quarta-feira, 10 de junho de 2020

Não há patrimonio cultural que sobreviva a tanto descaso



POR JORDI CASTAN

A lenta, constante e implacável destruição da cultura.
Joinville está sendo governada por um descendente direto de Átila. Aquele que não deixou pedra sobre pedra quando invadiu Roma. Parece ser o mesmo que extinguiu a Fundação Cultural e tirou
assim a autonomia da cultura e a submeteu a secretaria da Administração. Essa visão míope da cultura vai custar muito caro. Já está custando.
Como avaliar a destruição do Patrimônio Cultural, a renúncia as origens, ao que fomos e somos, mas principalmente aquilo que define o que seremos? A cultura em Joinville deixou de estar ameaçada para estar em perigo de extinção. Desceu um degrau no caminho inexorável rumo a sua destruição. Se destrói a cultura quando se deixa de valorizar, quando se deixa de apoiar ou quando de forma sistemática se recorta o seu orçamento, se descaracteriza seu patrimônio ou simplesmente se deixa de proteger para que possa ser arrasado. Vivemos um blitzkrieg contra tudo o que tem cheiro, forma ou que lembra vagamente a cultura. Se confunde a cultura por entretenimento e por isso que a Cidadela Cultural Antarctica desmorona um pouco mais a cada dia e mais e mais áreas estão hoje interditadas. É por isso que se autoriza a construção de uma excrescência arquitetônica como anexo ao Museu Nacional de Imigração. Os técnicos alegam que o monstrengo foi aprovado pelo IPHAN e que como fica nos fundos do museu, não será visto desde a rua.
Assim, aos poucos, mas implacavelmente, a cultura se destrói. As referências históricas são arrasadas e substituídas pela mediocridade, por essa mediania definida pelos que consideram que preservar é um custo e que nada melhor que demolir tudo e construir esses anexos esquisitos, projetados num estilo arquitetônico indefinido, a meio caminho entre o pavoroso e o horroroso.
Os defensores do engendro arquitetônico alegam que gosto não se discute e nisso estamos de acordo. Gosto não. Mas estamos discutindo mau gosto e nisso não há dúvidas. É um projeto que jamais deveria ter sido aprovado. Alias será que o Conselho Municipal de Cultura foi ouvido? E a Associação Amigos do Museu? Lembrei que os que não concordam não são ouvidos. Assim fica mais fácil seguir destruindo o patrimônio cultural e paisagístico de Joinville.

Um comentário:

  1. Corroboro com você Jordi!

    A destruição de Joinville é total. Nossa cidade nunca foi tão abandonada... A situação é gravíssima.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem