sexta-feira, 28 de março de 2014

Abuso de poder na UFSC mostra continuidades da ditadura

POR FELIPE SILVEIRA

Nos meus últimos textos defendi a criação de atividades e espaços da memória que refletissem sobre a ditadura civil-militar (1964-1985) – e consequentemente sobre a história do Brasil e do mundo, já que este é um episódio marcante internacionalmente. Leia aqui. Mais do que isso, defendi que seja pensada e construída uma educação emancipatória cujo sentido seja não repetir a barbárie de 64. Leia aqui. E não repetir a barbárie também é enfrentá-la nas suas manifestações do dia-a-dia. Lutar para não repetir a barbárie da ditadura também é lutar contra as suas continuidades, como a que aconteceu na UFSC nesta semana.

O que a polícia fez foi um absurdo, e há inúmeras coisas a se discutir a respeito disso. Não vou abordar todas aqui, mas chamo a atenção para duas: a motivação da polícia e a reação da mesma diante da reação dos estudantes e professores.

Quanto à primeira, diz o delegado que não vai deixar que transformem a universidade em uma “república de maconheiros”. Olha aí a continuidade da ditadura. Temos o inimigo, a maconha e os maconheiros, responsáveis pelos males do mundo. E não importa se o mundo que raciocina contraria essa tese. Para uma boa parte da polícia, maconheiros são os grandes financiadores do tráfico e devem ir em cana, de preferência tomando umas porradas antes. Se for comunista, antes, durante e depois. Hoje, em uma discussão, um policial militar disse: “Comunista bom é comunista morto.”

Outra continuidade foi a reação das forças repressoras diante da reação das forças populares. Por causa de alguns cigarros de maconha (e não estou defendendo que a polícia simplesmente ignore o fato) armou-se uma guerra. Não se quis dialogar ou negociar, como poderá ser visto no vídeo e lido na entrevista linkada abaixo. E não se quis porque a ideia do agente policial era demonstrar poder. Um poder que entre 1964 e 1985 não conhecia limites. E um poder do qual muitos tem saudade ou não acham que perderam.

Alguns apontam um exagero das duas partes – polícia e universitários –, mas esqueceram que a polícia queria levar estudantes em carros não identificados. E isso me parece um bom motivo para uma reação popular, não? Não foi o único.

Neste vídeo pode ser vista a tentativa do professor Paulo Pinheiro Machado de dialogar com o delegado Cassiano:


E este é o mesmo professor tendo a resposta da polícia, ao pedir mais dois minutos para tentar dialogar:

Foto de Marco Santiago, do jornal Notícias do Dia, de Florianópolis

E aqui tem uma entrevista com o professor ao Diário Catarinense. Segue um trecho sobre como começou o confronto: "Ficamos por duas horas negociando com o delegado Cassiano da Polícia Federal. Ele foi irredutível. Quando iríamos conseguir a dispersão mútua para evitar o confronto ele decidiu levar os estudantes presos. O comandante Araújo da Polícia Militar estava cooperando conosco, mas o delegado se mostrou intransigente. Propomos que o Boletim de Ocorrência fosse feito no local ou então que um procurador e um professor acompanhasse os estudantes, mas ele disse que não poderia colocar eles no carro da polícia."


***

A truculência da polícia não é novidade. Não era nem na ditadura. A polícia é violenta desde que foi criada, mas durante o regime militar se extrapolaram todos os limites. A violência que vemos hoje –na universidade, nas comunidades periféricas, nas favelas e nas manifestações populares – é uma continuidade daquele período sombrio. Para quem não sabe como foi esse período, vale dar uma olhada nas declarações do ex-agente do CIE, Paulo Malhães, dadas à Comissão Nacional da Verdade há dois dias, nas quais admitiu a prática de tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos, cujo objetivo era impossibilitar a identificação das vítimas.

A truculência policial é somente um aspecto. A herança da ditadura é muito ampla. Continua-se calando trabalhadores e sindicatos pelas mais diversas formas, continua-se fazendo tudo em nome do lucro, continua-se destruindo o meio-ambiente e escravizando pessoas em nome do capital, continua-se comprando votos... Sem contar que destruiu uma geração de intelectuais e artistas que estava em ebulição e trabalhava pela construção de um Brasil melhor.

Que essa data simbólica seja marcada pela decisão de descontinuar esse tipo de coisa. E que seja um recomeço.

35 comentários:

  1. Mário Cezar da Silveira28 de março de 2014 08:30

    Felipe, fica óbvio que houve um despreparo até amador e ditatorial das forças policiais. chega a ser criminosa a forma de ação da polícia. Mas, gostaria de deixar alguns questionamentos que não podem deixar de ser feitos.
    1- Onde os usuários adquirem a maconha. Se só consomem dentro do Campus, tudo bem(?).
    2- A Cidade Universitária da UFSC está isenta de cumprir as leis vigentes no país?
    3- A reação dos alunos é contra a ação grotesca e condenável da polícia, ou pelo direito questionável de usar um espaço público sem a obrigação de respeitar as leis?
    4- A reação dos alunos, usando a mesma truculência que dizem condenar, virando veículos da polícia, atirando pedras, etc; não é condenável?
    5- Os demais alunos, não usuários de maconha, são contrários ou favoráveis ao uso dos bosques da UFSC como ponto de venda e consumo da droga?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1 - Não sei
      2 - Não
      3 - As duas coisas, que estão relacionadas.
      4 - Não, e não usaram a mesma truculência.
      5 - Não sei.

      Excluir
  2. É proibido o consumo de drogas ilícitas em espaços públicos.

    Os maconheiros foram abordados por policiais federais que não estavam atrás apenas de quem consome, mas também dos “aviõezinhos” e dos traficantes.

    Quando os policiais federais foram intimidados pelos maconheiros eles recorreram à polícia militar.

    Essa ideia de que a PM não pode entrar nos campi federais é conversa pra boi dormir, ela só não pode como deve intervir toda vez que for necessário.

    Truculência? O que dizer dos “estudantes” que depredaram e viraram dois automóveis da segurança do campus? É com esse pessoal tranquilo que a PF estava lidando.

    O maior índice de roubos de veículos de Fpolis se encontra dentro e nos arredores do campus. Não há segurança para os estudantes nem para quem frequenta as áreas verdes. Drogas (maconha, ecstasy, cocaína) são comercializadas e consumidas a luz do dia ao lado das salas de aula. Os maconheiros costumam se reunir com traficantes e consumir drogas no bosque próximo ao planetário, todos sabem disso, estava mais do que na hora da administração da universidade intervir e solicitar apoio da PF.

    Os gatos pingados que ocupam a reitoria não representam o corpo discente, estão lá para defender os interesses deles.

    Quem tem medo de polícia é bandido.

    Universidade não é terra sem lei. Universidade não é lugar para consumir drogas.

    ResponderExcluir
  3. Normal. Nas universidades brasileiras há dois tipos de alunos: os que lá vão para estudar, garantir uma profissão e um futuro melhor... e os que vão para fumar maconha, falar de Karl Marx, Che Guevara, saem da universidade e dão aulas de história...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário babaca o seu. Parece que foi influenciado pelo Prates, onde a ciências sociais são disciplinas menos importantes.

      Excluir
    2. Eu sou um anormal. Eu fui para universidade brasileira, não fumei maconha, critiquei Marx, nunca usei camiseta do Che, ao me formar, passeia dar aula de história. hahaha

      Maikon K

      Excluir
    3. Eu fumava todos os dias, adorava Marx, tinha (ainda tenho) um poster e camiseta do Che, vivi o movimento hippie, e tenho certeza que tenho uma diferença fundamental de vcs: paro em faixa de segurança para pedestres passarem e vcs não.

      Excluir
    4. 11:43, você devia dar um pulinho nos cursos superiores de medicina e engenharia. Seu mundinho de merda viria abaixo.

      Excluir
  4. O delegado Cassiano da PF mostrou-se completamente despreparado para o cargo que tem. Já possui um histórico de polêmicas e autoritarismos em sua carreira. E de quebra é evangélico ortodoxo. Ele foi o maior culpado desta celeuma toda. Se não fosse o mesmo os pretensos traficantes já estariam fora do campus, os universitários que quisessem poderiam continuar fumando seus baseados e fim de papo.
    Em tempo: fui estudante de universidade federal nos anos 70 e se fumava diariamente naqueles tempos; nem por isto viramos dependentes e muito menos delinquentes, a maioria dos que fumavam seriam os profissionais mais brilhantes e críticos. Nem os policiais da ditadura se aventuravam a prender gente dentro dos campus naquela época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom o seu depoimento, também estudei nesta época na UFRGS e fumava-se sem problema algum, era tudo muito simples, quem não quisesse não fumava, pronto.
      Passaram-se quase 40 anos, o mundo deu bilhões de voltas, a liberação da maconha está tomando cada vez mais espaço no mundo, e este delegado em vez de prender sonegadores e corruptos vai aplicar a sua moral dentro de um campus? Me poupe.

      Excluir
  5. Parabéns por fumar DIARIAMENTE e mesmo assim não ter virado dependente e ser um profissional brilhante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahahhaha.
      Pra quem tu tá falando isso?
      Eu nunca fumei, apesar de já ter planejado várias vezes.

      Excluir
    2. Anônimo 28 de março de 2014 12:35

      Excluir
    3. se foi para mim Dirk te aconselho a fazer o mesmo, abre um pouquinho os horizontes...um dos primeiros preconceitos que provavelmente vai fazer vc se dar conta é este...

      Excluir
    4. Ah, tá. Fiquei na dúvida porque o comentário não tava como resposta àquele.

      Excluir
    5. "Eu nunca fumei, apesar de já ter planejado várias vezes.'

      TÍROSO!

      Excluir
  6. Esse felipe é uma piada....um texto ruim atrás do outro...nunca pisou na ufsc, não sabe como é lá. Criticar a polícia é fácil, sendo que no mínimo os dois lados tem culpa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já falei que ele tem problemas com a sua ancestralidade, mas ninguém me ouve. Enquanto ele está a solta eu não frequento cinemas....

      Excluir
    2. Ótimo. Assim sei que não vou ter que dividir o cinema com um sujeito escroto.

      Excluir
  7. Tá aí ó!
    Os estudantes reivindicando aquilo que pertence a todos, não só a um grupinho que se acha diferenciado.

    http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/noticia/2014/03/estudantes-de-engenharia-da-ufsc-fazem-protesto-contra-a-ocupacao-na-reitoria-4459165.html#

    Mais democrático que isso, impossível.

    A propósito:

    http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2014/03/estudante-leva-coronhada-de-pistola-no-rosto-em-assalto-na-ufsc.html

    ResponderExcluir
  8. Minha sugestão:
    O Felipe dar o enderenço da casa dele para que os "estudantes" interessados possam fazer uso do local com a "liberdade" (sem responsabilidade) que tanto estão reivindicando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se quiserem, apesar de a sugestão ser idiota demais, é só me chamar no bate-papo.

      Excluir
  9. Se for liberado o uso de drogas, conforme os "intelectuais" desejam, deveria haver um complemento na lei, ou seja, ao se cadastrar para a compra, o "dependente" deve abrir mão do financiamento porte do governo para qualquer tipo de tratamento relacionado à droga. Acho justo, pois afinal a escolha é pessoal, então as consequências devem seguir o mesmo caminho. Mas dai o Felipe vai dizer que é inconstitucional.

    ResponderExcluir
  10. Se for liberado o uso de drogas, conforme os "intelectuais" desejam, deveria haver um complemento na lei, ou seja, ao se cadastrar para a compra, o "dependente" deve abrir mão do financiamento porte do governo para qualquer tipo de tratamento relacionado à droga. Acho justo, pois afinal a escolha é pessoal, então as consequências devem seguir o mesmo caminho. Mas dai o Felipe vai dizer que é inconstitucional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tás quase um leitor de mentes esse menino... Arrazassi!

      Excluir
  11. subir morro, a policia não sobe, fiscalizar a ponte que é a unica entrada na ilha, não fiscaliza; agora, invadir uma faculdade sem identificação, causar tumulto, negar direitos e causar um tiroteio contra alunos e professores pode neh, e estão ganhando parabéns das pessoas ignorantes ainda . . .

    ResponderExcluir
  12. Fatos como esse só reforçam as demonstrações, que se repetem no nosso cotidiano, de que já é hora de se rever e de se propor mudanças na legislação concernente ao consumo de substâncias psicoativas.
    É fundamental por um fim na hipocrisia que se instalou na sociedade diante da ineficácia da legislação atual, que ao invés de promover a diminuição do consumo da tráfico, serve muito mais parra consolidar um mercador negro que enriquece barões, da poder aos bandidos e torna a sociedade refém.
    renatopfizer@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  13. JORNAL A NOTÍCIA 28/03/2014:
    "Entre as EXIGÊNCIAS dos estudantes estão um posicionamento efetivo da reitora contra a presença da polícia no campus e não-criminalização dos envolvidos"
    Posicionar-se contra, significará em outras palavras, dizer que garante a segurança de todo aluno ou aluna dentro do campus sem a necessidade da presença da autoridade constituída, assumindo para si toda e qualquer responsabilidade.
    Quem em sã consciência afirmaria isso a um pai ou uma mãe que têm seu filho ou filha fazendo uso da instituição?
    É uma questão de bom senso.
    Enquanto a população brasileira reivindica a presença mais efetiva da polícia (ainda que ela precise melhorar em alguns aspectos) para proteger a população de toda espécie de crime, um grupo pequeno de estudantes se acham no direito de EXIGIR um tratamento especial e diferenciado por parte da reitora e do próprio governo federal dentro do campus?
    Sabemos que segurança privada é contratada basicamente para cuidar do patrimônio, e não possuem autoridade legal para deter ninguém, visto que estamos falando de um local público.
    Sendo um local publico, é regido pelas mesmas leis que se fazem presentes fora de seus muros, ou seja, fazer uso de qualquer tipo de droga é crime previsto em lei, e quem deve combate-lo é a autoridade constituída também por lei.
    Diante disso, é muito provável que os pais da grande maioria destes estudantes (para não dizer todos) não concordam com a atitude que gerou todo o problema, assim como questionariam o constrangimento imposto em relação à direção da instituição com esta exigência ridícula.
    Concordar com tal imposição é no mínimo respaldar uma liberdade sem responsabilidade.

    ResponderExcluir
  14. Desculpe, mas fui bem claro quanto ao fato de que estava me referindo especificamente ao problema do uso de drogas e da exigência do posicionamento da reitora, não falei que todas as "REIVINDICAÇÕES" (e não EXIGÊNCIAS) são sem relevância. Volo a insistir: Liberdade precisa ser acompanhada de responsabilidade e deve ser uma via de duas mãos.
    Mudar é preciso, mas nem tudo pode ou deve ser descartado, e tenho certeza que você entende muito bem isso. Ouvir se faz necessário tanto quanto falar, e nada deve ser imposta de forma "horizontal", tanto quento de forma "vertical".
    Tenha um bom dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas se você ler o restante das exigências vai ter a resposta para coisas que questionou.

      Excluir
  15. Felipe, peço a Deus que você não tenha nunca um filho viciado em drogas, seja ela liberada ou não, seja ela lícita ou não.
    Você está falando de coisas cujas consequências sociais e familiares desconhece, ou melhor, conhece na teoria, e muito pouco.
    Sugiro se envolver diretamente em algum grupo de pais que lutam para tirar os filhos do vício.
    Permita-me uma observação, não uma crítica, você é muito evasivo quando faz seus comentários, demonstra que não está disposta a participar de maneira conjunta na busca por amenizar ou solucionar esse que no fundo é um grande problema mundial.
    Não concorda, seja coerente, rebata de forma a tentar mudar as opiniões através de argumentos consistentes e não simplesmente dizer que não concorda,
    isso qualquer um pode fazer. Você está fazendo uso um veículo de comunicação, aproveite para debater, não para simplesmente discordar, nisso a ditadura era especialista, e até onde sei você a abomina.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo pedido a Deus. Eu também espero não ter que passar por isso.

      PORÉM, você está enganada. Conheço muito bem a questão da droga, do mal que ela faz e do mal que dizem que ela faz. Por isso sou a favor da legalização. Acredito que é a melhor forma de combater o problema. Você está supondo que eu não saiba algo que eu sei. Sugiro que você não faça isso. Aliás, você conhece o trabalho do CAPS?

      Excluir
    2. Como ele vai ter um filho.... ah, adoção, hoje já tão podendo ne???

      Excluir
    3. Desculpe meu pré julgamento quanto ao seu conhecimento das consequências que as drogas promovem no usuário e em sua família.
      Quanto ao CAPS, conheço o trabalho que exercem, assim como outras entidades sem fins lucrativos.
      Confesso que não estou convicto ainda de que "descriminalizar" o uso das drogas minimize as consequências, mas estou aberto a conhecer melhor está proposta, por favor, não me tome como radical em minhas posturas.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem