terça-feira, 20 de outubro de 2015

O capitalismo falhou... rotundamente


POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO

Capitalismo e capitalistas é o tema. E nada mais oportuno que começar pelo investidor Martin Shkreli, um dos casos mais recentes de sucesso do capital lá para as bandas de Wall Street. O que o tipo tem de tão especial para ser um expoente (à luz do capitalismo)? Ora, o sucesso está associado ao dinheiro. E, aos 32 anos, Martin Shkreli é um capitalista que faz dinheiro, muito dinheiro. Importam os meios usados?

Eis a fórmula do sucesso do investidor norte-americano. Há pouco tempo, ele criou a Turing Pharmaceuticals, da área de medicamentos, e comprou a patente da droga pirimetamina, usada no combate a doenças como a AIDS e a malária, por exemplo. Até aí tudo normal. Mas o capitalismo existe pelo lucro. E para lucrar o máximo e o mais rápido possível, Shkreli não perdeu tempo: aumentou o preço do remédio, de modestos US$ 13,50 para exorbitantes US$ 750.

Eis a pergunta: há algo errado, do ponto de vista dos capitalistas? Não. O cara vislumbrou a oportunidade (é meritocracia), investiu (é empreendedorismo), deu um novo rumo ao negócio (é inovação). E lucrou... sem gastar uma gotinha de suor. Ou seja, o homem fez apenas o que todo bom capitalista faz. Sem dilemas éticos. Aliás, imagino que os defensores do capital achem normal e não vejam falta de escrúpulos no episódio. Mas...

O capitalismo é um sistema legal, social, econômico e, sobretudo, cultural. Mas há uma coisa que definitivamente não é: ético. Nunca foi, nunca será. E quanto mais muda, mas vai em outro sentido: o velho capitalismo de terra e trabalho, que também nunca andou de mãos dadas com a ética, foi ultrapassado. Ou seja, morreu aquele modo de produção original: tirar da terra, transformar pela força de trabalho humana e vender no mercado com mais-valia.

Hoje o capitalismo é sustentado pela cultura do dinheiro e do individualismo. Os resultados práticos? O dinheiro faz dinheiro, sem haver trabalho. E foi nesse sistema de cassino que surgiram os famosos “lobos de Wall Street” (que têm seus similares em todo o mundo), conhecidos pela ganância e o foco exclusivo no dinheiro. Parece ser o caso do investidor norte-americano na compra da patente. O problema é que esse tipo de sistema sem ética leva o mundo a um caminho muito perigoso.

O resultado de décadas de capitalismo financeiro tem sido um autêntico desastre: 0,7% da população adulta detém precisamente 45,2% da riqueza mundial. Nessas condições, é estranho ver defensores do capitalismo entre os 99,3% restantes. É a prova provada de que o capitalismo fracassou. Mas é aí que entra a cultura. A grande vitória do capitalismo é no plano cultural. Ou seja, é fazer acreditar na sua superioridade, mesmo quando os números mostram que o contrário. E de forma acachapante.

E, para terminar, um aviso aos leitores anônimos: não venham escrever comentários essa conversa de que por criticar capitalismo a pessoa tem que ir para a Coreia. Nem vou discutir. Isso só vai demonstrar que vocês têm um QI muito inferior ao de um símio. Melhor que voltem para as árvores.


É a dança da chuva.

41 comentários:

  1. Excelente analise! Muitas matérias da nossa mídia ainda falam que é o melhor sistema político-econômico criado pelo ser humano em toda história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eles estão certos. É o melhor até agora.

      Excluir
    2. ó, vem aí a revolução..

      Excluir
    3. Não vem. Esse governo do PT é muito incompetente. Os caras já estão lá faz mais de uma década e nada de revolução bolivariana.

      Excluir
  2. Não, o capitalismo está muito bem, obrigado!

    Não esqueça que o capitalismo é uma maçã que cai por conta de uma forma muito maior chamada gravidade, ou, no caso, o mercado. O mercado é que dita as regras, não a ganância que aqui você chama de capitalismo. O dinheiro faz dinheiro aqui e na Cochinchina, desde que o próprio foi criado, junto com o irmão “mais valia”. Não há problema algum se 0,7% da população deter 45,2% da riqueza mundial, além disso essa proporção varia de época em época. Ou será que no período vitoriano, em plena revolução industrial, por exemplo, os barões e os burgueses detinham proporção menor da riqueza mundial?

    Dinheiro não é como água, um bem finito que se for estocado para uma parcela pequena da população os demais passarão sede. Dinheiro é cifrão, número.

    Embora haja concentração de renda (e vai continuar assim em qualquer sistema), a tendência é alargamento da pirâmide, pois o próprio capital tende a se adequar as demandas do mercado. Além disso, Karl Marx já vislumbrava o fim do capitalismo desde meados do século IXX. Uma coisa é certa: não serão o socialismo ou o comunismo um dia a ocupar o espaço do capitalismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério, amigo? Esse comentário não bate bota com perdigota.

      Excluir
    2. O dinheiro não é finito? E por que então falta dinheiro para muita gente, inclusive muitos passam fome. Todo dinheiro tem um valor determinado por um item finito. Petróleo, ouro, diamante, água no futuro tudo isto já serviu como lastro ou servirá. A produção mundial é finita e afetada por muitos itens que podem acabar com ela, porque depende de itens finitos. A única coisa que é infinita é a ganância humana, ninguém aceita perder qualquer dinheiro que faça falta, a quantidade que falta é determinada pelo momento, seja 100 reais ou 100 milhões.

      Excluir
    3. O Anônimo é tão esperto que nem os números romanos sabe escrever, hehehehhe

      Excluir
  3. Não acho que falhou, até porque nunca foi perfeito. Os sistemas que comprovadamente falharam foram o socialismo/comunismo.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... esse mundinho do preto e branco. Interessante. Os livros são a única coisa em preto (letras) e branco (páginas) que as pessoas não curtem.

      Excluir
    2. Eu curto. Livros são muito bons, eu os leio sempre sentado, deitado ou em pé.

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    3. O Dudu troll do bico comprido são como todos os patifes que habitam a blogosfera. Com a "vantagem" de ser joinvilense, de torcer para o JEC, de ter votado no Teba no primeiro turno e Udo no segundo. Ou seja, um idiota completo.

      Excluir
    4. Preferiria resolver isso pessoalmente com um imbecil como você, ao invés de responder por este canal.

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    5. Bom, o maior atestado de burrice hoje no país é ter votado no PT.

      Excluir
  4. O capitalismo falhou, mais valia, ô dó...

    ResponderExcluir
  5. Baço, estou aguardando uma crônica sua destacando onde foi que o solialismo/comunismo triunfou. Ou menos então. Onde foi que ele ocorreu e deu certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Defina socialismo ou comunismo. Em separado, porque não são a mesma coisa.

      Excluir
    2. Baço, como sempre, saindo pela tangente. Eh tosco e oco.

      Excluir
    3. Achas mesmo que vou perder meu tempo com stalkers?

      Excluir
    4. De novo saindo pela tangente... pobre...

      Excluir
    5. UE,, vc não quer audiência, leitores, ou só puxa sacos mesmo? Ja sei, não vai publicar ou vai me desqualificar.... Por vc eu iria a um campo na Sibéria....

      Excluir
    6. Duvido que saibas onde é a Sibéria.

      Excluir
  6. Se você substituir cada palavra... “capitalismo” por (irrestrita liberdade de comercio),
    “Capitalista” por (pessoa que fornece bens e serviços) “Capital” por (bem econômico que pode ser utilizado na produção de outros bens ou serviços), “Dinheiro” por (valor comercial), “individualismo” por autonomia individual na busca da liberdade econômica e política.

    Ex:
    “Irrestrita liberdade de comercio” e pessoa que fornece bens e serviços é o tema. E nada mais oportuno que começar pelo investidor Martin Shkreli, um dos casos mais recentes de sucesso de bem econômico que pode ser utilizado na produção de outros bens ou serviços lá para as bandas de Wall Street. O que ele de tão especial para ser um expoente à luz do pessoa que fornece bens e serviços. Ora, o sucesso está associado ao valor comercial e, aos 32 anos, Martin Shkreli é um pessoa que fornece bens e serviços é o tema que faz valor comercial, muito valor comercial.

    .... ih ficou pior, essa pessoa deveria trocar de planeta!

    ResponderExcluir
  7. Oi Baço,
    A questão da ganância humana vai muito além do sistema econômico, infelizmente parece ser um vício inerente ao homem. Onde houver seres humanos, teremos brigas/ injustiças por ganância, sendo essa questão muito mais antropológica do que econômica. Sempre utilizo o filme A VILA como exemplo, pessoas "boas" se juntaram para viver num mundo justo e correto, onde não haveria sofrimento e mesmo assim o mal chegou até eles, mostrando que o mal é inerente a carne humana. Será o Inglês mais honesto que o brasileiro? Ou será que na Inglaterra temos instituições mais sólidas que funcionam perto da sua plenitude? Ser humano sempre será ser humano em qualquer lugar do mundo!
    Andy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que um inglês, alemão ou português sejam mais honestos, Andy. Mas não tenho dúvidas de que essas sociedades são melhor orientadas para o respeito pela cidadania e pela aceitação do outro. Ou seja, para a vida em democracia.

      Excluir
    2. Hum, e esses vivem em países capitalistas... então, o problema da ganância está no sistema ou na (falta) de educação?

      Excluir
    3. O capitalismo financeiro de cassino é rejeitado por aqui também...

      Excluir
  8. Porque o socialismo é ético né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como fazes para andar no trânsito? Se só vês em preto e branco, como sabes se o sinal abriu?

      Excluir
    2. Não vejo porque a indignação com os comentários. Estão utilizando uma lógica tão limitada e dualista quanto o texto.

      Excluir
    3. Viu aquilo lá no fim do texto sobre a Coreia? Não entendeste, né?

      Excluir
    4. o capitalismo falhou ao permitir que esse blog exista

      Excluir
    5. Mas por outro lado permitiu conhecer um jênio como tu...

      Excluir
  9. Anônimos comentaristas e a sua incapacidade de lerem o texto todo... parem de falar em socialismo / comunismo. Tá lá no último parágrafo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigos, esse homem "odeia" o capitalismo.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem