terça-feira, 11 de abril de 2017

Austeridade é o remédio que mata o paciente: o caso português

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Portugal, 2011. “Austeridade” é escolhida a palavra do ano. É um momento em que a crise econômica atinge um dos seus pontos mais dramáticos. Afundado numa recessão, o país vai às urnas e faz ascender ao poder o governo de direita (e ultraliberal) de Pedro Passos Coelho. E tem início um dos mais lamentáveis governos desde que a democracia foi instaurada em abril de 1974, com a Revolução dos Cravos.

Não foi o que podemos chamar um “governo”. O novo primeiro-ministro tornou-se um simples títere da “troika” formada pelo Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia. Tudo o que fazia era aplicar a cartilha da austeridade determinada por essas três entidades. A população, rendida à “evidência” de que não havia alternativa, aceitou de forma passiva.

Mas os resultados da fórmula teimavam em não aparecer. Pelo contrário, as coisas pareciam ir de mal a pior. O remédio neoliberal parecia estar a matar o paciente. Houve  um ou outro aviso esporádico, que era logo abafado pela voz da “razão” dos poderosos. Não há alternativa. E viveu-se uma situação impensável. A estratégia do governo passava por empobrecer os portugueses e mesmo por estimular a emigração.

Em 2015, depois de quatro anos de um governo que levou o país à exaustão, vieram as eleições. E o partido de Passos Coelho conseguiu uma nova vitória. Mas os sistemas parlamentares têm as suas virtudes. De forma inédita na democracia portuguesa, as esquerdas (Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Partido Comunista) optaram por um acordo parlamentar que lhes deu uma maioria e permitiu formar governo.

Muitos vaticinaram o fim do acordo em pouco tempo. O convívio entre partidos de esquerda não podia ter futuro. Apeada do poder, a direita tentou realçar a esquisitice do acordo, apelidando a solução de “geringonça”. Mas as primeiras medidas do novo governo passaram justamente por reverter muitas das ações austeritárias (austeridade mais autoritarismo) dos anos anteriores. E a coisa tem dado certo.

Até este momento o resultado é positivo, apesar da enorme dívida externa do país, que muitos analistas classificam como impagável. Os dois parceiros mais à esquerda do governo socialista – Bloco de Esquerda e Partido Comunista – já falam em restruturação da dívida. A questão é séria, mas por enquanto a “geringonça” mostrou que é possível crescer sem austeridade. E é aí que mora o perigo. Porque muitos decisores da União Europeia não parecem particularmente felizes com o sucesso português.

Se um país abandona a política de austeridade (não foi totalmente extirpada) e ainda cresce, surge a evidência de que há alternativas à política austeritária. E a pior das evidências: muitos países foram sangrados por causa de políticas econômicas equivocadas. Aliás, é só lembrar que o FMI tem sido ziguezagueante nesse aspecto. Ora defende a austeridade, mas esporadicamente diz que não funciona.

Há gente pouco confortável com a situação. Um dos casos mais flagrantes é o do ministro alemão Wolfgang Schäuble, das Finanças. O sucesso português parece ter-lhe estragado o fígado e ele não perde uma oportunidade mandar recados azedos. Outro caso mais midiático foi o do holandês Jeroen Dijsselboem, que acusou os países do sul da Europa de gastarem o dinheiro com “mulheres e copos”. O preconceito é indisfarçado.

O fato é que Portugal mudou. Depois de quatro anos sombrios, os portugueses voltaram a sorrir. Os problemas não estão todos resolvidos (longe disso), mas há motivos para confiar. A economia cresce, o desemprego desce, os salários e as aposentadorias aumentaram e o déficit de 2016 foi o mais baixo da história da democracia. Aliás, até os feriados que haviam sido cortados por moralismo da troika foram repostos e trouxeram ganhos para a economia.

Enfim, a depender da experiência portuguesa parece que a austeridade não é o único caminho. É um remédio tão forte que pode matar o paciente. Enfim, parece haver alternativa. E a alternativa é a morte lógica neoliberal da TINA (there is no alternative).

É a dança da chuva.

24 comentários:

  1. Interessante... A Grécia manteve a austeridade e também saiu da crise. Quem vai se manter por mais tempo fora dela: o governo austero ou o gastão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grécia já está nadando em dinheiro, né? Nunca se viu tanta prosperidade por lá.

      http://exame.abril.com.br/economia/grecia-pode-ter-que-pedir-o-quarto-emprestimo/

      Excluir
    2. A Grécia saiu da crise? De que Grécia você está falando? Só se for do antigo império grego, porque a grécia atual vai de mal a pior. Ronaldo Aidos / Joinville / SC

      Excluir
  2. Sim, sim. A Grécia saiu da crise... uh...

    ResponderExcluir
  3. Mudando um pouco de assunto...

    O discurso de ódio da esquerda não tem limites. Desta vez esses racistas e homofóbicos do PSOL, PT e REDE tentam, a todo instante, cassar o mandato de Fernando Holiday (DEM) vereador de SP. Racistas e homofóbicos não passarão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK! Vai lá fazer ele tomar tenência de homem e parar de chorar. O MBL elegeu um incapaz agora aguenta as consequências. E quanto ao problema do caixa 2 ele que responda na justiça.

      Excluir
  4. Keynesianismo é o nome do receituário dos comunistas que tomaram o governo português (depois que Passos Coelho foi deposto por uma coalizão esquerdista no parlamento).

    Pobres portugueses... Já foi o tempo que o keynesianismo funcionava (funcionou bem com a recuperação de países europeus no pós-guerra e nos EUA, com o New Deal). Basicamente é a intervenção do Estado nos modos de produção, tudo vai de encontro com liberalismo. Uma outra faceta do keynesianismo é a do Capitalismo de Estado, aquilo que conhecemos bem aqui no Brasil, na Venezuela, na Bolívia e no Equador, assim como suas consequências.

    Acontece que os tempos são outros. Keynes não conhecia a globalização, quiçá uma União Europeia onde as soberanias econômicas dos países membros passam por Bruxelas. Sem dúvida é um péssimo receituário. Os simpáticos desta teoria são populistas, tentem a maquiar dados oficiais e empurrar problemas com a pança.

    A Grécia, por sua vez, ainda sofre com as consequências da crise (como Portugal), porém o receituário de lá é outro: a austeridade. A falta de popularidade de Tsipras fez com que o governo aproveitasse a deixa e tomasse medidas sérias, como as reformas necessárias para o país receber o resgate econômico e estabilizar sua economia. O Brasil passou por isso no governo de Itamar Franco, quando, com auxílio do FMI, estabilizou a inflação de três dígitos e criou o Plano Real (defenestrado pelos esquerdistas).

    Em suma Portugal e Grécia sofrem da mesma doença cancerígena, a diferença é que, enquanto os gregos fazem a quimioterapia, os portugueses são tratados com Aspirina: quem vai ter mais chances de cura?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio Carlos. Vai plantar batatas. Não fazes a menor ideia do que estás a falar. É só um chorrilho de besteiras...

      Excluir
    2. Bom dia, Baço,primeiramente.
      Segundo, grato pela atenção e parabéns por teres mencionado a questão das melhoras econômicas, e muito mais importantes, as melhoras sociais em Portugal, com o fim da austeridade sufocante. Eu mencionei semana passada esse fato brevemente e tu, que vives aí, colocaste mais e melhor o êxito que tem ocorrido e rendido ao povo e ao país por investir mais na sociedade e menos nos cortes absurdos nas áreas sociais.
      Terceiramente, mas não terceirizadamente, fora Temer, fora golpistas, fora tercerização e fora as austeridades austeritárias; é investindo no povo e não na mídia ou nos ziliardários que 1 país cresce e se desenvolve.
      Quarto, ao que parece o tal de Antônio Carlos parece pensar que conhece mais do que tu do realidade do teu próprio país! Que tal fazeres 1 desafio com ele sobre a história, geografia, cultura, sociedade portuguesa, artes, etc...

      Excluir
    3. Sim, ouvi a sugestão e escrevi sobre o tema, apesar de não estar no scope do blog. E estou pensando em mudar os meus processos: sempre que quiser saber algo sobre a economia portuguesa vou perguntar primeiro ao Antônio Carlos. Parece que ele sabe mais de Portugal que eu. Abraços.

      Excluir
    4. Mas quanto mimimi desse anônimo 10:10!

      Excluir
  5. O Baço esqueceu de dizer que, segundo o próprio FMI, Portugal manteve as políticas de auteridade entre 2011 e 2014, ou seja, nesse período o governo português conseguiu minimamente equilibrar as contas, até chegar os comumistas para abrir os cofres e chamar o governo austero anteriror de "herança maldita". Já vimos essa história pelas bandas de cá.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah ah ah. Deixa de ser palerma...

      Excluir
    2. Faltam argumentos ao Baço... É a formação em História que deixou sequelas.

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    3. Existem coisas muito mais importantes que equilibrar as contas, que equilibrar meros números, Eduardo: equilibrar as relações de poder, equilibrar as oportunidades, equilibrar as condições mínimas e dignas para uma vida financeiramente estável e plena de direitos. Se o importante é equilibrar as contas fazendo corte de gastos, então que se corte do dinheiro e privilégios absurdos de quem muito dinheiro e/ou bens tem e recebe, que se corte da sonegação, da corrupção, da publicidade, especialmente a publicidade que não seja de uso informativo para o bem social, que se corte de super-salários e das disparidades preconceituosas que há, sobretudo na iniciativa privada, que se corte na divulgação de produtos nocivos como cigarro, drogas outras e bebidas prejudiciais à saúde, que se corte em instrumentos de violência como as armas.

      Excluir
    4. Putz, Eduardo. Fui apanhado. Tu és tão brilhante que me deixas sem argumentos. Então eu fujo. Ora... vai dar banho ao cão.

      Excluir
  6. Com tudo o que está acontecendo no Brasil,... você escolhe falar de Portugal? Mas é uma esquerda bunda mole mesmo!
    Qua qua qua qua qua ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. O que as coisas da Europa vão interessar aí na província?

      Excluir
  7. A equipe da Dilma foi fazer a contabilidade pública de Portugal, por isto as contas melhoraram, kkkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Que veia humorística. Se quiseres que eu interceda em teu favor, posso indicar o teu nome para o Marcelo Adnet. Ouvi dizer que ele anda à procura de novos talentos. E tu és hilariante...

      Excluir
  8. " Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
    Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta. " Alvaro de Campos.

    ResponderExcluir
  9. Tá de sacanagem, vi agora a lista de partidos que governaram Portugal nos últimos 30 anos é basicamente são socialista e sociais-democratas ou seja a esquerda e quer jogar a responsabilidade para o outro lado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah ah ah. Tu não és muito informado, pois não?

      Excluir
  10. O governo de esquerda português, que restaurou a economia portuguesa e deu novo fôlego ao povo português, que se cuide: os capitalistas predadores do mundo não devem estar satisfeitos com os feitos dos "comunistas" portugueses e já devem estar preparando, há muito tempo, suas armadilhas costumeiras para acusar as esquerdas portuguesas de corruptas, comprar os tribunais de contas, as promotorias públicas e a justiça de Portugal, e botar todos os esquerdistas "comunistas" na cadeia, restaurando a austeridade tão necessária a manter o povo português a serviço da prosperidade dos ricos "liberais" do mundo. Ronaldo Aidos / Joinville / SC.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem