quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Obras na São Paulo: até quando?


POR FAHYA KURY CASSINS
As obras começaram em janeiro e causaram uma grande surpresa. As obras na rua São Paulo iniciaram com destruição, o asfalto foi retirado e, inicialmente, era só uma troca de tubulação – por toda a via. O transtorno enfrentado não era pouco, com cruzamentos fechados, ruas interditadas. Depois, para nossa maior surpresa, as calçadas foram arrebentadas, todas. Estamos em setembro: nada ainda das obras acabarem.

A promessa era meio do ano, e no mês passado, na TV, prorrogaram para setembro. A desculpa do atraso foi o excesso de chuva – e agora estamos há três meses numa das piores estiagens de todos os tempos. As calçadas da São Paulo eram das melhores da cidade, hoje estão em parte cimentadas e em parte esburacadas. Os pontos de ônibus, daqueles de tijolo à vista, confortáveis, grandes e protegidos da chuva, eram, também, os melhores – e foram todos retirados.

Há meses a rua está entregue ao caos. O movimento diminuiu muito, é possível atravessá-la de carro ou a pé com facilidade – as pessoas preferiram mudar o trajeto. Sobre os motivos reais dos atrasos, qualquer frequentador pôde observar que as esquinas só neste mês estão sendo feitas. Os meios-fios de paralelepípedos foram arrancados e substituídos por meios-fios de concreto (em alguns pontos ficam abaixo do nível da rua). Contudo, quando estes chegaram vieram os arredondados para as esquinas. A maioria das esquinas permanece abandonada.

Além, é claro, do impasse junto aos servidores que hoje fazem uma paralisação em frente à Prefeitura por, dentre tantas razões, falta de equipamentos de segurança nas obras. O caso se arrasta faz tempo, já denunciado em jornais e justificado pelos secretários e vereadores. Sabe como é, o equipamento é barato, mas tem que fazer licitação, o povo não entende que isso demora e tal. Mas nada esconde o fato de que os equipamentos recebidos eram de baixa qualidade e colocaram em risco os trabalhadores, além, é claro, da total falta de planejamento. As obras da cidade paradas (do rio Mathias, etc.) porque falta equipamento básico para os trabalhadores.

Esses dias encontrei uma mulher na emergência de uma clínica de ortopedia porque tinha caído nos buracos das calçadas em obras da São Paulo. Eu já tive um pneu da bicicleta furado ali – e defendo o uso compartilhado das calçadas. Cansei de ver as pessoas em pé esperando o ônibus. E imagino que vai demorar para colocarem os pontos, porque serão estes novos, com vidro, que já foram instalados em algumas outras ruas.

Sobre os pontos de ônibus: licitação de 2015, só agora estão sendo instalados e por uma empresa terceirizada – só ela poderá fazer qualquer manutenção e alteração neles. E dá-lhe atrasos. Sobre a calçada: cimento. Apenas isso, precisa dizer mais? Precisa falar em impermeabilização do solo numa cidade que sofre enchentes? Canteiros num lugar ou outro onde existia e bateram o pé para mantê-los. Nem o malfadado paver (que, na teoria, era uma boa). Nenhum projeto paisagístico, obviamente.
Nove meses para fazer uma obra mal elaborada, mal sinalizada, que ainda não mostrou os benefícios esperados. Quem sabe façam ali uma calçada compartilhada, mas espero que lembrem dos rebaixamentos, pois a região tinha em todas as esquinas.
Esperaremos até quando? Até as próximas chuvas?


20 comentários:

  1. nem me fala. pago todo dia, é caminho para o trabalho. também vou de bike. ainda não sofri nada, mas só o poeirão e a buraqueira pior que trilha da garganta do diabo já dão um desânimo.... muito bom o texto, como sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. E está parada, hoje voltou a chover, quem saber será a próxima desculpa.
      Obrigada, Vanessa!

      Excluir
  2. Infelizmente a situação dessa obra é demorada ... O pior é que o governo não investe na infraestrutura das ruas, não asfalta .. Não era só falta de gestão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não investe, não planeja, não é ágil... Falta tanta coisa, além da tal gestão, é claro!

      Excluir
  3. O transtorno na São Paulo não é nada se comparada a da rua Piratuba. Também está há séculos em obras e não termina nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Domingos. Mas a São Paulo é importante corredor Sul-centro, agora que a Procópio e Beira-rio foram detonadas pelas obras de "mobilidade". E a gente espera...

      Excluir
    2. Eu diria que as duas quase se equivalem, uma liga norte-sul e a outra norte-Leste. Mas ontem saiu noticia de que a obra nao tem mais previsão para acabar. Tá feia a coisa. Enquanto isso a licitação de "tartarugas" nunca falha e colocaram umas aqui na frente de um CEI que tirou a passagem das bicicletas. Tá difícil...

      Excluir
    3. Sem previsão e trabalhadores em greve. Eles avisaram, estava impossível continuar.

      Excluir
  4. Joinville, foi entregue fanfarrão, esqueceu que povo elegeu para fazer obras de qualidade e administrar, gerenciar mazelas mais o que pior, os caos aumentando, o mito não passou de marketing politico e teremos que aturar mais 03 anos, e longos, pior prefeito que se tem qualquer parte de alguma cidade do sul, jeito e ficar calado esperar obra piorar, melhor que esta não fica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, caímos no marketing. Serão três longos anos dos quais a cidade sairá aos cacos. Aí aparecerá o próximo salvador, no qual acreditaremos de novo. Certeza que é a pior cidade (acima de 200, 300 mil habitantes) do Sul do país.

      Excluir
  5. Cidade das flores, da dança não existe mais, o que existe interesse privado em ganhar pra refazer pior do estava antes, o povo votou errado, nem melhor ganha, esta resultado em toda cidade não somente neste lugares que artigo cita, bem empresário entraram com dinheiro na campanha e estão aclamando pelo retorno, e povo entrou com ilusão, parada de ônibus duram meses, e essas que foram destruídas estava décadas, e assim vamos indo mais erros do que acerto, começa obra depois lembra que projeto esta incompleto e fica como esta essa obras, ai do registro e assim arrumam desculpa qualquer dizer ou justificar, o injustificados, lembrando que algumas pessoas pagaram com bem maior a sua Vida, por causa de mazelas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cidade inteira está sofrendo e abandonada. Obrigada pela leitura.

      Excluir
  6. Sobre os abrigos de ônibus, é revoltante, pois os anteriores feitos baseados na arquitetura enxaimel duram décadas com pouca manutenção além de serem grandes e terem iluminação. Agora esses menores são horríveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Revoltante mesmo, Diego. E nem avisaram, mostraram projeto, nada. Simplesmente destruíram tudo. Para nos deixar em pé, na chuva e no sol. Mas alguém ganhou com isso...

      Excluir
  7. Este seguramente não é o melhor prefeito que já tivemos, mas, também não é o pior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É com certeza o pior, é um dos únicos que não tiveram oposição praticamente e conta com o apoio da ACIJ e da imprensa. Com tudo isso e ainda não consegue governar?

      Excluir
    2. Qual seria o pior? A julgar pelas promessas de excelente administrador e competente gestor, enquanto a cidade está abandonada e não consegue sequer realizar uma obra...

      Excluir
  8. Vamos lembrar novamente. Este governo é formado pelo grupo e tem também o apoio daqueles que mandam na cidade há 160 anos e governaram quase neste tempo todo. Não fizeram nada nos primeiros 4 anos e foram legitimados pelo povo ordeiro a mais 4. Continuam não fazendo nada, acredito que está pior ainda.
    A cidade está um caos, para tudo que é lado obras inacabadas e 2 ou 3 operários trabalhando (quando têm). Buracos nem se fala mais.
    Por MUITO menos, MUITO pouco menos, o Carlito foi execrado pelo povo ordeiro e pela mídia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis um ponto importante, Sérgio. Hoje estão todos calados. É revoltante e até ultrajante para uma cidade do tamanho de Joinville que meia dúzia manda e desmanda até nas informações e na voz do povo.

      Excluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem