sexta-feira, 22 de maio de 2015

Sobre gays, rock e alvarás alucinógenos


POR EMANUELLE CARVALHO

Recentemente a cena do rock em Joinville vem causando arrepios mas infelizmente não pelos arranjos bem feitos, muito menos pelas referências furiosas de contestação social, crítica ao sistema ou pelo crescimento dos espaços para o público mas sim pelo conservadorismo, pelo machismo e pela homofobia propagada por bandas, casas e materiais produzidos por parte deste público.

Não é a primeira vez que isso ocorre aqui na província, brigas ideológicas sempre margearam o cenário. Na década de 90 a acusação de apologia ao nazismo fez com que o cena se estremasse e teve até quem fugisse pra São Paulo depois de matérias vinculadas nos jornais locais.

Ainda no final da década era comum ouvir falar de brigas de skinheads versus punks e punks versus XXX. A cena era basicamente divulgada nos bares, botecos, programas de rádios específicos e zines. A interatividade e a possibilidade de diálogo com outros públicos era significativamente menor bem como a visibilidade das discussões tão necessárias.

O rock embalou uma porção de movimentos contestadores e embora não seja o ritmo curtido majoritariamente dentro do grupo LGBT haviam também bares perseguidos pela polícia na revolta de Stonewall por serem gayfriendly (esse termo só foi criado muito tempo depois), ou seja, onde a comunidade LGBT podia minimamente ser respeitada. Digo minimamente porque vivemos em uma sociedade homofóbica, lesbofóbica e transfóbica, então é praticamente impossível um ambiente livre dessas opressões.

Em meados dos anos 2000, depois de já ter dado a luz ao meu filho, comecei a freqüentar a cena. Fui a centenas de shows no zepa, nas aberturas e fechamentos do garagem, peguei carona pro salão Jacob, as tardes lindas no bar do Luxe, as incontáveis garrafas de Maracujá Joinville no Old Bar, a polícia fechando o Stupp, as tentativas de fazer o bar Funil um ambiente pró roque, no Festival Linguarudos (que foi lindo pra caramba) e vez em outra migrava pra outras cidades como Guaramirim e Jaraguá em busca de um bom show. Paralelamente eu me descobria bissexual e foi uma barra. O ambiente do rock não é acolhedor,  pelo contrário, freqüentemente a gente ouve piadas nas rodas dos viados, e freqüentemente tem algum cara querendo beijar mina lésbica a força "pra mostrar como se faz".

Pois bem, nas duas últimas semanas duas publicidades da cena do rock geraram muita indignação nas redes sociais.

Primeiro, a imagem de uma mulher amarrada e ensangüentada dentro do porta malas de um carro, com a figura de um homem  com uma cara absolutamente assustadora convocava o povo para um show de roque. A discussão rolou, foi produtiva e os questionamentos de dezenas de feministas rolaram, houve pedido de desculpas da banda que fez o cartaz e posteriormente o mesmo povo começou a chamar aquilo de perseguição e "mimimi". Apologia a violência contra a mulher não é mimimi.

Na mesma semana outro cartaz de um evento de rock circulava. Desta vez uma mulher nua posava com uma garrafa  estourada de cerveja entre os seios, a cerveja espirrada lembrava propositalmente sêmen, e a garrafa fazia alusão ao pênis.

Ora, já não nos basta a indústria da beleza, os baixos salários, a falta de creches, a imposição da maternidade, a proibição do aborto, a cultura do estupro e de que "a culpa foi da mulher" é preciso também que as músicas de contestação e os espaços de diversão e confronto social também objetifiquem nossos corpos?

A publicidade pode ser mais inteligente. Melhorem.

E pra fechar com chave de ouro nosso dia de rock, ontem um bar de Joinville não conseguiu a liberação de alvará e culpabilizou a burocracia no país pelo índice de apenados (sim, isso mesmo que você leu) e de brinde disse que Joinville está virando a capital GLS!

Agora, além de destruirmos a família tradicional brasileira também detemos a liberação mundial de alvarás para bares de rock. É amiguinhos, a ditadura gay está chegando.

Pois bem, não é todo mundo do roque que é homofóbico e machista. Nosso querido Freddie Mercury que o diga, fez muito por todos nós!

Um bar precisa lembrar que é um estabelecimento jurídico, e que a internet não é terra de ninguém, onde você pode jorrar seu preconceito e não ser atingindo.
E pra quem fala de não combater a intolerância com mais intolerância:

Minorias não tem o poder de oprimir ninguém. O rock é composto majoritariamente de gente branca, classe média e estudada. Um bando de viado e sapatão não tem condições de perpetuar preconceitos com ninguém não.

Hoje não é dia de rock, bebê!

31 comentários:

  1. Então, não falei nada no fadeinbook porque lá a situação descambou pro ódio puro e simples e o debate foi pras cucuias faz tempo.
    Mas olhando de fora as coisas o que temos são dois cartazes que foram criticados por ofenderem as pessoas. E pelo que vi, enquanto o problema estava na discussão dos cartazes a coisa até ia bem. Mas depois que o responsável pela página do tal Delinquents Road fez um desabafo pra lá de infeliz o que eu vi foi baixaria pra todo lado e pelo visto um linchamento moral ainda vem a caminho se é que já não chegou. Discutir preconceito homofobia, cultura do estupro etc ainda é complicado no Brasil. Mas não é descambando pro ódio que as coisas irão evoluir. Do jeito que vejo as coisas não está havendo debate. É um grupo ofendendo o outro e pronto. Aí me pergunto como construir uma convivencia melhor se ao invés do diálogo abraçamos as ofensas. Não vejo como a casa/clube/garagem irá evoluir sendo detonada por todos os lados com paus e pedras. Ofender quem pensa diferente é a atitude do status quo. E sabemos pra onde isso leva.
    Sei lá, na minha mente um pedido de desculpas da casa seria bem aceito. Quem sabe um evento lá promovendo a paz?

    ResponderExcluir
  2. Afs. Deu uma preguiça de ler na primeira linha. Textão de bosta!

    ResponderExcluir
  3. Só digo uma coisa: o rock foi, é e sempre será rebelde!! Rótulos são para os "modas" e a moda passa!!
    Damos total apoio ao Delinquents e a todos os movimentos e bandas undergrounds que lutam pelo rock a muito tempo!!!
    Já esses movimentinhos "revolucionários" vão acabar em breve, como os "clubers" e os "emos"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa...que "rebeldes"!!! Xingar viado é a coisa mais conservadora e reacionária que existe!!!

      Excluir
    2. Você ignora totalmente a história do rock brasileiro, os "revolucionários" brasileiros que lutavam contra a ditadura enquanto você cagava nas calças. Outra coisa você entende muito pouco de rock, o rock é tão abrangente que praticamente todos os grupos estão representados por um estilo de rock. Rock não é só metal ou punk, e se você acha que é, procura conhecer qual a orientação sexual do Rob Halford ou do Freddy Mercury.

      Excluir
    3. Rock não tem orientação sexual, rock é um gênero de música, pouco importa a orientação sexual dos seus integrantes.

      Excluir
  4. E a vontade de colocar uma lista de vocalistas de bandas de rock que são gays e bissexuais!!!!????

    Na verdade isso não tem a ver com rock...tem a ver com ignorância mesmo!

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que se querem dar o cu tem que dar.. entre quatro paredes pode tudo.. só nao venham querer empurrar goela abaixo da sociedade como sendo uma coisa normal!!

    ResponderExcluir
  6. apesar de tudo o pensamento e as colocações de defesa desde o cartaz (criado por mulheres), quanto a relação do bar, as pessoas que defenderam os dois em nenhum momento tiveram um ar superior como certas pessoas de grupos LGBT tiveram se achando donos da rasão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um direito seu ser manter ignorante, mas um grupo oprimido sempre buscará meios de conquistar direitos, se eles procuram se entender, falam melhor e tem mais voz agora é por mérito deles. A literatura ajuda a conseguir mais argumentos, ajuda a dar razão a estes grupos e ajuda a escrever melhor também. Recomendo.

      Excluir
  7. Os comentários sempre sempre são os piores. que tristeza.

    ResponderExcluir
  8. Amigo anônimo, se você quer andar de bicicleta tem que andar.. entre quatro paredes pode tudo.. só não venha querer empurrar goela abaixo da sociedade como sendo uma coisa normal!! Onde já se viu ficar deliberadamente equilibrando-se sobre duas rodas que não são paralelas? Que absurdo.

    ResponderExcluir
  9. Eu conheço os meninos da Delinquents faz um tempão, e posso afirmar que nenhum deles é homofóbico, sempre respeitaram os homossexuais, apenas fizeram um desabafo infeliz! Inclusive bem próximo ao bar tem a Pixel (bar/danceteria) onde muitos homossexuais frequentam e, inúmeras vezes eu presenciei algumas pessoas que frequentam a danceteria estragando algumas coisas da oficina (Delinquents Road), e eles NUNCA fizeram nada a respeito e nem contra essas pessoas. Eu, particularmente, não aceito a opção sexual dos homossexuais, mas os respeito, e acredito que o pessoal da Delinquents pensa como eu. Aliás eu não tenho que aceitar e achar normal!
    Sobre o post da Delinquents, quiseram dizer apenas que ultimamente é bem mais fácil conseguir a licença/alvará para o Homossexuais, por causa da homofobia, do que para outras coisas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não precisa achar normal, agora ,você precisa aceitar que pessoas diferentes tenham o mesmo direito que você. O fato de não houver agressão física, não elimina o fato de haver homofobia, lembrando que o candidato a presidente Levy Fidelix foi processado pela declaração homofóbica no debate em 2014. Existe um mecanismo do governo, o Humaniza Redes que regula as declarações consideradas nocivas a grupos descriminados, é necessário que as pessoas observem e critiquem declarações que promovem o preconceito. A liberdade de expressão é importante, mas ela deve ser feita com responsabilidade. Demora um tempo para as pessoas tolerarem certos assuntos, mas com certeza caminhamos para um futuro onde a tolerância será muito maior, infelizmente algumas pessoas não querem mudar.
      Sobre a sua afirmação dizendo que é bem mais fácil conseguir a licença para homossexuais, é um achismo, consequentemente uma mentira, pois você não apresenta nada palpável que sustente isto. E outra coisa você ignora fatos que ocorreram alguns anos atrás que descartam completamente a sua tese. A Ivix (uma casa GLS) foi fechada por não conseguir o alvará de funcionamento. Em 2013, muitas casas noturnas foram fechadas e não conseguiram alvará até hoje, exemplo disto é o Taberna, no prédio do Harmonia Lyra, ou seja se o bar do delinquentes não conseguiu o alvará não foi por perseguição política mas sim por que as regras atuais são mais exigentes.

      Excluir
  10. Enquanto o povo tratar isso como um problema , sempre sera um problema , as pessoas tem opnioes diferentes e é disso que é feita a sociedade , igualmente nos partidos politicos uns malham o pau na oposiçao e a oposiçao rebate , isso entao seria um tipo de fobia? Nao pq sao apenas opnioes , alguns so estrapolam nos comentarios é simples so ignorar pq como existem heteros que nao aceitam homosexualismo em geral como homosexuais nao aceitam que outras pessoas nao concordem com eles

    ResponderExcluir
  11. Emanuelle, faço uma ressalva, a indústria da entretenimento noturno em Joinville é muito voltada para um público masculino. E o homens atualmente vão pra casas noturnas nas maioria dos casos paquerar as mulheres, ou seja, um lugar onde tem muito homem é mal visto, o que justifica muitas casas noturnas oferecerem um ingresso diferente entre homens e mulheres. Isto é um herança machista, sim. Mas a maioria das mulheres aceitam esta diferenciação de preços de ingressos entre sexos, ou pelo menos não há uma reclamação contundente. Não basta que os opressores mudem, as vítimas também devem mudar. Hoje vejo muitas mulheres pedindo para rachar a conta, isto mostra que a sociedade esta mudando. A conquista de direitos é um exercício continuo.

    ResponderExcluir
  12. Emunelle.
    Quanta carência de atenção em moça?!
    É assim que você acha que vai revolucionar o mundo?
    Pra começo de conversa sobre o cartaz da Strato Feelings eu que sugestionei a imagem, que estava em meus arquivos!
    E ainda acho que ela é violenta sim, mas não vai influenciar ninguém a fazer o mesmo!
    Se fosse uma imagem de uma mulher agredindo um homem ninguém falaria nada!
    Mas hora nenhuma ninguém, nem eu, nem o bar nem a banda tentou esconder o cartaz, ele foi tirado do ar pela banda por respeito as pessoas que se sentiram incomodados por ele!
    E ainda a banda fez várias retratações! O que de nada adiantou por que continuaram a nos ofender e até acusar os membros da banda de serem incentivadores da violência contra mulher, sem ao menos conhecer eles!
    E outra que a banda, o cartaz e eu não temos nada a ver com a publicação do proprietário do Bar! E nem eu nem meu namorado que é o baterista da banda somos homofóbicos, pelo contrário temos muitos amigos homossexuais e muito respeito pela opção sexual de quem for!
    Não é falando um turbilhão de abobrinha atrás de um teclado e procurando o primeiro bode expiatório pra encher o saco que você vai mudar esse mundo! São pessoas como você que dão “dois passos para trás” no meio feminista! Vai botar a cara no mundo, vai trabalhar! Mulheres como eu que botam a cara no mundo, trabalham, e nunca permitem que nenhum homem me agrida, fale merda pra mim ou se sinta melhor do que eu, é que fazem o feminismo no dia a dia acontecer!
    Faça um curso e seja a única mulher da classe e tente manter o respeito! Exerça um trabalho exclusivo de homem e mantenha o respeito! Frequente um meio machista e mande babaca machista calar a boca quando ele tentar gritar com você e te menosprezar! Duvido!
    Duvido que você falaria tudo o que você falou de mim (e sim eu sei que você falou de mim) na minha cara! Por que você sim é só uma coitadinha querendo atenção e eu é que tenho pena de você moça!
    Vamos deixar de ser hipócrita! Por que tudo mundo sabe que você só quer ibope!
    Debater é importante sim! Mas tem que ter seriedade e saber bem o que se está falando, e de quem está falando! Sai por ai apontando sem conhecer o outro lado e de quem se está falando não tem muito fundamento!

    Só deixando bem claro que não estou respondendo nem pela banda nem pelo bar! Estou falando em meu nome e apenas!

    ResponderExcluir
  13. leva essa porra a sério não sim. diversão. mulher homem. branco preto tudo junto
    https://www.youtube.com/watch?v=EWdz8_uQhHE

    ResponderExcluir
  14. Cherry Ann você é uma imbecil, sem mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É? Isso é tudo que você tem a me dizer? uashuahuahsuah Por que eu sou imbecil??? E você que é covarde?!?! Não tem nem coragem de mostrar a cara?!! kkkkkkkkkkkkkkkkk.....

      Excluir
  15. Texto escrito por pessoa ignorante, homofóbica e preconceituosa! Pessoas desse naipe são dignas de pena! Um dia ela aprende com a vida a ser gente de verdade!

    ResponderExcluir
  16. André Luiz da Silva23 de maio de 2015 16:41

    É muita carência.
    Falam de liberdade, mas cadê a liberdade de expressão? Um cartaz não vai fazer eu estuprar uma garota, se fosse o caso, então vamos tirar todas as novelas da TV, proibir a maioria dos seriados, filmes, e historias em quadrinhos, que é onde o autor do cartaz pego essa imagem, de uma historia em quadrinhos de um vampiro, o homem em é ali, é um vampiro na historia.
    Vocês tem um jeito de enxergar o cartaz, os outros tem outro, qual o problema disso? Querem que enxergue com os seus olhos? da licença né. É por conta desse radicalismo que não conseguem nada, e quando consegue é apenas para cala-los por algum tempo. Com esse teatrinho todo perderam muita gente que os apoiavam, eu sou um desse, esse radicalismo não quero para mim.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  18. Uma imagem que faz referência a uma violência é sim chocante e causa repulsa. A arte não precisa agradar a todos mas ela tem um objetivo específico, principalmente quando se trata de uma propaganda. Conheço a banda do cartaz e o bar citado, e o cartaz não traduz o que é cada coisa, foi uma escolha infeliz. O questionamento que fica é qual a tolerância de cada um? Se o cartaz fizesse uma imagem referente a pedofilia ela nem seria cogitada. O que não se pode aceitar de jeito nenhum, é o uso de uma violência como forma de propaganda, não podemos achar que isto é normal. Nas mais derivadas artes existem casos que mostram a violência contra a mulher, mas é usada na maioria das vezes num contexto, ela não está ali gratuitamente. Quando se faz um filme como o Irreversível mostrando o estupro da Monica Bellucci, não é algo gratuito, o autor quer ter causar repulsa e indignação. O argumento de que a imagem não fará com que se cometa ou se ignore crimes contra a mulher é furado, pois o cartaz nada diz que não se deve fazer isto, ele faz justamente o contrário, associando a imagem a um evento prazeroso de um show de rock. Pra mim é chocante ver pessoas usando a liberdade de expressão como justificativa para comportamentos doentes. Fico a imaginar este que defende a irresponsabilidade na liberdade de expressão em um caso onde a privacidade dele ou de seus queridos seja violada. Imagina você receber num grupo de Whatsapp um vídeo intimo de sua namorada que vazou, ou receber a foto de algum parente seu morto com a cabeça arrebentada num acidente. Tudo isto é liberdade de expressão, pra ela ser considerada crime não falta muito, basta que em vez de opressor a pessoa se torne vítima. Vamos ser mais humanos e praticar a empatia.

    ResponderExcluir
  19. Rudimar deve ganhar o prêmio nobel da paz da internet. Correto, cordato e paciente. O post é correto e equilibrado, o que mais dizer? Mas no reino encantado da dona Nete, qualquer sinal de não identificação absoluta com nossa própria posição é motivo para anexação da Áustria, tomada dos Sudetos, invasão da Polônia e da França e consequentemente Guerra Mundial. Infelizmente sempre falta gramática e ortografia para o tratado de paz.

    ResponderExcluir
  20. Emanuelle, procure criticar outro gênero, pois de ROCK você não entende nada. Um abraço por trás

    ResponderExcluir
  21. Chega nos comentários e tem coragem de chamar a menina de imbecil...
    Nem adianta discutir com um ignorante desse, tem que se foder muito na vida ainda pra ver se aprende algo.

    ResponderExcluir
  22. Quando o homem do rock casa e forma família, aí amadurece!! Moleques tem de monte pra fazer merda.

    ResponderExcluir
  23. Ideologia cada um tem a sua. O tipo de argumento para defender eh que impressiona. O texto foi bem argumentado, apesar de generalizar para a cena do rock local e nao isolar os casos.
    O mais chocante sao os comentarios falaciosos e sem fundamentos postados.
    Causa repulsa o fato de querer se defender atitudes de preconceito e subjugacao a alguns grupos sociais com uma falta de nossao completa dos direitos alheios.

    ResponderExcluir
  24. O Conservadorismo partiu de vocês, junto com a prepotência e arrogância ao exigir retratação e tentar boicotar dois eventos porque não gostaram de um cartaz!
    Ainda mais gente que adora ostentar uma posição de esquerda, falar sobre ditadura e no final agem como???

    ResponderExcluir
  25. Hoje teve uma postagem de uma página nova aqui de Joinville criticando mais um cartaz de outro evento da cidade, o da convenção de tatuagem de Joinville.. como foi debatido e o pessoal da página não teve como justificar o motivo da critica , simplesmente apagaram a postagem.
    Todo mundo erra! Uma pena que boa parte das pessoas que defende esse movimento aqui em Joinville ainda não sabe aceitar o outro ponto de vista, ou o pedido de desculpas pelo cartaz que foi postado sem a intenção de ofender.. Espero que as pessoas não venham ofender o pessoal dessa página, como fizeram com alguns integrantes das bandas e algumas pessoas da ‘’Cena do Rock’’ da cidade que não falaram, ou fizeram nada de mal pra ninguém!

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem