quarta-feira, 16 de agosto de 2017

O nazismo de esquerda e gente que odeia pensar

POR JOSÉ ANTÓNIO BAÇO
Faz muitos anos, quando ainda vivia em Joinville, ouvi um radialista da cidade dizer que o nazismo era de esquerda. O “jênio” chegou a essa conclusão porque Adolf Hitler pertencia ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Se tinha socialismo no nome, não havia dúvidas. O cara levou essa lógica ao limite e associou o ainda recente Partido dos Trabalhadores – que ele odiou desde a primeira hora – ao nazismo.

A afirmação só podia provocar risos, claro. Entre uma gargalhada e outra pensei comigo: “por sorte é só esse apoucado a aparecer com essas ideias... ninguém vai levar a sério”. E eis que mais de 20 anos depois a coisa volta a ganhar corpo. E com força. Há mesmo gente em acesos debates por causa dessa não-questão. Só em países como o Brasil, onde ninguém estuda história, esse tipo de discussão tem pernas para andar.

Não vou entrar na discussão, claro. O tema não merece um minuto do tempo de ninguém. É como entrar num debate com alguém que defende a tese de que a Terra é plana. Não faz sentido. Um debate pressupõe dois lados a argumentar e este é uma daqueles casos em que dois monólogos não fazem um diálogo. É perda de tempo quando os argumentos de um lado são respondidos pelo outro lado com clichês mal amanhados.

Mas não resisto a um comentário sobre os tipos defendem essa ideia. É que eles ressurgiram em força depois dos incidentes em Charlottesville, envolvendo militantes de extrema direita seguidores de ideais nazistas. Quem defende a maluqueira de que o nazismo é de esquerda? A turma do ódio. A turma que odeia história. A turma da escola sem partido. A turma que acredita no MBL. A turma que se “informa” pelo Facebook.

Há mais ou menos aquilo que Kostas Axelos chamou “rejeição do pensamento”. O cenário é de ascensão do anti-intelectualismo. A rejeição do pensamento invade as redes sociais e ganha contorno de uma estranha “ciência”: é tudo ao contrário. O que a pessoa não entende - e não quer entender por imperativo ideológico ou abulia intelectual - é o que ela chama esquerdismo. Enfim, é gente que se recusa a pensar.

Eis um detalhe interessante: o Brasil deve ser um dos poucos países do mundo onde a palavra “esquerdista” é usada como ofensa. No mundo civilizado não é assim. Muito pelo contrário. O mais deprimente é que essas hordas que pululam nas redes sociais são incapazes de perceber a própria ignorância. Porque não perceber o processo de subjetivação-sujeição é parte do próprio processo. Enfim, uma pescadinha de rabo na boca (o eterno retorno).

É a dança da chuva.

72 comentários:

  1. O que eu entendo é que o nazismo pode ser traduzido perfeitamente para o sionismo. A praga deste século.
    Ahmed

    ResponderExcluir
  2. Análise exata. O problema é que a parte sadia da sociedade brasileira ainda está perplexa com o triunfo da ignorância e da boçalidade, sem saber como deter o que está vindo no novo ovo da serpente. Estamos no início do século 21 ou do século 20?
    Elder

    ResponderExcluir
  3. Mas devia entrar no assunto, ora!
    Eu, que estudo história em livros, até hoje não descobri diferença entre nazismo e comunismo, por isso comecemos pelas similaridades:
    Autocracia
    Perseguição as minorias
    Campos de concentração
    Militares no comando
    Ufanismo
    Amizade entre Hitler e Stalin

    A principal diferença:
    O nazismo matou entre 4 e 6 milhões de pessoas, já o comunismo, entre 140 e 160 milhões.

    Até hoje ninguém apareceu para explicar a grande diferença entre o nazismo e o comunismo, visto que há mais similaridades.
    Quem sabe um historiador e jornalista não poderia iluminar as cabeças de quem enxerga essas ideologias sendo a mesma merda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu lês livros? Mas que raio de livros. Esse teu post é típico de quem não lê mais que posts do MBL. Historiador e jornalista? Vou convidar o Clóvis Gruner e ver se ele pode "debater" contigo.

      Excluir
    2. "Quem sabe um historiador e jornalista não poderia iluminar* as cabeças de quem blá,blá". Haja luz pra iluminar isso que c chama de cabeça...só Jesus na causa...rsrs

      Excluir
    3. Diga lá, Baço, qual é a porra da diferença entre nazismo e comunismo?
      Levantou a bola e não quer cortar?

      Excluir
    4. Se fui eu quem levantou, então não posso cortar. A regra é clara.

      Excluir
    5. Vou entrar nesta briga entre comunismo e nazismo. A diferença é que o comunismo luta para acabar com a pobreza e o nazismo quer matar pobres, pretos, putas e tudo o que não for ariano (seja lá o que isso quer dizer).

      Excluir
    6. Diz aí onde a luta do comunismo pra acabar com a pobreza deu resultado, Miranda...

      Excluir
    7. Vou citar apenas um país: China. Foram mais de 300 milhões de pessoas que saíram da pobreza em 20 anos, mais que a população do Brasil.

      Excluir
    8. com capitalismo fica mais fácil, né?

      Excluir
    9. Fechar a conta no Chuva Ácida pra vergonha não passar, anônimo das 19:37 depois dessa deveria em consideração levar.

      Excluir
  4. Artigo assertivo, objetivo e claro. Nos inquieta. E, a mim particularmente mobiliza. Mobilização contra o "sujeito"não subjetivizado; posto de forma perfeita por Baço no binômio "subjetivação-sujeição". É a faceta do homem submisso. Submissão não é só feita dentro de relacionamentos. É principalmente feita no e pelo desconhecimento e ignorância. Alerta forte nos traz o presente artigo.

    ResponderExcluir
  5. Há poucas semanas saiu um artigo a respeito no aventurasnahistoria onde tentam argumentar que não é nem de direita e nem de esquerda, sem apresentar de fato um argumento que o converta a direita.
    O autor mais uma vez insiste em um assunto que não domina e jamais leu as fontes primarias assim como alguns idiotas neonazistas que na verdade de nazistas não tem nada exceto o ódio por povos diferentes do seu.
    Economicamente falando é de esquerda não há dúvidas, Hitler e também Mussolini além de tomarem diversa medidas à moda da esquerda, fizeram parte de partidos comunistas.
    Para quem não sabe, Mussolini ficou anos como membro do partido Comunista e só foi expulso por divergir sobre a participação da Itália na Primeira Guerra, já Hitler ficou apenas 30 dias como membro do partido comunista, mas é fato notório que admirava Mussolini e suas políticas.
    Em relação ao comunismo como mostra a sua autobiografia este se desencantou e buscou o verdadeiro socialismo, o ódio dele pelos comunistas está ligado a questões de anti-semitismo e a uma suposta conspiração semita, alías usam o fato dele ter perseguido comunistas como sendo o argumento para que o nazismo não seja um movimento de esquerda, como se não pudesse existir rachas forte em vertentes semelhantes que buscam objetivos semelhantes, mas o fazem por caminhos levemente diferentes.
    O que o nazismo tem que o comunismo não tem? O ódio pelos outros povos e um nacionalismo ligado a ideia de raça superior, isto é certo que não tem nada com a esquerda assim como não tem nada a ver com direita, são meros idiotas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como já disse, não entro na discussão desse "não-tema". Mas no Brasil tem muita gente com um sério déficit na compreensão do que é comunismo e socialismo.

      Excluir
    2. Deixe de LOROTA, Fritz. Hitler NUNCA foi membro do partido comunista.

      Excluir
    3. Ótima sugestão para o próximo texto.
      As ideologias são as novas religiões, uma pena, pois como diria chesterton quando deixamos de acreditar em Deus, passamos acreditar em qualquer besteira como a política. Eu pessoalmente prefiro ser religioso a acreditar em qualquer ideologia política. E digo mais xingar nossa ideologia de facista é como dizer que nossa seita não é de Deus, que somos apostatas, hereges, sendo a palavra razão usada como exegese de nossas teses mais apaixonadas.
      Mas quando se fala algo do tipo "odeia pensar" deveria ser mais explícito em argumentos. Eu Poderia até concordar com a tese por mais absurda que possa parecer. Pois é como dizer que é a terra é redonda, para nós modernos isso faz grande sentido , mas digo , que para minha experiência mais imediata ela é plana, e se hoje acreditamos que ela é redonda e achatadas nos polos é por vários paradigmas dessa experiência mais imediata, que com o tempo foram aparecendo e nos fizeram acreditar que é redonda por sua força lógica. Pois a priori quando um partido se autointitula: "Partido nacional socialista dos trabalhadores" com a palavra trabalhadores, e socialista no meio , estando envolvido com movimento sindical fica difícil não pensar que não tinha alguma coisa de ideologia marxista ai no meio, mas como no paradigma da terra plana as vezes existem fatos que não percebemos, e que faltou foi nos abrilhantar com eles no seu texto, para verdadeiramente estabelecer nossa idiotice, e ficarmos de quatro com nossas 16 patas urrando.
      Hitler era louco que queria dominar o mundo , a ideologia foi só uma oportunidade, como muitos fazem com a religião, e obtém dela uma oportunidade de externar sua loucura e maldade. Só que aqui ninguém quer ser pai do patinho feio.

      Excluir
    4. 1. A tese da rejeição do pensamento é do filósofo grego Kostas Axelos (aparece de forma fugaz num dos seus textos). 2. Tenta ler sobre o conceito de ideologia. Aposto que vais ficar espantado. Por exemplo: Marx não admitiria, em hipótese alguma, a expressão "ideologia marxista". 3. A Terra não é plana, mas esse teu comentário tende para o chato.

      Excluir
    5. "Deixe de LOROTA, Fritz. Hitler NUNCA foi membro do partido comunista."

      Foi sim, e foi expulso do partido por ter idéias, digamos, radicais demais.

      Excluir
    6. Foi nada, anônimo Fritz...deixe de lorota.

      Excluir
    7. Tem provas disso, Anônimo 18:04?

      Excluir
    8. Não sou adepto a fetichismo de conceitos, isto sim uma chatice, que não passa de um sofisma pra ficar do lado do conceito que melhor agrada a sua paixão politica.

      Excluir
    9. Que no teu caso está do lado direito da via..quase no acostamento.

      Excluir
    10. Fábio é aquilo que o pessoal lá da minha rua no Floresta chama "pernóstico".

      Excluir
  6. Já comentei anteriormente e não me canso. Este blog tem tanta audiência quanto a TV Brasil, mas fico impressionado com os textos do Baço. O único motivo aparente deste blog informativo ainda existir. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós temos a audiência que projetamos. Às vezes mais, às vezes menos. Mas tudo resulta do trabalho coletivo.

      Excluir
  7. Primeiramente, sobre o embate entre extremos nos EUA, aquele país adota políticas de LIBERDADE de pensamento e expressão, coisa incomum em países em que o Estado dita o que o cidadão tem de consumir, pensar e expressar, como o Brasil e Portugal, por exemplo.

    Dito isso, o que aconteceu na sexta-feira foi uma onda de estupidez vinda de (adivinhem!) historiadores que costumam cuspir no próprio prato, ou seja, na história factual - os chamados "revisionistas", gente desonesta. Esses revisionistas estavam tirando a estátua de um confederado, e a população, formada por pró-confederados, supremacistas raciais, KKK e conservadores combinaram com a polícia um protesto pacifico até o local da estátua, quando um grupo de extrema-esquerda (sem informar às autoridades policiais) tentou conter o protesto, e foi assim que deu início ao embate. Ora, se nos EUA existem estátuas de genocidas, como Fidel Castro, por que não uma de um confederado que, às circunstâncias da época, apoiou a escravidão?

    Sobre o Trump, confesso minha preferência pela CONSERVADORA Hilary Clinton na presidência, mas ontem tive de tirar o chapéu a ele por dizer a verdade sobre o conflito e não se rebaixar à patrulha do politicamente correto, afinal os dois extremos estavam errados, até porque havia também supremacistas negros na (vejam só!) extrema-esquerda.

    Ah, se sobre nazismo e comunismo, ambos são merdas da mesma fonte, mas os esquerdistas preferem o cheiro de apenas uma.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porra, Eduardo. Se conheces Portugal assim tão bem, indica um restaurante de comida tailandesa na Margem Sul. Estou mesmo a pensar em jantar fora amanhã. Ah... e acho que não leste o meu texto...

      Excluir
    2. Eduardo, boa noite. Se você perguntar a um Negro nascido nos EUA se há liberdade de pensamento e expressão um deles poderá te responder assim: "claro que há liberdade de expressão. Em muitas Igrejas nos EUA existe um lado em que se sentam negros. E há o lado destinados aos Brancos. Detalhe ... isto em 2017 ! Veja que eu estou citando um local que a priori, as pessoas entram sem filtros de pré julgamentos pois ninguém minimamente trajado é barrado ao tentar entrar em uma Igreja. Não devemos idealizar os EUA pois todos os países tem seus problemas. Vou fazer só 2 comparações entre EUA x Brasil x Portugal. Há racismo no Brasil mas, é muito menos cheio de ranhuras que nos EUA. Portugal tem um sistema social que permite acesso ao conhecimento de forma muito mais democrática que nos EUA, se a família de um jovem não tiver muito $$$ ele nem cogita em ingressar na Universidade, mesmo nas de segunda linha. E eu acredito que só se pode falar em liberdade de pensamento, quando existe a possibilidade das pessoas chegarem às fontes onde o pensamento pode ser formado que em tese, seriam as academias,

      Excluir
    3. Só um adendo. Supremacistas raciais = Nazistas... que são aqueles caras liderados por Adolf Hitler, que foi apoiado e financiado - já que Hitler era pobre - pelo clero, pelos grandes empresários alemães e tolerado por um bom tempo por EUA e Reino Unido, como forma de conter o avanço dos partidos comunistas que a cada eleição aumentava o número de parlamentares por toda a Europa. Portanto... nazismo é subproduto do conservadorismo, da direita, do liberalismo econômico, como queiram... que se viu ameaçado de perder o controle do poder político. Pra finalizar um pouco de raciocínio lógico. Podemos afirmar que... ”Nem todo conservador é nazista, mas todo nazista é conservador” ou de direita, como queiram.

      Excluir
    4. Lembrando q protesto pacífico nazista é um oximoro.

      Excluir
    5. Estava demorando para vir um ignorante passar pano pra nazista, e achar que discurso de ódio é LIBERDADE (Coloca em caixa alta como se fosse algo incrível) de expressão. Preconceituosos vão marchar na rua pedindo a morte de gays, negros, imigrantes e judeus... e o pessoal agredido ou que acha que aquilo é um absurdo vão protestar contra. Isto é óbvio. NÃO EXITE PROTESTO PACÍFICO SE VOCÊ DEFENDE A MORTE DE ALGUÉM. Não importa se o nazismo era de esquerda ou direita na época de Hitler, o que importa é que neo-nazistas ou neo-facistas são de extrema-direita. Fato.

      Excluir
    6. Lemos que políticas de direita o nazismo adotou mesmo?

      Excluir
    7. Ei, Rudimar, vai pentear macaco!

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    8. Quando os argumentos são refutados só resta apelar para ignorância.... já que todos somos primatas e me penteei hoje, posso afirmar que penteei macaco hoje.

      Excluir
    9. Não adianta Fritz, c não vai se livrar do filho feio...é teu..assuma.

      Excluir
    10. Lemos que políticas de direita o nazismo adotou mesmo. Fato isto é.

      Excluir
  8. Alguém pediu um historiador ou jornalista para mostrar porque o nazismo não é de esquerda. Eu podia fazê-lo, mas aí todos os anônimos contra argumentariam (passe o exagero, porque não se trata exatamente de "argumentar") que sou parte interessada no assunto porque sou de esquerda & blá-blá-blá.

    Bueno, deixo cá então uma contribuição outra, a de Michel Gherman, professor da Universidade Hebraica de Jerusalém e coordenador do Centro de Estudos Judaicos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ele dá conta do recado muitíssimo melhor do que eu faria.

    http://internacional.estadao.com.br/blogs/gustavo-chacra/o-nazismo-e-de-extrema-direita-texto-de-michel-gherman/

    E Zé, pare de dar linguiça pra cachorro louco. Esse Eduardo, Jlle. é irrelevante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Eduardo é um case study. Temos que conservá-lo...

      Excluir
    2. Olha o link que o clovis me passa, o do psolista...

      Excluir
  9. E aqui, fala um jornalista - já que sugeriram um historiador ou jornalista, vai um link de cada. E o bacana desse link é que quem desmente a "tese" de que o nazismo era de esquerda é... o próprio Hitler:

    https://paginacinco.blogosfera.uol.com.br/2017/08/16/o-nazismo-era-de-esquerda-trechos-de-minha-luta-o-livro-de-hitler-comprovam-que-nao/

    Aliás, Hitler nunca pertenceu ao Partido Comunista. Nem Mussolini: ele foi filiado ao Partido Socialista Italiano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada como fatos e dados. Impressões e achismos são quase na totalidade das vezes, muitos perigosos. Bons links, elucidam.

      Excluir
    2. Olá Clóvis,
      Este cidadão do página cinco, sequer leu o original, o artigo pinça frases sem expor o contexto descrito no próprio livro. Artigos ruins como este há vários outros aí disponíveis na internet.
      A obra de Hilter faz duras criticas ao comunismo, que na visão do autor é parte que ele diz ser uma espécie de teoria da conspiração semita e seria o seu partido que iria instaurar o verdadeiro socialismo, portanto na cabeça do desvairado ele está combatendo o comunismo não por ser de esquerda, mas por ser de origem semita e portanto contra os interesses da nação alemã.
      Análise as políticas adotadas, exemplo: expropriação, nacionalização, controle de preços entre outras e verás que não há políticas de direita.
      Ai vem o argumento que diz, mas os empresários apoiaram... Então leia a biografia dos empresários e veja que o apoio se deve a alguns fatores entre eles: (1) medo maior dos comunistas que nesta época faziam tanto ou mais votos que os nazistas (2) Medo de ter seu negócio expropriado, quando assumiram, em pouco tempo os nazistas começaram a expropriar empresas, você tinha uma escolha ou fazia parte ou corria o risco de perder seu negócio (3) Obter vantagens, se você fosse membro do partido poderia usufruir das benesses do poder, que era cada vez mais concentrado pelos nazistas.
      Assim como já disse a única coisa que difere o nazismo da esquerda tradicional é o ódio racial que sequer pode ser atribuída à direita e sim a idiotas. Aliás, é sempre este o argumento utilizado para classificar o nazismo o a direita, como se a direita saísse por aí pregando ódio racial.
      Sobre as filiações também tem um artigo publicado no uol, se é que dá para confiar?: http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/almanaque/afinal-o-nazismo-era-de-esquerda-ou-direita.phtml

      Excluir
  10. Hitler não gostava de Marx (ao menos nisso ele era inteligente), mas a-do-ra-va Stalin.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu suponho que você esteja a falar do pacto que a Alemanha nazista assinou com a Rússia stalinista para afirmar que Hitler "a-do-ra-va" Stalin. Menos: antes de assinar o acordo de não agressão com o ditador soviético, Hitler subscreveu o Pacto de Munique, com Inglaterra e França, à época governadas por Chamberalain (um conservador, aliás) e Daladier, respectivamente.

      Isso significa que Hitler gostava dos dois? Tampouco, porque a Alemanha rompeu, um após o outro, todos os acordos firmados nos anos anteriores à guerra.

      Agora, quem gostava mesmo de Hitler eram os Estados Unidos e o Vaticano.

      O primeiro, admirava no ditador alemão sua capacidade de arrancar a Alemanha da crise e "importou" técnicas de eugenia social, amplamente testadas na população americana (estima-se que 100 mil americanos foram esterilizados por conta das políticas eugenistas do período). O Vaticano,por sua vez, achava que Hitler era um "mal menor", e que ele serviria para barrar o avanço dos comunistas, e de quebra colocar os judeus em seu devido lugar - lembremos que Pio XII era um notório anti-semita.

      Aliás, não apenas o Vaticano, mas as principais potências capitalistas do período fizeram vistas grossas ao fato de que Hitler, por exemplo, passou por cima das sanções impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalles, porque entendiam que o nazismo representava um risco menor que o comunismo·

      Evidência disso? Entre outros, Hitler perseguiu sindicatos, partidos e lideranças de esquerda; não acabou nem representava uma ameaça à propriedade privada (muito pelo contrário); aliou-se a grandes empresários e financistas alemães, além de contar com a simpatia algo contrariada de sua aristocracia e, não menos importante, exerceu um papel importantíssima na derrota republicana na Guerra Civil Espanhola, ao apoiar militarmente o General Franco.

      Aliás, Hitler gostava de Franco, um militar conservador, católico e de direita.

      Excluir
    2. Hitler detestava Marx porque ele era judeu, já Stalin era um exemplo a ser seguido na Alemanha (embora o país nazista não fosse agrário e submisso como os soviéticos).
      Mas os judeus não foram perseguidos apenas na Alemanha nazista, na URSS os soviéticos também os perseguiam.
      Franco era fascista, aliás o nazismo é filhote do fascismo. Resta saber de onde veio o fascismo senão de políticas de extrema-esquerda e extrema-direita, ou "terceira-via", como Mussolini dizia.

      Excluir
    3. Obrigado pela aula de história, 14:02. Acabei de rasgar meus diplomas e anunciar a venda de minha biblioteca do Mercado Livre.

      Excluir
    4. "Eu suponho que você esteja a falar do pacto que a Alemanha nazista assinou com a Rússia stalinista para afirmar que Hitler "a-do-ra-va" Stalin. Menos: antes de assinar o acordo de não agressão com o ditador soviético, Hitler subscreveu o Pacto de Munique, com Inglaterra e França, à época governadas por Chamberalain (um conservador, aliás) e Daladier, respectivamente."

      A União das Repúblicas SOCIALISTAS Soviéticas virou RÚSSIA STALINISTA.
      O Stalin virou ditador. Teve algum não ditador na URSS reconhecidamente marxista? é dúvida mesmo...
      O Chamberlain era conservador. Você sabe o que Churchill disse dele, né?
      E vc tb sabe o que era o Daladier, né? não vai explicar para eles não, Clóvis?
      Vc esqueceu de dizer que o Mussolini tb tava nessa treta...
      Última pergunta: os países que o Hitler "ganhou" com a Sentença de Munique ficou para quem ao fim da segunda guerra? os novos "donos" desses países libertaram esses povos?
      se o professor puder responder eu fico bem agradecido...

      Excluir
  11. Acho que esse assunto é bem polêmico mesmo. Da mesma forma que há historiadores que defendem a tese do nazismo ter ideologia de direita, outros tantos defendem que o nazismo apresentava ideologia de esquerda. O holocausto nazista e o Pogrom comunista, reforçam a tese do nazismo ser uma ideologia de esquerda.

    Pré-conceito ou preconceito? :

    "Quem defende a maluqueira de que o nazismo é de esquerda? A turma do ódio. A turma que odeia história. A turma da escola sem partido. A turma que acredita no MBL. A turma que se “informa” pelo Facebook." (Baço)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cara confunde historiador com professor de história seguidor do olavo de carvalho. Sim, pq insistir nessa conversa q nazismo é de esquerda, só pode ser efeito colateral pela exposição continuada aos desvarios do tal astrólogo.

      Excluir
  12. "Quem defende a maluqueira de que o nazismo é de esquerda? A turma do ódio. A turma que odeia história. A turma da escola sem partido. A turma que acredita no MBL. A turma que se “informa” pelo Facebook." (Baço)

    "Nuestros soldados deben ser así, deben odiar, porque un pueblo sin odio no puede triunfar contra un enemigo brutal". (Ernesto Guevara de la Serna)

    "Wir müssen rücksichtslos sein. Wir haben ein gutes Gewissen wieder grausam zu sein."
    Tradução: "Temos de ser cruéis. Temos de recuperar a consciência tranquila para sermos cruéis." (Adolf Hitler)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queres discutir o conceito de ódio? Mas sem clichês. Parece um desafio interessante. Manda aí um texto de tua autoria, com 2.000 toques e terei o maior prazer em debater. O e-mail é aquele que está lá no header. O lado mau é teres que sair do anonimato.

      Excluir
    2. Não confunda "clichê' com "citação", por favor.

      Quanto a minha condição de "anônimo",... obrigado, mas estou bem assim.

      Excluir
    3. Já vens de novo com conceito? Cito Fernando pessoa então " quem pensa sobre luz do sol já começa de parar de sentir a luz do sol".
      Vais que não sente Ódio umas 100 vezes por dia, e 200s a noite.
      Falando assim parece que é tão fácil amar, pois isso exige um esforço sobre humano,pelo menos para mim é muito difícil e nada tão natural quanto o ódio.

      Excluir
    4. Não sendo eu um especialista em Pessoa (longe disso), não acredito que ele tenha escrito isso. Pessoa escrevia melhor, tanto em termos formais quanto de conteúdo.

      Excluir
    5. Estais certo, fiz uma citação rápida de cabeça sobre uma referencia sobre o Guardador de rebanhos no poema "há metafisica bastante em não pensar em nada" de Fernando Pessoa sobre heterônimo de Alberto Caeiro ,sendo a citação correta;
      " Quem está ao sol e fecha os olhos,
      Começa a não saber o que é o sol
      E a pensar muitas cousas cheias de calor.
      Mas abre os olhos e vê o sol,
      E já não pode pensar em nada,
      Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
      De todos os filósofos e de todos os poetas.
      A luz do sol não sabe o que faz
      E por isso não erra e é comum e boa. "

      Mas o que vale um conceito de ódio?pois este conceito é como essa pessoa que esta sobre o sol e fecha os olhos como não sentisse ódio, e começa moralizar como sendo a pessoa mais santa do mundo, criando sua metafisica barata ,e politicamente correta.

      Excluir
  13. Segue link do parlamento alemão afirmando que o governo de Hitler era de DIREITA.

    http://www.bundestag.de/en/parliament/history/parliamentarism/third_reich/third_reich/200358

    "The National Socialist German Workers’ Party (NSDAP) and the German National People’s Party (DNVP) won 43.9% and 8% of the vote respectively, and so together they formed a right-wing government."

    Se você acha que o parlamento alemão escreveu errado ali, peça a cidadania alemão ou se tiver use-a e obrigue eles a mudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "history" = fake

      Excluir
    2. Fato inconteste, realmente o parlamento alemão publicou este e pelo menos mais um artigo classificando o partido Nazista como de Direita.

      Excluir
    3. Não existe uma verdade mais irrelevante e mequetrefe que a tentativa de enquadramento do nazismo dentro do espectro político qual for. O pessoal das humanas se leva muito a sério com suas teorias de cabine. Se nas ciências duras já há muitas contradições e paradigmas, imagina numa ciência que esta de braços dados com a subjetividade da condição humana, misturado com as paixões politicas?
      Um historiador ou que for que tenta fazer isso já depõe contra sí, só por tal ato. O interessante é só o que Freud explicaria sobre a motivação, do real motivo da necessidade humana de qualificar este acontecimento dentro de uma crença religiosa politica.

      Excluir
    4. Freud explicaria. Até porque a psicanálise é um ciência exata.

      Excluir
    5. Sim psicanalise não é um ciência exata, muito seria se fosse até um ciência no sentido de Karl Popper. Mas uma analise psicológica das motivações da esquerda e direita em tentar enquadrar politicamente o Nazismo seria como disse mais "INTERESSANTE", não disse mais verdadeiro , por que é patético tudo isso.

      Excluir
  14. Só quem já deu o cú diria que o nazismo se confunde com o comunismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, não tem acento, mas fica perto do assento, daí a confusão, talvez... Ronaldo Aidos/Joinville

      Excluir
    2. É como o povo diz: "cu não tem acento, mas assento tem cu".

      Excluir
  15. Dobre o atentado em Barcelona, grupos gritavam "España cristiana y no musulmana" (e é mentira?) eram chamados pela fake news de extrema-direita, já os que contestavam eram os Antifas - contração de antifascistas (?) - e não extrema-esquerda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antifas são os caras de extrema esquerda que são contra a violência, mas não fogem o pau.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem