quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O sul não é meu país


POR FELIPE CARDOSO

O respeito à democracia é fundamental, principalmente no momento de polaridade política que enfrentamos no país. Apesar de sempre respeitar opiniões de conhecidos e amigos nas publicações que fazia no Facebook, parei de publicar alguns posicionamentos na rede social pelo simples fato de perceber que as pessoas não estão preparadas para respeitar o próximo, muito menos realizar debates com bons argumentos, sem ofensas, sem partir para a apelação, para os xingamentos, reduzindo problemas políticos, econômicos e sociais a ataques pessoais.

Recentemente, a notícia da morte de um imigrante haitiano a facadas, em Navegantes, chocou boa parte dos catarinenses. A notícia teve destaque nacional. Também pudera. Dez pessoas assassinaram uma.

Quem observou e analisou todas as movimentações feitas com a chegada dos imigrantes em terras tupiniquins não ficou tão surpreso com a notícia, pois está alertando, constantemente, sobre o agravamento desse problema, enquanto o Estado assiste tudo e se mantém omisso. Mesmo assim, não tem como não se assustar com tamanha barbárie.

O descaso do governo, o exagero da imprensa mostrando de maneira negativa a chegada de imigrantes haitianos no país, a diferença de tratamento em relação aos outros imigrantes, o racismo por trás de todo o tratamento negado... Tudo isso foi relatado em um texto postado aqui no blog, meses atrás.

Infelizmente, as consequências estão aparecendo. Todo o discurso de ódio, todo o racismo e toda a xenofobia ficaram escondidas em desculpas sobre a crise.

Talvez, tentando respeitar a tal democracia, permitimos que o discurso de ódio se propagasse, que as ideias de separação entre povos tomassem força, que sulistas se achassem superiores a nordestinos, que brasileiros se achassem superiores aos imigrantes, que brancos continuem se achando superiores aos negros.

O patriotismo e o nacionalismo só servem para dividir a classe trabalhadora, bem como o racismo. Ao amar cegamente uma cidade, um estado ou um país você pode não enxergar as imperfeições presentes nele. É o que acontece por aqui, no sul maravilha. A movimentação separatista, junto com uma imprensa pra lá de bairrista, insiste em jogar a culpa e a responsabilidade dos problemas para os outros. Outros estados, outros governos, outras pessoas...

Em um momento de crise financeira, as vítimas da vez foram os imigrantes, mas não todos, apenas os negros. O alarde dos perigos foram feitos por diversos veículos de comunicação, assistimos diversos casos de xenofobia e racismo por todo o país, contra os imigrantes negros. Poderíamos ter aprendido com o erro dos outros estados, mas, infelizmente, seguimos o fluxo. Na onda separatista e conservadora defendemos algo que achamos ser nosso. Um pedaço de terra, um papel, um emprego... Preferimos o ter pelo o ser. Em troca, expulsamos, afastamos. O diferente, o outro é a ameaça. Essa ameaça precisa ser extinta, não pode estar perto. E assim vamos construindo muros simbólicos e físicos, deixando de lado o respeito, a empatia, a troca de experiência e conhecimento.

A morte do imigrante haitiano, em Santa Catarina, não foi efetuada apenas com as mãos das pessoas que cometeram o crime físico. Foram efetuadas com as mãos dos que cometem os crimes psicológicos e simbólicos. Do movimento separatista, da imprensa, dos empresários, dos políticos, dos que negam a oportunidade e, também, com as mãos dos que se mantêm em silêncio diante tudo isso.

Devemos entender que o mundo foi feito para todos e que um mapa não pode ser motivo para a segregação.

O mundo é meu país!

22 comentários:

  1. Você esqueceu de um pequeno detalhe:

    As pessoas que mataram covardemente o haitiano são... marotos, tenros menininhos de 15 e 16 anos de idade, inocentes, pobrezinhos. Todos do subúrbio, do subúrbio, do subúrbio de Navegantes. Será que as ideias “elitistas” e conservadoras propagadas por Bolsonaro também atingiram aqueles rincões, ou a máxima do “farinha pouca, meu pirão primeiro” voltou a fazer parte das classes menos abastadas tendo como consequência a xenofobia contra refugiados que estão na mesma situação?

    PS: A Maria do Rosário mandou um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você certamente não estudou sobre o poder da comunicação, certamente você não deve ter noção da capacidade de alcance dos veículos de comunicação, não deve ter recebido nenhum vídeo no Whatsapp com mensagens falaciosas dizendo "a real intenção dos haitianos virem para o Brasil". Quase nem foi propagado esse discurso de ódio. Com certeza esses jovens não foram influenciados por nada disso. Aliás deve ter a certeza que eles já nasceram pensando assim, né?

      Mande um abraço para Maria também.

      Excluir
    2. Cara, é nojento e irritante como vocês mudam o discurso, omitindo algumas informações, acrescentando outras falaciosas... foram os menininhos que nasceram xenofóbicos ou você odiando quem fala algumas verdades inconvenientes.

      Vou mandar outra coisa para ela, algo que ela está precisando muito.
      |-------|22cm

      Excluir
    3. Mas ele foi morto porque era preto, gays, pobre, ou por que?

      Excluir
    4. Seu contra-argumento é patético.
      "Bolsonaro blá, blá, blá..., dane-se o fato de serem pobres e de menores".

      Excluir
  2. a morte do haitiano foi culpa de todo mundo. menos tua, imagino..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me inclui no texto todo, cara. Lê de novo.

      Excluir
    2. "A morte do imigrante haitiano, em Santa Catarina, não foi efetuada apenas com as mãos das pessoas que cometeram o crime físico. Foram efetuadas com as mãos dos que cometem os crimes psicológicos e simbólicos. Do movimento separatista, da imprensa, dos empresários, dos políticos, dos que negam a oportunidade e, também, com as mãos dos que se mantêm em silêncio diante tudo isso."

      como vc aparentemente não faz parte da lista acima e não se manteve em silêncio...

      Quando você atribui a culpa pela morte do cara ao mundo inteiro você diminui a culpa de quem efetivamente cometeu o crime. o foco tem que ser em quem cometeu o delito. se os criminosos são pobres e sem oportunidades não importa. argumentar dessa forma é uma sacanagem com a grande maioria dos pobres sem oportunidades que vive de forma honesta. procurar justicativas prum ato escroto desse não é uma boa mensagem.
      na boa, espero que vc entenda a crítica (que que eu tô fazendo aqui...), mas teu discurso me soa equivocado pq espalhar a culpa é caminho para não punir

      Excluir
    3. Não, cara. Eu disse que a culpa é de todos porque todos caímos nessa onda contra imigrantes haitianos e ajudamos a propagar essas falácias. Muita gente alertou sobre as consequências desses posicionamentos e agora vemos o resultado e todos têm que trabalhar para mudar essa visão, pq, caso não aconteça, isso voltará a se repetir.

      Excluir
    4. fala por vc, felipe, eu não entrei em onda nenhuma contra haitiano. quem matou o cara foram os loucos lá de navegantes, a culpa é deles, e aparentemente a polícia fez o seu papel, prendendo os bandidos. é isso, abraço

      Excluir
    5. Todos não eu me interesso e adoro a cultura haitiana aqui em Joinville conheço vários todo dia e são super simpáticos. Já ateh vendemos moveis barato para ajudar eles. Adoro a cultura voodoo e hoodoo

      Excluir
  3. E volta o cão arrependido...

    ResponderExcluir
  4. Enquanto a justiça afagar a cabeça de nossos adolecentes delinquentes e nossos bandidos reincidentes tanto da pobreza quanto da nobreza viveremos na impunidade. Se nao mudarmos a pena maxima de 30 para pena de morte ou prisao perpetua em cadeias funcionais e maioridade penal aos 12 para condenar os delinquentes juvenis que hoje sao absolvidos de seus crimes barbaros e ainda dizem sao so criancas...criancas assasinas! Mas dizer o que de um pais que matou os indios e tomou as terras deles e isso segue ate os dias de hoje por impunidade. O sul do brasil nao e xenofobico nem racista a historia de patria sulista vem dos mesmos criadores da impunidade assim como os canais de midia que ficam impunes pelas manchetes distorcidas para nao dizer mentirosas entao meu caro reveja os fatos e comece a apoiar a pena de morte...sei que nao vai diminuir os crimes mais vai ser um vagabundo a menos pra tirar a vida de um inoscente que de fato se continuar solto vai ser reincidente.

    ResponderExcluir
  5. Já leu o manifesto na página do Sul é meu País? Lá está escrito claramente o que pensamos sobre xenofobia e racismo, repudiamos isso é não aceitamos nenhum tipo de preconceito, eu como seguidor do movimento garanto que não temos nada de conservador ou direitismos, conforme a mídia vomita, esse pessoal que matou o cidadão não passam de pirralhos arruaceiros , aqui em SC tem gente séria, de várias tribos e cores, tenho amigos da República Dominicana que visita minha família sempre, convivo aqui com várias pessoas, tudo o que a gente quer é o dependência do povo e enxotar a politicagem daqui, pra que todos sejam beneficiados e isso inclui toda pessoa desse mundo que deseja morar aqui. Mas ora vocês sempre é assim, morre um negro no Sul, é culpa do movimento, é racismo, o pessoal do Sul é preconceituoso, o preconceito existe sim, é fato incluindo esse seu, que nem teve ainda o parecer das investigações e você já sai falando pelos cotovelos, e se acha certo combater preconceito com essa xenofobia?????

    ResponderExcluir
  6. O car****que eu tenho culpa. Quem quiser que se sinta culpado.

    ResponderExcluir
  7. E qual a relação com o Movimento Sul é Meu País? Foram integrantes do mesmo que mataram o haitiano? Foi algum líder do movimento que incitou linchamento e assassinato? O problema dos sulistas é com BRASÍLIA, não com o nordeste. E você sabe disso! "O mundo é meu país" kkkkkkkkk que bobagem adolescente. Percebe-se que pouco viajou na vida. Vai pra uma região dominada pelo ISIS para testar a receptividade.

    ResponderExcluir
  8. Cuma?
    Tentando apelar para a minha consciência?

    Minha consciência está tranquila, pois sou favorável a diminuição da maioridade penal. Se esses moleques soubessem que iriam para o xilindró, duvido que fossem agredir o sujeito.

    O mais patético é que o autor inverte os papéis de alguém que quer justamente a diminuição da impunidade, imputando culpa a ele pelas ações de criminosos.

    Não... Não... Não... Eu não queria isso, mas hoje aguardo urgentemente um governo conservador. Chega de dar corda para esses hipócritas!

    ResponderExcluir
  9. E na boa cara , troca uma ideia com o Celso Deucher, por que você está partindo um monte de ideias errada e sem conceito algum sobre o movimento separatistas, conversa lá com cara sem medo, o Celso é descendente de indígenas e formado em história da Africa, não vai se arrepender, garanto.

    ResponderExcluir
  10. Que matéria sensacionalista, eu amo meu estado amo meu país nem por isso sou racista ou xenofobico

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem