sábado, 10 de maio de 2014

Gestão, competência ou respeito pela palavra


POR OTANIR MATTIOLA

No processo eleitoral de 2012 em Joinville, tínhamos cinco opções para escolher. Vou aqui manter o foco em quem obteve êxito e chegou à direção de nossa cidade a partir de 2013. Perfil de administrador, pulso firme, trabalhador, experiente por sua idade e trajetória como diretor de uma grande empresa em Joinville, presidente do conselho de um hospital particular, presidente da maior associação empresarial da cidade. Com este perfil, a equipe de marketing transformou-o em alguém perfeito para resolver os problemas de Joinville.

Pois bem. Alcançado o sucesso eleitoral chegou a hora de trabalhar por Joinville. Mas na hora de trabalhar que o marketing não funciona mais. Ou as coisas acontecem ou a população começa a ficar insatisfeita, as reclamações começam a aparecer e o que era perfeito na fantasia vai se transformando em realidade e decepção. Não vou dizer aqui que nada foi feito, pois estaria sendo injusto. Porém, se compararmos o que foi prometido para até este momento com o que esta realmente acontecendo, talvez com muito esforço chegaríamos a 30%.

Quero, portanto, chamar a atenção para o que foi a sua principal marca de campanha: a gestão. Talvez esta tenha sido a grande ilusão do eleitor de Joinville, que acreditou que um homem com perfil de gestor privado pudesse realizar gestão pública. Partindo do princípio que em “gestão privada você faz tudo o que a lei não proíbe; gestão pública você faz tudo o que esta autorizado em lei”, concluímos que Joinville elegeu um prefeito inexperiente em gestão pública.

Talvez seja por isso que os seguintes fatos que vou citar a seguir estão acontecendo em nossa cidade:

1. O simples ato de desativar iluminação antiga de uma praça e demorar mais de uma gestação para implantar a nova;
2. Não ter calendário escolar definido no início do ano, causando dificuldades para pais e professores se programarem;
3. Fechar o restaurante popular para reforma sem que a reforma esteja autorizada, prejudicando milhares de pessoas que necessitam;
4. Cancelar licitação de produtos da agricultura familiar às 21h05 do dia anterior à abertura dos envelopes, fazendo muitos agricultores de idiotas;
5. Licitar 130 maços de espinafre para entregar em 179 escolas, ou seja nem um para cada escola;
6. Executar 6,5 km de asfalto no primeiro ano de mandato, quando prometeu 75 km é uma quebra de palavra;
7. Deixar Unidades de Pronto Atendimento à Saúde - UPAS sem médicos de plantão é falta de respeito aos pacientes;
8. Permitir que o estacionamento rotativo fique desativado há mais de um ano (e o comercio que se vire). Bem, neste ponto o CDL não está reclamando;
9. Desativar os radares para controlar o trânsito, aumentando o número de acidentes;
10. Permitir que número de lâmpadas queimadas passe de duas mil na cidade;
11. Pacientes somem da lista de espera para exames e consultas na saúde;
12. Crianças que ficam sem vacinação no dia D, por falta de comida para quem estava trabalhando.

Frente  a todos estes acontecimentos, ainda lançam uma campanha de que estão trabalhando para Joinville ter mais? Só se for mais buracos, acidentes, insegurança, pessoas sem atendimento na saúde etc. Enfim,  pergunto: o que esta faltando na prefeitura é gestão ou competência? Se não for isso, deve estar faltando é respeito pela própria palavra.

16 comentários:

  1. chegar ter cumprido 30% das promessas é ser muito otimista... e olha que aqui pelo blog eu mesmo já defendi muito o candidato udo, que tapa na cara levei heim !

    Hoje me deparei um um banner do Tebaldi pelo Face. onde ele critica o pt , deve ter esquecido da velha coligação kct e o troco em secretarias...
    Infelizmente o atual pmdb do FHC também fez isso (mas através dos delegados) ...
    Resultado é que me pergunto, será que se o KCT ganhasse, estaríamos tão ruim quanto hoje ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos alguém já lhe disse que o PSDB faz parte do atual governo com dezenas de cargos?

      Excluir
    2. Somente os Vereadores do PSDB estão no Governo , o partido NÃO !!!

      Excluir
  2. Na época do Carlito a operação tapa-buraco começa em março/abril, já estamos em maio e nada. Fora que a duplicação da Santos Dumont parou por falta de recursos para desapropriações. A demora para aprovar as licitações é um absurdo... Tivemos a demissão/afastamento do secretário da saúde por retirar pessoas da lista de espera de consultas... Interessante é ver que na época do Carlito estas incompetências era tratadas por uma campanha de impeachment do prefeito, incentivada por radialistas famosos. O mesmo critério não está sendo utilizado ultimamente, vai entender...

    ResponderExcluir
  3. Joinville não passa de um "curralzinho" politico de LHS, ele não mede esforços em saciar sua sede de poder nem que para isso tenha que vender gato por lebre.

    ResponderExcluir
  4. Na campanha para Joinville ter mais até é indignante ver a propaganda, pois a Rua Timbó já estava em obra e qualquer um até eu terminaria, os leito do São José estavam prontos e com equipamentos comprados e eu também terminaria e os computadores da Saúde já era convênio do governo Federal e só tiraram do papel e eu também dava conta, mas por que não entregaram ainda os 2 PSFs do bairro Vila Nova que já era convênio firmado? e o Teatro Mais Cultura que a verba esta liberada, confiram no portal da transparência 761830 cadê? e os 2 CEIs do Vila Nova ? pois um ao menos já podia estar em obras. AHHH na verdade eles querem fazer muitas obras depois do carnaval de 2015 para enganar o povão em 2016, fiquem alerta e deem o troco. pra mim é FORA UDO impeachment já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem esquecer que, no caso dos leitos do São José, mais leitos foram fechados das unidades antigas que os abertos nas unidades novas resultando em saldo negativo.

      Excluir
  5. A parte mais bizarra do marketing da prefa é a abertura de 48 novos leitos, sendo que foi fechado outros 48 ao mesmo tempo, ou seja, não aumentou nada, só mudou de lugar, assim como foi com o restaurante popular, abriu em um lugar mas fechou o antigo

    ResponderExcluir
  6. Otanir, eu colocaria na sua listagem mais de duas dezenas de promessas não realizadas, mas um dos maiores feitos é agilizar as licenças ambientais e melhorar a sua fiscalização com a EXTINÇÃO do orgão ambiental. Aquele mesmo que tem uma multa e um processo criminal pendente com uma empresa muito famosa do municipio...

    ResponderExcluir
  7. E os mais de 553.000 reais pagos à RBS pela Prefeitura e Águas de Joinville em apenas 4 meses e 12 dias (fonte: portal transparência da PMJ). Dá mais de 125.000 reais por mês em média. Não daria par apagar uma equipe do PSF (Programa de Saúde da Família)? A Equipe de Saúde da Família deve ser composta, no mínimo, por 1 médico generalista (com conhecimento de clínica geral), 1 enfermeiro, 1 auxiliar de enfermagem e de 4 a 6 Agentes Comunitários de
    Saúde (fonte: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/guia_pratico_saude_familia_psf1.pdf - pág. 67). Como o PSF trabalha com prevenção, teríamos menos gente adoecendo, o que implica em menos gastos para o SUS no FUTURO. Mas algum gestor público planeja pensando no futuro, ou planejam apenas pensando nas próximas eleições?

    ResponderExcluir
  8. Eduardo, Joinville12 de maio de 2014 10:54

    Não sou simpático ao Udo (nem votei nele), mas é interessante como os autores (efetivos e convidados) do blog resolveram, de uma hora pra outra, apontar as inconsistências do atual prefeito. Acho justo, mas confesso que senti falta do mesmo empenho na administração anterior. Lembro que o Udo é um empresário, porém sua tentativa de impor ao setor público alguma eficiência privada não vem apresentando o resultado esperado (o que já era esperado). Lembro também outro empresário se aventurou na política. Em Jaraguá do Sul Geraldo Werninghaus colocou a prefeitura daquela cidade com as contas em dia e foi o primeiro a implantar obras “invisíveis” aos olhos do eleitorado, como o sistema de esgotamento sanitário. O que não podemos esquecer é que o administrador anterior é político de carteirinha, é político por profissão, tentou por três vezes a candidatura a prefeito e quando conseguiu sabemos no que deu, ou melhor, no que não deu. Então, embora não tenha simpatia pelo atual prefeito (votei no Kennedy – me arrependi depois), acho que é o menos pior dos três principais candidatos que concorreram ao pleito. Além disso, talvez o principal legado da administração Udo não seja visível pela população. Ouvi várias reclamações de “servidores” que dizem detestar o prefeito, e acreditem, isso é um bom sinal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o mais engraçado é que nesses momentos o anonimato não é questionado...

      Excluir
  9. Soma-se a falácia da abertura de mais de 6 mil vagas na educação infantil, quando o que ocorreu foi o fechamento de vagas em turno integral, em contradição com a promessa de escola em tempo integral. Temos que ter cuidado com o marketing mentiroso.

    ResponderExcluir
  10. O que me irrita é ver as propagandas noticiando o binário do Vila Nova ou o binário da Max Colin como grande feito do governo. Obras financiadas pelo estado e pelo governo Federal, que começaram antes da atual gestão. É o marketing querendo tapar a ineficiência do governo, que não consegue sequer manter a cidade, quanto mais almejar melhorias ou "planejá-la para os próximos 20, 30 ou 50 anos".
    É tio Udo, votei em você confiando em sua "geston" e também tentando prevenir nossa Joinville de um baita KCT, mas você vem se mostrando pior que o prefeito anterior.
    Aí vem aquela frase dita pelo Jordi aqui no Chuva outrora: "o menos ruim ainda é ruim".

    ResponderExcluir
  11. Esse Udo é uma piada. Nao disse a que veio. Tudo o que inaugurou foi quase concluído na gestão passada. Sua equipe é uma piada, seus eleitores idem.

    ResponderExcluir
  12. A Gestão Pública não é igual a Gestão Privada ?? cantada em verso e prose durante a campanha !!!

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem