sexta-feira, 3 de maio de 2013

O direito de coçar o saco


POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Gente, todas as semanas deveriam ser como esta, com um feriado na quarta-feira. É que além do descanso a gente acaba por ter duas sextas-feiras. É tempo para o relax, para o dolce far niente e para manter o cérebro a vadiar. Mas cabeça vazia é a oficina do diabo. E foi São Jerônimo quem avisou, por outras palavras:
-     - Trabalha em algo, para que o diabo te encontre sempre ocupado.

Em resumo, o santo mandou um tremendo "vai trabalhar, vagabundo". Mas tem uma coisa chata nessa história. Se você acredita que o trabalho realmente dignifica o homem, então a expressão  “arbeit macht frei” (o trabalho liberta) deve soar como música para os seus ouvidos. O problema é que, por uma triste ironia, esta frase estava escrita no portão do campo de concentração de Auschwitz. É uma metáfora a ter em conta nos dias de hoje.

UMA INVENÇÃO DO DEMO - Não tenho dúvidas, caro leitor, de que o trabalho foi uma invenção do demo, o coisa-ruim. Afinal, todo mundo sabe que no paraíso ninguém trabalhava (é por essa razão que o lugar se chamava paraíso). Só depois de Adão e Eva terem sido apanhados no rala-e-rola é que surgiu aquela coisa de "comerás o pão com o suor do teu rosto". Quer dizer, o trabalho foi um castigo imposto ao homem e à mulher por eles terem caído na gandaia.

Aliás, as palavras trabalho (português), trabajo (espanhol) e travail (francês), por exemplo, vêm todas do latim tripallium, que era um instrumento de tortura na Idade Média. Está tudo dito: é uma punição. E o castigo é passarmos 8, 9, 10 ou até mais horas enfiados em ambientes sacais, na companhia de pessoas que não aturamos, a fazer coisas que não gostamos e a ganhar salários que nunca chegam para o que precisamos.

MENOS EM JOINVILLE - Todos sabemos que o trabalho é aquela coisa chata que acontece no meio da diversão. É assim em todos os lugares. Menos em Joinville, claro. Porque quem mora na cidade acaba por se sentir dentro de um livro do Max Weber. O espírito do capitalismo e a “ética” do chão de fábrica são coisas sagradas para os joinvilenses. É o culto do trabalho.

Bem... a esta hora imagino que haja leitores a torcer o nariz e a me chamar de vagabundo (certo, mas sou um vagabundo que trabalha muito). E não deixa de ser divertido que as pessoas nunca questionem a validade do trabalho, que em outros momentos da história já foi visto como uma maldição, uma vergonha. É só lembrar que os nobres, antes da queda do feudalismo, tinham pavor a pegar no duro.

Há umas curiosidades divertidas. O leitor e a leitora sabem, por exemplo, de onde surgiu aquele hábito dos ricos, que esticavam o dedo mindinho sempre que seguravam uma xícara? A coisa vem dos tempos feudais e era um forma que os nobres tinham para mostrar que eram diferentes dos trabalhadores. Por terem as mãos grossas e calejadas do trabalho, os coitados não conseguiam esticar o tal dedinho. Viu? Cabo de enxada também é cultura.

UM DEFUNTO NA SOCIEDADE - Para que o leitor não fique aí a imprecar contra a minha pessoa, não sou eu a questionar o trabalho. E apresento aqui um excerto de um texto de Paul Lafargue, genro de Karl Marx (por sinal, o velho barbudo errou, porque achava que a emancipação do homem viria justo pelo trabalho):

-       Uma estranha loucura se apossou das classes operárias das nações onde reina a civilização capitalista. Esta loucura arrasta consigo misérias individuais e sociais que há dois séculos torturam a triste humanidade. Esta loucura é o amor ao trabalho, a paixão moribunda do trabalho.

Aliás, Lafargue relembra que o trabalho foi um castigo de Deus, com aquela coisa do “suor do teu rosto”. Não concorda? Pois fique a saber que há opiniões piores. E atuais. O Grupo Krisis, por exemplo, diz que o trabalho é um defunto que domina a sociedade.

-       A produção de riqueza desvincula-se cada vez mais, na sequência da revolução microeletrônica, do uso de força de trabalho humano - numa escala que há poucas décadas só poderia ser imaginada como ficção científica. Ninguém poderá afirmar seriamente que este processo pode ser travado ou, até mesmo, invertido. A venda da mercadoria “força de trabalho” será no século XXI tão promissora quanto a venda de carruagens de correio no século XX.

Imagino que muita gente nunca tenha pensado nisso. Mas o trabalho, como o entendemos hoje, logo vai ser apenas uma memória. Quem viver...

22 comentários:

  1. Às vezes me dou o trabalho de tentar descobrir quem inventou o trabalho! Se pego...

    ResponderExcluir
  2. "E o castigo é passarmos 8, 9, 10 ou até mais horas enfiados em ambientes sacais, na companhia de pessoas que não aturamos, a fazer coisas que não gostamos e a ganhar salários que nunca chegam para o que precisamos."
    Vou imprimir e colocar na minha mesa de trabalho, sempre pensei desta forma, mas os ares joinvilenses às vezes fazem a gente se cegar.

    ResponderExcluir
  3. Sandro- O Ocioso3 de maio de 2013 10:36

    Deixa o Udo ler esse texto,Baço.Tais ferrado!!

    ResponderExcluir
  4. Sonhe à noite e trabalhe de dia..By Ácido

    ResponderExcluir
  5. O trabalho em sí não é ruim. Foda (desculpa o termo) é trabalhar sem prazer, sem vocação, sem gosto pelo que se faz, sem liberdade. Quando o trabalho se torna uma prisão aí sim é um tormento. Entendo que sou um privilegiado, pois faço o que gosto, minha remuneração está dentro das minhas expectativas (às vezes até supera), tenho flexibilidade de horário e convivo com pessoas bacanas. Mas chegar aqui foi complicado, hoje estou colhendo bons frutos e semeando outros ainda melhores. Abraço! Getulio Fanezze

    ResponderExcluir
  6. Quanto conhecimento em um único texto, não sabia da maior parte...
    Será se o fim será ainda neste século?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, Ivan. O texto do Grupo Krisis está online em PDF. Pega e lê que vais gostar.

      Excluir
  7. Que dizer entao do universo feminino em relação ao trabalho as jornadas com o trabalho doméstico criação de filhos manter a geladeira abastecida ...e ainda não deixam de estarem belas e criativas...prontas para "matar" um ou até dois leões por dia!!!!!
    Concluindo nada mesmo como um feriado no meio da semana sejam trabalhadores femininos ou masculinos aproveitar para fazer coisas que nos deixam mais HUMANOS...

    ResponderExcluir
  8. FAN-TÁS-TI-CO TEX-TO!

    Ainda mais para um workaholic como eu.

    Nelsonjoi@bol.com.br

    ResponderExcluir
  9. Já que o assunto é ocupação, que tal se comparar a ocupação dos índios ainda em sua cultura, os caiçaras, vulgos pescadores, os hippies e os executivos tops, e dizer quem mais faz para manter o planeta habitável?
    Então, qual é o trabalho mais nobre, mesmo que se tenha no meio de tudo isto a "coçação (sic) de saco".

    ResponderExcluir
  10. Quem inventou o trabalho , não tinha nada para fazer !

    Ass: Coçador de Saco

    ResponderExcluir
  11. O trabalho engrandece, dignifica o ser humano e dá sentido à vida. É um mal necessário. A sociedade se organiza em função das atividades que se traduzem em responsabilidades individuais. Convenhamos: QUEREM impor o homossexualismo aos héteros, o ateísmo aos que creem e, agora, a ociosidade aos que trabalham? Qual o objetivo disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não creio que haja nenhuma imposição aqui. Essa é um blog que segue uma linha liberal, de apoio às minorias e está aberto ao livre pensamento.
      Discordar faz parte do jogo e é permitido.
      O objetivo não é doutrinar, mas gerar o debate.

      Abra sua mente, homem !

      Excluir
    2. "Impor o homossexualismo aos héteros"? Na boa, anônimo, mas a fantasia é sua.

      Excluir
    3. Quem está impondo o que? A questão é respeito, aceitacão, e só. Não precisa virar ateu tbem não.

      Excluir
    4. Como é que a conversa chegou ao "homossexualismo"?

      Excluir
    5. Sei lá, talvez o cara está meio indeciso e tal e não via jeito de chamar a atenção para o assunto, né?!

      Excluir
  12. Adorei o texto, realmente interessante e quanto conhecimento para uma leitura apenas....mas melhor mesmo foi não ter um certo senhor do Feudo joinvilense dando sua opinião por aqui.....kkkkk...acho que esse texto não diz respeito a ele....fala de trabalho...coçador, melhor um del.

    ResponderExcluir
  13. O seu Madruga (aquele do seriado Chaves) tem uma frase excelente:

    "O problema não é trabalhar, mas TER que trabalhar."

    Acredito que as pessoas não desgostem do trabalho em si, mas da obrigação de ter de cumprir uma jornada de trabalho. Tem dias, que realmente a gente não tem vontade de sair da cama. Mas sai assim mesmo.

    ResponderExcluir
  14. "Não fazer nada dá trabalho" já dizia o sábio

    ResponderExcluir
  15. Há alguns anos, na ânsia de enricar como os banqueiros , institui-me a jornada de trabalho das 11:00 as 16:00.

    Impostos a pagar acumulando e comida na mesa diminuindo inversamente proporcional a inflação me obrigaram a voltar a deliciosa jornada de 50 a 60h semanais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dirk, se queres enricar como os banqueiros não é pelo trabalho que chegas lá...

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem