domingo, 20 de julho de 2014

Felipe Silveira


POR FELIPE SILVEIRA

Como sou militante e filiado ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), é claro que meu voto vai para Luciana Genro. Assim como o 50 terá meu voto em todas as outras disputas da vez: governador, senador e deputado federal e estadual.

O critério fundamental é o partido, pois essa história de "votar em pessoas" é coisa de quem passa longe de uma discussão política séria. Votar em pessoas é ajudar a eleger uma série de cretinos que faz a política partidária ser o que é. (É claro que as pessoas interessam, mas colocá-las como critério sobre a questão do partido é ignorar a discussão que mais importa.)

Por isso voto no PSOL. Um partido relativamente novo, fundado em 2005, a partir do desencanto com o caminho escolhido pelo PT ao chegar no poder, e que amadurece a cada dia. Eu, que era petista, aderi à nova sigla somente em 2010, quando comecei a participar das atividades do partido recém-fundado em Joinville.

Acredito que a mudança da sociedade não se dará pela via parlamentar, mas entendo que este é um importante espaço a ser ocupado, onde o PSOL tem sido exemplar em suas atuações e lutas. Parlamentares como Marcelo Freixo, Chico Alencar, Ivan Valente, Jean Wyllys, Randolfe Rodrigues, Renato Cinco e Afrânio Boppré (vereador em Florianópolis e candidato ao governo de SC) demonstram todos os dias seus compromissos com o povo e com os direitos humanos.

Voto no PSOL porque sou contra o machismo, contra a homofobia e contra o extermínio sistemático da população negra e pobre. Voto no PSOL porque luto pelo direito à moradia e ao transporte público, gratuito e de qualidade. Participo do partido porque entendo que o povo deve ser protagonista das lutas, e vejo a sigla como uma ferramenta da população.

Voto no PSOL porque quero promover uma mudança radical no sistema econômico, pois entendo o modo de produção capitalista como a raiz dos problemas da sociedade. Voto neste partido porque quero uma sociedade mais justa, que nos permita desenvolver todas as nossas imensas potencialidades enquanto brasileiros e seres humanos. E o programa de Luciana Genro e do PSOL tem propostas claras para começarmos a caminhar até lá.

29 comentários:

  1. Como se os partidos abraçassem a ideologia partidária...

    O PSOL é um partido novo que almeja chegar no mesmo nível do PT (se é que me entendem), com ideias embasadas em discursos utópicos baseados em ideias decrépitas que serão sabiamente esquecidas após a eleição.

    Ao mesmo tempo que o PSOL defende “as minorias” também ataca outras. O velho discurso petista do “nós contra eles” é pinto comparado com o que o PSOL almeja colocar em prática.

    Dê poder a eles e vera o quão compromissados são com povo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante o comentário acima, eu percebi nele uma duvida muito comum de todos. Tiradas as devidas proporções, é quase uma questão da fé, acreditar em um partido pela ideologia, sendo que temos exemplos de outros que não foram bem aproveitados.
      Existem algo em que o PSOL mostra na pratica que vai fazer a diferença se/quando chegar ao poder? Esta ai uma questão para o Felipe responder.

      Excluir
    2. Respondo essa. Digo que na prática o PSOL já faz diferente antes mesmo de chegar ao poder ao não aceitar doações de bancos, empreiteiras, empresas multinacionais, essa galerinha que tem o poder econômico como instrumento de manipulação de tudo o que se possa imaginar... Em princípio pode parecer algo irrelevante, mas acredito que na prática isso pode fazer uma grande diferença na hora de enfrentar os atuais "donos do poder" e implementar políticas públicas em favor do povo. Afinal, se todo o poder emana do povo (artigo 1º, parágrafo único da Constituição), por que quem dá as cartas e define as regras do jogo é o dinheiro? Isso tem que mudar.

      Excluir
    3. O sonho é gratuito, Luiz.
      É sabido que o poder emana de quem ou do que tem dinheiro. Se alguém ou algum grupo organizado dizer o contrário, desconfie.

      Excluir
    4. Ainda bem que sonhar não custa nada... E não tem porque desconfiar de mim por dizer o "contrário".

      Excluir
    5. Seguimos sonhando, e construindo. Deixo a resignação para os anônimos.

      Excluir
    6. Obrigado Luiz pela resposta, achei realmente um ponto importante.
      Vou aguardar as outras postagens, achei muito interessante esse formato que o Blog usa.

      Excluir
    7. Só uma dúvida, por que sempre os contrários aos partidos de esquerda postam como "anônimos"? Que medo é esse que esse povo tem de debater?

      Excluir
    8. Normal, Joacir. Décadas atrás os eram os comunistas que se escondiam... Bons tempos aqueles...

      Excluir
  2. Concordo integralmente quando fala da importancia dos partidos e seus conteúdos programáticos. Votar em pessoa é mais ou menos como aquela história dos caras que sempre se dizem apartidários e que sempre votam no PSDB....
    Agora a crítica do PSOL ao PT a meu ver fortalece sempre a direita, o dia que a reforma política neste País for finalmente implantada estas "diferenças" entre os partidos de esquerda tendem a minimizar ou pelo menos diminuir estes mi-mi-mis. Teremos uma esquerda liberal jogando dentro das regras capitalistas (mas com projetos socializantes) e uma esquerda que sempre vai pregar as relações mais ortodoxas entre capital-trabalho-propriedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respeito a tua opinião. Mas não concordo com ela.
      A posição do Psol é de esquerda. E eu gostaria que as do PT fossem também.

      Excluir
    2. Se a inclusão social e economica dos ultimos anos não for de esquerda, não sei do que é. Precisa melhorias, maior alcance, sim. Mas já mudou o perfil dos brasileiros, e isto prá mim é muito significativo. Mesmo com a aposta dos contrários.

      Excluir
  3. Mais do mesmo. O brasileiro não cai mais nessa.

    ResponderExcluir
  4. O PSOL vai ter a mesma função do PSB de Eduardo Campos e da freira trotskista: desviar votos que iriam para o PSDB para garantir a vitória do PT. E depois, é claro, ficar com algum ministério da pesca ou da Borboleta de Bigode como prêmio de consolação pelo bom comportamento, o famoso “toma lá, dá cá”.

    Antônio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porra, o Antonio acha que os votos que iriam para o PSDB podem migrar para o PSOL. Realmente, manja muito.

      Excluir
  5. Mário Cezar da Silveira21 de julho de 2014 16:42

    Hoje em nosso país, está impossível votar, seja em pessoas ou em partidos, pois os partidos são feitos por pessoas e, portanto, sujeitas a serem afetadas pelo poder, por motivações excusas, ou em nome da "governabilidade", corrompida pelo número irracional de partidos e interesses políticos.
    Enquanto não houver uma mudança nas regras, exterminando com a maioria das siglas de aluguel, de forma a ter diferenças de ideologias partidárias identificáveis, quem chega ao poder é obrigado a vender a alma ao diabo, caso contrário não governa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mário, eu acredito nas pessoas. Em pessoas como você, por exemplo. E acredito que elas estão em bons grupos, como no PSOL, por exemplo. Digo que o critério "pessoas" para o voto é errado/inadequado porque a sigla, em alguns casos, é determinante. Os partidos tem ideologia, sim, mesmo que não digam e em alguns casos não saibam. O meu sabe qual é a sua.

      Excluir
    2. Mário Cezar da Silveira23 de julho de 2014 08:46

      Caro Felipe, tenho uma boa inveja de você por ter uma convicção partidária. Gostaria de tê-la! Aqui de cima dos meus 60 anos, e por ser um cidadão que luta por direitos, tenho embatido em demasia com o "poder", há muitos e muitos anos. Os bastidores são podres. Acreditei em muitas pessoas e em muitos partidos. Descobri que os partidos mudam por interesses momentâneos de quem os comanda e que pessoas, cometem crimes, por esses partidos, ou por suas ideologias.
      Acredito nas pessoas, mas o atual sistema político brasileiro é um balaio de gatos que destró ou apaga os bons e bem intencionados.
      Ainda não decidi, mas se votar no PSOL, o farei muito mais por falta de opção, não por acreditar que não se corromperá, como o PT, se assumir o poder.
      Me diga o que o PSOL conseguirá fazer se ganhar a presidência do país? Como conseguirá governar sem se promiscuir com o atual sistema político?

      Excluir
  6. Esta proposta do blog, pra mim é dar milho aos corvos, se alguns blogueiros já eram vistos como petralhas, comunistas ou coxinhas agora existe motivação... Não sou contra a divulgação de voto mas acho que a discussão política perde força com isto, fatos importantes que devem ser discutidos, ficam em segundo plano, pois o leitor não vai mais ver um folha em branco, vai ver um militante falando. Vai parecer propaganda política para o pior tipo de eleitor, que é o eleitor torcedor, onde não importa mais as propostas, importa só que o meu partido vai ganhar e o outro vai perder. Exatamente como o futebol brasileiro e as eleições funcionam a anos... A virtude da dúvida é muito importante para conseguirmos alcançar a excelência... a fé cega em partidos, religiões, pessoas é o pior mal que temos hoje, frequentemente somos enganados por notícias, posts e comentários mentirosos... temos que ser capazes de romper com esta fé cega e solicitar planos de governo em vez de discursos.
    A fé cega contribuiu para que o nosso competente prefeito fosse eleito... e a cidade continua parada.

    Rudimar

    ResponderExcluir
  7. Eleitor torcedor ou fã, é tudo o que o Brasil precisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Anônimo. Essa é a nova geração Coca Cola. Provavelmente o Felipe tem menos de 25 anos e só ouviu falar da inflação galopante das décadas de 80-90. Provavelmente ninguém da família dele precisou pagar o valor de um automóvel e esperar três anos por uma linha telefônica em casa... Paciência, quem sabe nas próximas décadas essa geração evolua a ponto de compreender que votar em PSOL, PT, PSTU é uma moda tão inusitada e esquisita quanto as horrorosas obreiras.

      Franciele

      Excluir
    2. Haha. Seria muito legal ter menos de 25 de novo.

      O engraçado desse argumento é que o último candidato a presidente pelo Psol era um octagenário.

      Excluir
    3. Porra cara, não sacaneia o Felipe. Ele já tem 26.

      Excluir
  8. Eu acho que no atual sistema essa história de "votar em partidos" é coisa de quem passa longe de uma discussão política séria. Votar em partidos atualmente é ajudar a eleger uma série de cretinos que faz a política partidária ser o que é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://www.chuvaacida.info/2014/07/jordi-castan.html#comment-form

      Excluir
    2. Sério? Legal! Achei que você fosse mais ignorante.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem