro Itaum, onde o candidato X tem um grande eleitorado, e na outra pesquisa, apenas 1% foi realizado no Itaum, a diferença irá aparecer no final. E dentro do Itaum podem haver pontos diferentes de abordagens dos pesquisadores (na frente de uma igreja evangélica ou da associação de moradores) o que influencia na hora de responder às perguntas. Há ainda outros itens menores que também influenciam, como roupa dos pesquisadores, dias da semana, e o não cumprimento da aleatoriedade na abordagem, focando apenas em um "perfil" de transeuntes.



Por mais demonstrações que o Instituto tenha dado, soou muito estranho. Entretanto, ainda acredito numa abordagem séria e profissional dos pesquisadores e de quem tabulou todos estes dados. O Instituto não deveria, ao meu ver, abordar com duas metodologias tão distintas num período tão curto (a vontade do cliente sempre é atendida, infelizmente). Mas que foi extremamente engraçado ver os apoiadores de Clarikennedy se mobilizarem nas redes sociais para tentar explicar esta diferença... ahhh, isso foi! Por isto que, em eleições, ficam sempre as dicas: não se deve contar com o ovo na galinha e nem com a farofa da cuca.

12 comentários:

  1. Explicado! A pesquisa do Kennedy foi feita em final de culto! :)

    Segue o link da pesquisa:
    http://pesqele.tse.jus.br/pesqele/publico/pesquisa/Pesquisa/visualizacaoPublica.action?id=977

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abre o segundo pdf... Setor 0021, Rua Fernando de Noronha, onde fica o escritório do Clari. Devem ter entrevistado todo mundo ali! HAHAHAHAHA!

      Excluir
    2. Sim, o interessante é que essa pesquisa tem 406 entrevistados e a outra pesquisa, da RBS, tem 602.

      Excluir
  2. Perdeu a oportunidade de fazer uma reflexão fora do senso comum, considerando ser um cientista social. Mas o fato esta ai, colocando em xeque a autenticidade do feito.

    ResponderExcluir
  3. Grande pesquisador você é. Não teve acesso a metodologia da pesquisa ou não quis ter? Está lá para qualquer (leigo) ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu curti! HAHAHA

      Excluir
    2. se fosse contra o TEBA o Charles tinha lido 10x a metodologia !!! rsrsrsrsr

      Curti tb !!!

      Excluir
  4. Na segunda imagem do post, aquela imagem a qual o Kennedy reclama da pesquisa, tem dois comentarios no segundo comentario, Johnny Santos cobra da pesquisa um cenário sem a presença do Tebaldi, mas se olhar a pesquisa direitinho vai ver que há sim este cenário. Você diz ai q o cenário 3 nao tem a presença do Kennedy. É exatamente este cenário 3 q nao tem o Tebaldi. E veja q nele sem o Tebaldi, Kennedy atingi 23%, Carlito 14% e Udo 13%. É no cenário 2 sem o Kennedy q o Tebaldi atingi 31%

    ResponderExcluir
  5. Continuo achando que Carlitinho leva no 1º turno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continua sonhando...

      Excluir
    2. sabe o que é ironia?

      Excluir
  6. Fala serio... Pesquisa comprada alguém tem duvida?
    Digo mais as pesquisas só vão valer próximo a eleição, por que ai ninguém vai se vender para não perder a credibilidade!!!!

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem