sexta-feira, 28 de junho de 2013

Homenagem aos lutadores


POR FELIPE SILVEIRA

O momento é de análise, né? Fora as astrológicas, confusas e apressadas dos primeiros dias, pipocaram na internet, nos últimos dias, algumas mais densas. Eu, particularmente, recomendo a do meu mestre Samuel Lima (foi meu professor de Jornalismo no Bom Jesus/Ielusc antes de ir para a Universidade de Brasília - UnB), publicada no Observatório da Imprensa (aqui), e a da socióloga Marilena Chauí, que dispensa apresentações (aqui). Então, aproveitando o momento, vou fazer a minha também (leiam os deles depois de ler e comentar o meu, por favor).

Sem ser tão denso e um pouco mais personalista, quero antes destacar e parabenizar meus amigos do Movimento Passe Livre (MPL) e de esquerda em geral. Não exatamente por colocar cinco mil pessoas na rua para lutar pelo direito ao transporte coletivo. Quero parabenizar pela luta de quase dez anos aqui em Joinville. Pelas reuniões com apenas três pessoas. Por não terem “arregado” depois de ser preso e de perder emprego por causa da luta. Por terem sido expostos de maneira violenta na TV por apresentadores retardados. Por terem familiares perseguidos por capangas de vocês sabem quem.

Foram muitos os sacrifícios dessa galera e aqui citei só alguns exemplos. Porém, durante a semana pensei muito nisso. Queria encontrar os amigos para dizer isso, dizer que o sacrifício deles foi muito importante para o que está acontecendo e para o que vai acontecer. Quem ler isso aqui vai saber se é pra si ou não. Destaquei o papel desses caras no começo do texto porque também faz parte da análise.

Apesar de comemorar os resultados até aqui, essa luta está apenas começando. O tema passou a fazer parte da pauta, para a população e para o governo. E falta a mídia fazer a sua parte também. Acredito, no entanto, que o movimento em prol do direito de ir e vir e contra a exploração do transporte público sai muito fortalecido.

Não acredito que o movimento anti-corrupção e outros do tipo saiam da mesma forma dessa luta. Eles pegaram carona e vão descer no primeiro ponto. Até porque a corrupção não é algo que tenha exatamente uma solução. A pauta anti-corrupção, em si, não existe. Algumas medidas podem atenuar, mas o buraco é bem mais embaixo.

Já o movimento em prol do transporte verdadeiramente público, gratuito e de qualidade depende de ações e de coragem. E eu volto aqui a destacar a coragem de todos que estão nessa luta há anos, principalmente aqueles que fizeram e fazem grandes e pequenos sacrifícios por isso. Esse post é apenas uma homenagem pra vocês e um desejo de boa luta na que vem pela frente.

14 comentários:

  1. Parei no Marilena Chauí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parei de ler teu comentário no "Parei no".

      Excluir
    2. Ne li teu comentário quando vi "Anônimo".

      Excluir
    3. Engraçado. O cara parou onde eu comecei...

      Excluir
  2. “a classe média é uma abominação política, porque é fascista, é uma abominação ética porque é violenta, e é uma abominação cognitiva porque é ignorante." Marilena Chauí

    acho que esse anônimo 14:29 faz parte desta turma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. melhor fazer parte dessa turma do que ter a chauí como guru. marilena chauí é muito para mim, adeus chuva ácida, boa sorte na vida...

      Excluir
    2. A Marilena Chauí faz farte da Classe “D”.
      Essa mulher é a personificação da demagogia, a esquerda adora suas “frases de efeito”.

      Excluir
    3. Ela destesta a classe média que paga o salário dela na USP. E não é pouco.

      Excluir
  3. Sr. Anônimo, o SR. deveria ter parado na saída da vagina de sua mãe!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ou melhor: deveria ter parada na brochada do pai dele.

      maikon k

      Excluir
  4. Parabéns Felipe. A homenagem é justa mesmo. Agora falta abrir a caixa preta do transporte público (da G./T.) de Joinville e ver quanto o passarinho verde relata das histórias de amor de um certo senador da república com as empresas concessionárias. Aí sim vamos falar de corrupção: da iniciativa privada comprando políticos, a peso de ouro, o verdadeiro mensalão joinvilense. Alexandre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre,

      A história de amor entre os donos das "permissionárias" e o dito senador é facilmente explicada: MAÇONARIA.

      Tanto ele quanto os donos fazem parte da mesma loja!

      Inclusive, há relatos que o citado já é grau 33 dentro da "organização"

      Vocês sabiam que o nosso vice presidente da reoública também é?!

      Aliás, o PMDB deveria se chamar Partido Maçom Do Brasil...

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
  5. Pessoal aqui é meio ruim de argumento heim, já parte pra baixaria. Melhor nem tentar.

    ResponderExcluir
  6. Enquanto a classe média proletária da Marilena Chauí se manifesta...

    http://extra.globo.com/noticias/rio/fabrica-de-sao-goncalo-ja-produz-cerca-de-800-mascaras-por-dia-para-manifestacoes-8744832.html

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem