quarta-feira, 15 de maio de 2013

The Walking Greve


31 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Só podia ser o cão! kkkkkkkkkkk, muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Udo, tu já está morto eleitoralmente, os servidores e a população não vão esquecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou eleitora e faço parte da massa e realmente não vou esquecer. Na próxima eleição voto nele novamente! rsrs

      Excluir
    2. Udo volta pra Dohler, lá tu pode dar a inflação na boa sem ter a ACIJ, CDL e Legislativo pra encher teu saco!!

      Excluir
  3. Contaminados pelo vírus da burocracia, suponho...

    NelsonJoi@bol.com.br

    ResponderExcluir
  4. 15% de aumento? Quê é isso? Iniciativa privada ganha 6% dando graças a Deus. E os aposentados? Que ganham uma mixaria de aumento depois de uma vida toda trabalhada!
    Funcionário público trabalha 6 horas por dia e quer o quê? Masagem e aumento? Ainda atendem mal a gente...
    Vão trabalhar cambada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apoiado!

      Se para aumentar os seus salários eles estivessem reivindicando trabalhar 08 horas diárias, eu os apoiaria.

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
    2. Funcionário Público só trabalha 6 horas por dia? Essa eu não sabia, vou avisar a minha mãe que é professora que ela está trabalhando mais que o necessário, pois trabalha 8 horas por dia.

      E assim que o Udo der a inflação de uma vez acaba a greve.

      Excluir
    3. E é exatamente o que ele quer. E o Ullrich sabe disso.

      Entenda, o prefeito, desde o começo tem a intenção de dar só a inflação. Porém ele como homem calejado de negociações com o sindicato que é, sabe que tem que oferecer bem menos do que pode, justamente para ceder o que realmente quer.

      Semana que vem eles vão dar a inflação e a greve acaba.

      O Ulrich sai de bonzinho por que lutou pelos servidores mas já sabia que só conseguiria a inflação, por isso chutou mais alto para ver se sobrava uma rebarbinha;

      E o prefeito sai de bonzinho para as classes empresariais e o resto da população pois está agindo com "prudência".

      E tudo continua como dantes no castelo de Abrantes...

      E sobre a sua Mãe, eu te digo que ela mereceria no mínimo 100% de aumento.

      O dia que eu for prefeito, vai ser o meu primeiro ato!

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
    4. Benefícios da Iniciativa privada: Benefícios Prefeitura:

      Vale Alimentação>=R$ 300,00 Vale Alimentação=R$ 160,00
      Plano de Saúde Decente e pagam um valor irrisório. Plano falido e quem tem paga carro.
      Participação no Lucro ou resultado. (PPR). Não Temos.
      Fundo de Garantia por tempo de serviço. Não Temos.
      Salário alto. Salário com valor menor que o mercado oferece.
      Horário>= 8hr diárias. Horário>= 6hr diárias.
      Equipamentos de trabalho de última geração. Equipamentos obsoletos.

      Finalisando, o Servidor tem que produzir igual à iniciativa privada com esses “Benefícios”.

      Excluir
    5. Não é 15% de aumento, antas que pensam isso (na verdade não queria ofender o maior mamífero brasileiro). Pela proposta do sindicato, o aumento real seria de 5%. Como é fácil criticar hj em dia, hein? Mas isso tudo faz parte da política de alienação de todos os governos...gente burra não tem capacidade de mudar o que precisa ser mudado no país, visão limitada de que se acha inteligente...

      Excluir
    6. Por que na hora de comparar gestão todos fizeram questão de frisar que não dá para comparar setor público com privado? Que uma coisa é comandar hospital público e outra é comandar hospital particular? Que uma coisa é comandar uma empresa e outra é comandar uma cidade?

      Por que na hora do reajuste, de repente, é igual? Tem que ganhar o mesmo que um funcionário do setor privado? Não eram coisas totalmente diferentes? A arrecadação não é diferente? Os gastos não são diferentes?

      Excluir
    7. E acabou a greve e o meu post profético do dia 18, as 08:59 se concretizou. E exatamente como descrevi.

      Sandro, quer uma outra previsão:

      Udo Dohler não termina o ano como prefeito! Aguardem!

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
  5. o termo correto seria reajuste.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, Udo! Fui seu eleitor e continuarei sendo nas próximas eleições. Use a sua experiência, como empresário, e coloque essa cidade (e a PMJ) nos eixos, como fez o seu colega Wittich Freitag - o melhor prefeito que essa cidade já teve.

    ResponderExcluir
  7. Como é que é? Eu entendi bem? O servidor público de Jlle trabalha só 06 horas por dia e quer aumento de 15%? Valha-me, Deus! Não estão contente com o salário, então vão/voltem para a iniciativa privada, oras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, entendeu bem os ignorantes falando o que não sabem.

      Excluir
  8. Aff, quanta ignorancia. Preguica.

    ResponderExcluir
  9. Por favor, Fernanda, explique-se. Apresente sua sapiência à luz do aumento salarial do servidor público joinvilense, mas poupe-nos das comparações esdrúxulas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me referia aos comentários de que funcionário público trabalha 6h.
      Trabalhei 6 anos na ed.infantil pública de Joinville e minha jornada, e de todas as colegas, sempre foi de 8h ou até mais por dia. Nunca conheci ninguém que trabalhasse só 6h. E enfrentávamos as mais diversas dificuldades desde falta de material, espaços inapropriados, falta de funcionários entre outros. Se existem funcionários "folgados" garanto que eles não estão na educação ou na saúde. Vamos rever os conceitos.

      Excluir
    2. Poizé...

      Pelo jeito você e o Ivan não conhecem o IPPUJ, a SEINFRA, a SECRETARIA DA FAZENDA, a FUNDEMA, o SETOR DE PATRIMONIO, a SECRETARIA DA CULTURA, etc, etc, etc...

      Vocês só conhecem a secretaria da educação.

      Todos os funcionários públicos da Prefeitura Municipal de Joinville tem jornada reduzida de 6 horas diárias de trabalho, com exceções específicas, as quais são regulamentadas e/ou vinculadas a uma legislação superior.

      É o caso dos professores e de alguns funcionários da secretaria da saúde, como os agentes ligados ao PSF que são obrigados a trabalhar 8horas por dia.

      Mas cada um enxerga só o que quer mesmo e geralmente enxerga só o que está ao redor de seu mundinho.

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir
    3. Meu mundinho é pequeninho mesmo.

      Excluir
    4. Eu não falei que todo funcionário público trabalha 8 horas por dia, quem deixou parecer que todo servidor trabalha só 6 horas foi o anônimo ali em cima.

      Quando fazem a contagem da greve, mostram apenas quantas escolas e unidades médicas aderiram, então o comentário citado é uma desonestidade intelectual.

      Att,
      Ivan Rocha

      Excluir
  10. o sandro É o melhor chargista do país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Po Fábio...ai eu fico envergonhado! ahahahah

      Excluir
    2. eh um blog de opinião. dei a minha. se tu jogasse bola como faz charge era craque, mas a natureza não ajudou, kk

      Excluir
  11. Ahahahahah Deus foi injusto comigo,Fabio!

    ResponderExcluir
  12. Interessante este post. Me fez lembrar do que escrevi sobre a greve hoje no blog coisinhas para ler! muita coincidência! Vejam só:

    Marionetes

    "Greve é um direito. Muitas vezes, uma necessidade. Mas, cuidado para não se tornar uma marionete nas mãos dos sindicalistas".

    O salário é baixo. As condições de trabalho são péssimas. Você não sabe mais como explicar aos usuários dos serviços públicos o porquê de tanta burocracia, demora, trocas de orientações sobre como proceder. E tem, muitas vezes, que ouvir que é preguiçoso, acomodado, incompetente e outras "qualidades" impublicáveis.
    Chega em casa e ainda tem que aguentar seus familiares e amigos dizendo que o serviço público é uma porcaria. Mas o que ninguém sabe, é que você não tem a autonomia para decidir de forma descomplicada o que deve ser feito.Você sabe o que fazer, como fazer, mas impecilhos políticos e legais o impedem.
    Então você fica de saco cheio. O sindicato fica de saco cheio.
    E após conversas e tentativas de acordos e negociações, lá vem ela... a greve, que faz você se sentir num documentário sobre a década de 1960, um revolucionário lutando contra a ditadura. E quando percebe (ou não), assim como em seu trabalho, já perdeu a autonomia, já não toma suas próprias decisões, e acaba fazendo, sem perceber e sem reclamar, tudo o que um sindicalista entusiasmado grita ao microfone (Hitler não fazia algo parecido?)
    E se você não quiser entrar na greve? Aí, sua situação é cruel. Os olhares em sua direção são constrangedores. Não importam seus motivos, você vai pagar por isso até o dia da sua aposentadoria.
    Enquanto isso, saúde, educação e outros serviços essenciais, que já não funcionam muito bem com todos na labuta, desmoronam de vez.
    Não esqueça, caro leitor, que a maioria das pessoas que agora fazem greve, votou em quem não quer melhorar seu salário nem suas condições de trabalho. E se é difícil negociar com as devidas autoridades, não é diferente com os sindicatos. A sensação de poder controla todos os líderes nesse momento.
    Você estudou muito, deixando, às vezes, até seus entes queridos de lado, fez o concurso, passou, esperou a sua vez com ansiedade, mereceu realmente o cargo que conquistou arduamente. E tudo isso apenas para erguer o braço e votar "sim" ou "não" em propostas que você não teve nem a oportunidade de opinar? Você tem chance reais de expôr suas idéias? Seria mesmo isso uma democracia, ou não passamos de um exército de zumbis marchando atrás de um carro de som?
    Julie Christie do Brasil.
    http://blogdascoisinhasparaler.blogspot.com






    ResponderExcluir
  13. Marionetes

    "Greve é um direito. Muitas vezes, uma necessidade. Mas, cuidado para não se tornar uma marionete nas mãos dos sindicalistas".

    O salário é baixo. As condições de trabalho são péssimas. Você não sabe mais como explicar aos usuários dos serviços públicos o porquê de tanta burocracia, demora, trocas de orientações sobre como proceder. E tem, muitas vezes, que ouvir que é preguiçoso, acomodado, incompetente e outras "qualidades" impublicáveis.
    Chega em casa e ainda tem que aguentar seus familiares e amigos dizendo que o serviço público é uma porcaria. Mas o que ninguém sabe, é que você não tem a autonomia para decidir de forma descomplicada o que deve ser feito.Você sabe o que fazer, como fazer, mas impecilhos políticos e legais o impedem.
    Então você fica de saco cheio. O sindicato fica de saco cheio.
    E após conversas e tentativas de acordos e negociações, lá vem ela... a greve, que faz você se sentir num documentário sobre a década de 1960, um revolucionário lutando contra a ditadura. E quando percebe (ou não), assim como em seu trabalho, já perdeu a autonomia, já não toma suas próprias decisões, e acaba fazendo, sem perceber e sem reclamar, tudo o que um sindicalista entusiasmado grita ao microfone (Hitler não fazia algo parecido?)
    E se você não quiser entrar na greve? Aí, sua situação é cruel. Os olhares em sua direção são constrangedores. Não importam seus motivos, você vai pagar por isso até o dia da sua aposentadoria.
    Enquanto isso, saúde, educação e outros serviços essenciais, que já não funcionam muito bem com todos na labuta, desmoronam de vez.
    Não esqueça, caro leitor, que a maioria das pessoas que agora fazem greve, votou em quem não quer melhorar seu salário nem suas condições de trabalho. E se é difícil negociar com as devidas autoridades, não é diferente com os sindicatos. A sensação de poder controla todos os líderes nesse momento.
    Você estudou muito, deixando, às vezes, até seus entes queridos de lado, fez o concurso, passou, esperou a sua vez com ansiedade, mereceu realmente o cargo que conquistou arduamente. E tudo isso apenas para erguer o braço e votar "sim" ou "não" em propostas que você não teve nem a oportunidade de opinar? Você tem chance reais de expôr suas idéias? Seria mesmo isso uma democracia, ou não passamos de um exército de zumbis marchando atrás de um carro de som?
    Julie Christie do Brasil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, isso sim é um comentário descente.

      Concordo com você em parte, mas mesmo assim não me furto de lhe dar os parabéns por sua opinião muito bem explicada.

      Parabéns!

      NelsonJoi@bol.com.br

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem