terça-feira, 28 de janeiro de 2014

O maior tapa na cara da história de Joinville custou R$ 1 mi

POR CHARLES HENRIQUE VOOS

O bilionário que doou para o Hospital São José. Foto: Divulgação WEG.
Na última semana os jornais locais noticiaram um fato que deixou muita gente sem reação: um empresário, sozinho, havia doado R$ 1 milhão para o Hospital São José, de Joinville. O fato chamou mais ainda a atenção pelo doador: o bilionário Eggon João da Silva, sócio da fábrica WEG, de Jaraguá do Sul. Ou seja, um empresário de fora da cidade de Joinville "passou por cima" dos locais e fez, segundo o jornal Notícias do Dia, "a maior doação da história de Joinville".

Vale lembrar que o Hospital São José está em um terreno que também foi doado, através do Pe. Carlos Boegershausen (1859-1906), apóstolo de Joinville e importante figura política do século passado. O religioso (foto) doou as terras para construção de um hospital, e em troca teve outras terras de sua posse valorizadas devido a uma série de obras públicas rumo ao centro-sul da cidade, como a Estação Ferroviária. Padre Carlos, portanto, foi um do primeiros especuladores imobiliários da cidade, como explico aqui. É forte candidata ao título de "maior doação da história da cidade".

Voltando, o empresário Eggon ainda fez duras críticas aos colegas de Joinville, pois os mesmos não tiveram a capacidade de colocar grande quantidade de recursos próprios na campanha "Abrace o São José", onde estes saíram vendendo camisetas para "ajudar" o Hospital. Não pretendo seguir a linha do Felipe Silveira, mas ressaltar outra questão que envolve o tema: o PIB industrial de Joinville, em 2011, foi de R$ 7,5 bilhões, segundo o IBGE (estou desconsiderando o PIB de comércios e serviços, por exemplo). Logo, se considerarmos que a entidade empresarial que vendeu camisetas e usou o dinheiro dos outros para valorização de sua marca exploradora ideológica dominadora clientelista plutocrata social é responsável por 10% deste montante (nenhuma loucura), sobram R$ 750 milhões. Se todos os industriais desta entidade doassem para o São José 0,25% do valor de suas produções dentro de 12 meses, seria repassado ao Hospital cerca de R$ 1,875 mi por ano. Sem vender camisetas e o valor estaria dividido entre os pares.

Logo, é muito fácil considerar que a atitude do empresário jaraguaense foi o maior tapa na cara que Joinville já sofreu. Isto serve como lição para esta cidade que vê no empresário um semideus, o salvador da pátria e o responsável por tudo o que existe de bom, pois, sem eles (e seu "espírito" empreendedor), nada existiria. Entretanto, como os empresários de Jaraguá do Sul ajudam a cidade! É só pesquisar no google a quantidade de parcerias com o poder público local na manutenção, promoção e instauração de políticas sociais nos nossos vizinhos. Os de lá deixam os de cá com uma má reputação, no mínimo.

* * * * *

Outro ponto da discussão que não posso deixar remete um pouco ao meu texto de duas semanas atrás aqui no Chuva Ácida. É inconcebível que as maiores 85 fortunas sejam responsáveis por metade da riqueza deste planeta. Segundo relatório da agência Oxfam para a ONU, a riqueza do 1% das pessoas mais ricas do mundo equivale a um total de US$ 110 trilhões, 65 vezes a riqueza total da metade mais pobre da população mundial.

Penso que em grandes fortunas, como o caso do empresário Eggon, devam incidir altos impostos. Desta forma, ao invés de ricos empresários fazendo filantropia, temos um Estado que, através de impostos, faz um melhor controle redistributivo das condições sociais da população. Este é o caminho pois, segundo o mesmo relatório, "sem um esforço concentrado para enfrentar a desigualdade, a cascata de privilégios e de desvantagens vai continuar pelas gerações. Em breve vamos viver em um mundo onde a igualdade de oportunidades é apenas um sonho". 

40 comentários:

  1. Charles, não seja tão injusto homem! Os nossos empresários doam sim!
    Patrocinam uns atletas aqui, outros ali. Doam umas cestinhas básicas para uma ou outra entidade social (acho que em proporções minhas doações são maiores).
    E assim vamos levando..., vendendo umas camisetas aqui, acolá...
    Mas por favor, seja discreto e não fale dos seus MILHÕES. Eles precisam deste abismo social para serem seres superiores. Afinal, é o que eles tem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada, nossos empresários são campeões em patrocinar outros empresários quando estes são candidatos a prefeito, inclusive fazendo com que meia dúzia de bestas que tem um blog ajudem ele, de graça, a tomar o poder...

      Excluir
  2. Já tinha ouvido falar que este Sr. Egon é porreta mesmo!
    Parabéns grande empresário de Jaraguá do Sul.

    ResponderExcluir
  3. Não é o assunto em questão, mas o Brasil aplicar U$ 682 milhões e assegurar mais U$S 290 milhões para revitalização do porto em Cuba é o fim da pi ca da, enquanto nossos portos estão à mingua e sem um centavo de investimento. Mas é muita pachorra, é muita pachorra mesmo! É muito sem-vergonhice. Nem em Itajaí navios de turismo aportam... mas ali já é outra sem-vergonhice de um político lá de Florianópolis, que queria cobrar impostos dos navios. Do que é comercializado dentro do navio! Será que ele não sabe que quando um navio atraca, todas as lojas e o cassino são fechados? Vontade mesmo é de ir embora deste antro. Mas não. Vou às urnas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O empréstimo do BNDES, que é um banco e vive de fazer isso, foi de 957 milhões de dólares. Desses, 802 milhões foram gastos no Brasil, comprando de empresas brasileiras e criando 150 mil empregos. Agora o Brasil tem um porto no Caribe. O Brasil é concessionário de um porto em posição privilegiada. A China também está investindo na região por meio de seus bancos. O governo brasileiro não gastou um centavo na obra, já que os recursos do BNDES são próprios.

      Excluir
    2. Tal qual a história do coelhinho da páscoa, os detalhes devem ser considerados secretos

      Excluir
    3. Com relação aos recursos próprios do BNDES, isto não é correto. O Tesouro Nacional capta dinheiro no mercado a 13% ao ano e repassa ao BNDES que o empresta a juros subsidiados (TJLP + TR se não me engano). Advinha quem paga a diferença?

      Excluir
    4. É o Genoíno que banca a diferença !! Coitado !! Vamos abrir uma nova conta e doar para ele?

      Excluir
  4. Jaraguá há muito tempo demonstra ter um espírito solidário entre seu empresariado que é de fazer inveja a Joinville. Veja o caso do piano adquirido para o SCAR. Parque Malwee, Vender camisetas para ajudar o Sao José é piada de mau gosto. E o leilão de obras que teve arrecadação pífia porque os lances foram miseráveis então? Jaraguá dá o exemplo prático de que tudo vai bem quando vai bem pra todos. Ainda assim entendo que não é demonizando o rico que o pobre vai melhorar sua condição. Sou contra a luta de classes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaha eu lembro desse leilão! Teve uma boa divulgação até, mas os lances...... foram uma vergonha!

      Excluir
    2. isso é algo que eu acho errado, saiu ontem que uma cantora vai doar U$ 1,00 de cada ingresso a uma instituição de caridade, só que quem paga o ingresso são os fãs, ou seja, os fãs é que estarão doando esse U$ 1,00 e não ela.

      Excluir
    3. E se a cantora não doar o U$ 1,00? É dela, correto?

      Excluir
  5. Esta constatação é vem de muito tempo: o empresariado joinvilense é sovina, egoísta, individualista e sem nenhum espírito de coletividade. A começar pelo atual prefeito que jamais investiu em algo que fosse do interesse coletivo.
    Apanhamos de Jarágua do Sul em vários momentos da história.
    Aproveitemos e falemos também no eleitor de Joinville: mal informados, elitistas e cornos dos políticos desta cidade.
    renatopfizer@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, são todos lambe botas!

      Excluir
  6. "E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus."
    Mateus 19:24

    Sem generalizar mas a grande maioria dos empresários de Joinville não passam de uns gananciosos descaridosos.

    ResponderExcluir
  7. Dinheiro é tempo convertido, então se você não pode doar dinheiro, doe seu tempo em atividades voluntárias que ajudem pessoas que necessitam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah tá, você vai comprar equipamentos com trabalho voluntário. Tem injeções que são usadas no tratamento do câncer que custam 4 mil reais e o prazo de validade é de 4 horas.
      Hospital precisa de dinheiro para investimentos.

      Excluir
  8. Se cada empresa de Joinville doasse 500 mil reais para o SJ, teríamos um hospital de referência aqui no Sul. E realmente o dinheiro deveria ser aplicado no hospital, nada de DESVIOS como é de costume.
    Mas não a ganância e o egoísmo estão em primeiro lugar. Que coletividade que nada! Venha a mim o meu reino.

    ResponderExcluir
  9. Ja poderia ter ajudado ha muito tempo, quantos jaraguaenses são atendidos no São José tirando vaga de joinvillenses?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quantos joinvilenses foram atendidos no Hospital Jaraguá, principalmente crianças com problemas cardíacos, no qual o aquele hospital é referência, tirando vagas de jaraguaenses?

      Excluir
    2. E não tem joinvilense sendo atendido no hospital de Jaraguá? Que comentário no mínimo infeliz. Bairrismo tem os seus limites.

      Excluir
  10. Grupo Weg em 2012 empregava 26.000 pessoas. Se subsidiasse com R$100,00 mensais um plano de saúde para cada funcionário totalizaria R$2,6 milhões/mes.

    Até onde soube pela imprensa a doação foi pessoal. Parabéns pelo gesto, desejo que o dinheiro seja bem utilizado e o exemplo multiplicado.

    ResponderExcluir
  11. Será que estas empresas que doaram até 300 mil reais para a campanha de Udo fariam essa mesma doação para melhorar o SJ ???
    Vejam a "generosidade" de alguns empresários quando se trata de campanha politica.
    http://inter01.tse.jus.br/spceweb.consulta.receitasdespesas2012/abrirTelaReceitasCandidato.action

    ResponderExcluir
  12. somente uma correção, não foi o Sr. Eggon quem fez a doação.
    http://wp.clicrbs.com.br/loetz/2014/01/24/empresario-de-jaragua-do-sul-gert-baumer-faz-doacao-de-r-1-milhao-ao-hospital-sao-jose/?topo=84,2,18,,,84

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que beleza, agora vão discutir tudo de novo...

      Excluir
  13. Não fez mais que a obrigação... afinal, alguém acha que o povo de Jaraguá não utiliza o Hospital São José??? não fez mais que a obrigação em ajudar o hospital onde o povo dele faz seus tratamentos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha o meu comentário ali em cima. Como têm jaraguaenses utilizando o hospital São José, têm joinvilenses utilizando o hospital de Jaraguá... Ou você não conhece ninguém que mora em Joinville e trabalha em Jaraguá e região? Mais que obrigação, por que? A Weg é mais ajudada pelos governos do que as outras empresas de Joinville? Pelo que sei todos os funcionários da Weg tem plano de saúde e são atendidos em hospitais particulares, inclusive o Hospital Dona Helena (do seu Udo). Esse teu comentário tá fazendo algum sentido? Ou só por que ele é bilionário ele deve alguma coisa pra Jaraguá ou Joinville? O cara dá dinheiro para quem quiser, não é?

      Excluir
    2. Embora o hospital São José seja “municipal”, parte dos recursos vem do Estado, além disso, convênios com municípios da região também garantem recursos. Resumo: Joinville nunca bancou o hospital sozinho.

      Excluir
    3. CALA A BOCA!
      DIZER QUE É OBRIGAÇÃO DE UM EMPRESÁRIO DE OUTRO MUNICÍPIO DOAR PARA O NOSSO HOSPITAL É O FIM DOS TEMPOS! JOINVILENSES USAM E MUITO O HOSPITAL DE JARAGUÁ DO SUL QUE TAMBÉM ATENDE GUARAMIRIM, CORUPÁ, POMERODE, SCHOREDER....
      E SE FOR OBRIGAÇÃO DELE, OS NOSSOS EMPRESÁRIOS TEM QUE FAZER O QUE ENTÃO??

      Excluir
    4. Conseguem milhões para a campanha e vendem camisetas pra arrecadar fundos....uma vergonheira sem limites. Foi realmente um tapa na cara dos alemães da linhagem do Ottokar Doerfel, que diferente dos alemães de Jaraguá e de Blumenau nunca pensaram em coletividade. Por exemplo, o cidadão dono de uma grande empresa que fez fortuna no centro de Joinville, e que agora ta se mandando pra Araquari, que diz a lenda ser dono de 15% do território urbano e rural de Joinville incluindo muitas propriedades com fontes de água. Só esse cara poderia dar uma grande ajuda para o São José. Mas para nosso azar ele somente será o alemão mais rico do cemitério. Obrigado Jaraguá! Ps: o povo de Jaraguá não falou nada desse auxílio enviado por seu conterrâneo, mas....e se fosse o contrário? Imagina a chiadeira.......

      Excluir
    5. Notem que 1. o Zequinha é referência para algumas especialidades, então, os médicos de municípios vizinhos "encaminham" os pacientes, eles não vem por escolha. 2. Se eu estiver em MG e precisar ser hospitalizado, o SUS me garante atendimento Universalizado em toda a rede pública, então essa história de "é de araquari", "é de Joinville" não ECZISTE...

      Excluir
  14. Acho que foi uma bela atitude de uma pessoa independente de ser da cidade ou nao ...apesar disso o hospital sofre o que sofre por que recebe varias pessoas nao so de joinville mais boa parte de Santa Catarina... acho que se cada empresario doa-se um certo valor ajudaria , agora so por que do-ou um valor grande os caras querem erguer no trono

    ResponderExcluir
  15. Se não roubassem tanto o dinheiro dos contribuintes, se a corrupção não fosse tão descarada e se os eleitores votassem conscientes, não seriam necessárias doações de mais ninguém. Vejam o quanto os empresários já "doam" em impostos nesse país: PIS, COFINS, CSSL, IPTU, ISS, IR, etc....
    E ainda querem aumentar ainda mais os impostos??
    Prefiro que alguns empresários façam doações espontâneas do que aumentar a carga de impostos e ir tudo para o ralo da corrupção, como é hoje...

    ResponderExcluir
  16. Hospital São José não é público? Pq é dever da entidade privada ajudar? Por caridade? Já pagamos impostos que deveriam ser revertidos para a saúde, educação, segurança, etc, etc, etc. Que discussão mais sem nexo! As vezes o obvio precisa ser dito!

    ResponderExcluir
  17. Se as pessoas conhecessem o empresário Gert Bauman e soubessem a sua história muita dessa conversa seria desnecessária...

    ResponderExcluir
  18. Porque o empresário não ajudou o hospital de Jaraguá?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele já ajudou 10x mais o hospital de jaraguá...

      Excluir
  19. Incrível muitos esquecerem, que pessoas que ficaram ricas como o Sr. Eggon o Sr. Werner e o Sr. Geraldo, dão uma contribuição muito maior que os impostos que vão ser roubados, ele dão emprego digno a milhares de pessoas. Ou acham que o correto e entregar para o PT e tantos outros partidos, fazerem analfabetos ficarem ricos sem fazerem nada.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem