sexta-feira, 8 de abril de 2016

Já chega de pontes que nos levam ao passado















POR SALVADOR NETO

O O PMDB, este partido que não sai dos governos federais desde 1993, já teve seus dias de glória. Mas foi nos tempos em que ainda era o velho MDB na ditadura. Hoje, em que pese ter valorosos militantes nos municípios brasileiros, é reconhecidamente o herdeiro do antigo PFL, hoje DEM. Há governo, estou dentro.

Com uma cúpula muito esperta, ao ver o projeto do qual é parte como vice-presidente com o “estadista” (sqn) Michel Temer fazer água na guerra santa produzida por economia ruim x crise política, imediatamente passou a conspirar contra o próprio governo que ajudou a eleger. É filme velho na história política brasileira, basta estudar.


A novidade é o projeto que anunciaram como a salvação da lavoura Brasil, o tal “Ponte para o Futuro”. Na verdade não é projeto, é uma senha para atrair apoios a um capital ofegante por “pegar” o Brasil novamente em suas mãos, sinalizando que a prática neoliberal voltaria com muita força. Para resolver questões “fiscais”. De fato o conteúdo não tem absolutamente nada de futuro, mas tem tudo de passado. Deveria chamar-se de “Ponte para o Passado”, pois nos remete ao país que vivemos entre 1994-2002 nos governos FHC do PSDB/DEM e... PMDB.

Programas sociais que custam ao governo, como o Minha Casa, Minha Vida, Bolsa Família, Mais Médicos, Fies, Pontos de Cultura, Seguro-desemprego, Pronatec, Ciência sem Fronteiras, etc, seriam cortados. Concentrar os programas sociais apenas nos mais miseráveis, os 10% mais pobres, que vivem com menos de 1 dólar por dia. Afinal, para quê mais que isso não é? Nada mais do passado quanto isso. Fim da política de valorização do salário mínimo, de todas as políticas sociais que elevaram mais de 50 milhões de brasileiros de classe social. Privatizações, ah isso seria mais que acelerado, seria imediato. Afinal, para quê Petrobras?

A defesa por uma volta ao passado defendida pelo PMDB já chegou aqui em Joinville há quase quatro anos. Em 2012, graças à sabedoria política do engenhoso ex-senador LHS, os eleitores aceitavam o empresário Udo Döhler como a “salvação da lavoura Joinville”. Diziam que era um homem visionário, preparado, entendia tudo de saúde, a infraestrutura iria mudar, pavimentações seriam aceleradas, enfim, a ponte para o futuro de Joinville estava ali. Só que não. O que se vê hoje é uma cidade abandonada, mal cuidada, com pessoas doentes sem leitos nos hospitais, ainda com falta de medicamentos nos postos de saúde.

Os buracos ocuparam as ruas, as praças esperam alguém para cuidar delas, e o povo também. De pontes, nem algum rascunho da prometida ponte do Adhemar Garcia, estupenda, saiu da ponta do lápis, que dirá do papel. Os bairros esperam o asfalto, e também o pedido de desculpas por tanta incompetência. Passado, é isso que o PMDB trouxe à cidade, assim como hoje quer fazer com o país. Passado. Não precisamos mais de passado. Precisamos avançar verdadeiramente ao futuro. Udo é passado, uma ponte que foi só miragem.

Para finalizar a grande obra da gestão do PMDB/Udo, a pérola da inovação foi a seguinte: para trocar os secretários que saíram para disputar as eleições de outubro, Udo caprichou. Colocou um médico na educação, uma advogada na saúde, um militar na secretaria de assistência social, um jornalista assessor de imprensa no esporte e um comerciante na cultura. Das duas uma: ou são muito competentes (estão no governo desde 2013 e nada...), ou não há mais ninguém aceitando estar nesta ponte que cai. De pontes o PMDB entende, mas sempre para o passado. Joinville e o país querem mais é futuro. E dos bons.

É assim nas teias do poder...

8 comentários:

  1. Ah, eu quero que Dilma continue no governo... e que o Brasil afunde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, quanta vontade de quebrar o país! Não, eu quero que ela cumpra o mandato para o qual foi eleita pelo voto, e que se tiver de sair, saia pelo voto quando a oposição tiver um candidato. Estude mais história.

      Excluir

  2. "Programas sociais que custam ao governo, como o Minha Casa, Minha Vida, Bolsa Família, Mais Médicos, Fies, Pontos de Cultura, Seguro-desemprego, Pronatec, Ciência sem Fronteiras, etc, seriam cortados. Concentrar os programas sociais apenas nos mais miseráveis, os 10% mais pobres, que vivem com menos de 1 dólar por dia. Afinal, para quê mais que isso não é? Nada mais do passado quanto isso. Fim da política de valorização do salário mínimo, de todas as políticas sociais que elevaram mais de 50 milhões de brasileiros de classe social. Privatizações, ah isso seria mais que acelerado, seria imediato. Afinal, para quê Petrobras?"

    Você não tem vergonha?

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, Jlle, mais um anônimo que fazia falta aqui... vergonha é ser anônimo...

      Excluir
  3. Na primeira gestão de Wittich Freitag, nos primeiros três anos ele não fez nada, só pagou as contas deixadas pelo Pedro Ivo. Agora, a história está se repetindo.Quem viveu isso, lembra. Não um Ádvena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Tio Chico, o Freitag pegou seu primeiro governo do PMDB também, que era o seu partido, e o prefeito era o Luiz Henrique, pesquise lá... Acho que não viveste não... eu vivi. Nem o Luiz Gomes, o Lula, deixou tanta conta quanto o LHS, ao qual Freitag suscedeu em 1993. É isso.

      Excluir
  4. Antonio Clair de Freitas8 de abril de 2016 21:21

    salvador neto anônimos não tem o direito de se expressar, são covardes querendo muitas vezes colocar lenha na fogueira.

    ResponderExcluir
  5. O debate, quando embasado é fundamental sempre. No entanto, algumas pessoas insistem em se fixar nas manchetes jornalescas e tendenciosas. A nossa história nos mostra quem fez e o que deixou, sem precisar da censura ou da manipulação midiática que leva um povo sem educação a olhar apenas para a ponta do iceberg. A moral tem que ser uma só. Ladrão é quem rouba um milhão ou um vintém. Delator de delator também é delator. Num, país onde a grande maioria vive na carência de direitos constitucionais, fica muito fácil atirar pedras em quem pelo menos fez um pouco. Não justifica, mas ladrão, meus caros chegaram com as caravelas. Só mudaram suas bandeiras e partidos. Ou lutamos pela limpeza total, resgatamos uma moral verdadeira ou vamos continuar atirando pedras só de um lado da lua.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem