segunda-feira, 2 de outubro de 2017

58 mortos. E tem gente capaz de defender as armas

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Até o momento em que escrevo este texto, pelo menos 58 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas em um tiroteio durante um festival de música country em Las Vegas (filme no final do texto). É o mais mortífero ataque deste tipo - e olhem que não são poucos - na história moderna dos EUA. O atirador, um homem de 64 anos, estava no 32º andar de um hotel e abriu fogo contra a multidão indefesa. Depois se suicidou.

Logo após a notícia, os comentários começaram a pulular nas redes sociais. E no Brasil os partidários da liberação das armas apressaram-se a defender o indefensável. Houve um comentário que saltou aos olhos. Um dos defensores dessa sociedade de bang-bang saiu-se com uma pérola: “Quantos casos destes aconteceram nos últimos 10 anos? Você acredita mesmo que eles não existiriam se as armas fossem restringidas?”, disparou à queima-roupa.

Uau! Uma pessoa que não sabe a resposta para estas duas questões tão óbvias parece ter sérios problemas: ou é muito desinformada ou está de má fé. Então vamos lá ver as respostas.

1. A primeira pergunta permitiria publicar uma extensa lista, mas vamos ficar pelos 10 massacres com maior número de mortos (e não apenas pelos últimos 10 anos, excluindo o atual). Eis:
- Boate Pulse, 49 mortos
- Universidade Virginia Tech, 33 mortos
- Escola de Sandy Hook, 28 mortos
- Cafeteria Luby, 24 mortos
- McDonald’s de San Ysidro, 22 mortos 
- Universidade do Texas, 17 mortos
- Escola de Columbine, 15 mortos 
- Correio de Edmond (oklahoma), 15 mortos
- San Bernardino, Califórnia, 14 mortos
- Centro de Atendimento a Imigrantes - Binghamton, 14 mortos.

2. A segunda questão. Será que isso teria acontecido se as armas não fossem liberadas?
Ora, nos EUA uma pessoa consegue comprar avançadas e potentes armas num supermercado. Apenas este fato é mais que suficiente para responder à questão. Ou não? “Ah... não são as armas que matam. As pessoas é que matam pessoas”. Sério? Eis a dúvida. Sem armas, como o perpetrador do massacre de ontem iria fazer 50 vítimas? À cusparada?

Aliás, vale salientar que o Estado de Nevada, onde ocorreu o massacre, é um dos mais permissivos na aquisição de armas. Tão permissivo que os políticos estão a discutir a liberação de silenciadores para as armas. Ah... que gente sensata. Mas, pensando bem, se as armas do assassino do hotel tivessem silenciador, ninguém teria ouvido as rajadas sobre a multidão (no filme) e mais pessoas teriam morrido.

É a dança da chuva.

67 comentários:

  1. Não defendemos as armas, defendemos o direito a posse delas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual é a diferença? Explique como se eu fosse uma criança de seis anos...

      Excluir
    2. Tens carteira de motorista para poder dirigir ou podes pilotar um automóvel só por que o comprou?
      A mesma lógica a ser adotada no Brasil serve para as armas.

      Excluir
    3. Muito sofisticado esse raciocínio. Lembra, eu disse "seis anos"...

      Excluir
    4. Hhhh mas que lógica complicada. Quer dizer que se eu tenho porte e uma arma eu posso matar?

      Excluir
    5. Mais um analfabeto funcional

      Excluir
    6. Caro(?) Anônimo, quantas pessoas são mortas por pessoas que têm o direito de usar um carro em nosso país? E quantas são presas por conta disso? Não acha que o mesmo ocorrerá caso haja mais um instrumento possível de causar mortes? Além disso, o direito de posse de armas é bem diferente do direito de porte de armas. Espero que saiba disso...

      Excluir
  2. Os EUA deveriam copiar o estatuto do desarmamento do Brasil, afinal após ele os números de mortes por arma de fogo cairam no país. SQN

    (Sem contar que no Brasil aqueles fuzis e AR15 nas mãos de bandidos foram adquiridos na Mesbla e furtados das casas de gente de bem...)

    ResponderExcluir
  3. "Segundo relatório do FBI, sobre o aspecto do relacionamento entre o assassino e a vítima: 53% foram mortas por pessoas de seu círculo de relacionamento (conhecidos, vizinhos, amigos, namorados, etc.); 24,8% foram mortas por membros da família; 22,2% foram mortas por desconhecidos".

    Via Conjur.

    ResponderExcluir
  4. Êta pessoal carniceiro! Basta um atentado num país civilizado e a mídia podre esquerdista tem orgasmos múltiplos:
    "VIRAM?"
    "VIRAM?"
    "VIRAM?"
    "VIRAM?"
    "VIRAM?"

    Mas esquecem da realidade brasileira, cujo o cidadão não tem direito a uma arma registrada em casa, mas está exposto a uma bandidagem defendida pelo direito dos manos (esquerdalha) e a falência do Estado incapaz e inchado que a esquerda idolatra.

    Não convence ninguém, só os adestrados que votarão num bandido para presidente do Brasil em 2018.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim anônimo das 21:26, c tem razão, os adestrados irão votar no sujeito que planejou a explosão do reservatório de Guandu no Rio de Janeiro em 87 pra protestar por melhores salários e foi preso por conta disso...O tal sujeito, preferido pelos adestrados, é pai do único deputado estadual do RJ que votou contra a CPI do tráfico de armas, implantada pela assembleia legislativa.

      Excluir
    2. Em tempo. O tal sujeito que os adestrados irão votar ano q vem, estava armado quando foi assaltado..mas segundo relato do corajoso paladino da valentia.. "Não deu pra reagir, fui pego de surpresa".

      Excluir
    3. "VIRAM?" "VIRAM?" "VIRAM?""VIRAM?" "VIRAM?"
      Eu avisei.

      Excluir
    4. Qual é o problema do anônimo?? Amor platônico por alguém da esquerda?

      Excluir
  5. Nos Estados Unidos, o povo pode ter armas. Morrem 16 mil por ano. No Brasil, o povo não pode ter armas, morrem 60 mil por ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí na Lua, mundo onde vives, ninguém tem armas e ninguém morre.

      Excluir
    2. Nos Estados Unidos onde o povo já nasce com um fuzil enfiado no rabo, os lunáticos se alistam no exército, se chapam de pó e saem mundo afora jogando bomba e metralhando quem aparece pela frente...

      Excluir
    3. Por que não usa o exemplo da Inglaterra no lugar do exemplo dos EUA? Lá até os policiais tem dificuldade de andar armado, tendo uma das leis mais restritivas contra armas de fogo do planeta. É o 88º no ranking de armas per-capita e em 2007 apresentava uma taxa de homicídio de 1,7 crime do tipo por 100 mil habitantes. Esse número é 5,6 nos EUA e 23,5 nos EUA. Como se sustenta seu argumento agora, Francisco?

      Ah, os dados são do Estudo Global de Homicídio publicado pela ONU em 2013. É bom sempre citar as fontes, sabe?

      Excluir
    4. Aeh Zorak..espera um pouco pq a mensagem pra chegar na lua demora um cadinho..

      Excluir
    5. Fazendo uma correção no meu post ali: o número 23,5 é no Brasil.

      Excluir
  6. O MR-8 chegou a roubar armas do exército com o propósito de assaltar bancos e assim, financiar uma revolução contra a "ditadura" da época, chegando até a sequestrar o embaixador americano em 1969. Aquilo foi lindo!

    https://www.youtube.com/watch?v=ZAGfu-tQN5o

    Hoje em dia, não importa se tem idoso no RJ sendo assaltado de fuzil, o cidadão comum é um perigo tendo porte de arma!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A "ditadura" da época nunca foi uma "ditadura", né?

      Excluir
    2. A ditadura no Brasil foi terrível, sob o lema "Brasil, ame-o ou deixe-o!"

      Imagino uma ditadura feroz dessa sendo implantada na Coreia do Norte com um lema parecido!...não, não consigo imaginar!

      Excluir
    3. Podias tentar o mesmo com a "democracia" do Sudão do Sul...

      Excluir
  7. Achei que não viveria o suficiente para elogiar um texto do Baço. Parabéns!!!

    Para quem defende o porte e a posse de armas no Brasil, sugiro botar uma cadeira na esquina da rua Tijucas com a Dona Francisca, frente ao Museu de Sambaqui no horário de pico à partir de 17:30hrs.

    Teríamos seguramente, duas ou três mortes por semana!!! Com a buzina do carro o sujeito quer "matar" o outro, imaginem com uma arma embaixo do banco!!!

    ResponderExcluir
  8. Acrescento dois fatores na questão das armas de fogo, no Brasil, nos EUA, ou em qualquer lugar do mundo: 1- Legalizar o uso de armas de fogo pela população em geral no Brasil, como é nos EUA, seguramente não vai resultar em redução dos crimes cometidos com o uso dessas armas. Pelo contrário, com maior facilidade para a posse de armas de fogo no Brasil, deve aumentar a quantidade dessas ocorrências por aqui, tanto por parte de pessoas mal intencionadas, como por parte de pessoas bem intencionadas. 2- Proibir o uso de armas de fogo nos EUA, talvez não reduza significativamente as chacinas cometidas por pessoas alucinadas naquele país, sem motivo lógico algum. Essas pessoas gravemente e mentalmente perturbadas nos EUA, vão poder adquirir armas altamente mortíferas no mercado paralelo que forçosamente crescerá por lá, se proibirem a ampla comercialização legal dessas armas por lá, como é hoje. É que o gosto de muitos norte-americanos pelo uso de armas de fogo e a banalização da violência e até o gosto histórico/cultural de muitos norte-americanos pela violência e pelas guerras, é muito forte por lá e vai continuar existindo, não podendo ser simplesmente extinto de uma hora para outra por decreto ou por lei. Ronaldo Aidos / Joinville

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema nos EUA é complexo. Mas não faz sentido um país preservar a tal Segunda Emenda, que protege o direito da população de ter e portar armas. Pô, isso é do século 18. Mas, claro, estamos a falar dos interesses da indústria das armas e aí a discussão tem um calibre alto.

      Excluir
  9. Quando ocorre esse tipo de atentado nos EUA, a esquerdalha não mede esforços para imediatamente apontar o dedo àqueles interessados no resultado do pebliscito que concedeu ao brasileiro a possibilidade de possuir uma arma, mas que o governo petista, igualmente desonesto, desrespeitou a vontade popular.
    Porém (ah, porém!) quando um menor sequestra, estupra ou mata, ou seja, comete um crime hediondo que choca a sociedade, essa mesma canalhada diz que a população não pode julgar os “diminor” de forma açodada por causa de uma “tragédia”.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito inteligente esse comentário, Eduardo. Muuuuuuito inteligente.

      Excluir
    2. Imagina esse cara com uma arma debaixo do assento durante um assalto...goiaba como é, quando ele olhasse pra baixo, revelando a intenção de reagir, e levando-se em consideração que a bala sai do cano a 500 m/s, ele estaria morto sem ao menos ter escutado o tiro.

      Excluir
    3. Vou contar um causo testemunhado por um amigo do Baço há uns 20 e tantos anos. Certa vez durante uma discussão, um sujeito (sem noção) sacou uma arma, me deu uma coronhada e disse que ia me dar um tiro, como notei que o cara era um mané, reagi.. e como sou(era) ninja.. rss.. e tenho muita sorte, tomei a arma do cara dei-lhe uns tapas...e depois, calmamente entreguei a arma prum sujeito q acompanhava o perrengue... e o sujeito foi embora me jurando de morte..
      Quero deixar claro q só reagi pq o cara era um mané e não vi outra alternativa, vai q o cuzão toma um susto e aperta o gatilho... Se fosse um bandido, pode ter certeza q eu nem piscaria, jamais iria reagir pq sei q não teria a menor chance(mesmo sendo ninja...rs). 6 tem q entender q bandido vem pro tudo ou nada..chapado de pó..não tem dó nem piedade. Portanto, não adianta ter arma..é besteira. PS. Nem passou pela cabeça atirar no cara..nem acho q ele merecia..era um pobre coitado, como esses que pensam que armas protegem.

      Excluir
    4. Burrice e desonestidade esquerdista andam lado a lado.
      A posse legal de armas é restrita a sua residência. Os únicos que podem andar armados nas ruas são o policiais e delegados. Bandidos andam armados nas ruas, independente da lei. Aqui não é EEUU e a lei que rege a posse legal de armas não é mesma dos estados daquele país.

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    5. O Lemos é cão de guarda do baço?

      Excluir
    6. E precisa? Segundo a lenda, o cara é ninja.

      Excluir
    7. Diz isso para as minhas costas...

      Excluir
  10. Leiam isso e depois digam o que pensam sobre o assunto.

    http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/05/130527_islandia_crime_lk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hummm... ler e pensar. Acho que esse é um convite que invalida a participação dos anônimos.

      Excluir
    2. É um começo, para comprovar cientificamente precisa o autor estudar outros autores e medir a correlação entre os fatores.
      Anderson Titz

      Excluir
    3. Ficou bem clara a correlação entre os fatores. O estudo mostra além da questão socioeconômica, que embora a relação armas/habitante seja alta, o número de desequilibrados na Islândia é baixo, ao contrário daqui, onde a turba pede linchamento pra um ladrão de galinhas, onde um guarda de banco fuzila um cliente por este insistir em ser atendido e onde um deputado estadual vota contra uma cpi que investiga o tráfico de armas.
      Por falar em desequilibrados, penso que a tal liberação de armas proposta pela industria bélica deveria estar condicionada ao desempenho eleitoral do Dep. Bolsonaro. Explico. Penso q qualquer número acima de 10% de votos, indicaria uma epidemia de pessoas com transtornos mentais, o q inviabilizaria qualquer possibilidade de rearmamento da população, sob o risco de até a bandeira ficar vermelha, de sangue.

      Excluir
    4. Sei lá, vai que lendo a gente passa a se aprofundar no assunto.
      Há muito tempo atrás eu tinha uma ideia fortemente desarmamentista. Após ler essa reportagem da BBC mudei de ideia. Enfim o problema não é a liberação ou não do porte de armas. É tudo uma questão de desigualdade social.
      Islandeses e suíços tem armas pra caramba e o índice de morte por armas de fogo é ridículo nesses países.

      Excluir
    5. Os suíços têm muitas armas, mas é um caso muito específico. Lá todos integram as "forças armadas", que na prática não existem. E a Islândia tem 300 mil pessoas, todas com uma cultura nórdica. Aí fica fácil. Mas, por questões culturais, introduzir mais armas no mercado brasileiro seria loucura.

      Excluir
    6. Mas é isto que eu penso:
      O problemas não são as armas em si. Grave é a desigualdade social. O que o Brasil e o EUA tem em comum é a desigualdade. Num ambiente desses quanto mais armas pior fica a situação. Então solução não é liberar ou proibir armas, é construir uma sociedade mais justa e equilibrada. Chegando nesse ponto a questão de liberar armas torna-se irrelevante.

      Excluir
    7. L.S. Alves, acredito que a questão fundamental na liberação de armamento é o severo cumprimento das leis. No nosso país, os veículos se tornam armas em potencial para descumpridores das leis: motoristas embriagados, desrespeito aos sinais de trânsito, etc

      Excluir
    8. O problema, Alves, é que construir uma sociedade mais justa e equilibrada vai levar tempo. Enquanto isso aceitamos de boa 60 mil mortes por ano? vc viu a comparação de assassinatos por 100 mil habitantes entra brasil e islândia. E mesmo com os EUA: uma taxa de 10 assassinatos por 100 mil habitantes é considerado EPIDEMIA. Nós matamos 23.
      Essa discussão sobre liberar armas seria secundária se o brasileiro se sentisse seguro aqui. Mas por conta da ditadura tem 32 anos que estamos demonizando o grupo que deveria cuidar da nossa segurança.
      Daí para completar me inventam essa lei do desarmamento q desarmou deus e o mundo menos os bandidos. Ou seja, o brasileiro vive desarmado num mundo em que tem como inimigos bandidos e policiais...
      Nesse sentido é fácil compreender pq as pessoas veem no bolsonaro uma alternativa viável: ele está falando para as pessoas o q elas esperam ouvir (tem outra questão aí tb: se a classe q se diz pensante considera seriamente um condenado para a presidência - brasileiro não gosta de bandido - o povo real, que vive a vida real, vai reagir. Bolsonaro é reação. É grito de desespero).
      Será que dá para ficarmos quietos e ouvir o que as pessoas que sofrem diariamente com essa situação tem a dizer?
      Vai acontecer o dia em que pessoas como esse tal de Lemos vão entender que a realidade não cabe no mundinho ideológico delas?
      Esse cidadão tem mais de 18 anos?

      Mas é muito legal, Alves, q alguém aqui tenha olhado além da cerquinha. Questionar nossos conceitos nos mantém lúcidos.
      abraço

      Excluir
  11. Baço é Jornalista mais coerente que já li. Sem utilizar-se de recursos "menores" como o apelo cínico - que é comum de se encontrar - critica e sabe fazê-lo. E o mais bonito ... é a favor da vida. Não faz da sua profissão um ganha pão sobre desgraças. Usa a palavra de forma inteligente. Sabe elaborar pautas. Os conteúdo são abissais. Nunca se prestou a sobrevoar as noticiais para espalhar medos (outro fato comum ao mau jornalismo). Ponto para você Baço ... aliás, mil pontos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Baço é Jornalista mais coerente que já li.”

      Ô, se é!

      Excluir
    2. A lógica do anônimo das 11:43: "Ops... alguém falou bem do Baço. Vamos explicar que isso não é válido. Os comentários aqui são só para falar mal do cara...".

      Excluir
    3. Assim c deixa o Baço vermelho, Luiza.

      Excluir
  12. O Baço deve é uma pessoa com um grande número de inimigos anônimos. Alguns acho que o tem como razão de viver. Precisam ofendê-lo e criticá-lo para se sentirem vivos. Lembro-me da charge do cão. E se afastarem a Dilma, o que o coxinha raivoso iria criticar. Ele bufava e espumava e se revoltou de não ter a quem criticar. Se o Baço parar de escrever estes anônimos certamente morrerão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não morrem. Já são mortos-vivos, corpos que se mexem sem um cérebro para comandar as ações...

      Excluir
    2. "Já são mortos-vivos, corpos que se mexem sem um cérebro para comandar as ações..."

      Descreveu bem a militância do PT! Parabéns Baço! rs

      Excluir
    3. O PT, o PT, o PT, o PT, o PT, o PT, o PT, o PT, o PT. Diz lá... além de odiar o PT, o que mais fazes na vida? Deslarga, meu. Vai tomar uma cervejinha com os amigos (se é que tens algum) e para de falar merda.

      Excluir
    4. Baço, perdoai-o. Quem sabe começando o BBB ele terá menos tempo para sua sanha ANTI-PT, ou melhor, ANTI-BAÇO?

      Excluir
    5. É o meu serviço social, Juarez Vieira. Quando eles me xingam fazem uma catarse. E daí não precisam gastar dinheiro em psicanálise.

      Excluir
  13. Inclua a proibição ao álcool.

    ResponderExcluir
  14. E ainda dizem que ser petista ou esquerdista é uma seita. E ser coxista ou direitista, o que é? Na verdade, religião e política pressupõe boa dose de fé, ambas possuem muitos dogmas. Nem por isso devemos condenar quem as pratica. As liberdades religiosa e política são fundamentos da democracia. E por falar em porte de armas no Brasil, acabei de conhecer outra "pérola" dos seus defensores: Se o porte de armas for proibido, também deveria ser proibido o "porte" de caminhões, se referindo à onda de atentados por atropelamento na Europa...Ronaldo Aidos/Joinville

    ResponderExcluir
  15. esse aqui não precisou de arma:
    https://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/mais-criancas-feridas-em-creche-de-janauba-chegam-a-hospital-em-bh.ghtml

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tivesse uma metralhadora...

      Excluir
    2. teve
      http://g1.globo.com/Tragedia-em-Realengo/noticia/2011/04/atirador-entra-em-escola-em-realengo-mata-alunos-e-se-suicida.html

      proibidas ou não armas vão passar distantes das minhas mãos.
      mas o desarmamento no Brasil foi uma piada. Desde que criaram essa lei as mortes por armas de fogo só aumentam. tem alguma coisa que não fecha nesse discurso aí. E o povo, que de trouxa não tem nada, sabe que estão mentindo para ele, sente na pele a mentira. mas vai lá, siga aí com seus argumentos, ganhe elogios dos seus amigos que vivem no mesmo cercadinho que vc..

      Excluir
    3. Mas sabes que mais morre, né?

      Excluir
    4. Não entendi, vc tem morto predileto?

      Excluir
    5. As vítimas geralmente têm um perfil conhecido: jovens, negros e pobres. E se retirarmos os mortos sob o argumento de resistirem, os que são apenas objeto de documentos conhecidos como AUTOS DE RESISTÊNCIA, como se isso autorizasse a polícia a matar quem acharem que deve morrer, obviamente excluindo desta matança senadores envolvidos com o tráfico de drogas, abusadores de crianças (ricos é claro), cobradores de propina e outros membros daquela parcela da sociedade que se denomina GENTE DE BEM!

      Excluir
  16. Essa discussão utilitarista cansa. Ela tem no mínimo 200 anos com os mesmos argumentos. Ela é a mãe dos sociólogos e de todos da área de humanas e suas teorias de cabinete.
    Utilitarismo é tudo que faz um cálculo de bem estar(felicidade), e de sofrimento , sempre tentando aumentar a felicidade e diminuir o sofrimento do coletivo. No caso o argumento contra as armas é que elas aumentam o sofrimento, mas meus pêsames o ser humano nunca se livra da barbárie e a barbárie da esquerda é ela tentando se mostrar superior moralmente. Até por que depois da morte de Deus, sem um absoluto para nos guiar os silogismos lógicos ficaram bem prejudicados. A ética tenta se equilibrar na nessa matemática de mais prazer - dor. Mas sabe por que o utilitarismo não funciona?
    Por que o ser humano tem uma predileção pelo inferno, é contraditório, a busca pelo prazer e a fuga do sofrimento só nos mostra o vazio. O homem é o erro de Deus, somos um animal em ruínas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer VC queira ou não, seus argumentos e os dos demais seguiram uma base utilitarista. E sua pretensão moral/ética justificada em um cálculo. Se negar que foi utilitarista ai meu caro baço, socorro. Se escrevi meio tortuosamente, ataquei a base do utilitarismo.
      E qual o grande problema do utilitarismo? Resumidamente ela enxerga que o problema esta no coletivo, na sociedade até quem sabe na cultura. Homem o indivíduo, não é pensado até pq a ciência como tal não lida bem com o subjetivo e no singular.

      Excluir
    2. Sabes o significado da palavra pernóstico? É o que fica parecendo. Não parece que domines o conceito de utilitarismo e nem parece que ele seja a melhor hipótese aqui (pelo menos não em relação a tantos outros possíveis).

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem