segunda-feira, 10 de março de 2014

Na Copa, Joinville sai na frente

POR JORDI CASTAN



Joinville consegue atrair a atenção mundial. A própria Fifa deve enviar um representante para a inauguração do Parque da Copa em abril. Joinville marca um gol de placa, ao modificar o projeto original do Porta do Mar para o Parque da Copa, uma jogada de marketing turístico: saber aproveitar o momento e projetar Joinville como a primeira cidade do Brasil a fazer um parque para a Copa.

A ideia de construir uma trave olhando a Baía de Saguaçu e encher o chão com réplicas em concreto da "Brazuca" é uma das boas iniciativas da administração municipal. Criatividade em modo “on”. Apesar de que nenhuma das seleções participantes escolheu Joinville como sede, temos a oportunidade de emplacar na mídia internacional.

Pena que os "parques" do Fonplata sejam a imagem de como funciona (ou melhor, como não funciona) o serviço público em Joinville. Obras caras, orçamentos estourados, atrasos no cronograma que se alastram sem solução pelas várias administrações. E que, depois de inaugurados de forma precária ou incompletos, em poucos meses apresentam um estado de abandono e de deterioro lastimável e injustificado. Fixar data de inauguraçao para um desses parques é um mico tal que não há uma que não tenha sido remarcada em mais de uma ocasião.

O plantio de árvores não atende nem as especificações técnicas de altura, DAP (diâmetro a altura do peito) ou a formação adequada da galhada. E se fosse pouco, ainda há quem ache que manutenção de parques e praças se reduz à roçada periódica do mato que toma conta dos canteiros. O resultado desta evidente falta de competência técnica para assumir uma responsabilidade como esta - ou a visão excessivamente simplista da gestão de verde urbano - é o quadro que aí está: parques abandonados, mato tomando conta, plantas mortas que não são substituídas. E em pouco tempo os parques se degradam e se convertem em espaços ocupados por marginais durante boa parte do dia. O resultado é dinheiro público jogado pela sarjeta e parques e praças que não atendem o objetivo para que foram projetados.




O pior é que entra governo, sai governo e o tema parques e praças se mantêm inalterado.

19 comentários:

  1. Os dois primeiros parágrafos de seu texto mostram teu caráter.

    O dois últimos o teu conhecimento.

    Em ambos críticas.

    Nos primeiros, baixas, torpes e principalmente infantis.

    No segundo, altivas, responsáveis e principalmente qualificadas.

    Prova viva que o ódio não é um bom combustível.

    Colocou-se no mesmo patamar de quem tu criticas.

    Poderia ter ficado só nos dois últimos parágrafos.

    ResponderExcluir
  2. Para quem cobriu os tocos das árvores cortadas da Rua XV com lindos canteiros feitos por pedreiros às pressas não é de se surpreender, tampouco para quem inaugura parques com mirantes e sanitários fechados.

    ResponderExcluir
  3. Estive lá ontem almoçando.Com certeza não é essa imagem que ilustra a crônica.
    Está inacabado e sem nenhuma vegetação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o que mais me chamou a atenção,foi uma luminária de 3,50m colocada bem ao centro do portal,atrapalhando o visual.Ali faltou bom senso de quem instalou o "poste".

      Excluir
    2. Sandro, o poste foi em homenagem aos comissionados, aheuehuaehae

      Excluir
    3. Vejamos: Parque = Copa = Dilma = Poste

      Perfeito!

      Excluir
    4. Nossa,como você é smartão!

      Excluir
    5. Obrigado! Pena que eu não dizer o mesmo sobre as tuas figurinhas...

      Excluir
    6. Figurinhas é o tu colecionavas há 50 anos atrás!

      Excluir
    7. Sandro ficou brabinho, fica brabinho não! Apenas aceite a opinião do leitor. Pessoas arrogantes quem postam nessa blog de segundo mundo!!!

      Excluir
  4. Eu já tinha ouvido essa da "Trave do Mar" mas nem tinha feito a ligação com as bolas estranhas que estão presentes no local, onde estive recentemente. O pior é que ficaria menos feio se fosse Parque da Copa

    ResponderExcluir
  5. Os recursos do Fonplata foram aprovados na gestão do Teobaldo, os mesmos recursos foram congelados na gestão-limbo (do Carlito) e só com a atual gestão do empresário esse parque vai sair do papel, mesmo com todos os defeitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recursos congelados na gestão Carlito?!! Pois foi justamente na gestão passada que foram licitadas e iniciadas todas as obras, houveram problemas de contratos e desistencias, mas o empresário só está levando os louros...

      Excluir
  6. Vamos fazer uma reflexão sobre esta frase: "E em pouco tempo os parques se degradam e se convertem em espaços ocupados por marginais durante boa parte do dia." - Estes marginais seriam quem? Usuários de drogas, mendigos e pobres, adolescentes escutando som e bebendo no local, crianças sem camisas jogando bola, índios vendendo artesanato... Cuidado com esta visão simplista, para mim parece só um "pouquinho" preconceituosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudimar,
      Você sabe o que é um marginal? Sabe? Então não ha preconceito na frase.
      Alias o unico preconceito é o seu que confunde marginais com meninos jogando bola sem camisa.

      Excluir
    2. Preconceituosos que se imaginam virtuosos tem aos montes, inclusive um que escreve para esse blog.

      Eduardo.

      Excluir
  7. Além de preconceituoso esse ?artigo? mostra quem vc é Jordi....ninguém.kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. não entendo como existe pequenas empresas e galpões funcionando na Estrada da Ilha ...além de um empresa de galvanização na mesmo ... o proprietário mantei outro pequenos galpões ao longo da via....mais respeito com a população ali ainda é area Rural....cade aos autoridades SEINFRA FUNDEMA E ATÉ MP. FICA AQUI MEU PROTESTO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a mais pura verdade ! Amanda

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem