sexta-feira, 22 de setembro de 2017

A corrupção na boca dos hipócritas

POR DOMINGOS MIRANDA
Atualmente a palavra corrupção é uma das  mais usadas pelos hipócritas. Geralmente falam dela, não com o intuito de erradicá-la, mas apenas para obter benefícios políticos ou pessoais com tal postura. O caso mais exemplar é o de Geddel Vieira Lima, que dava declarações a favor da moralização e foi pego com R$ 51 milhões de propinas em malas e caixas. Ao longo da história estes “bucaneiros” da política também levantaram denúncias sobre corrupção, depois comprovadas falsas, para destituir presidentes eleitos, tais como aconteceu com Getúlio Vargas, João Goulart e Dilma Rousseff.

O verdadeiro combatente pela moralidade na política age de forma desinteressada e, muitas vezes, o seu nome cai no esquecimento. Aqui, bem perto de nós, temos um exemplo eloquente, o de Crispim Mira, nascido em Joinville em 13 de setembro de 1880. Pouco se fala deste grande jornalista, advogado e escritor, autor de 14 livros, entre eles Terra Catharinense (obra elogiada por Monteiro Lobato), Os Alemães no Brasil e Acorda Brasil.

Crispim Mira iniciou a sua carreira jornalística em Joinville, aos 19 anos, como redator da Gazeta de Joinville e depois no Jornal do Povo. Em 1908 está trabalhando em Florianópolis, na Gazetha Catharinense, e no ano seguinte funda o jornal Folha de Commercio, onde inicia uma série de artigos falando do abandono do porto da capital. Dezessete anos mais tarde, outras denúncias sobre o porto, desta vez em seu novo jornal, Folha Nova, seriam o pivô de seu assassinato.
Crispim Mira

Em fevereiro de 1927, Mira dá detalhes de nepotismo, fraude e desvio de recursos públicos da Comissão de Melhoramentos dos Portos, órgão encarregado da manutenção dos portos. O diretor da instituição se sentiu ofendido e desafiou Crispim Mira para um duelo. Este foi lacônico e disse que sua arma seria a pena e colocou as páginas de seu jornal à disposição do ofendido para nela defender-se. No dia seguinte, 17 de fevereiro, Aécio Lopes, filho de Tito Lopez, também funcionário da Comissão de Melhoramentos dos Portos, na companhia de outras três pessoas, dirige-se à redação da Folha Nova e dispara dez tiros, um deles atinge Crispim Mira que deixava a redação junto com seu filho de 14 anos.

No dia 5 de março, o jornalista morre, aos 46 anos de idade. Cerca de 10 mil pessoas, numa cidade de 40 mil pessoas, participaram de seu enterro. Houve uma farsa no julgamento e os quatro acusados do crime foram absolvidos. O escritor Enéas Athanásio escreveu que a morte de Crispim Mira “é uma página negra na história catarinense, página que, embora amarga, não pode e não deve ser esquecida para que nunca mais se repita”.

Joinville, a terra natal deste herói, nunca deu o valor devido a este combatente. Em um momento em que tanto se fala em combater a corrupção, ninguém se lembra do exemplo de Crispim Mira, que deu sua vida em prol da moralidade pública. A casa onde ele morou, na rua Visconde de Taunay, hoje funciona uma pizzaria. Mas no local não existe nenhum marco identificando o nome de Mira.

Os hipócritas sempre levantam o nome de um juiz de Curitiba, ligado ao serviço de informações americano, como símbolo da luta pela moralidade pública. Mas nem sabem que o verdadeiro herói viveu na sua cidade e está esquecido. Assim é a nossa sociedade. Enquanto isso, a corrupção continua firme como nunca.

2 comentários:

  1. Jornalista desinteressado? Então nem escreveria para começar. O mais próximo do desinteresse é um profeta eremita no deserto.
    Há um problema na santidade, estar próxima demais de apetites imensos , de um delírio de grandeza. É isso que alimenta maioria das vezes nossa pseudo virtude, esse grande delírio.
    No mais a violência é sincera, quem propõe a paz quase nunca. Fico pensando quanta dissimulação nessa frase " minha arma será minha pena".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os patos da Fiesp que o digam ...

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem