segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Higienização em Joinville: a incompetência não se cerca com grades







POR JORDI CASTAN
Em Joinville os problemas se gradeiam. Não se resolvem, só se escondem. Em lugar de buscar soluções, o caminho escolhido é o de colocar grades. Grades, muros, cercas elétricas e concertinas é a alternativa dos incompetentes para lidar com os problemas da cidade.

Primeiro foi a marquise do Bradesco no centro. Agora o jardim do MAJ, um dos poucos espaços verdes abertos à população, é o próximo alvo e corre o risco de ser gradeado. Seria aberto apenas em alguns horários. E com isso Joinville pode perder mais um espaço público, com a anuência de parte da sociedade que mora atrás de grades e muros.

É resultado de uma sanha higienizadora, que esconde os problemas em lugar de enfrentá-los e resolvê-los. E que ganha força com o apoio de uma administração inepta, caolha e covarde.
É mais fácil colocar uma grade que exigir mais segurança. É mais fácil excluir as pessoas que integrá-las. É mais fácil empurrar que aproximar.  É mais fácil impor que escutar. As escusas são as mais variadas e esfarrapadas. Faltam policiais, não há câmaras, há consumo de drogas, as pessoas tem medo. As famílias têm se afastado do jardim do MAJ, onde fazem barulho, bebem álcool e por aí afora.

Deixa entender. A Guarda Municipal não foi criada para apoiar e complementar o trabalho da Policia Militar? Ou foi criada só para os agentes ficarem escondidos e multar? Não há uma legislação que estabelece o nível de barulho permitido em áreas residenciais? Por que não se fiscaliza e se faz cumprir? Ah sei, os policiais não tem combustível, veículos, disponibilidade, efetivo ou qualquer outro motivo o escusa que venha a calhar.

Só falta dizer que os policiais são covardes demais para resolver esses problemas menores, que são fruto só da inépcia das autoridades. Aliás, é bom lembrar que o jardim do MAJ está na frente da Cidadela Cultural Antarctica, aquele cortiço cultural em que se converteu o espaço que deveria ser um centro irradiador de cultura.

Joinville é hoje uma cidade acomodada, acovardada e que causa vergonha. Uma sociedade de omissos que não levantam a bunda do sofá para resolver e enfrentar seus problemas. E problemas que se avolumam frente a inércia e o descaso. A proposta de gradear o jardim do MAJ é estúpida, própria de quem encara os problemas desde uma visão parcial e distorcida. O uso dos jardins do MAJ pela sociedade não é um problema de segurança pública, é um problema cultural, social, humano. E de meio ambiente, até paisagístico. Por isso não pode ser tratado só a partir de uma abordagem repressiva e truculenta. Porque gradear um espaço público como aquele é cercear o direito de uso de um dos poucos espaços públicos que a sociedade utiliza.

Há várias tribos e grupos que fazem dos jardins do MAJ seu espaço de lazer, numa cidade que não oferece quase nada para a população. Não há só arruaceiros. Aliás, é o que menos há. Vejo famílias fazendo piquenique, casais tirando fotos, gente celebrando um aniversário, escutando música, passeando ou simplesmente namorando ou conversando.

Em lugar de melhorar o espaço - cuidar do jardim e melhorar a manutenção do vergonhosamente abandonado Parque das Águas - a mobilização é para gradear o espaço. Começo a achar que Joinville merece mesmo esse bando de ineptos que administram a cidade. Uma sociedade que não se mobiliza para defender a liberdade é uma sociedade que merece mesmo viver rodeada por grades, cercas e muros. Uma sociedade cada dia mais fragmentada, desarticulada, desestruturada, gradeada.

48 comentários:

  1. O que me parece, tendo estado muito próximo do problema (que existe e é complexo), é que boa parte dele ocorre porque não há opções de lazer e praças bonitas. Algumas vezes perguntei a pessoas na praça: "por que ali?". E algumas respostas indicavam que era a beleza da praça e o ambiente que as faziam sentir-se bem ali. Ora, fossem as praças de Joinville bem cuidadas, arborizadas e ajardinadas como é aquela, inclusive com pequenos espelhos d'água que melhoram o micro-clima, não haveria uma concentração tão grande de pessoas num só lugar.

    Sobre as grades, sou a favor de um cercamento da casa-sede do Museu, em material e localização que afete o menos possível a ambiência e visualização do prédio. Esta se daria não por higienização, mas por proteção do patrimônio, que só neste ano já foi vandalizado algumas vezes. É um patrimônio cultural estadual, é a provável casa mais antiga de Joinville e de um de seus moradores mais importantes. Há que se zelar pela preservação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A presença de segurança (terceirizada) no local já resolve esse problema. Não há necessidade de cercas. Quem vandaliza na verdade é o poder público, com o abandono...vide Ginásio Ivan Rodrigues, Fórum...

      Excluir
    2. O Ginásio Ivan Rodrigues, e o antigo Fórum não são propriedades municipais.

      Excluir
    3. Francisco você não leu verdade? Ou se leu não entendeu.

      Excluir
    4. Muito bom, Lemos. São coisas simples que resolvem. Vide o Fritz Alt, abandonado, saqueado, hoje tem guardinha (não sei se ainda tem à noite). Ora cercar um prédio histórico tombado, por lei nem pode. Então as coisas preciosas da cidade ficarão cercadinhas para vermos de longe. Só falta isso, mesmo. A cidade está vandalizada.

      Excluir
    5. O Ginásio Ivan Rodrigues foi devolvido ao governo estadual no mês passado. Até então, o ginásio que era administrado pela PMJ, encontrava-se em perfeitas condições e a deterioração ocorreu após um mês de completo descaso por parte dos novos responsáveis pela sua administração.

      Excluir
    6. Lemos você amanheceu sarcástico.

      Excluir
  2. “Faltam policiais, não há câmaras, há consumo de drogas, as pessoas tem medo. As famílias têm se afastado do jardim do MAJ, onde fazem barulho, bebem álcool e por aí a fora.“

    Olhe, essas não são desculpas esfarrapadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é da turma que acredita em tudo e aceita manso que nada mais que gradear possa ser feito?

      Excluir
    2. São esfarrapadas, sim, pois há anos são repetidas e nada é feito. Não é apresentada nenhuma solução, tudo permanece como está e, por isso, tornaram-se esfarrapadas.

      Excluir
    3. Desculpas esfarrapadas são as que não tem justificativa.... o curioso é que tenha gente que as aceite com tanta tranquilidade, gente que engolhe facilmente qualquer bobagem.

      Excluir
  3. LEI COMPLEMENTAR Nº 397, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2013.
    CRIA A GUARDA MUNICIPAL DE JOINVILLE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.
    O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, faz saber que a Câmara de Vereadores de Joinville aprovou e ele sanciona a presente Lei Complementar:
    Art. 2º Compete à Guarda Municipal de Joinville planejar, coordenar e desenvolver as seguintes atividades:
    I - proteger os bens, serviços e instalações do Município, prevenindo a ocorrência de atos ilícitos, danos, vandalismos e sinistros contra os mesmos, através do patrulhamento ostensivo e preventivo, mediante a vigilância das escolas, das unidades de saúde, museus e demais prédios utilizados na prestação de serviços públicos pela Administração Municipal, bem como dos bens de uso comum do povo, assim entendidos as vias públicas, praças, parques, jardins, cemitérios, mercados públicos, feiras livres, monumentos e quaisquer outros de domínio público municipal, provendo as condições necessárias para que a população possa usufruir de tais ambientes com segurança;

    ResponderExcluir
  4. Enquanto isso, o pátio em frente ao Ginásio Municipal(e abandonado) Ivan Rodrigues serve de estacionamento gratuito para a playboysada que frequenta o butecão localizado do outro lado da rua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, Lemos, mas o peso na balança é classe social?
      “Comunistas maconheiros, sejam bem-vindos à esbórnia, playboys, não!”

      Excluir
    2. Nem comunistas maconheiros, nem playboys, liberalecos e anônimos cheiradores...rs

      Excluir
    3. Francisco não conheço ninguém que isente com tanta rapidez e facilidade a prefeitura de tudo. Você acredita mesmo que a prefeitura não tem nenhuma responsabilidade com o patio do Ivan Rodrigues? Que o Ginasio se deteriourou assim e ficou neste estado lamentável por conta do governo do estado? E que o anterior "locatário" a sua amada prefeitura não teve NADA a ver com isso? Me conte mais...

      Excluir
  5. "Joinville é hoje uma cidade acomodada, acovardada e que causa vergonha."

    Cabe em um tweet e resume bem o texto.
    Parabéns, Jordi.

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente com a opinião sobre o fechamento do jardim ….. lamento profundamente

    Como membro do Conseg Atiradores-Glória, fui convidado para a reunião ocorrida no MAJ.
    O que vi foi uma vizinhança acuada e com medo do avanço da violência.
    Porém, na oportunidade, questionei quando foi a última vez que se reuniram para debater o assunto e buscar uma solução …….. NUNCA ANTES (??!!!)
    Poderia discorrer horas aqui sobre as experiências com reuniões comunitárias ….
    Sempre “eles” contra “nós”
    ….. porque a prefeitura na faz?
    …. porque a policia não faz ?
    ….. porque o outro não faz?

    É aí que entra o “EU”. O que EU fiz pela minha coletividade?
    O que EU fiz pelo meu vizinho sem que houvesse um beneficio diretamente vinculado a mim?
    O que EU fiz pelo próximo pelo simples motivo de que é o correto e bom fazer?

    Seria a sindrome do AAA (America, Atiradores, Anita)???? …. a pseudo-burguesia que se basta sem se preocupar com o seu entorno.
    A fama do “eu tenho muro, alarme, cerca e câmera” …. “eu não uso escola publica” …. “eu não uso transporte público” ….. “eu tenho plano de saúde particular” ….. “eu não tenho tempo para reuniões de comunidade” …..
    Pois é …. quando os interesses da coletividade não se manifestam, os interesses individuais se estabelecem.

    Pois bem …. a pergunta deveria ser.
    O que EU posso fazer para melhorar a qualidade de vida de todos nós?

    Como eu posso ajudar? …..
    Não adianta ficar falando mal da administração …… NÓS os colocamos ali. Agora NÓS teremos que tirá-los.

    Nosso governador é um inépto ….. nossos deputados estaduais são um redondo ZERO A ESQUERDA
    A turma de Brasília é um amontoado de lixo
    executivo, legislativo e judiciário ………… lixo

    E na prefeitura? …… tá satisfeito? ….. Quer mudar ou só ficar criticando?
    Esquece a atual gestão …. acabou. Já era. É passado.
    Na linha do tempo, uma virgula que será esquecida em breve.
    …..mais um que perdeu a oportunidade de entrar para a história como um administrador que trouxe o povo e o interesse da coletividade para a administração pública.

    QUEM SERÁ O PRÓXIMO?
    QUEM SERÁ O PRÓXIMO?

    Quando a nossa sociedade vai se tocar de que pode demitir e mudar o que não esta a contento.
    Não tô pedindo favor nenhum ….. tô dizendo o que EU (cidadão) quero ….. ponto.

    É preciso que a sociedade se organize. Acostume a se encontrar e a debater. Entendendo que existem interesses e necessidades diferentes. Um gosta de verde, outro gosta de concreto, um usa carro outro anda de bicicleta …. nossa riqueza está na diversidade. Mas é impreterível que haja participação. Do ilustre, do técnico, do leigo do que tem opinião diferente …. sem donos da verdade e em igualdade de direitos a opinião.

    Se a coletividade optar por tornar isso aqui um parque, façamos …. se preferirem tornar isso aqui um jaula …. façamos ….. as somente depois de muito debate. Sem excelências, nem doutores, nem datavênias ou carteiradas.

    Uma cidade de 570.000 habitantes não pode ser refém de uns poucos 200 ou 300 pífios cidadãos que optaram por sobreviver vampirizando a comunidade. Se nos unimos em comunidade e criamos LEIS, foi com o objetivo de trilharmos um caminho no sentido de melhor qualidade de vida.
    … e se a LEI não atende ao que necessita a coletividade …. muda-se a LEI.
    Qualquer coisa que vá de enontro a isso, deverá (ou deveria) ser veementemente combatido.
    Isso trará a baila o debate sobre direitos humanos …… mas isso é para outra postagem.

    QUEM SERÁ O PRÓXIMO?



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já morei nos Espinheiros (onde nasci, outrora uma antiga colônia de pesca) e depois na Anita Garibaldi, hoje não moro mais em Jlle. Costumo ir sempre para Jlle onde minha família ainda vive no bairro Anita. O que tenho visto é que Joinville independente do nível social do bairro, está um caos. Não há investimento público em infraestrutura e urbanização, nem em bairros centrais e em bairros periféricos. Me pergunto porque Udo resolveu se tornar prefeito. A única resposta que encontro para essa pergunta que é para castigar a cidade, cortar até a carne. Udo fez de Joinville um experimento do liberalismo. Aí está o resultado. Um gestor que odeia a coisa pública. Me enganei com ele, assim como muitos Joinvilenses. Como Sergio bem apontou, devemos esquecer essa gestão que não fará mais nada de diferente ou algo em benefício da cidade.

      Excluir
  7. No Parque (?) da Cidade temos os mesmos problemas (até mais graves, a começar pela idéia de "parque"). Ele também será cercado?
    Ah, mas é zona sul, bairro de pobre, deixa pra lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o Parque (?) da Cidade foi o ÚNICO momento em que Joinville saiu por alguns instantes do “wormhole” (ver ficção científica) cridado pelo então prefeito físico-teórico Carlito Merss.

      Excluir
  8. Vamos cercar a cidade e proteger os nossos vizinhos. Cidade sitiada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o ponto....exatamente esse é o ponto. Gradear não resolve nada. O problema que é real não se enfrenta. Como as pessoas que acham que cercando, gradeando, eletrificando e colocando câmaras o problema da segurança esta resolvido.

      Excluir
  9. Joinville. Uma mistura de sincity e 1984.

    ResponderExcluir
  10. Acho que o poder publico deve incebtivar o uso do espaço....houve tempos que tinha eventos na casa e no jardim e era muito saudavel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até agora nenhuma proposta por parte do poder público para melhorar esse espaço e tantos outros que estão deteriorando e sendo depredados.

      Excluir
  11. Acho que o poder público tem que incentivar o bom uso do espaço. Houve tempo que a fundação cultural abria a casa para exposições e no jardim era usado para apresentações culturais

    ResponderExcluir
  12. Aquele prédio do Bradesco é da Prefeitura???

    Tem dinheiro público naquela grade????

    Nossa, que papo intelectual!! Alguém aceita um bolinho de bacalhau e um bom vinho do Porto???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cercar com grade resolve? Foi o Bradesco sozinho quem decidiu gradear? Me conte mais....

      Excluir
  13. Por que motivo o Bradesco tem que dar morada para sem teto???

    ResponderExcluir
  14. “Higienização” é um termo beeeeem genérico e, portanto, esquerdista. Cuidado, Jordi!
    Os esquerdistas já banalizaram o fascismo, o golpi e as violências hediondas contra mulheres, chamando assovios desrespeitosos de “estupro”.
    Cuidado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Higienizamos tudo. Higienizamos sofás, tapetes, aparelhos de ar condicionado, só não higienizamos a nossa politica local extirpando esse bando de ineptos, corruptos e ladrões. Mas Joinville esta cada vez mais "limpa".
      Há uma obsessão pela limpeza, uma visão esterilizadora da cidade, esperemos que não cheguemos ao extremo da eugenia.

      Excluir
  15. Tem gente que bebe e fuma maconha no MAJ? tem. quem são? Joinvilenses, maioria deles jovens na casa dos 20. Ora, mas é isso que os cidadães querem fazer, essa é a opção de socialização que eles desejam, seus canos de escape, ritual de convivência. O que não dá é um grupo de pessoas dominar a Cidade e estipular que apenas suas crenças e seus estilo de vida é válido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que tem um detalhe: o uso recreativo de entorpecentes é crime no Brasil.

      Excluir
  16. Willian, não seja ingênuo.
    Drogas e crime andam juntos... e não me refiro como crime, o consumo. E o que vc chama de "crenças e seus estilos de vida" eu chamo de lei.

    ResponderExcluir
  17. Adoro frequentar o jardim do MAJ por considerá-lo o espaço mais democrático da cidade. Lá vejo gente de todos os tipos e tribos, sendo que nunca presenciei uma briga entre seus frequentadores.

    Lá existe consumo de drogas, sejam lícitas ou ilícitas, e isso não é segredo. Porém esse mesmo consumo existe em quase qualquer outro lugar da cidade. É um mal da sociedade e não do espaço.
    Ainda assim, é o lugar para socialização que considero mais seguro para ir a noite, justamente por estar quase sempre movimentado.

    É aquele canto onde você pode curtir algo com os amigos e ver outras pessoas sem gastar uma grana exorbitante em barzinhos ou baladinhas. É um local simbólico, capaz de reunir gente de vários níveis sociais.

    Creio que parte do público que hoje frequenta o jardim o MAJ é órfão do Parque das Águas, que perdeu sua beleza e ganhou ares de abandono. Eventos como o MAJ Sounds ajudaram a trazer as pessoas para esse espaço, assim como para o Mercado Público.

    Joinville não pode perder esse espaço para as grades. A cidade precisa urgentemente de outros locais como esse.

    Se nossos problemas de segurança fossem resolvidos com grades e cadeados, não sentiríamos o medo que temos, visto que já vivemos trancafiados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego, uma cidade de demorou mais de 100 anos pra fazer um viaduto porque os "reis" locais achavam que era moradia pra gente desocupada, não consegue enxergar o que vc fala. Parece que todos se contaminam com esse jeito tosco de pensar e, como o Jordi diz, ficam acomodados e acovardados.

      Excluir
  18. Penso que o exército tomará o poder se o judiciário dar aval a um candidato condenado.
    Neste caso, darei apoio aos milicos.

    ResponderExcluir
  19. Analfabetos sempre "dar" apoio aos milicos..rss

    ResponderExcluir
  20. Discordo Lemos!
    O Lula e a Dilma nunca apoiaria os militares! rss

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem