quarta-feira, 31 de maio de 2017

De Costa e Silva a Médici: o consórcio militar-empresarial em Joinville

POR IZAIAS FREIRE*

O professor Renato Ortiz sustenta que o regime de 1964 instaurou uma modernização no país em termos de reorganização da máquina do Estado, urbanização e incentivo das atividades empresariais. Para Ortiz, contudo, foi uma modernização conservadora que garantiu a longevidade do regime, servindo-lhe como uma base social alternativa ao autoritarismo.

Não há dúvidas que em Joinville o aspecto mais sentido dessa modernização foi o incentivo às atividades empresariais. Havia se formado desde 1964 um “consórcio governamental-empresarial” como analisou o historiador Reinaldo Lindolfo Lohn, cujo fulcro repousava sobre a ideia de que os empreendedores privados fossem merecedores de políticas de incentivo e crédito dos governos militares por serem promotores do desenvolvimento. O maior empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico a uma empresa privada nesses anos foi para uma fábrica joinvilense: a Fundição Tupy.

Economicamente, o início da década de 1970 foi de intensas celebrações na cidade para o regime civil-militar. O reconhecimento desse consórcio colaborativo levou a elite local conceder o título de Cidadão Honorário de Joinville a Médici, quando o general-ditador veio cá recebê-lo. Esse consórcio, entretanto, teve outro significado para os trabalhadores.

Na prática, o que se criou foi uma industrialização de baixos salários, base do processo de estabilização econômica e da expansão do setor industrial. A modernização do regime civil-militar amorteceu conflitos, fez a contenção do movimento dos trabalhadores via sindicatos, arrochou salários e ampliou o abismo distributivo, concentrando os ganhos obtidos com o crescimento e o aumento da produtividade.

Nesse período, “Pra frente Brasil”, o hino da ditadura, foi executado diversas vezes na cidade, seja por coro na catedral do bispado ou pela banda do 13º BC, expressão de um otimismo reinventado pelos que diziam que o país inaugurava um novo ciclo: o “milagre econômico”. Um “milagre” que acabaria por revelar-se num enorme complexo de inferioridade, de uma nação que sonhava ser potência, mas que não conseguia resolver problemas básicos.

Os anos Costa e Silva e Médici significaram para Joinville os “anos de ouro”, contudo, não para os trabalhadores que acumularam perdas salariais, amplificando sua condição proletária, mas para o segmento de classe mais eficaz como suporte civil da ditadura na cidade, o empresariado.

*Izaias Freire é Mestre em História, pesquisador da ditadura civil-militar em Joinville e membro do Movimento pra mudar o nome do bairro Costa e Silva.

10 comentários:

  1. De novo esse assunto?...

    Esse "Chuva Ácida", só "chove no molhado"!
    Nem uma linha sequer sobre os escândalos que envolvem Lula e Dilma? Não, ali nunca "chove"!

    Chuva Ácida, o Fã Clube de Corruptos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que não sais do anonimato e escreves sobre isso? Temos este espaço chamado "Brainstorming" para esse tipo de coisa. Ou a tua capacidade intelectual não dá para mais que duas frases feitas?

      Excluir
    2. KKK... agora vc quer debate?

      Chuva Ácida, o Fã Clube de Corruptos!

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Qual a indústria à época pagava bons salários?
    Aliás, nos tempos que antecederam os anos 60/70 do século passado, os setores primário e terciário pagavam salários melhores do que a indústria?

    Uma coisa é certa, aqueles que tinham acesso à educação no período militar tiveram uma formação melhor do que os pobres alunos de hoje, e estamos falando de governos populistas com viés socialistas que vêm governando o país desde a redemocratização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudosismo do Mobral é? Que parâmetros(chutômetro) você usa para essa certeza?

      Excluir
  4. Você leu "industrialização de baixos salários" e entendeu?

    ResponderExcluir
  5. Os trabalhadores acumularam perdas salariais? Não é o que dizem as estatísticas da época. Se as estatísticas não bastam pergunte para seus pais e avós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah é? quais estatísticas? As oficiais

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem