sexta-feira, 24 de julho de 2015

E a saúde, óooo - Parte 2

POR SALVADOR NETO

Tenho que voltar ao tema saúde, mesmo a contragosto dos áulicos dos poderes municipal e estadual colocados à espreita de redes sociais.

Uns pendurados em cargos comissionados, outros possivelmente irrigados com dinheiro público para perseguir, intimidar, difamar, falar mal, ofender, mas jamais esclarecer os graves equívocos das gestões de Udo Döhler e Raimundo Colombo.

Um do PMDB, outro do PSD. Parecem diferentes, mas são quase gêmeos siameses. Vocês entenderão logo mais a frente. Para relembrar meu artigo parte 1 sobre a saúde em Joinville, basta clicar aqui.
O tema foi posto à mesa do conselho de secretarias de saúde municipais para ser aprovado ainda nesta semana. Mais um ataque à já combalida saúde da maior cidade catarinense. Tudo pela ótica privatista, sem sequer pensar no cidadão, sim, o cidadão que é atropelado, sofre mal súbito e precisa da urgência do Samu.


Esse mesmo governo Colombo, apoiadíssimo a todo instante pelo governo Udo, é o mesmo que prometeu a duplicação da avenida Santos Dumont, da Dona Francisca, e agora a do Eixo Industrial. Quimeras, apenas quimeras, fomentadas pelos meios de comunicação irrigados pelos cofres públicos, e tão dependentes que “esquecem” do papel que lhes cabe: informar, desnudar, denunciar, serem os olhos e ouvidos do povo.


Isso tudo é o jeito Udo de governo, o jeito PMDB de gestão que foi “prometido” em 2012. Não é por menos que a greve dos servidores do São José segue já para a terceira semana, com possibilidades de paralisações em outras unidades da saúde. Recebo informações neste sentido, em que pese o forte assédio moral existente para intimidar quem ouse reclamar. Os servidores sentem-se amarrados com o autoritarismo existente.


E a imprensa, bom, a nossa imprensa segue com os dinossauros que já vem lá das décadas de 1980/90 no compadrio que conserva a cidade no marasmo. Não mexe mais que o necessário para garantir o “interesse” do governante de plantão para a publicidade ($) necessária.


Um dá para fazer, outro que não falta dinheiro, falta gestão, e por aí vai, faltando tudo para quem mais precisa: o povão. A dupla UdoColombo, ColombUdo, como quiserem, continua a dever muito para todos nós.


Digo que tive de voltar ao tema porque li, em nossos jornais oficiais (ops!), digo diários, que o governo Colombo, via seu magnânimo secretário de Saúde, João Paulo Kleinubing, quer “centralizar” as centrais de regulação, atendimento de emergência que você conhece via 192, lá na longínqua capital Florianópolis. O objetivo? Economia, dizem.

Hoje são apenas oito centrais destas em Santa Catarina. Com a brilhante ideia colombina, kleinubingiana e pessedista, ficaria apenas a da capital. Imaginem vocês ao ligarem para o Samu na hora da dor, da emergência, serem atendidos por operadores que mal conhecem a bela ilha? Atenção com o contribuinte, o cidadão? Nada!

Essa esculhambação na saúde por parte do governo Colombo, tem como coadjuvante o governo Udo Döhler aqui na maior do estado. Reduzir direitos dos trabalhadores do Hospital São José que estão expostos à insalubridade diariamente para “economizar”; cortar as fraldas geriátricas dos velhinhos que precisam; falta de materiais básicos de higiene, e até uniformes; falta de medicamentos básicos nas unidades de saúde; filas dos especialistas.

Aliado a tudo isso, amigos e amigas, há uma espécie de conluio velado entre os políticos, e também da imprensa local. Os deputados estaduais Darci de Matos (PSD), Kennedy Nunes (PSD) e Patrício Destro (PSB) fazem cara de paisagem para problemas seríssimos como esse. Os federais Mauro Mariani (PMDB) e Marco Tebaldi (PSDB), idem, com raras exceções do tucano que faz prosa para armar candidatura oposicionista.

Não se enganem. Vem aí mais um pleito municipal, e os atores serão quase os mesmos. O roteiro segue a risca os brados salvadores, resolverão tudo. Brigarão. Se digladiarão. E ao final veremos o quadro atual de descaso, abandono, mentiras deslavadas sobre a situação da saúde e de outros setores públicos. Porque eles jogam na “mudança” para deixar tudo como está.

Enquanto isso, a saúde... óooo. Preparem-se para 2016, porque a corrida já começou.


** E mais uma vez: como está o caso Lia Abreu? Prorrogado pela eternidade? Quando sai o resultado da sindicância, ou quando ela vai falar tudo sobre o caso? O contribuinte quer respostas.


3 comentários:

  1. Bom, agora você sabe como me sinto ao ver idiotas úteis defendendo o governo do PT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o que tem a ver? Que ideia fixa, doente.

      Excluir
  2. Pois é, e depois de 7 meses esperando por uma consulta com especialista, sou chamado para ir hoje em plena greve no Ambulatório do SJ, imaginem a situação, não dava nem pra entrar e pegar ficha, quando consegui tinha 80 pessoas na minha frente, não tinha lugar para sentar, esperar só do lado de fora na chuva, só duas atendentes, resultado, desisti e vim embora, tem muito POSER que vive falando mal do PT, mas quando o Carlito tava na prefeitura eu era bem atendido no PAM e NUNCA precisei comprar remedio.
    Porquê naquela epoca funcionava e agora não???

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem