terça-feira, 10 de abril de 2018

Odiar Lula. E odiar, odiar, odiar...

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
- “Leva e não e traz nunca mais”.
- “Manda este lixo janela abaixo aí”.
De férias, fui despertado por uma mensagem de alguém a perguntar se eu sabia da veracidade do áudio com essas frases. Elas teriam sido proferidas por pessoas envolvidas no voo que transportava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para Curitiba. Tudo indica que são verdadeiras, mas nem precisariam ser. Os desejos de morte do ex-presidente são mais do que reais. É só dar uma olhada nas redes sociais.

É apenas fruto da escalada de ódio (de classe, mas não só) que tomou conta do Brasil. A cultura do ódio fez perder todas as referências, ao ponto de tornar irrelevante o valor da vida humana. É a rejeição da civilização. É a invalidação do imperativo categórico de Kant, aquele que fala em só querer para os outros o que queremos para nós (a vida é um bem universal). Enfim, é a negação do contrato social.

O episódio, somado a tantos outros que têm acontecido ao longo dos últimos tempos, revela o estado de putrefação a que chegou um certo inconsciente social. O ódio fez perder as referências da vida em sociedade. A decência, a tolerância e o respeito pelo ser humano – e pela vida – tornaram-se moeda podre. A corrosão do caráter dos indivíduos é o caminho para o fracasso da democracia. E parece não haver volta.

Sigmund Freud escreveu que o ódio é um processo do ego que projeta a destruição do ser odiado. O alvo dessa projeção? É todo aquele que se mostra irredutível à minha própria imagem. Ou seja, se o outro é diferente e não se converte à minha imagem, é inevitável odiá-lo. E surge a negação desse outro e, em situações mais extremas, o desejo de destruição (a pulsão de morte). Lula é alvo de todo esse ódio.

Há quem rejeite a expressão “ódio de classe” (os odiadores são os primeiros), mas ela é uma evidência no Brasil. O discurso do ódio ocupa o dia a dia dos conservadores. E é sempre oportuno lembrar Bernard Shaw, quando ele diz que o ódio é a vingança do covarde. Quem tem olhado para a caixa de comentários deste blog sabe do que estou a falar.

É a dança da chuva.

Danilo Gentili, por exemplo, sugere a morte de Lula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem