terça-feira, 1 de setembro de 2015

O velho e conhecido “negacionismo”


POR FELIPE CARDOSO

Recentemente, foi publicado em vários veículos de comunicação e acabou viralizando na internet a notícia de que o neurocientista americano Carl Hart foi barrado por seguranças em um hotel de São Paulo, na noite de sexta-feira.

Em um vídeo publicado nesse sábado no site "Fluxo", Hart negou ter sido barrado. O neurocientista afirmou que, depois de chegar ao hotel, foi abordado por organizadores do evento em que palestraria. Os organizadores pediram desculpas a ele, porque, quando entrou no hotel, um segurança teria se aproximado para abordá-lo por “não parecer alguém que devia estar ali”.

“Não vi nada disso, mas a reportagem sobre o episódio viralizou e muitas pessoas vieram me pedir desculpas pela internet por causa do ‘comportamento dos brasileiros’”, afirma Hart.

Mesmo que o palestrante tenha questionado e apontado um grande racismo existente no Brasil, inclusive no local em que estava palestrando, parece que a confirmação de que o ato racista não aconteceu ganhou mais destaque. Acabou dando brecha para que os que não se importavam com a pauta da questão racial liberassem e destilassem mais ódio e encorajou mais racistas a praticarem mais atos. Mas, pior que isso tudo, deu mais espaço para que o velho e conhecido “negacionismo” brasileiro voltasse à tona.

“Viu só? Não somos racistas. Isso é coisa da cabeça das pessoas. Vamos continuar mantendo e propagando o racismo.”

Analisado de outra forma, podemos perceber, por meio do ocorrido, a maneira com que nós brasileiros enxergamos o racismo, achando que ele só acontece por meio da discriminação, de pessoa para pessoa. Não conseguimos observar que é um problema estrutural, cultural, social, político e econômico que está enraizado em nosso país. Como Hart afirma, “o racismo estrutural brasileiro não recebe qualquer destaque, nem indignação pública, quando dirigido a pessoas sem o destaque ou a posição que ele ocupa”.

Não precisamos de campanhas como #SomotodosMaju quando casos de discriminação atingem pessoas negras em destaque ou com uma posição financeira e profissional "superior" dos demais negros. Precisamos, de fato, ir na raiz do problema para conseguir acabar de vez com o racismo, para que todos os negros e negras não sofram mais com as opressões e as humilhações.

O problema brasileiro é o racismo, que foi construído e propagado há séculos. Para superá-lo, precisamos afirmar que ele existe e, assim, juntarmos força para combater e eliminá-lo.

Não é negando um problema que vamos escapar dele. É preciso coragem para encarar e superá-lo.

Para encerrar, devemos seguir o conselho do neurocientista Carl Hart:

“Por fim, o Brasil tem problema sério de discriminação racial. A indignação demonstrada neste momento deveria ser demonstrada também em relação ao tratamento dado a negros neste país. Precisamos apoiar quem vive à margem da sociedade e usar esta energia (de indignação) para algo bom.”

10 comentários:

  1. Quando gravava um filme na Itália, um renomado cantor brasileiro, negro, contou que foi brutalmente discriminado naquele país. O jornalista perguntou como ocorrera a discriminação racista contra o cantor. O mesmo respondeu que muitos mendigos (que furtam, espancam, causam problemas) costumavam levar seus pertences em carrinhos de supermercados ou de bebês. Pois bem, certo momento, o citado famoso cantor brasileiro estava a observar os instrumentos musicais em uma vitrine acompanhado de seu filho bebê num carrinho. Ao tentar entrar o vendedor prontamente disse que o carrinho não poderia atravessar a porta antes de perceber a criança em seu interior.

    Contanto essa história, de forma superficial, poderíamos julgar o vendedor por racista, mas na verdade ele foi simplesmente preconceituoso. Tanto quanto eu, você ou qualquer um é.

    Vestimenta, adornos e trejeitos um pouco diferentes já abrem caminho para o preconceito. Apontar o dedo e identificar qualquer ato preconceituoso como racista, só diminui a importância do julgamento.

    Eduardo, Jlle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preconceito todos nós temos, sempre julgamos algo ou alguém na nossa cabeça. A partir do momento que falamos passa a ser discriminação. E o racismo, se você leu o texto, falo que é um problema estrutural, social, político, cultural e econômico, em que uma raça se intitula superior as outras. E no mundo em que vivemos percebemos que raça se sobrepõe a outras por meio dos detentores dos meios de produção, comunicação, educação, política... São, em sua maioria, homens e brancos.

      Por isso digo que a visão do brasileiro de racismo é errada ao achar que acontece apenas de pessoa para pessoa, com casos de discriminação. Envolve muito mais. Envolve as desigualdades sociais, as maiores vítimas de crimes e chacinas, a maioria pobre, a maioria nos presídios, a maioria sem moradia, a maioria privada de direitos, os que têm e os que não têm, os representantes e os representados, os poderosos e os oprimidos. A cor deles demonstra o racismo. Basta uma pesquisa rápida para perceber isso.

      O racismo é profundo e pode sim ser visto em pequenas ações discriminatórias, como esse fato relatado pelo cantor brasileiro, por mais que você queira negar, foi um caso de discriminação/exclusão, oculto com a velha desculpa de "segurança", como os casos dos rolezinhos, como os vários casos de perseguição de seguranças a clientes negros nas lojas, como os casos de revista feita por vendedores em clientes negros... Dentre tantos outros casos que podemos relatar aqui, mas você vai comprovar a veracidade do meu texto negando tudo isso. "Não, não, não e não". O velho e conhecido "negacionismo".

      Excluir
    2. “Raças” humanas. Termo muito perigoso. Seriam raças como têm os caninos, felinos, bovinos?

      Hitler afirmava a existência de uma raça ariana superior. Ele estava correto quanto a divisão da população humana em raças?

      Eduardo, Jlle

      Excluir
    3. "Raças" no sentido sociológico. Entendendo que o conceito "raça" pode organizar a vida social das pessoas, sendo responsável pela criação e manutenção de um sistema de desigualdade social, por exemplo. Enfim, talvez se você tiver um pouco de boa vontade talvez entenda. O que acho muito difícil.

      Excluir
    4. "Enfim, talvez se você tiver um pouco de boa vontade talvez entenda." Sério Felipe? Sério MESMO? Você pedindo boa vontade pra entender? Morro eu não vejo tudo...

      Excluir
    5. "raças no sentido sociológico", pq ainda perco meu tempo...

      Excluir
  2. Parei no POR FELIPE CARDOSO.

    ResponderExcluir
  3. Não entendo, a coisa que a Globo mais difunde é como é bom ser preto e morar na favela. Um dia eu chego lá...

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem