quarta-feira, 26 de abril de 2017

Jair Bolsonaro é honesto?













POR CLÓVIS GRUNER
Boa parte dos comentários ao texto do José António Baço ontem, no “Chuva Ácida” (abaixo), responde "sim" à pergunta. À maioria deles, o fato de o deputado não ser mencionado em nenhuma delação, nem figurar nas listas que fazem com que o noticiário político se confunda com a crônica policial, são provas mais que cabais de que ele não é corrupto.

E isso, dizem, basta para atestar sua superioridade moral e gabaritá-lo para concorrer à presidência nas eleições do próximo ano. O argumento é reiteradamente usado pelos seus eleitores e simpatizantes. A questão é: Bolsonaro realmente não é corrupto? Desculpem-me o sectarismo, mas nesse caso não há meio termo: para quem é minimante decente, a resposta é “não” e por inúmeras razões.

Defender ditaduras, a tortura e seus torturadores; fazer apologia ao estupro (de mulheres bonitas, porque as feias não merecem); incitar a violência doméstica; exibir pública e desavergonhadamente seu racismo..., tudo isso são igualmente formas de corrupção, todas desprezíveis.

Fossem decentes, e os eleitores e simpatizantes do deputado reconheceriam que sua incitação ao ódio e à violência, seu desprezo pela democracia, pelos direitos humanos e liberdades individuais, são motivos suficientes para condená-lo ao limbo político porque, insisto, em uma cultura democrática, essas são formas de corrupção, tão graves quanto as diariamente noticiadas.

O problema é que não vivemos em uma cultura democrática. Além disso, boa parte dos seus simpatizantes e eleitores não o admiram apesar disso mas, ao contrário, justamente por isso. O que me leva de volta à questão: Bolsonaro é, segundo os padrões pouco exigentes de seus admiradores, um político honesto? Ele não aparecer nas delações e, aparentemente, não estar envolvido nos escândalos da Lava Jato, é suficiente para afirmar que ele não é corrupto?

Não. E por quê? Ora, porque o assalto ao Estado pela aliança entre empreiteiros e políticos, como estamos esgotados de saber, não foi coisa pequena: milhões foram investidos não apenas para garantir essa ou aquela licitação, mas para literalmente colocar os governos a serviço dos interesses das grandes empreiteiras.

Um esquema dessa envergadura não se faz com políticos pouco influentes e preguiçosos. Quem investe tanto, quer, precisa contar com políticos não apenas disponíveis, mas dispostos e capazes de apresentar e passar projetos, de incluir uma emenda no orçamento, de aprovar uma Medida Provisória (aqui). Ou seja, a seu modo e muito peculiarmente, é preciso que eles, os políticos, sejam, além de corruptos, competentes.

Em 2015, após 25 anos de Congresso, Bolsonaro aprovou seu primeiro projeto, uma PEC que prevê a emissão de recibos em urnas eletrônicas (aqui). Ele justificou duas décadas e meia de salários e mordomias pagas pelo erário apelando ao fato de ser “discriminado”: “sou um homem de direita”, diz, e já li e ouvi gente afirmando que ele é “minoria” no Congresso.

Mentira. Hoje no PSC, um partido que está longe de ser nanico, Bolsonaro já foi filiado ao PPR, PPB, PTB, PFL e, finalmente, PP, pelo qual foi eleito em 2014. Como deputado federal, pertenceu à base aliada de todos os governos desde FHC, inclusive Lula e Dilma, até o PP abandonar a ex-presidenta pouco antes do impeachment, no ano passado.

Mas não é só: qual posição defendida pelo parlamentar justifica afirmar que ele é ou pertence a uma “minoria” dentro do Congresso, “discriminado” pelos seus pares? A homofobia, o machismo, o racismo, sua conhecida truculência? Não. Seu desprezo pelos direitos humanos? Tampouco.

Os frequentes elogios à ditadura civil militar; sua homenagem pública a Brilhante Ustra; sua posição favorável à redução da menoridade penal e o endurecimento das chamadas “políticas de segurança pública”; suas críticas ao Estado laico; seu apoio a projetos como o “Escola sem Partido”? Não, não, não, não e, finalmente, não.

O que sobra é óbvio: Bolsonaro não aprovou nenhum projeto em 25 anos não por ser “discriminado”, mas porque é um deputado ruim e sem brilho. Não fosse um fascista, e não estivéssemos nós mergulhados nesses tempos sombrios, ele seria só mais uma figura excêntrica em um Parlamento cheio delas.

Alguém com esse perfil definitivamente não interessa a empresas e empresários que se servem da coisa pública para fins privados. Em poucas palavras: não é que Jair Bolsonaro não aparece em delações e junto a políticos corruptos porque ele próprio não seja um. Não há nenhuma relação entre a omissão a seu nome e a sua alegada honestidade.

Ele não está lá porque é incompetente.

27 comentários:

  1. Já ouviu falar que de boas intenções o inferno esta cheio?
    O ser humano é uma merda, um porco ,o mal mora no coração do homem. Este mal esta claro em bolsonaro ele é honesto por que não nega essa natureza impura, dentro de nós. Pois existe um ditador querendo a todo instante nascer, em cada um de nós. Problema que a esquerda se leva demasiadamente a sério, nada mais problemático que um sujeito sem autocrítica de sua miséria. Ele é mais honesto por que sua miséria esta lá nua e crua, sem simulação.
    Sim ele é do baixo clero, não é meu candidato, é um palhaço entreter o circo. Mas a conclusão é nada mais honesto que um ser que conhecemos seus vícios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe, Fabio, mas realmente não entendi seu comentário. Mas vou tentar: eu não sei se "existe um ditador querendo a todo instante nascer, em cada um de nós", uma afirmação genérica demais, e que carece de algum subsídio pra ser discutida a sério.

      Por outro lado, Bolsonaro é o que está aí: truculento, autoritário, homofóbico, machista, racista, etc... Considerá-lo "honesto" e "virtuoso" por assumir publicamente sua miséria é um equívoco; querer torná-lo presidente, um perigo.

      Excluir
    2. Problema é q seus seguidores, na maioria, lunáticos, não enxergam as ações, modos e posicionamentos desse cara como algo miserável, muito pelo contrário, esse povo o tem como modelo de cidadão, pai, marido e até como modelo de honestidade. Tenho pra mim q gente desse tipo é um perigo e portanto, uma pauta para a psiquiatria.

      Excluir
    3. Será mesmo ? Pois esta afirmação esta embasada em:
      Primeiro autocritica pessoal.
      Segundo vc tem filhos?eu tenho. E trabalho com pessoas.
      terceiro uma extensa tradição filosófica que vem desde do pessimismo cristão com a natureza humana, Hobbes (homem é lobo do homem), Schopenhauer (vontade de potencia) e todos seus herdeiros filosóficos um bem chegado a esquerda como Michel Foucault por exemplo.

      Excluir
    4. E outra coisa, não falei que bolsonaro é um bom presidenciável, pelo contrario tenho falado justamento o oposto. Fiz uma analise do "Fato Bolsonaro".

      Poema em linha reta - Fernando pessoa

      Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
      Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.


      E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
      Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
      Indesculpavelmente sujo,
      Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
      Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
      Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
      Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
      Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
      Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
      Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
      Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
      Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
      Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
      Para fora da possibilidade do soco;
      Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
      Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.


      Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
      Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
      Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


      Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
      Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
      Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
      Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
      Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
      Ó príncipes, meus irmãos,


      Arre, estou farto de semideuses!
      Onde é que há gente no mundo?


      Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


      Poderão as mulheres não os terem amado,
      Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
      E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
      Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
      Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
      Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

      Excluir
    5. Quem diria..Bolsonaro evocando os espíritos de Hobes, Schopenhauer e pasmem, Fernando Pessoa...fico a imaginar Jair, a declamar essa breve reflexão de FP.
      "Com uma tal falta de gente coexistível*, como há hoje,
      que pode um homem de sensibilidade* fazer senão inventar os seus amigos, ou quando menos, os seus companheiros de espírito?". Que fofo, não? Mamãe bolsomita certamente ficaria orgulhosa.

      *risos

      Excluir
    6. Em tempo. Conhecimento é saber que tomate é uma fruta, sabedoria é saber que não se deve usar tomates em uma salada de frutas.

      Excluir
  2. Sim, o Bolsonaro é polêmico! Como parlamentar, ele usa e abusa do direito de dizer o que pensa. Se confirmada a sua candidatura, as urnas irão decidir o seu destino!... e o nosso destino! Isso tudo não está dentro da regra do jogo da Democracia? Porque esse "xilique" todo?

    Mas e o Lula?
    É honesto?...

    Com tudo o que vem acontecendo no Brasil, especialmente nesses 3 anos, porque esse blog não tem nenhuma análise crítica à figura do Lula?
    As inúmeras delações de aliados, empreiteiros, lobistas, marketeiros, etc... não são o bastante pra abalar a opinião dos autores do Chuva Ácida?
    O que mais precisa vir à tona? Paulo Henrique Amorin e Leonardo Boff já dão sinais de que vão "jogar a toalha"!

    E esse blog Chuva Ácida? É honesto?...





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 09:24, a obsessão por Lula tem cura. Procure um bom psiquiatra.

      Excluir
    2. E outra, o Moro e seu Judiciário, a Globo, o PSDB, a FIESP e mais o resto da galera de Bens e bem aquinhoada deste país está pagando uma grana boa pelas provas que tu tem contra o Lula. Não perde este trem...

      Excluir
    3. Kkk. Com essa bobagem, vc me respondeu a última pergunta! Obrigado! Kkk

      Excluir
    4. Sergio, também! Obrigado pelas respostas! Kkkkkk

      Excluir
    5. O KKK que emoldura o comentário acima, tem tudo pra ser entendido como Ku Klux Klan...ou não.

      Excluir
    6. Como é obcecado pelo Lula hein? Pelo visto ficou sem argumentos para defender Bolsonaro e então precisa atacar o Lula, me admire não falar em Jean Wyllys ainda.

      Excluir
    7. Porra Lemos!: Ku Klux Klan? No que andas pensando?

      Porra Diego!: Jean Wyllys? Ele está sendo cotado para a presidência?

      Quantas conclusões precipitadas! Cuidado com o pré-conceito!

      A esquerda agoniza!...

      Excluir
    8. Anônimo das 15:53, Não são conclusões precipitadas, são opiniões baseadas num ser que tem vergonha de mostrar o rosto e fica sob o anonimato escreve aqui. Jean Wyllys sempre é citado como o contra-posto ao Bolsonaro pelos bolsominions.

      Excluir
    9. É um tal de porra do Lemos, porra do Diego...quanta porra nessa boquinha, hein?..guloso..rss

      Excluir
    10. Lemos,... volto a dizer: no que andas pensando?

      Excluir
    11. "Anônimo das 15:53, Não são conclusões precipitadas, são opiniões baseadas num ser que tem vergonha de mostrar o rosto e fica sob o anonimato escreve aqui. Jean Wyllys sempre é citado como o contra-posto ao Bolsonaro pelos bolsominions."

      Assim se pronunciou o Diego!... mas quem é Diego?

      Excluir
    12. No momento, numa toalha pra tua boquinha lambuzada...rss

      Excluir
    13. Alguém que não é anônimo.

      Excluir
    14. Ok Diego.
      Eu me chamo Raul.

      Excluir
    15. Não sou anônimo28 de abril de 2017 07:59

      "Diego27 de abril de 2017 09:41
      Alguém que não é anônimo."

      Inclusão digital: OK!

      Excluir
  3. Desde quando um bom deputado tem de apresentar projeto e ser aprovado?
    Vocês votaram no Tiririca para colocar José Genuíno na câmara e o Tiririca está lá até hoje. Fazendo o quê, não sei... E o Jean Willys, pra que mais mediocre do que esse que se fantasiou de Che Guevara, e aquele outro do PSOL, com cabelinho enrolado, quantos projetos ele apresentou e foram aprovados? E no Senado? O que fez Suplicy nos 40 e poucos anos que mamou nas tetas do governo e nada trouxe a SP?

    Deputado serve, antes de mais nada, para defenter os interesses de quem o colocou lá, e isso Bolsonaro parece fazer melhor do que esses esquerdistas fisiológicos.

    ResponderExcluir
  4. Não, o Lula é que é o honesto!

    ResponderExcluir
  5. Não costumo ir na onda dos outros, conheço os fatos citados, mas não o contexto em que ocorreram, seus argumentos são válidos se houve uma análise honesta em relação ao contexto dos mesmos.
    Não se pode negar que aquilo que expressamos diz muito da nossa personalidade e sem sombra de dúvidas trata-se de um risco não desprezível.
    Como o tal nunca foi uma opção de voto não perdi tempo em fazer melhores análises e assim é com a maioria, acompanhei a última polêmica e achei as críticas desproporcionais. Em relação às polêmicas mais antigas só vou perder tempo se não tiver nada melhor.
    Anderson Titz

    ResponderExcluir
  6. No País da corrupção onde blogueiros, jornalistas, rackers, etc são pagos para "queimar o filme do adversário"é normal que aquele que é honesto seja apedrejado de todos os lados. Basta analisar textos pretensiosos escritos pela internet e comparar com os fatos, pesquisar um pouco mostra toda a sujeira (mentiras) por detrás daqueles que se vendem para fazer o mal. Imoral

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem