terça-feira, 10 de maio de 2016

O Brasil vira chacota. Pior não fica, Tiririca?

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Não foi uma, não foram duas e nem foram três pessoas. Os episódios de ontem – Maranhão assina, Dilma fica, Maranhão desassina, Dilma sai - fizeram com que muitíssima gente fosse às redes sociais expressar estupefação por esse autêntico bordel jurídico-político que dá pelo nome de Congresso Nacional. Mas para muitas dessas pessoas o pano de fundo era uma preocupação: como o mundo está a olhar para o Brasil? A coisa foi transversal e bateu em todos os lados.

O pior de tudo, no entanto, é que os acontecimentos pasmaram mesmo pessoas ligadas ao campo jurídico. Dá muito o que pensar. Nem é preciso ir longe. O advogado joinvilense Laércio Doalcei Henning, por exemplo, fez uma ironia: “vai explicar algo assim para algum gringo!”. O ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, também entrou na onda, no Twitter, e escreveu que o Brasil está a virar motivo de chacota no exterior: “sabe o que o mundo inteiro deve estar achando sobre nós? A laughing stock (chacota)...”, escreveu.

O analista pode ser testemunha? Pode. Por viver em Portugal (ao ladinho da Europa), posso acompanhar a imprensa mundial mais de perto. E respondo. Sim… o Brasil virou motivo de piada no exterior. O mundo sabe que o impeachment é um golpe descarado contra a democracia. Mesmo assim vinha mantendo alguma simpatia pelo país. O mundo aprendeu a gostar do Brasil - e a respeitá-lo - durante os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (mesmo que uns não gostem).

Mas pegou mal. O processo de impeachment torpedeou a imagem dos integrantes dos três poderes. O desrespeito pela democracia tornou-se indisfarçável. Mas a machadada final foi aquele espetáculo burlesco na votação do processo de impeachment. O mundo viu um circo. E riu a bandeiras despregadas. As cenas grotescas na Câmara dos Deputados - as declarações de voto -  fizeram rir mais que os programas humorísticos. Ainda hoje há gente a fazer piada.

Nenhuma pessoa minimamente habituada à democracia consegue entender. É tudo muito bizarro. O nível dos atos é surreal. O Brasil virou uma terra de ninguém, onde tudo importa menos o próprio Brasil. Dane-se o país. Os atores dessa tragicomédia golpista estão preocupados apenas em se dar bem. Não se trata de ideologia, apenas fisiologismo. A única lei em vigor é a Lei de Gerson, pela qual o importante é levar vantagem em tudo. E a nanocracia (governo de anões) a se instalar.

O mundo ri do Brasil? Sim. Mas fazer o quê? Há razões. E para que não seja apenas eu a dizer, eis o que diz o jornalista Ferreira Fernandes, do português Diário de Notícias, num texto publicado hoje: “Juntem o desmoronar da política brasileira com esta nossa traiçoeira língua portuguesa e temos a manchete do jornal O Globo, ao longo do dia de ontem: "Renan vai rejeitar a decisão de anular votação do impeachment na Câmara"... Perdão?! Digam lá outra vez...”.

Não entendeu, Ferreira Fernandes? É que a própria língua portuguesa mostra sinais de exaustão quando é preciso explicar a situação. Porque o que se vive é o indizível. Resta-nos, pois, rir. Porque o circo está montado. Pior não fica? Tiririca errou.

É a dança da chuva.




17 comentários:

  1. Pela enésima vez o processo de impedimento é LEGAL (mesmo que uns não gostem!). A presidente da república praticou atos fiscais ilícitos que poderiam até serem ignorados se o país estivesse passando por um momento normal nas contas públicas, mas com os atos ilícitos que mascararam um rombo de mais de 80 bilhões em 2015, isto seria impossível.

    O espetáculo burlesco representa o povo brasileiro. Nenhum político ali na câmara emergiu do inferno, os brasileiros votaram em todos e os colocaram lá, assim como votaram em Lula e em Dilma. “Golpe” só existe em duas situações: um agente estranho à democracia (uma junta militar rebelde, por exemplo) ou um alto-golpe como deram Napoleão Bonaparte séc. XIX, Hitler em 1933 ou Fugimori em 1992. Na democracia, o Poder Judiciário não tem mecanismos para promover um golpe, e, como acusar o Legislativo (A CASA DO POVO, que defende os interesses da população) de promover um golpe contra o presidente do executivo? Mesmo que houvesse dissonância entre os deputados/senadores com os interesses da população (e não há!), como acusar a maioria dos legisladores (3/4 dos deputados e, aparentemente, 3/4 dos senadores), formados por 28 partidos com representantes nas casas, de orquestrar um “golpe”?

    É muita desonestidade intelectual.

    A mídia internacional não é muito diferente da brasileira. Ela sabe usar os atos circenses tal qual este último do presidente interino da câmara, em consonância com o planalto, como pano de fundo. Que o mundo ria do Brasil. Podem rir à vontade, pois parte dos que hoje riem avisou o governo de Dilma Roussef sobre as CAGADAS que cometeria se mantivesse a mudança do tripé macroeconômico herdado de FHC e Lula. Os petistas erraram porque quiseram estatizar o capital com o objetivo de roubar à vontade nas trocas espúrias entre o público e o privado, destruindo estatais e causando um rombo imenso nas contas públicas, além de tentarem mascarar esses rombos. Espero que todos paguem pelos crimes de lesa-pátria que cometeram contra os brasileiros.

    Quando esses imbecis, principalmente os jovenzinhos mimadinhos desmiolados munidos de Iphones descobrirem que vão encontrar quando procurarem um emprego, se darão conta do socialismo latino-americano que aprenderam na escola e que hoje defendem nas ruas e nas redes sociais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela enésima vez, lê o meu texto, porra. Eu não estou a discutir a legalidade ou não do processo. Estou a dizer que o Brasil virou motivo de riso no exterior.

      Excluir
    2. Antônio Carlos, tenho pra ti 1 tautograma, já que tu gostas tanto de fazer comentários plenos de desonestidade intelectual e fugir do assunto. Também fugirei do assunto (mas tu vais gostar de ler esse tautograma, Baço) pra expôr o que tu és e simbolizas. Leia com atenção Antônio Carlos, pois serás humilhado com doses de beleza artística na digitação, coisa que tu és incapaz de fazer.

      Caro Coxinha

      Caro coxinha, cujo cérebro cheio com cocô, clamas, conclamas, choras, choramingas contra comunistas, contra carmesins; contudo calas como criança com calça cagada contra criminosos com crime de colarinho claro, contra corruptores com carteira cheia com cifrões, com cheques com centenas de cifras; calas constrangedoramente contra construtoras corruptas, contra comunicadores de canais, cínicos, contra chefões corruptores com concessões de comunicação; calas contraditoriamente contra candidatos capitalistas corruptos, contra congressistas capitalistas corruptos, contra certos Cunhas corruptos (Aécios, Eduardos, Cássio Cunha Lima); calas cinicamente contra criminosos cruéis caçadores de comunistas, contra combatentes, cabos, comandantes, coronéis criminosos cometendo crimes cruéis contra comunistas; calas covardemente contra coronéis conservadores chefões corruptos com chácaras colossais, coronéis campesinos cheios com campos de cultivo, criadores coronéis com criações com cinquenta ao cubo , cem ao cubo, cinco centenas de criaturas cujas carnes consumidas comercializadas, em cidades, continentes, contra coronéis capitalistas covardes cerceando, cercando comunidades carentes, contratando crianças carentes; calas cabalmente contra comunicadores charlatões crentes conservadores contemporâneos (com cabeças Cretáceas) comandando com cabresto cordeiros crédulos, confiscando cheques, contas correntes, cartões com crédito, centenas e centenas de cifras; calas constantemente contra colegas coxinhas cínicos, corruptos, crápulas, canalhas, covardes cometendo com computadores crimes cibernéticos, contra cidadãos comuns, comunidades carentes.
      Clamas, choramingas, compulsivamente contra Cuba, contra cubanos, contudo conheces Cuba? conheces culinária, comidas, costumes, comunicações, colégios, cidadãos, cultura, canções, construções cubanas? conheces crianças, cidadãos, cidades, capital cubana? conheces coisinhas, comentários caducos, confusos.


      Por último, peço mais uma vez Baço pra colocarem o disqus no chuva ácida, tenho recomendado, copiado e colado matérias do Chuva ÁCIDA e estou certo que a qualidade dos comentários e principalmente dos comentaristas elevar-se-á caso tenha TAMBÉM o disqus como opção de fazer comentários.

      Excluir
    3. Como disse, é uma questão técnica. O pessoal aqui do blog que entende dos paranauê não tem muitas certezas sobre o disqus. Mas o tema continua na agenda.

      Excluir
  2. Só para se ter uma ideia do caos causado pelas pedaladas fiscais cometidas pela presidente da república, o procurador do TCU, Júlio Marcelo de Oliveira, citou um exemplo claro do impacto dessas contas na população brasileira. Segundo o procurador, em 2014, ano da eleição, o governo de Dilma Rousseff concedeu 5 bilhões de reais para o FIES. Entretanto, para 2015, caso fosse eleita, os recursos do financiamento subiriam para 12 bilhões. O que ela sabia (e não contou) é que esse valor de 7 bilhões a mais não constava no tesouro (que financia o FIES), mas estava contingenciado pelo governo para pagamento da Caixa pelas pedaladas fiscais. Resumo da ópera: a promessa de campanha não se concretizou e os valores não só retornaram para o valor anterior, como diminuíram em 2016. E a UNE, que supostamente deveria defender os interesses dos estudantes, está do lado de quem?

    ResponderExcluir
  3. Sempre fui contrário àqueles papos de "essas coisas só acontecem no Brasil". Mas agora não há como discordar da frase. Não há, também, como esconder a vergonha.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde.
    Acredito que ontem o Senado, na figura do seu Presidente, perdeu uma excelente oportunidade de tentar resgatar um pouco da credibilidade do país.
    Se tivesse pelo menos aguardado a decisão do STF a respeito da decisão da Câmara, estaria apenas cumprindo e respeitando os procedimentos naturais.
    A partir do momento que chamou de brincadeira com a democracia acabou se intrometendo em uma casa que não é a sua.
    Gostem ou não do Maranhão, gostem ou não da Dilma, gostem ou não do Temer, é inegável que refazer aquela votação seria uma excelente forma de tentar remendar a situação anterior, principalmente sem a batuta do Cunha.
    Saudações democráticas a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do sarcasmo, Anônimo 14:52.

      Excluir
  5. O mundo ri das trapalhadas do ex-governo via Maranhão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mundo ri disso também. É o Brasil que temos...

      Excluir
  6. A Dilma bem que podia esperar mais um dia para largar o osso e deixar Temer assumir o governo na sexta-feira 13.

    Vejamos, pois:

    Sexta: dia da cerveja, da comemoração; 13: número do partido que instituiu a cleptocracia desavergonhada no Brasil, e; dia da abolição da escravatura.

    Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O partido que instituiu a cleptocracia? Em que país vives? A roubalheira sempre foi escancarada (mas antes era engavetada). Não deixes que te atirem areia para os olhos.

      Excluir
  7. Baço, você torce, e espera por um bom governo do Temer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Torço por um bom governo. Porque, ao contrários dos golpistas, não torço pelo Brasil. Mas não espero um bom governo. Aquilo que muitos negaram ao longo dos tempo - a crise mundial - também vai apanhar Temer e os seus. Por alguns anúncios que tenho ouvido, ainda sem medidas concretas, o país vai caminhar para a austeridade. A consequência será a mesma que na Europa (em especial nos países do Sul). Enfim, acho que teremos o velho Brasil do século 20 de volta. Mas previsões só no final...

      Excluir
    2. A pedidos, uma correção: "torço pelo Brasil".

      Excluir
  8. Corrige aí Baço, é TORÇO PELO BRASIL, o NÃO está sobrando.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem