sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O que você faz para mudar o mundo? #partiutreino

POR FELIPE SILVEIRA

Sinceramente, não me interessam os caras que estão pelo facebook falando milhões de besteiras copiadas de Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino, Olavo de Carvalho e outros seres desprezíveis. Essa pergunta (no título) é para você, que dedica boa parte do seu tempo, inclusive o não livre, a coisas que não são lá muito, digamos, úteis.

Antes de continuar ressalto que o lazer, o prazer e a preguiça bem curtida são algumas das melhores coisas da vida – e todos nós devemos ter direito a elas. Minha preocupação, no entanto, é relacionada à quantidade de gente que se dedica somente a isso e suas variáveis, como o culto ao corpo, as fotos diárias na frente do espelho e o acompanhamento de TODAS as séries de TV do mundo.

Todos nós concordamos que o mundo é ruim, certo? Claro que ele melhora todo dia. Hoje ele é melhor do que há cem anos e há vinte anos. Seja pela tecnologia, pelo avanço da medicina ou pelos direitos adquiridos. Temos nossas diferentes análises, mas concordamos que o mundo pode melhorar, e muito.

Não vai mudar, porém, se você não fizer alguma coisa. Sozinho ou acompanhado. Você pode participar de movimentos sociais, políticos (como partidos), assinar petições, cobrar dos vereadores e do prefeito, participar da associação de bairro, da reunião de condomínio, da associação de pais, criar um blog, uma página no facebook, sei lá, qualquer coisa.

Pergunto isso porque tenho a impressão que, tirando os fascistas, as pessoas sabem o que é certo diante do mundo. Elas sabem que amarrar alguém em um poste e surrá-lo não é certo. Porém, elas estão ocupadas demais para pensar nisso.

Ocupadas demais com o “treino” na academia, com o time do coração, com as dez séries que acompanha, com os lucros da empresa ou com a promoção à vista. Às vezes preocupadas demais com a dissertação ou com a tese de doutorado...

Frisando: nada contra assistir às séries favoritas, praticar esportes, torcer com paixão, tirar foto na frente do espelho, ganhar dinheiro ou ficar de preguiça. Nada mesmo! Mas tudo contra a indiferença com o mundo, com o sofrimento alheio, com as decisões importantes. É essa indiferença que faz o mundo se reproduzir sempre do mesmo jeito, mas sempre com mais exploração, mais opressão e mais sofrimento.

Mas outra hora eu volto nesse assunto, pois hoje é dia de ver o timão jogar.

10 comentários:

  1. "Acuse-os do que você faz, xingue-os do que você é" - Lênin

    ResponderExcluir
  2. Pimenta no ... dos outros é refresco.
    Acontece, Felipe, que a justiça brasileira é ineficiente, a polícia é despreparada e o complexo de Robin Hood que aflorou com a caterva de esquerdistas de araque que hoje dominam todas as esferas políticas fazem com que a população (de praticantes de fisiculturismo a acadêmicos) perda a fé, então ela age por conta própria capturando o infrator (que será liberado horas depois) e aproveita pra dar uns tabefes bem dados no meliante. Afinal, seu texto não cobra ação/participação da sociedade?

    ResponderExcluir
  3. O fato do pouco valor das coisas roubadas não exime o criminoso de punição. A questão é a proporção desta. E também que quem deve aplicar a punição não é a população. O que ocorre é a descrença dela na punição, já que a sensação de impunidade é muito grande no Brasil hoje. O que leva à barbárie cotidiana, tanto por parte da população que faz justiça com as próprias mãos, quanto dos criminosos de todos os graus, que duvidam que sejam pegos e punidos.

    ResponderExcluir
  4. O discurso de ódio invade todos os lares e todos os segmentos. Agora que o gigante acordou e o Brasil resolveu deixar de ser “alienado” todo mundo odeia tudo. O colunista da Veja odeia o âncora da Record que odeia o policial que odeia o manifestante que odeia o político que odeia o pastor que odeia o “marxista” que odeia o senhor “de bem” que fica em casa odiando o mundo inteiro em seus comentários nos portais da internet. Para onde um debate rasteiro como esse vai nos levar? Gritamos e gritamos alto, mas gritamos por quê?
    Política não é torcida de futebol, não adianta você torcer pela derrota do adversário para ficar feliz no domingo. A cada escândalo de corrupção, a cada pedreiro torturado, a cada cinegrafista assassinado, a cada dentista queimada, a cada homossexual espancado; todos perdemos. Perdemos a chance de conseguir dialogar com o outro e ganhamos mais um motivo para odiar quem defende o que não concordamos (Fred Di Diácomo)

    ResponderExcluir
  5. Cada vez mais abismado com a capacidade dos esquerdistas em querer determinar o comportamento alheio... Mudar o mundo para você é construir o socialismo e criar um sistema de imposição individual e miséria, então prefiro que as pessoas continuem em suas vidas trabalhando e construindo o mundo do que ouvindo conselhos de um blogueiro que provavelmente tem muito tempo disponível para escrever asneiras...

    ResponderExcluir
  6. eu vou me alienar na música.
    http://www.youtube.com/watch?v=TVAetFthS9Y

    ResponderExcluir
  7. O que é? ou Quem é? esse FASCISTA que vocês tanto falam?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, desenha para o anonimo das 23:32 hs...!
      renatopfizer@yahoo.com.br

      Excluir
  8. que texto inútil...

    ResponderExcluir
  9. Enquanto uns poderiam fazer mais, outros poderiam fazer menos... A mudança do mundo poderia começar com você parando de publicar textos rasos e ridículos como este.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem