quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Um mundo de mercados e mercadores















POR ET BARTHES
Desde o início dos tempos os seres humanos aprenderam a negociar. Se antes era a troca, depois veio o dinheiro. Se antes as pessoas se encontravam, de jeito informal, para comprar ou vender, depois surgiram os mercados. E é o conceito das imagens de hoje, que vão desde os grandes mercados até o antigo contacto pessoal.


Em Bruxelas, na Bélgica, as famosas passagens, onde estão lojas das principais marcas. (Foto: JAB)

Ainda na Bélgica - só podia - lojas com 250 marcas de cerveja. Dizem que por lá você pode beber uma marca diferente por dia... sem repetir. (Foto: JAB)

Em Budapeste, na Hungria, o mercado municipal é um festival de cores. Os pimentos são produto básico na dieta dos húngaros. (Foto: JAB)

Na China, em qualquer cidade você pode encontrar insetos preparados para uma degustação. Diz quem comeu que a coisa é saborosa. (Foto: Nuno de Paula)

No Rio Nilo, no Egito, os passeios em navios têm sempre o encontro com estes vendedores, que aparecem nos seus pequenos barcos a tentar negociar produtos típicos. (Foto: Arlete Castelo)

Em Granada, na Espanha, você pode comprar especiarias e outros produtos exatamente como eram nos tempos medievais. (Foto: JAB)

Em Marrocos, comprar nos mercados públicos nas ruas é uma tradição que se estende a quase todas as cidades. (Foto: JAB)

Na Índia, os mercados existem em praticamente todas as cidades e são bastante frequentados. O aspecto deste (Dadar) não ajuda muito. (Foto: Joana Reis)

Na Nova Zelândia, todos os anos as pessoas vão ao Festival de Comidas Selvagens para experimentar coisas como insetos. É um dos eventos mais midiáticos do país. (Foto: Steve Gwaliasi)

Em Oslo, na Noruega, você ainda pode ir ao porto e comprar peixe direto do pescador. (Foto: JAB)


Um comentário:

  1. Florianópolis tem um mercado bacana também. Pequeno, mas organizado.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem