segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Se o problema não é a falta de dinheiro, só pode ser a falta de gestão

POR JORDI CASTAN

Estamos tão acostumados a escutar a ladainha, acompanhada do choro das carpideiras profissionais, que acabamos acreditando que na administração pública nada funciona por que há sempre falta de recursos. Mas quando sobram recursos e as coisas tampouco funcionam é hora de analisar com maior critério o porquê desta incompetência contumaz.

No caso de Joinville, um caso interessante é o da iluminação pública. O excesso de recursos levou a administração anterior a “jogar dinheiro fora” (como é fácil mal gastar quando o dinheiro não é nosso). Foi feita a troca de todas as luminárias dos maiores eixos viários da cidade e de jogar no lixo as luminárias que até aquela data estavam funcionando perfeitamente. A troca de luminárias por outras de maior consumo não melhorou a eficiência energética, mas tentar explicar isso para um administrador público é como arar no mar. Havia dinheiro na conta da COSIP, então vamos gastar.

O jornal A Notícia, na coluna do jornalista Jefferson Saavedra, informou recentemente sobre os recursos arrecadados pela COSIP. “A COSIP tem trazido boa receita para a Prefeitura de Joinville. No ano passado, a contribuição cobrada na conta de luz passou de R$ 21,9 milhões para R$ 23,9 milhões. Dá e sobra para bancar a iluminação pública, despesa que fechou em R$ 16,3 milhões no ano passado (inclui manutenção)".

Como contribuição a Cosip não pode ser usada para outro fim que aquele a que está destinada. Mas qual é o objetivo de arrecadar R$ 5.600.000 mais do necessário em 2013? Numa situação que deve se repetir também em 2014. São recursos que saem do bolso do joinvilense e que acabam ou parados numa conta ou servindo para projetos dispendiosos como o da troca de luminárias na administração anterior.

Seria bom ver os recursos da Cosip direcionados a reduzir o custo da iluminação pública, a troca de luminárias por outras com leds, sem que isso represente desperdício de dinheiro público como frequentemente acontece. Excesso de dinheiro na conta não sempre é uma boa notícia para o contribuinte. O objetivo deve ser o de buscar uma COSIP justa e uma iluminação pública eficiente e econômica. A administração municipal não só erra ao não reduzir o valor da COSIP, erra também ao não promover uma política de redução energética que busque a eficiência.

Aliás a, ACIJ, entidade empresarial que o prefeito presidiu meia dúzia de vezes, tem feito da redução do consumo de energia e da melhoria da eficiência energética uma das suas bandeiras.  Quando se trata de economizar dinheiro dos empresários e de reduzir os custos para as indústrias o esforço vale a pena. Mas se o dinheiro for do contribuinte não há a mesma preocupação.

Uma vez evidenciado que no caso da COSIP há excesso de recursos e o serviço de iluminação pública e manutenção é terceirizado, a lógica deveria fazer deste um dos melhores serviços prestados ao joinvilense. Os dados da ouvidoria provam que não. Que este serviço é o campeão em reclamações.  “As luzes apagadas em postes em Joinville estão no topo das reclamações que chegam por meio da Ouvidoria da Prefeitura. Dos 12.518 pedidos feitos nos últimos sete meses, 11,2% foram sobre troca de lâmpadas queimadas ou estragadas.”



Voltamos ao início. Se nesse caso não há como alegar falta de recursos, a única justificativa lógica deve ser a da falta de competência. Portanto, se o caso é de incompetência, isso se resolve com gestão. Aliás, a gestão não era o mote da campanha? Logo aparecerão os comentários dos anônimos de sempre a dizer que ainda não deu tempo, que as criticas são extemporâneas. Que o homem precisa de mais tempo. Que as críticas viraram pessoais e outros chavões.  Oremos ao padroeiro dos incompetentes que parecem vicejar as margens do Cachoeira e entra governo sai governo permanecem firmemente agarrados as tetas do poder.

19 comentários:

  1. Faça esta sugestão via ouvidoria, pois além de só reclamar precisamos mostrar nossas atitudes.

    ResponderExcluir
  2. Quem defendeu um projeto politico como o "menos pior" e depois se lança contra ele, só pode sofrer de esquizofrenia politica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia tambén no Chuva Ácida o post: o menos pior continua sendo ruim.

      Excluir
  3. Concordo com tudo que colocou. A única ressalva é que não mexeria agora na iluminação implantada recentemente pelo governo passado, até por que se não for a mais economica não deixa de ser eficiente e nova.
    Se for para implantar modelos mais economicos, começaria justamente pelas áreas com deficiencia desta infraestrutura, que é justamente a periferia, além da necessária expansão nestas regiões (que são justamente as mais violentas e que mais precisam deste serviço).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. E modelos mais eficientes deveriam começar pelas areas mais problematicas.

      Excluir
  4. Agora sim, Gostei de Ver Jordi, Verde, Vicejante, Altaneiro diria,,, critica com Dados, informações, o que, ao final,, vai fazer com que o tio Udo dê uma bela chamada no responsável. E quem sabe Jordi ainda ensina os Chorões de esquerda do Chuva Ácida a redigir um texto coerente.

    ResponderExcluir
  5. Mas a gestão dos bocas pagas vai bem, então sem informação o povo não se revolta...

    ResponderExcluir
  6. Qual a idade do atual gerente da pasta? Verifiquem. E da onde veio?

    ResponderExcluir
  7. E esse dinheiro que "sobra" não pode ser usado em outra área?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre,
      A Cosip é uma contribuição, o que se chama dinheiro "carimbado" não pode ser usado em outra area.

      Excluir
    2. Pode sim. Pode ser usado para cobrar menos cosip.

      Excluir
    3. Essa proposta ja esta no texto, achei desnecesario repeti-la, mas você tem razão, o valor da Cosip deveria ser reduzido, assim como o valor do repasse para a Camara de Vereadores.

      Excluir
    4. "A administração municipal não só erra ao não reduzir o valor da COSIP

      Excluir
  8. Oi Jordi. Tudo bem? Dá uma luz para nós sobre a Venezuela, já que o Baço está, aparentemente, sentindo o peso do teclado, e desde o ano passado ignora a possibilidade produzir um texto sobre o país vizinho, tão aliado do nosso Brasil. Conto com você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah. Toma, Jordi. Ficaste com os meus restos...

      Excluir
    2. Escrever sobre Venezuela? Só se for sobre Los Roques, ou La Orchila.

      Excluir
  9. Acho que este foi o posto mais produtivo do Chuva desde sua inauguração. Questão pontual, pontos contrários, gente contra, mas, em geral dá para se concluir que erros ocorreram e podem, sim, ser resolvidos melhorando-se a gestão. Menos fígado, mais cérebro.... Chamaria este post de um post feliz.

    ResponderExcluir
  10. quando vejo noticias sobre o neymar no barcelona .... me lembra uma situação parecida ocorrida aqui em minha empresa, digo meu local de trabalho....sabe quando colocam em seu local de trabalho um garoto que é filho do fulano e amigo do siclano ...mas que supostamente é bom para a imagem da empresa......PMJ é igual Jordi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algumas coisas não mudam, só ficam pior.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem