quarta-feira, 13 de março de 2013

Joinville, volto já

POR FABIANA A. VIEIRA


Parece que foi ontem, mas já faz tanto tempo. Mais precisamente 28 anos. Cheguei em Joinville em 1985. Tanta coisa mudou, tanta coisa é como era.

Nesse aniversário de Joinville, dediquei bastante tempo para uma reflexão sobre a cidade, de quando cheguei até agora. Muita coisa progrediu, a cidade cresceu, se desenvolveu. Teve filhos lindos, destaques mundiais, trabalhadores anônimos. De tudo um pouco.

Por isso Joinville é apaixonante. Quem chega aqui e acompanha sua história, seu perfil, participa da sua construção, acaba adotando a cidade como sua. E ela acolhe bem. É uma cidade de muitas oportunidades.

Esse aniversário de Joinville foi especial para mim. Talvez porque eu esteja partindo. Daí dá uma nostalgia. Lembrei de uma cidade repleta de casinhas de madeira estilo colonial, pois quando cheguei aqui, era assim. Nas minhas lembranças, está a casinha dos meus avós, no bairro Floresta. As ruas principais eram de paralelepípedos. As pessoas andavam muito de bicicleta, numa cidade em que todos se conheciam. Nesses 28 anos a cidade cresceu e eu cresci junto. Vi ela ficar moderna, ganhar universidades, indústrias, shoppings, avenidas, adotar novos filhos de outros lugares. Joinville se desenvolveu, mas essa característica continua forte. Mesmo com seus mais de 500 mil habitantes, a cidade mantém um elo, onde fácil, fácil você sabe identificar quem é quem aqui. Não só pelo sotaque, mas pelas histórias, pelas amizades, pelas famílias. Pelas opiniões.

Vou sentir saudade disso, sobretudo porque estou partindo para uma cidade com características bem diferentes. Brasília me parece uma cidade bem encantadora, mas sem esse DNA. Aparentemente não há esse elo. Esse reconhecimento entre seus pares. Pelo menos, não comigo, claro. Uma cidade que foi construída com um propósito diferente de qualquer outra cidade.

De qualquer forma vou conhecer outro lugar, novos espaços, outras rotinas. Quero relatar tudo aqui. Quero falar com os joinvilenses que estão por lá também, e são muitos. Acho que esse comparativo, essas histórias, podem ser bem interessante para você, que me lê aqui. Vamos trocar experiências entre essa cidade que amamos tanto e uma cidade que será novidade para mim e para muitos que me acompanham no Chuva. Brasília, aí vou eu. Joinville, volto já.

Um comentário:

  1. E Joinville vai sentir muita falta desta grande mulher que és Fabiana!

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem